Relatório I Fórum sobre Competência em Informação Rio de Janeiro 2015

540 visualizações

Publicada em

Relatório I Fórum sobre Competência em Informação Rio de Janeiro 2015.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
540
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório I Fórum sobre Competência em Informação Rio de Janeiro 2015

  1. 1. RELATÓRIO DO I FÓRUM SOBRE COMPETÊNCIA EM INFORMAÇÃO: PESQUISAS E PRÁTICAS NO RIO DE JANEIRO Rio de Janeiro, 5 de maio de 2015 Relatores: Juliana Moraes, Mariana Acorse e Laiza Lima Coordenação: Daniela Spudeit e Marianna Zattar O Fórum sobre Competência em Informação: pesquisas e práticas no Rio de Janeiro foi organizado pelo Curso de Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pela Escola de Biblioteconomia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e teve como objetivo principal proporcionar um espaço para socializar experiências, resultados de pesquisas e estudos visando aprimorar a prática profissional dos bibliotecários do estado do Rio de Janeiro no que tange as atividades e processos que envolvem a Competência em Informação. O público-alvo foi composto por profissionais do campo de estudos e atividades da informação tais como pesquisadores, bibliotecários, professores, estudantes, auxiliares de bibliotecas e outros profissionais atuantes em bibliotecas escolares, públicas, universitárias, especializadas, empresariais, comunitárias e outros tipos de unidades de informação. A ideia do evento surgiu a partir de uma necessidade verificada pelas professoras Marianna Zattar (UFRJ) e Daniela Spudeit (UNIRIO) que pesquisam, orientam e ministram disciplinas voltadas para a Competência em Informação nos cursos de graduação em Biblioteconomia na cidade do Rio de Janeiro. Além das duas professoras, a comissão organizadora foi formada por 18 alunos voluntários que são estudantes dos cursos. A primeira edição ocorreu em 5 de maio de 2015, no Auditório Moniz Galvão no Palácio Gustavo Capanema, no Centro da cidade do Rio de Janeiro e teve o fluxo de cerca de 130 pessoas no total como participantes, dos quais 97 eram ouvintes, 12 eram palestrantes e 20 eram organizadores. Às dez horas ocorreu a abertura do evento com os cerimonialistas Solange Balbino e Victor Rosa apresentando as coordenadoras do evento, professoras Daniela Spudeit e Marianna Zattar.A mesa de abertura foi composta pelas professoras Simone da Rocha Weitzel (diretora da Escola de
  2. 2. Biblioteconomia da UNIRIO), Nadir Alves Ferreira (Coordenadora do curso de Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação da UFRJ, Mariana Zattar (UFRJ) e Daniela Spudeit, professora (UNIRIO). Às dez horas e quinze minutos a professora Simone da Rocha Weitzel deu início falando sobre a oportunidade de parceria entre UNIRIO e UFRJ, no qual ressaltou que é de responsabilidade das universidades a construção do conhecimento. Segundo ela, este evento tem a proposta de pensar na aplicação da construção do conhecimento. A professora destacou o curso de a licenciatura, ressaltando o papel na escola básica e no desenvolvimento da sociedade. A professora Nadir Alves Ferreira agradeceu o convite e falou sobre o valor agregado ao curso de Biblioteconomia e Gestão de Unidades de informação da UFRJ que tem uma disciplina Competência em Informação desde a origem do curso. Daniela Spudeit cumprimentou às integrantes da mesa, agradeceu aos palestrantes por aceitarem o convite e a todos pela participação no evento. Destacou que a motivação para realização deste evento foi promover um momento de socialização, não só das pesquisas, mas também das práticas. Com relação ao conceito, Daniela abordou que a competência envolve um conjunto de atitudes, conhecimentos e habilidades baseados na aprendizagem contínua e salientou a importância dos quatro pilares que Jacques Delors destacou no relatório da UNESCO para a educação do século XXI ser pautada: aprender a conhecer; aprender a fazer; aprender a ser e aprender a conviver, relacionando à competência em informação e o papel dos bibliotecários e professores neste processo e a importância de formar cidadãos com consciência crítica. Marianna Zattar expôs sua alegria de estar com todos reunidos para este evento, aumentando a possibilidade de aprendizagem, troca de conhecimento e compartilhamento de informação e colaboração. Agradeceu aos presentes em especial a aceitação dos palestrantes, a casa que acolheu, a Daniela pela parceria.“Que a gente siga dessa forma na aprendizagem contínua do aprender a aprender”. Encerrando assim a mesa de abertura. Na sequência deu-se a composição da primeira mesa com o Professor Doutor Antonio José Barbosa de Oliveira sobre o tema “A competência em Informação e a democracia”. Antonio é graduado em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, especialista em História do Brasil pela Faculdade de Formação de Professores da UERJ, mestre em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, doutor em Memória Social pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e atua como professor do Curso de Biblioteconomia e Gestão de Unidades
