AULA 01 – Parte 01
Altares, Tronqueiras e Assentamentos
Versão Digitada – Transcrição literal
Meus irmãos, é com mu...
 
	
  
qual a necessidade de uma casa hoje não só de sua estrutura administrativa, muitos irmãos são
pegos “de surpresa”, ...
 
	
  
existem algumas filosofias por trás da ideia por exemplo, aqui no Instituto nós buscamos uma
ideia mais banto do qu...
 
	
  
pode ser enterrado, do que pode ser guardados aos olhos eu preciso entender como essa
estrutura vai funcionar no di...
 
	
  
esse segundo planejamento a gente vai colocar ele em pratica no segundo bloco que uma
questão de alinhamento corpor...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

282374729 altares-e-tronqueiras

270 visualizações

Publicada em

altares-e-tronqueiras

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
270
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

282374729 altares-e-tronqueiras

  1. 1.     AULA 01 – Parte 01 Altares, Tronqueiras e Assentamentos Versão Digitada – Transcrição literal Meus irmãos, é com muita satisfação que estamos aqui de volta na plataforma Umbanda EAD meu nome é Jorge Scritori eu tive o prazer de acompanhar todos os irmãos virtualmente já pelo curso de benzimento entre outros irmãos Alexandre Cumino, Adriano Camargo e agora nós estamos aqui com uma nova proposta que é o curso de Altar, Tronqueiras e Assentamentos. Dentro desse curso a gente vai tá passeando aí pelo universo de dentro dos terreiros, das estruturas, dos fundamentos, estar falando de uma forma aberta e de uma forma clara sobre a necessidade de uma casa de ter o seu altar, de montar a sua estrutura básica de trabalho e chegaremos também na estrutura de tronqueiras e até o que diz respeito de assentamento. Hoje a gente tem aí pela frente um novo desafio, o primeiro desafio lá trás foi à questão de o benzimento estar ensinando a benzer virtualmente, nós conseguimos passamos por essa fase, hoje temos aí um público do benzimento virtual que eu quero deixar um beijo e um abraço carinhoso a todos eles e vamos caminhar futuramente para outra estrutura do módulo dois do benzimento também. Quando nós falamos dessa base virtual a gente tem em mente que as pessoas estão em boa parte distantes e vão tentar montar uma linha de ideia, de pensamento em relação aquilo que nós estamos propondo. O curso de Altares, Altar, Tronqueiras e Assentamentos ele faz parte do curso de Sacerdócio, sendo que são módulos divididos dentro de um período de dois anos e meio, então a proposta desse curso na plataforma é estar passando a ideia é estar fazendo um planejamento em relação à montagem dessas estruturas de uma forma clara de uma forma sucinta. Quando um irmão acompanha esse mesmo modelo no curso presencial existe a elaboração, existe aquele acompanhamento de perto e aí eu vou caminhar para o esforço bem pessoal em estar apresentando em estar fazendo essa estrutura acontecer com a maior proximidade possível. Muitos já conhecem um pouquinho do meu perfil da minha história, eu venho de uma família umbandista, meu avô era umbandista, minha mãe é umbandista eu sou a terceira geração do sacerdócio em sim dentro da família então o que eu estou fazendo aqui hoje a proposta o lançamento é uma experiência da minha vida também, não estou brincando de casinha em que diz respeito a ter uma estrutura de terreiro, não estou brincando de montar um altar em relação, ah quero simplesmente ter um altar não, essa é uma proposta de vida, daquilo que eu vivo daquilo que eu ensino e daquilo que eu estou fazendo hoje. Hoje a frente do Instituto Cultural Sete Porteiras do Brasil estamos numa casa nova com quatro anos de casa, mais o sacerdócio em si com mais de dez anos pela formação da minha mãe Adelaide Scritori. Então esse conteúdo, essa proposta ela já estava além daquela questão do sacerdócio, nós sabemos que o sacerdócio surgiu aí aproximadamente por 1998 com a ideia do Rubens Saraceni, a primeira turma eu participei, Alexandre Cumino, Adriano Camargo também participaram e de lá para cá houve a necessidade da elaboração de um novo conteúdo da elaboração de um novo trabalho aonde eu pudesse estar acompanhando a necessidade das pessoas de quem tem casa,
