Criserepolig

467 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
467
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
49
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Criserepolig

  1. 1. Governos de Delfim Moreira e Epitácio Pessoa <ul><li>Em 1918 o pacto café-com-leite elege Rodrigues Alves novamente mas este acaba não tomando posse, vitimado pela epidemia de gripe espanhola. Seu vice, Delfim Moreira, obedecendo à Constituição marca novas eleições, governando por apenas 7 meses. É eleito o paraibano Epitácio Pessoa. </li></ul>
  2. 2. Governo Epitácio Pessoa (1918-1922) <ul><li>O superávit da balança comercial obtido com a primeira guerra termina em 1920 com a retomada da produção pelos países envolvidos no conflito. </li></ul><ul><li>Há um aumento da inflação com várias greves e descontentamento generalizado. </li></ul>
  3. 3. O Centenário da Independência
  4. 4. Novas obras na Cidade
  5. 5. Festa oficial
  6. 6. Descontentamento Popular
  7. 7. Os críticos <ul><li>LIMA BARRETO </li></ul><ul><li>Os Bruzundangas </li></ul><ul><li>Triste fim de Policarpo Quaresma </li></ul><ul><li>O Homem que sabia Javanês </li></ul>
  8. 8. Intelectuais
  9. 9. Sucessão de Epitácio Pessoa As eleições são marcadas por nova cisão oligárquica, disputando Arthur Bernardes, candidato do café-com-leite contra Nilo Peçanha, apoiado por Rio de Janeiro, Bahia e Rio Grande do Sul e Pernambuco. É a chamada “Reação Republicana”.
  10. 10. Sucessão de Epitácio Pessoa A “Reação Republicana”, apesar de não contar com um programa reformista sólido, consegue apoio no centros urbanos, além do apoio de jovens militares, descontentes com os baixos soldos e péssimas condições de trabalho nas forças armadas.
  11. 11. As Cartas Falsas <ul><li>As cartas falsas insultavam Hermes da Fonseca e os militares, visando criar um clima de instabilidade nas eleições e conspirações golpistas. </li></ul>
  12. 12. O Tenentismo <ul><li>Jovens militares de baixa patente, na maioria tenentes e capitães começam a se revoltar, descontentes com a situação política do Brasil. </li></ul><ul><li>Apresentavam uma ideologia não definida de modo geral. Concretamente, atacavam a oligarquia dominante, defendiam o voto secreto e um vago nacionalismo contra as empresas estrangeiras. </li></ul><ul><li>Achavam que cabia às forças armadas uma missão regeneradora das instituições republicanas. </li></ul>
  13. 13. A Revolta do Forte de Copacabana ou os “18 do Forte”
  14. 14. O Forte de Copacabana
  15. 15. Os dezoito do Forte
  16. 16. Governo Arthur Bernardes (1922-1926) <ul><li>Marcado por um constante Estado de Sítio para enfrentar as revoltas tenentistas. </li></ul><ul><li>Reforma da constituição permitindo que o poder central possa intervir nos Estados. </li></ul>
  17. 17. A Revolução de 1923 no RS <ul><li>Partido Republicano de Borges de Medeiros no poder desde 1893 se declara vencedor nas eleições de 1922 começando a revolta, liderada pelo partido Libertador. </li></ul>
  18. 18. A Solução do Conflito <ul><li>Pacto de Pedras Altas – A reeleição ficava proibida e o governador não poderia indicar seu vice como candidato. </li></ul>
  19. 19. Cotidiano do Governo Bernardes País é mantido sob severa lei de imprensa que censura os jornais. Há uma restrição dos direitos individuais. Militares descontentes continuam a conspirar contra o governo.
  20. 20. A Semana de Arte Moderna
  21. 21. O quê? Evento de três dias no teatro municipal de São Paulo, reunindo poetas, escultores, pintores, músicos e intelectuais ligados à Nova Arte.
  22. 22. Características <ul><li>Ruptura com a Academia. </li></ul><ul><li>Liberdade e ousadia formais </li></ul><ul><li>Busca de uma expressão cultural própria, num esforço de penetrar a fundo a realidade brasileira. </li></ul>
  23. 23. “Abaporu” <ul><li>Quadro símbolo do modernismo brasileiro de Tarsila do Amaral. </li></ul>
  24. 24. Villa-Lobos
  25. 25. A Brasilidade <ul><li>Busca pelos sons populares do Brasil. </li></ul><ul><li>Experiências no ritmo, na harmonia, no timbre da música erudita tradicional. </li></ul>
  26. 26. O Trenzinho Caipira
  27. 27. A Revolução Paulista de 1924
  28. 28. A Coluna Prestes
  29. 29. Trajeto da Coluna (1925-1927)
  30. 30. Governo de Washington Luís (1926-1930) <ul><li>Suspensão do Estado de Sítio. </li></ul><ul><li>Restauração das liberdades civis e de imprensa. </li></ul><ul><li>Libertação de presos políticos. </li></ul>
  31. 31. A “Lei Celerada” O governo podia intervir e fechar sindicatos, agremiações, associações que fossem considerados contrários à moral ou à segurança pública, sendo proibida a publicação de obras contrárias à segurança e à ordem. A partir desta lei o PCB é colocado na ilegalidade.
  32. 32. “Governar é abrir estradas” <ul><li>Construção da Rodovia Rio - São Paulo. </li></ul><ul><li>Construção da Rodovia Rio - Petrópolis. </li></ul>
  33. 33. Economia <ul><li>Criação de uma nova moeda – o Cruzeiro - e a adoção do padrão-ouro para conter a inflação. </li></ul><ul><li>A conversão seria garantida pela Caixa de estabilização. </li></ul><ul><li>Como a reforma não se completou, a Caixa encerrou suas atividades em 1930 e o Cruzeiro só foi implantado muitos anos depois na Era Vargas. </li></ul>

×