V elemento apresentacão

1.264 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Negócios, Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.264
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • http://en.wikipedia.org/wiki/Image:Brueghel-tower-of-babel.jpg
  • V elemento apresentacão

    1. 2. APRESENTA
    2. 3. O Quinto Elemento
    3. 4. Um convite à reflexão
    4. 5. Um Elemento Básico Você já se perguntou de onde vêm as coisas? Algumas pessoas acreditam, umas mais outras menos, que em algum momento tudo surgiu do nada. Os primeiros filósofos gregos, chamados de 'filósofos da natureza', partiam do fato de que sempre existiu 'alguma coisa' e acreditavam que deveria haver uma substância básica que estava por trás de todas as transformações que eles podiam observar na natureza.
    5. 6. Um Elemento Básico Eles queriam entender os fenômenos naturais sem fazer referências ao mundo dos deuses. Tales de Mileto (624 - 548 a.C.) , foi o primeiro filósofo da natureza. Ele considerava a água a origem de todas as coisas. Anaxímenes (550 - 526 a.C.), também de Mileto, compartilhava a mesma opinião de que existia uma substância básica da qual todas as coisas eram formadas. Ele dizia que o ar, ou o sopro de ar era a substância básica de todas as coisas Você já se perguntou de onde vêm as coisas?
    6. 7. Um Elemento Básico Mas como uma única substância se transformaria em todas as coisas? A água não pode se transformar num girino ou em um peixe, ou ainda em uma flor. A água pura será para sempre água pura, ela não pode por si só sofrer transformação. Naturalmente, o ar não pode se transformar em estrelas ou em minhocas. Você já se perguntou de onde vêm as coisas?
    7. 8. Um Elemento Básico Você já se perguntou de onde vêm as coisas? Empédocles (492 - 432 a. C.), propôs uma solução para esta 'questão filosófica'. Para este filósofo, todas as transformações na natureza seriam resultantes da combinação de quatro elementos básicos, que ele chamou de raízes: a água, o fogo, o ar e a terra .
    8. 9. Um Elemento Básico Você já se perguntou de onde vêm as coisas? Empédocles (492 - 432 a. C.), propôs uma solução para esta 'questão filosófica'. Para este filósofo, todas as transformações na natureza seriam resultantes da combinação de quatro elementos básicos, que ele chamou de raízes: a água, o fogo, o ar e a terra. Mas, o que faz com que estes quatro elementos se combinem para formar as coisas, segundo Empédocles ? Ele sugere a existência de duas forças chamadas de amor e disputa . Assim os elementos se uniriam sob a força do amor e separariam sob o influxo da disputa.
    9. 10. No princípio, Deus criou o céu e a terra. A Terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas. Disse Deus: Haja a luz! E houve luz. Gênesis 1:1-3
    10. 11. - - “ Então, formou o Senhor Deus o homem do pó da terra...” “ Tu vieste do pó e ao pó voltarás...” (Gênesis 2:7)
    11. 12. Caixas da Vida
    12. 13. A Primeira Caixa da VIDA a Caixa Educação
    13. 14. A Segunda Caixa da VIDA a Caixa Trabalho
    14. 15. A Terceira Caixa da VIDA a Caixa Aposentadoria
    15. 16. Nosso Mundo è uma Caixa
    16. 17. Cheio de Outras CAIXAS
    17. 18. Vivemos em uma CAIXA
    18. 19. e dirigimos isso...
    19. 20. Existe vida fora da caixa
    20. 21. Existe vida fora da caixa
    21. 23. Realmente existe VIDA fora da caixa
    22. 24. Como está sua Vida? Em que posição da linha você está? Milhões de pessoas acordam cansadas, não aquietam sua mente, se tornaram máquinas ansiosas. São reféns das caixas, não param de se preocupar, não viajam para dentro de si Mesmas. Não reservam um tempo para a introspecção.
    23. 25. Linha da Vida Nascimento Morte A morte é mais universal que a vida; todo mundo morre, mas nem todo mundo vive. Em que posição da linha você está? Seu Tempo Na Terra é Limitado. Isso é um fato, por mais que esta idéia o perturbe. Não importa quem você é, qual sua idade, qual seu grau de sucesso ou onde vive: a mortalidade continua sendo o grande nivelador
    24. 26. 86 400 segundos A cada tique-taque do relógio, um momento da vida fica para trás. Enquanto lê este parágrafo, os segundos que passam nunca mais serão recuperados.
    25. 27. Como você conta o TEMPO? Nosso Pequeno Traço 1919 – 2006 Oitenta e quatro mil batidas do coração. Mil quatrocentos e quarenta minutos. Uma rotação da terra. Uma volta completa do relógio de sol. Vinte e quatro viradas da ampulheta. Um nascer e um pôr-do-sol. Uma dádiva de 24 horas não vividas, inexploradas.