  2. 2.     qual a necessidade de uma casa hoje não só de sua estrutura administrativa, muitos irmãos são pegos “de surpresa”, você vai abrir uma casa? Você vai fazer a sua missão, fazer o seu trabalho? E naquele momento a pessoa se vê vazias entre aspas em seu entorno muitas vezes a dificuldade de ter uma mão de ter um acompanhamento, de ter um trabalho feito de perto entendendo a necessidade e qual é a dificuldade de cada um. Então a proposta desse curso Altar, Altares, Tronqueiras e Assentamentos é estar mostrando o básico, estar mostrando uma estrutura, como iniciar, qual o procedimento lembrando que nós estamos aqui com uma boa intenção, não com uma intenção de modificar, que quebrar algum argumento, mudar algum planejamento de uma escola ou de uma elaboração. O que nós estamos realizando aqui é uma proposta de um começo, de um novo passo, pra quem já tem a estrutura montada vai ter a oportunidade de estar fazendo um acompanhamento, de estar elaborando novas ideias, de estar fazendo um trabalho e sentindo que o seu diferencial, o que você tem hoje na sua casa, eu costumo colocar que é extremamente importante à questão do segmento, eu posso falar hoje que existem várias escolas de Umbanda e a Umbanda ela funciona muitas vezes como pequenas ilhas, cada uma navegando para um lado, cada uma tendo o seu entendimento, cada uma colocando em pratica o seu modelo de trabalho, só que todas elas navegando na mesma estrutura, navegando no mesmo mar. O conceito básico que nós iremos trabalhar em Altar, Altares, Tronqueiras e Assentamentos não é a questão de certo ou errado, aqui nós iremos administrar diferenças, formas diferentes, desde o entendimento até a questão pratica, a colocação dos elementos respeitando todas as tradições, respeitando principalmente as grandes influencias que passam dentro da Umbanda, não importa se é o catolicismo se é o Kardec ismo ou a questão do culto de nação. Então a nossa proposta pra essa estrutura que representa nosso sagrado, essa estrutura que representa a nossa dinâmica de trabalho vai ser colocada de uma maneira bem simples, o mais importante, todos nós umbandistas, simpatizantes ou aqueles que estudam a religião num determinado momento nós nos colocamos de frente para essa estrutura maior, então a gente vai começar elaborar o que está por trás dessa estrutura, quais são as suas necessidades, qual é o modelo de trabalho que você tem hoje e estar enxergando algumas coisas que estão além. Eu conheço muitas pessoas que iniciaram seu trabalho montando um altar por uma referência de um guia, por orientação de uma entidade espiritual e a hora que vem fazer o curso descobre que tal coisa é colocada, tal coisa é riscada, tal coisa é montada, tá fundamentado dentro de uma ideia, tem uma percepção espiritual por de trás disso é aí a gente tem um descortinar das ideias e dos planos. Uma base para aquilo que nós iremos realizar é começar entender a necessidade de ter um altar, nós estamos falando agora nesse primeiro bloco, vamos dar ênfase a questão do altar em si e o primeiro apontamento é para terreiro, mais antes de chegar ao terreiro eu preciso estar elaborando com vocês um pensamento, estar formatando uma ideia em relação a todas as influências existem na montagem de um altar e na percepção de um altar. Quando eu procuro pelo histórico de um altar a influência católica é muito presente porque eu tenho uma estrutura de elevação e hoje não são todas as casas de Umbanda que inicia o seu ritual, que iniciam o seu procedimento de abertura com casa, com otá ou pedra filosofal de assentamento cravado no meio do terreiro, hoje muitas vezes até a própria estrutura física não permite que determinados eventos ou determinados manejos de procedimentos litúrgicos. Então a gente vai buscar a nossa primeira escola, uma coisa que precisa ficar bem elaborada nesse conteúdo tanto para altar quanto para tronqueira e assentamentos é que