  3. 3. de Informação da UFRJ. O professor abordou aspectos relacionados à compreensão e ao uso da informação contida em diversos suportes, o modo de desenvolver o conhecimento. Alertou sobre a importância da compreensão da informação para o uso de tecnologias, a importância do conjunto de capacidades de processamentos de informações que poderão ser usados no cotidiano. E abordou o conjunto integrado de habilidades e valores que estão ligados a busca, ao acesso, a organização, ao uso e apresentação da informação na resolução de problema utilizando o pensamento crítico. Apontou a relação complexa que exige uma participação múltipla de atores neste desenvolvimento e necessidade de criação de um conhecimento que seja transdisciplinar. Enfatizou o uso da informação como potencializadora da construção prática e cidadã, a necessidade de transformar a biblioteca em sala de aula e sala de aula em biblioteca, tendo a noção de que todo conteúdo informacional e ideológico para promover o direito de acesso à informação.Tratou da Lei de Acesso à Informação e seu conceito, da construção de democracia relacionando-a às manifestações, da educação libertadora. Finalizou a palestra provocando a reflexão sobre o papel do bibliotecário e a biblioteca como uma instituição educadora A segunda mesa foi presidida pelo Professor Doutor Gustavo Henrique de Araújo Freire sobre o tema: “A competência em informação na perspectiva científica: uma reflexão”. Gustavo é graduado em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, possui mestrado e doutorado em Ciência da Informação pelo Instituto Brasileira de Informação em Ciência e Tecnologia em convênio com a Universidade Federal do Rio de Janeiro e professor associado do curso de Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação e do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação também pela Universidade Federal da Paraíba.Iniciou sua fala contextualizando a sociedade atual, denominada hoje como sociedade da informação, sociedade do conhecimento, sociedade esta que tem na informação do conhecimento as suas bases. Apresentou alguns conceitos de Competência em Informação da American Library Association (ALA), propôs reflexões sobre Competência Informacional e a quantidade de nomenclaturas que envolvem a competência em informação. Afirmou que a competência em informação constitui uma extensão ou evolução das iniciativas de educação de usuários e que as competências trazem de novo é a forma de busca e recuperação, o contexto em que essas informações são utilizadas e são transformadas em conhecimento. Alertou que os procedimentos de busca da informação dos indivíduos são diferentes, em tempos diferentes, com propósitos diferentes. Indicou que cada vez mais os eventos e artefatos produzidos pelos seres humanos estão relacionados à informação, exigindo um retreinamento de
  4. 4. toda a população. Ou seja, no mar de informação, a grande arma que temos no campo de ensino é ensinar e ter a capacidade de filtrar a informação para o seu usuário. Para ele o bibliotecário dá habilidades para que o usuário possa saber quais as fontes de informação, as melhores fontes e como filtrá-la, orientando-o a manusear os recursos informacionais para que ele se sinta inserido na sociedade. Assim, abordou também a multiplicidade dos caminhos de acesso às fontes em resposta às mais variadas necessidades de informação dos indivíduos e a importância do uso do Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) por alunos e professores. E tratou dos elementos fundamentais para desenvolver competências: educacional (envolve sistemas de aprendizagem voltados para ações de capacitação) e contextual (depende dos objetivos envelhecidos no desenvolvimento de competências em informação, sejam científicos ou práticos). Além de explicar que os treinamentos