    26. 28. Vivendo o Traço A Vida não é medida pelo número de vezes que respiramos, mas pelos momentos que tiram nosso fôlego. Nosso Pequeno Traço 1919 – 2006 Você tem de decidir como gastar o pequeno traço de tempo entre estas duas datas que limitam sua existência terrena. Em que você está gastando seu? Ou está simplesmente lutando para viver, gastando apressadamente preciosos momentos em busca de coisas que realmente não são importantes?
    27. 30. 12 Ensina-nos a contar os nossos dias de tal maneira que alcancemos corações sábios. Livro de Salmos 90:12 Daniel de Carvalho Luz, Life Plan – Planejamento Estratégico Para a Vida, Copyright © 2007 DCLUZ CONSULTORIA & COACHING
    28. 31. O que você precisa saber O ontem não existe mais para você. A areia da ampulheta não volta para cima. O ponteiro dos segundos não volta. O calendário mensal se lê da esquerda para direita, e não ao contrário. O amanhã ainda não existe.
    29. 32. Prisioneiro das Caixas
    30. 33. Equilíbrio
    31. 34. Sucesso Alma Network mente Corpo As Quatro Dimensões que você não deve descuidar para ser Bem Sucedido na Vida Capital Intelectual Capital Moral/Espiritual Qualidade de Vida Capital Social
    32. 35. Equilíbrio O equilíbrio é a base de sua realização
    33. 36. Profissão… Negócios ou Carreira
    34. 37. Relacionamentos… Família e Amigos
    35. 38. Riqueza… Dinheiro e Finanças
    36. 39. Saúde… Alimentação e Exercícios
    37. 40. Lazer e entretenimento
    38. 41. Vida espiritual
    39. 42. Esclarecimento <ul><li>ESPIRITUALIDADE </li></ul><ul><li>É a capacidade de pensar, sentir e agir com base na crença de que existe algo maior do que os aspectos materiais; </li></ul><ul><li>É a busca de significado para o papel do ser humano na empresa, na família, na sociedade (e o conseqüente equilíbrio dessas várias dimensões); </li></ul><ul><li>É uma postura de vida, não envolve rituais; </li></ul>
    40. 43. Comunidade… Social e Cultural
    41. 44. Contando a sua história
    42. 46. O que Penso da Vida O que gosto. O que não gosto.
    43. 47. Introspecção Respirando primeiro Em caso de despressurização da cabine, máscaras de oxigênio cairão automaticamente do compartimento de cima de sua cabeça. Por favor, coloque a máscara de oxigênio primeiramente em você antes de auxiliar crianças pequenas e outras pessoas que precisem de ajuda . Aviso de segurança das empresas aéreas
    44. 48. 1º VOCÊ!
    45. 49. Introspecção Respirando primeiro Você não pode ajudar ninguém se desmaiar por falta de oxigênio.
    46. 50. <ul><li>O Alpinista </li></ul>O que significava a escalada para ele? Qual a atitude dele frente aos obstáculos? Como você relaciona a presença do sapinho?
    47. 51. <ul><li>“ Todos os que realizaram grandes feitos tiveram um alvo grandioso, fixaram seu olhar em um nobre objetivo que algumas vezes lhes pareceu impossível” </li></ul><ul><li>Orinson Swett Norden. </li></ul>
    48. 52. Quem é Você?
    49. 54. Eu sei quem Você é! Vencedor Muito Bom Tem Valor
    50. 55. Retorno à Inocência
    51. 56. sem uma linguagem comum
    52. 57. Feedback – método sanduíche Elogio Encorajamento Crítica Aviso: Muito Apimentado; Este sanduíche de crítica deve ser lidado com cuidado
    53. 58. FEEDBACK DE AJUDA É uma das maneiras de ajudar outra pessoa (ou grupo) a considerar a aceitar mudanças em seu comportamento. Um feedback de ajuda eficaz leva a uma melhor performance, pois se torna um processo de aprendizagem que coloca o indivíduo na rota adequada para atingir seus objetivos .
    54. 59. Feedback requer … <ul><li>Coragem </li></ul><ul><li>Habilidade </li></ul><ul><li>Compreensão </li></ul><ul><li>Respeito por si mesmo </li></ul><ul><li>Respeito pelos demais </li></ul>
    55. 60. Transmitindo feedback … <ul><li>Comportamento, não a pessoa </li></ul><ul><li>Observação, não inferência </li></ul><ul><li>Fato, não julgamento </li></ul><ul><li>Compartilhar idéias, não dar conselhos. </li></ul><ul><li>Explorar alternativas, não dar solução. </li></ul>
    56. 61. Recebendo feedback <ul><li>Escute ativamente. </li></ul><ul><li>Esclareça. </li></ul><ul><li>Reflita. </li></ul><ul><li>Tome cuidado com as posturas defensivas. </li></ul><ul><li>Aceite e agradeça o feedback. </li></ul>
    57. 62. Descrever a situação completa Explicar os efeitos sobre mim Parar e ouvir para esclarecer dúvidas Dar sugestões ou reconhecimento / estimulo Reconhecer o ponto de vista da outra pessoa Checar entendimento Evitar discutir e ficar na defensiva Ouvir sem interromper Pensar se / como o feedback se aplica a você Quem Dá Quem Recebe A ESCADA DO FEEDBACK
    58. 63. É impossível voltar ao passado e fazer um novo começo. Mas você pode começar agora e fazer um novo Final
    59. 64. - -
    60. 66. O Perdão
    61. 67. S ELECIONE seus objetivos U LTRAPASSE dúvidas e hesitações C ONCENTRE-SE em suas metas E NFRENTE os desafios S UPERE os obstáculos S IGA sempre em frente O sucesso será todo seu!