  3. 3.     existem algumas filosofias por trás da ideia por exemplo, aqui no Instituto nós buscamos uma ideia mais banto do que Nagô e Ioruba. Eu entendo que toda vez que eu monto uma estrutura não importa se é um altar, se é uma tronqueira que vamos tratar como receptáculo ou um assentamento ali eu estou alojando, estou acomodando um poder que vai se manifestar isso é segmento banto, quando você vem e participa de uma escola que tem um fundamento voltado Nagô e Ioruba entende-se que por de trás daquela estrutura há uma emanação espiritual, a uma emanação individual e aqui no instituto boa partes das ideias, boa parte do planejamento é elaborado a partir da estrutura banto. Então ao montar um altar, ao abrir uma casa, ao firmar uma tronqueira, ao montar um assentamento eu estou animando aqueles elementos com um poder e esse poder reconhecendo a minha mão, reconhecendo o conceito que eu estou aplicando vá responder as minhas necessidades. Dentro da nossa estrutura de trabalho a maior influencia ela é a católica, por quê? Porque ela tem uma estrutura de elevação lembrando que as tradições mais antigas, as civilizações mais antigas tinham um planejamento do que? De comunhão com a terra, tudo era feito a nível solo e hoje não, nós estamos em outro momento à carga de influencia ainda é muito grande, então eu tenho uma estrutura que vai nos remeter do chão ao alto essa começa a elaboração de ideia de altar. Existem algumas casas e alguns conhecidos principalmente em São Paulo que você vai presenciar que dentro da casa não existe essa estrutura necessariamente de altar, elevação, imagens, elementos, fundamentos, alguns terreiros que são feitos na forma de octógono ou redondos e você tem uma estrutura central, um mastro que sobe do chão quase chegando ao teto, não chega alcançar o teto dando a mesma representação, dando aquela ideia do que, de altar, de fazer a comunhão, de buscar a ponte com o alto e essas estruturas tem a mesma legalidade tem a mesma legitimidade da estrutura que nós dividimos. Dentro da influencia da igreja nós temos a questão dos elementos que aqui são depositados, até o porquê são depositados. Quando nós trabalhamos sincretismo dentro da Umbanda em determinado momentos você tem um assunto muito delicado para algumas pessoas sincretizar é comparar para outras pessoas sincretizar é trocar de lugar, no Instituto nós trabalhamos com um conceito livre e aberto que sincretizar é pegar qualidades de coisas diferentes e criar um comparativo. A uma literatura no nosso meio umbandista, o livro de um irmão Etiene Sales que é a Umbanda de Preto Velho, esse livro é baseado numa monografia, num estudo acadêmico e ele aponta uma vertente do sincretismo quando ele fala assim: “O negro naquele momento ao mudar a sua imagem a sua configuração de Oxalá ou Obatalá para Cristo ele em um determinado momento também estava rezando para Cristo, ele começou a desenvolver o sistema de crença na figura de Cristo”. Então ao falar de sincretismo tem que ser uma roupa que caiba dentro da sua casa, dentro do seu ritual e dentro da sua estrutura de trabalho. Alguns irmãos que já tem uma compatibilidade ou acabam compartilhando uma estrutura maior com um culto de nação já não tem esse segmento, já não vão buscar por imagens de conceitos católicos, já não vão buscar por imagens com aproximação com a igreja e ai agente tem todo outro conteúdo para trabalhar. Agora para elaborar o nosso primeiro plano seria a função, por que temos um altar? Se nós temos nessa estrutura uma influencia católica, uma influencia Kardecista, uma influencia dos cultos de nação, desde tudo que elaborado ao chão ou o que pode ser oculto aqui dentro, do que
