Mat geo 3ºem_pré-sal_04-06-2013

152 visualizações

Publicada em

O Pré Sal Brasileiro, Dilemas e Desafios - Professor DANIEL NOGUEIRA

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
152
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mat geo 3ºem_pré-sal_04-06-2013

  1. 1. GE GRAFIA
  2. 2. Polêmicas e desafios da extração do petróleo Geografia Professor Daniel Nogueira
  3. 3.  Substância oleosa e inflamável, o petróleo é a principal fonte de energia na atualidade.  O fato de ser um recurso não renovável, aliado ao seu grande valor econômico, fizeram com que esse combustível se tornasse um elemento causador de grandes mudanças geopolíticas e socioeconômicas em todo o mundo.
  4. 4.  Acredita-se que o petróleo tenha se formado há milhões de anos em razão da decomposição dos seres que compõem o plâncton, decomposição esta causada pela pouca oxigenação e pela ação de bactérias.  O combustível se tornou ainda mais valorizado após a criação da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), que nasceu com o fim de controlar preços e volumes de produção e pressionar o mercado.
  5. 5.  Atualmente, os maiores produtores de petróleo do mundo são:
  6. 6.  O que é o Pré-sal? A camada Pré-Sal, refere-se a uma camada geológica que antecede a ampla camada de sal que está sedimentada no assoalho oceânico.
  7. 7.  Pré-sal é o nome dado às reservas de hidrocarbonetos em rochas calcárias que se localizam abaixo de camadas de sal.  O interesse intenso esta ligado às reservas de óleo (petróleo) descobertas em camadas de 5 a 7 mil metros de profundidade abaixo do nível do mar.  Tais reservas estão distribuídas em vários campos de exploração, que se estendem por uma faixa de aproximadamente 800 km de extensão por 200 km de largura.
  8. 8.  Para extrair o óleo e o gás da Camada Pré-sal, será necessário ultrapassar, no mínimo, uma lâmina d’água de mais de 2.000m, uma camada de 1.000m de sedimentos e outra de aproximadamente 2.000m de sal.
  9. 9.  Vários campos e poços de petróleo e gás natural já foram descobertos na camada Pré-sal, entre eles estão os de: - Tupi, - Guará - Bem te vi - Carioca, - Júpiter - Iara
  10. 10.  As reservas são abundantes, mas estão situadas em águas ultra profundas, onde as condições de elevada pressão e baixíssima temperatura da água e elevada temperatura do óleo dificultam a exploração.
  11. 11.  Apenas o campo de Tupi possui cerca de 8 bilhões de barris de petróleo, o volume suficiente para elevar, sozinho, em 60% as reservas nacionais.  As descobertas somadas quintuplicaram as reservas de petróleo e gás natural do Brasil.  A estimativa é que a produção alcance a marca de 100 bilhões de barris.
  12. 12.  Caso a expectativa seja confirmada, o Brasil ficaria entre os oito países que possuem as maiores reservas de petróleo do mundo.  Os investimentos governamentais no desenvolvimento de tecnologia para a exploração foram altíssimos, girando em torno dos 170 bilhões de reais desde a década de 1970.  A qualidade do Petróleo e Gás Natural dos campos foi comprovada em 2009, e sua exploração, ainda em fase de testes, gira em torno dos 300 mil barris por dia.
  13. 13.  Chegar ao Pré-sal foi difícil, mas o maior desafio está em extrair o petróleo e o gás.  A dificuldade de exploração é tamanha, que é delimitada como um desafio.  Os desafios dividem-se em perspectivas/problemas nos setores: - Financeiro (custo do projeto e viabilidade) - Físico (dificuldades impostas pelo meio ambiente) - Ambiental (riscos e impactos ambientais implícitos) - Político (pendências nacionais e internacionais)
  14. 14. DESAFIOS FINANCEIROS  Estima-se que para explorar todas as reservas sejam necessários 600 bilhões de reais (45% do PIB nacional) em equipamento e desenvolvimento tecnológico.  O Brasil ainda não dispõe da totalidade de recursos necessários para retirar o óleo de camadas tão profundas e terá que alugar ou comprar de outros países.
  15. 15. DESAFIOS FÍSIOGRÁFICOS  O campo de Tupi, por exemplo, se encontra a mais de 200 quilômetros do litoral, a uma profundidade de 7.000 metros e sob 2.000 metros de sal, dificultando a extração e a logística de transporte do recurso.  A temperatura da água em elevadas profundidades é baixíssima, exigindo demais dos equipamentos.  Em contrapartida, a temperatura padrão do óleo é elevada, gerando choque térmico nos equipamentos.  A pressão atmosférica é gigantesca, limitando as operações.