    62. 68. Momento de refelexão O que você faz não tem que ser sempre certo, mas deve ser sempre verdadeiro. Quando você abandona a pose, a pretensão e a falsa comunicação, as pessoas são livres pra sentir e ser elas mesmas, criando conexão emocional umas com as outras Cooper e Sawaf, 1997
    63. 69. Vítimas Determinismo genético Determinismo psíquico Determinismo social
    64. 70. Quero mudar, quero parar de jogar a culpa no mundo! de vítima a sobrevivente
    65. 71. <ul><li>Hábito do mau humor </li></ul><ul><li>Hábito de adiar </li></ul><ul><li>Hábito de centralizar </li></ul><ul><li>Hábito de complicar </li></ul><ul><li>Hábito da passividade </li></ul><ul><li>Hábito da limitação </li></ul>Hábitos negativos
    66. 72. <ul><li>Perdão </li></ul><ul><li>Bom-Humor </li></ul><ul><li>Planejamento </li></ul><ul><li>Fazer </li></ul><ul><li>Criatividade e ousadia </li></ul><ul><li>Determinação </li></ul><ul><li>Amor </li></ul>Hábitos vencedores
    67. 73. Espírito armado
    68. 74. Medo Amor Ira Dever <ul><li>We can control our attitude towards change… </li></ul>Os Quatro gigantes da Alma
    69. 75. ÓDIO AMARGURA, RESSENTIMENTO REPULSÃO FÚRIA DESGOSTO CIÚME INVEJA FRUSTRAÇÃO IRRITAÇÃO SILÊNCIO SUICÍDIO - ASSASSÍNO AGRESSÃO FÍSICA VALENTIA CALÚNIA OSTRACISMO PROVOCAÇÃO HUMILHAÇÃO FOFOCA SARCASMO CRÍTICA EXPRESSÕES PASSIVAS DE IRA EXPRESSÕES ATIVAS DE IRA O termômetro da ira conforme TIM LAHAYE
    70. 76. Diades Primárias (combinação de emoções adjacentes) ALEGRIA + ACEITAÇÃO = AMIZADE MEDO + ESPANTO = SUSTO Emoções básicas de Plutchnick Diades Secundárias (combinação de emoções distantes) ALEGRIA + MEDO = CULPA TRISTEZA + RAIVA = MAU HUMOR Diades Terciárias (combinação de emoções duas vezes mais distantes) ALEGRIA + SURPRESA = DELEITE EXPECTATIVA + MEDO = ANSIEDADE C Tristeza Aversão Raiva Expectativa Alegria Aceitação Medo Surpresa
    71. 77. Medo! Por que?
    72. 78. Evento ou acontecimento Interpretação factual Interpretação emocional Comportamento Resultado Atitude
    73. 79. Module und Variations_E
    74. 82. Estabilidade Aceitação ou Abandono Raiva Negação Imobilização Barganha Teste Depressão TEMPO Respostas Emocionais às Mudanças Developed by Sharon M. Danes, Professor, University of Minnesota, Family Social Science Department, College of Human Ecology & Resource Management Specialist, Minnesota Extension Service, and illustrated by Jim Kiehne Graphics. From Kubler-Ross, E., 1969, On Death and Dying . Ativa Passiva RESPOSTA EMOCIONAL
    75. 83. Auto estima e as interações <ul><li>Baixa motivação </li></ul><ul><li>Conflitos e mágoas </li></ul><ul><li>Obediência externa </li></ul><ul><li>Motivação elevada </li></ul><ul><li>Harmonia nas relações </li></ul><ul><li>Adesão interna </li></ul><ul><li>Normalidade </li></ul>
    76. 84. Posturas das campeões EMPATIA O ato de se colocar na posição do outro, compreendendo-o. Diferente da atitude de egocentrismo, prepotência, etc. AFETIVIDADE É a capacidade de se relacionar com o outro com igualdade, sem qualquer preconceito. Primeiro procure compreender e depois ser compreendido, ALAVACAGEM É o ato de gerar ações positivas nos outros sempre que perceber problemas.
    77. 85. Sem Uso <ul><li>os próximos slides não são utilizados no quinto elemento </li></ul>
    78. 86. A Fonte de Inspiração “ Nem tudo que se enfrenta pode ser modificado, mas nada pode ser modificado até que seja enfrentado.” _ Albert Einstein Direcionamento da VIDA
    79. 87. Tome Notas! Desengavetando os Grandes SONHOS As coisas mais importantes da sua vida estão em um papel

    ×