são oferecidos de acordo com demandas específicas, diferentemente do ensino tradicional. Citou as atividades relacionadas aos 7 pilares da competência em informação e finalizou a palestra refletindo sobre a falta de consenso no Brasil sobre o termo “competência em informação Ao término das duas palestras do turno da manhã foi aberto ao debate para o público e, após, às doze horas e vinte e cinco minutos foi indicado o intervalo e o encerramento das atividades da manhã Na programação vespertina a mesa redonda “A formação do leitor/pesquisador, mediação e recursos informacionais: interfaces da competência em informação” teve início às treze horas e trinta e cinco minutos com: a Professora Doutora Vera Lucia Alves Breglia como mediadora, o Professor Doutor Alberto Calil Junior, a Professora Mestre Lucia Fidalgo e a Professora Doutora Nysia Oliveira de Sá. Lucia Fidalgo é mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e é professora no Curso de Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação da UFRJ e em sua apresentação levantou a questão: Será que nós temos competência para sermos leitores?De acordo com ela todos são mediados para aprender a ler, para aprender a andar, a falar, a mediação é a ponte que uni os dois elos. Questionou também se temos competência para olhar esse mundo que nos cerca? E lembrou que a primeira formação como leitor é essa, olhar o mundo em volta, porque o mundo nos lê e nós também lemos esse mundo e evidenciou a sua preocupação com o excesso de informação que circula. Indagou sobre o que é preciso para ser um bom mediador? E se somos capacitados ao longo da trajetória universitária? Explicou que mediar é seduzir, o papel do
  5. 5. bibliotecário mediador é ajudar o outro a olhar aquilo que só nós podemos ver, para mediar é preciso paciência, não se forma leitor da noite para o dia. Alberto Calil Junior é graduado em Biblioteconomia e Documentação pela Universidade Federal Fluminense, (UFF), tem mestrado e doutorado em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UFRJ) e é professor Adjunto do Departamento de Estudos e Processos Biblioteconômicos da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e coordenador do Mestrado Profissional em Biblioteconomia na mesma instituição. Alberto apontou problemas para ajudar a pensar sobre as possíveis verdades, pois elas são construídas socialmente e conjunturalmente. Questionou o espaço da biblioteca um lócus da construção e refletiu sobre questões relacionadas aos processos de construção. Alertou que os campos do saber e as práticas dos profissionais ligados às bibliotecas se constroem através de um conjunto de diálogos com outros campos do saber e com outros modos de fazer. Questionou quais os diálogos que a biblioteconomia enquanto campo do saber vem estabelecendo? Apresentou uma análise dos currículos dos cursos de Biblioteconomia como prática social e como processo sócio histórico. E alertou que no que se refere à formação do bibliotecário, os diálogos nos campos da educação e cultura vêm sido esquecidos. Apresentou também uma pesquisa sobre o uso de mídias sociais nas bibliotecas e indicou que as bibliotecas universitárias e públicas vêm utilizando essas mídias como mural de informação, do que como espaço de construção de diálogo. Nysia Oliveira de Sá é professora do Curso de Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação da UFRJ, mestre em Memória Social e Documento pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, doutora em Políticas Públicas e Formação Humana pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). A professora pautou sua fala em torno do tema: “Nem tudo que cai na rede é peixe: o critério da credibilidade”, onde abordou as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) e a geração Y, indicando a habilidade para realizar diferentes atividades de forma concomitante; a comunicação digital como papel fundamental na formação e compreensão da realidade; como o contexto sociocultural atual interfere nas mudanças comportamentais. Alertou sobre a credibilidade das fontes, apresentou o conceito e critérios de credibilidade e que devemos pensar nas formas em que procuramos a informação.E concluiu mostrando a importância de desenvolver pesquisas para entender como as pessoas fazem julgamento sobre a credibilidade; de aprofundar pesquisas sobre as heurísticas; de compreender as motivações dos usuários e de ampliar o número de pessoas competentes em informação.