  4. 4.     pode ser enterrado, do que pode ser guardados aos olhos eu preciso entender como essa estrutura vai funcionar no dia a dia, a partir do momento que eu estou me colocando de frente a essa estrutura. Eu conheço pessoas que tem por hobby frequentar terreiros, de segunda a sexta feira o que a pessoa faz a noite? Ela frequenta terreiros, e aí de sábado e domingo para ter uma diversidade maior ela vai a festas de terreiros. Eu estou colocando esse exemplo porque a estrutura do altar é uma estrutura de ligação. Além de todos os elementos que darão amparo a casa, que darão sustentação a casa nós temos no altar um elemento de liga. Todos nós que nos colocamos de frente com o altar, não importa se na casa de algum conhecido ou se é na casa de um desconhecido nós desenvolvemos uma ligação frontal com aquela estrutura. E essa ligação que é uma ligação energética, que é um pequeno fio vai alimentar energeticamente durante o período que você está frequentando a casa ou o período que você está participando dos trabalhos da casa. Então toda vez que você vai ao terreiro, você para de frente ao altar. É colocado de frente ao altar, você é ligado energeticamente àquela estrutura, e a ideia é quando esses elementos fundamentos, quando colocados e quando ativados lhe darão uma manutenção entre um intervalo de uma atividade e outra isso é valido para todos que frequentam a casa, e para todos que se colocam de frente ao altar de uma estrutura religiosa. Eu posso estar num terreiro, eu posso estar num templo, eu posso estar numa igreja, ao se colocar de frente com a estrutura eu recebo uma carga energética, eu recebo uma ligação e essa ligação começa alimentar os meus sentidos. Quando nós estamos participando de um trabalho espiritual você tem um período entre um trabalho e outro e dentro desse trabalho um exemplo que eu gosto está ilustrando sempre em aula é, eu vou lá ao centro do Rodrigo eu vou passar com o Preto Velho do Rodrigo ao entrar no terreiro dele e se colocar em frente ao altar ou ao ser colocado em frente ao altar tenho essa ligação e naquele dia na gira, uma gira de preto velho por exemplo, vou passar com o preto velho do Rodrigo, no intervalo entre uma gira e outra eu posso ter uma estrutura ou uma necessidade, coisas podem acontecer na minha vida que eu vou lembrar automaticamente do preto velho, mais eu não terei a imagem do preto velho o que eu vu ter ali é a imagem do médium automaticamente eu já tenho um processo de troca de carga entre o médium e o consulente. O altar ele vem dá amparo para as duas estruturas, tanto o médium que vai ter seu campo mediúnico assediado pelo consulente fora do trabalho, como o próprio consulente que vai ter a necessidade de uma carga energética de um amparo espiritual de uma fonte. Então é bacana estar ilustrando dessa maneira e começarmos a criar um entendimento que isso aqui faz parte da bateria do terreiro. Nós vamos trabalhar nesse conteúdo de uma forma polarizada entendendo que o altar é a parte positiva polar da nossa casa e a tronqueira é a parte negativa polar da nossa casa, ambas as estruturas trabalhando de forma segmentada, trabalhando ora em paralelo ora cruzado. Então a nossa primeira ideia, a nossa base, o desenvolver do nosso primeiro pensamento é o entendimento que aqui nós temos uma grande bateria de influencia católica de influencia kardecista e de influencia da diversidade do culto de nação, e que essa estrutura responde de forma positiva às nossas necessidades. Criando essa primeira ideia nós podemos desenvolver uma ideia também ou um ideal de como usar um altar estando dentro do terreiro ou estando fora do terreiro. Essa segunda ideia,
  5. 5.     esse segundo planejamento a gente vai colocar ele em pratica no segundo bloco que uma questão de alinhamento corporal e ai a gente volta com muita tranquilidade para estar elaborando essa segunda forma, esse segundo pensamento dentro dessa estrutura do curso de Altar, Altares, Tronqueiras e Assentamentos. Digitação: Equipe ICA – Umbanda EAD

×