  16. 16. DESAFIOS FÍSIOGRÁFICOS  Existe a chance de a rocha-reservatório, que armazena o petróleo e os gás em seus poros, não se adequar à produção em larga escala a longo prazo com a tecnologia existente hoje.  Como a rocha geradora de petróleo em Tupi possui uma formação heterogênea, talvez sejam necessárias tecnologias distintas em cada parte do campo.  Há o receio de que a alta concentração de dióxido de carbono presente no petróleo do local possa danificar as instalações.  As marés e a oxidação são outros dificultantes da operação.
  17. 17. DESAFIOS AMBIENTAIS  O assoalho oceânico é composto por materiais sedimentados de frágil composição estrutural.  Vazamentos e infiltrações nas camadas exploradas podem ocorrer sem que se haja um efetivo controle.  Em caso de algum acidente, dificilmente seria possível o manejo do desastre devido à profundidade e distância em relação à costa.
  18. 18. DESAFIOS AMBIENTAIS  Apesar de extremamente vastos, os oceanos são ecossistemas extremamente sensíveis e muito susceptíveis a impactos ambientais.  A exploração de tais jazidas tem estimulado outros países a realizar o mesmo, significando riscos ambientais ainda maiores.  O uso continuo dos combustíveis fosseis, e principalmente do petróleo, tem sido uma das causas prioritárias do Aquecimento Global.
  19. 19. DESAFIOS POLÍTICOS  As reservas podem se estender além da ZEE (Zona Econômica Exclusiva) da costa brasileira, podendo englobar reservas em Águas Internacionais, que não pertencem ao governo brasileiro.  Qualquer recurso submarino, subterrâneo e superficial encontrado em águas internacionais é Patrimônio da Humanidade, de acordo com os Diretos Internacionais do Mar, promulgados pela ONU em 1947.  A exploração de algumas das reservas que podem não pertencer ao Brasil, tem gerado indisposição na Comunidade Internacional.  Críticas ao país: ambiguidade ( Defensor da sustentabilidade vs. Pré-sal)  Polêmica estendeu-se ao Oceano Glacial Ártico.
  20. 20.  Antes mesmo de se estabelecer a quantidade exata de petróleo na camada Pré-sal, os impactos ambientais, além das regras para a exploração desse petróleo, a distribuição dos royalties vem sendo um dos assuntos mais discutidos sobre o Pré-sal.  O que são os royalties? O termo “royalties” originou-se na Inglaterra, no século XV, ele foi criado como uma forma de pagamento à realeza em virtude do uso de suas terras para a exploração de minério. Hoje os royalties são compensações pagas pelas empresas para o governo ou pessoas pela exploração de seus recursos.  No Brasil, o valor arrecadado pelos royalties do petróleo é dividido entre o Governo Federal, Estados e Municípios produtores.  As empresas petrolíferas pagam 10% do valor de cada barril extraído pelo direito de explorar o produto.
  21. 21.  Hoje em dia, esses 10% dos royalties do petróleo são divididos da seguinte forma: - Estados produtores: 22,5% - Municípios produtores: 30% - Governo Federal: 47,5%  No entanto, alegando que o petróleo é uma riqueza nacional, uma Proposta de Lei do Deputado Federal Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) determina uma nova divisão dos royalties do petróleo que já é explorado e o do Pré-Sal . Segundo a Emenda Ibsen, distribuição ficaria assim determinada: - Todos os estados: 30% - Todos os municípios: 30% - Governo Federal: 40%
  22. 22.  Os Estados produtores, e detentores de grandes reservas como Rio de Janeiro, São Paulo e Espirito Santo, opuseram-se fortemente à emenda.  Com a pressão o então presidente Luís Inácio Lula da Silva, acabou vetando o projeto, gerando indignação em opositores e em estados como Minas Gerais.  Em Janeiro de 2013, um novo projeto de Lei, sancionado pela presidenta Dilma Russef, prevê que a distribuição da Emenda Ibsen, só será aplicada aos novos poços do Pré-Sal.  Além disso, metade dos rendimentos e aplicações financeiras derivadas dos royalties, será investido na educação.
  23. 23.  Segundo Dilma, a receita do petróleo “vai preparar o Brasil para o Brasil pós-petróleo, porque os royalties são uma riqueza que tem que ser investida para preparar o Brasil para quando o Brasil não tiver essa riqueza, que não é renovável”  O Congresso nacional ainda discute se os 50% devem mesmo ser aplicados em educação, gerando revolta na população.  Algumas das pautas das manifestações populares eclodidas em Junho e Julho de 2013 foram baseadas na indignação pela possibilidade de derrubada do projeto pelos congressistas brasileiros.

×