  6. 6. A mesa redonda encerrou às quinze horas e cinco minutos após o debate mediado pela professora Vera Breglia. Na sequência, foi organizada a segunda mesa redonda do dia sobre práticas e experiências que envolvem atividades e programas voltados para a formação de competências informacionais em diversos ambientes e espaços de atuação do bibliotecário. A mesa foi dividida em duas partes uma para relato de pesquisas e outra para relato de experiências. Para tratar sobre as pesquisas em Competência em Informação foram convidados os bibliotecários Daniele da Fonseca, Dempsey de Lima Bragante e Geise Ribeiro da Silva. Daniele cursa o mestrado profissional em Biblioteconomia na UNIRIO sob a orientação do Professor Doutor Alberto Calil Junior e é bibliotecária na UFRJ. Em sua fala apresentou os resultados parciais de sua pesquisa de mestrado que trata sobre os programas de promoção à competência em informação em bibliotecas de pós-graduação em engenharia. Dempsey cursa o mestrado profissional em Biblioteconomia na UNIRIO sob a orientação do Professor Doutor Alberto Calil Junior e é bibliotecário na UFF. Ele apresentou sua pesquisa desenvolvida no mestrado em andamento sobre as ações realizadas na biblioteca da UFF que envolvem práticas de Competência em Informação e falou da elaboração de tutoriais como instrumento de desenvolvimento da competência informacional dos discentes, do papel do bibliotecário universitário no desenvolvimento das competências do graduando na fase de elaboração do trabalho de conclusão de curso e as ferramentas disponibilizadas pela Web 2.0 que podem ser usadas para desenvolver a competência informacional. Geise é graduada em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS) e apresentou sua pesquisa realizada como trabalho de conclusão de curso orientada pela Professora Doutora Sonia Caregnato. Na pesquisa ela discorreu sobre information literacy e desenvolveu uma análise bibliométrica e de conteúdo em artigos científicos empíricos da Austrália, Canadá, Estados Unidos e Inglaterra publicados no período de 2000 a 2013. Para tratar sobre as práticas em Competência em Informação foram convidadas as bibliotecárias Maria Isabel Cabral da Franca, Ana Carolina Costa de Carvalho Petrone, Cássia Costa Rocha Daniel de Deus e Tatyanne Valdez. Maria Isabel é bibliotecária aposentada e foi responsável pela elaboração do Programa de Competência em Informação no ambiente empresarial desenvolvido na Petrobras Transporte S.A. O programa envolve cursos de educação à distância, treinamentos presenciais, palestras e
  7. 7. teleconferências para mais de mil funcionários onde são desenvolvidas habilidades para uso da informação na empresa. Ana Carolina é bibliotecária na UNIRIO e apresentou as atividades que organiza e desenvolve na Biblioteca Central da universidade em que atua para o treinamento e capacitação da comunidade acadêmica da universidade. Cássia é bibliotecária na Biblioteca Central do Centro de Ciências da Saúde (CCS) da UFRJ e desenvolve atividades de Competência em Informação para comunidade acadêmica, usuários externos, alunos de graduação e pós-graduação, docentes e técnicos. Tatyanne é bibliotecária no Colégio de Aplicação da UFRJ e apresentou as ações educativas e culturais realizadas nessa biblioteca por meio de projetos como a Semana da Biblioteca e a Ciranda Literária, onde se busca promover o espaço da biblioteca afeto e dinamizar a leitura. Após a mesa redonda sobre relatos de pesquisas e experiências, foi aberto ao público para questionamentos. O evento finalizou às dezessete horas e trinta minutos quando as professoras Daniela e Marianna agradeceram a participação de todos os bibliotecários, alunos, profissionais e professores que participaram da programação do evento, seja como ouvinte ou como palestrante, relatando suas percepções, inquietações, pesquisas e práticas socializando suas aprendizagens para a construção de competências em informação. Relatores: Juliana Moraes, Mariana Acorse e Laiza Lima Coordenação: Daniela Spudeit e Marianna Zattar Rio de Janeiro, 05 de maio de 2015.

×