Kevin L. Gest
Os Mitos em Torno do Rei Bíblico
Tradução: Silvio Antunha
MADRAS
2011
A Sabedoria é Suprema
"Bem-aventurado ...
Índice
Agradecimentos........................................................................................................
de agradecer ao bom amigo e pesquisador por profissão,
o Ven. Irm. Mike Oulten, que ouvia atentamente minhas
divagações em...
Astronômica de Londres, no Observatório Real de
Greenwich, na Biblioteca de Referência de Sussex e na
Biblioteca Central d...
autorização, mas, na eventualidade de alguma omissão,
favor entrar em contato com o autor, via editor, para que
as correçõ...
tipo Holden -, cujas peças de reposição eram fáceis de
encontrar; ou um Volkswagen refrigerado a ar - sem
radiador ou mang...
iluminado, como se o Sol fosse um imenso ímã que o
atraísse. Um martim-pescador cantou a distância. Um
ruído sussurrante, ...
gerações continua a ser sentido hoje. Isso voltou à tona
nos lugares mais inesperados.
A Maçonaria foi um deles.
CAPÍTULO 1
POR QUE O SOL?
Salomão, rei de Israel no Antigo Testamento, é um
personagem bem conhecido dos adeptos das três
...
Como uma dedução a partir de seus vínculos com o
primeiro Templo em Jerusalém, e de sua pretensa
sabedoria, somos levados ...
levaria a uma jornada de descoberta e mudaria, de uma
maneira que eu jamais havia pensado, meu entendimento
e minha percep...
anos de idade. Eles vêm de vários substratos socio-
econômicos, permanecem membros por várias razões,
mas obviamente não o...
derivavam do conhecimento sagrado conservado pelos
sacerdotes do Antigo Egito; que o mesmo foi transferido
para as civiliz...
tentar confirmar essas histórias por meio da arqueologia
(...).
De fato, a base do livro do dr. Rohl se origina da questão...
arqueológicos da Palestina. Aliás, os séculos da longa
peregrinação na terra dos faraós também não deixaram
absolutamente ...
embora a sinalização turística moderna, erguida na frente
do mesmo, continue a informar aos visitantes que eles
estão dian...
• É questionável se a edificação que constitui a peça
fundamental da organização fraterna mais antiga do
mundo, a Maçonari...
Alguns anos após a minha iniciação, tivemos uma palestra
em nossa Loja, a primeira em muitos anos, conhecida
como Palestra...
senti que deveria existir alguma coisa a mais. Assim
sendo, gastei os dois anos seguintes lendo uma ampla
variedade de liv...
d. Existia, eu me perguntei, algo a respeito do Templo
de Salomão que não fosse imediatamente óbvio quando
subentendido ou...
outro código que, de modo organizado, influenciasse a nossa
vida.
4. Desenvolvi um fascínio pelo ano no qual quatro Lojas,...
como apto para treinamento, exatamente como no
sistema das antigas Guildas.
Companheiro: significa que o conhecimento, a
c...
uma parte que precisa ser decorada tanto em palavras
como em ações.
A sala na qual minha Loja se reunia em Sussex, na
Ingl...
total. Atualmente, com seu interior restaurado em sua
antiga glória, é conhecido como o Pavilhão de Brighton,
uma importan...
sinuca, salas para comissões e salas menores onde as
Lojas podiam praticar suas cerimônias.
Não foi antes de 1928 que o Te...
ao "Templo Maçônico de Sussex", o Mui Venerável Irmão
sir Alfred Robbins concluiu com estas palavras:
Eu tive a oportunida...
claridade difusa, que torna possível a iluminação uniforme
em volta da sala, fornecida discretamente e oculta em
uma galer...
desconhecido. Dentro do círculo descrito pelo zodíaco, o
teto sobe para formar uma cúpula, a abóbada celeste,
pintada à mã...
direito a minha parte nas cerimônias, que não havia dado
o devido valor àquilo que estava ao meu redor, o porquê
de estar ...
Dessa experiência com nossos anciões maçônicos, logo
cheguei à conclusão de que empenhávamos esforços
consideráveis para a...
conclusão de que qualquer indivíduo ou grupo de
pessoas, que tenha deliberadamente se assentado à
mesa, há várias centenas...
O Templo Maçônico de Sussex tem outra característica:
mantém um museu e um centro de exposições de itens da
memória do pas...
imagens às insígnias existentes para indicar a posição
que ocupavam na Loja. Assim, no passado, essas
imagens indicavam co...
cuidadosamente fabricadas em ferro fundido, que
iluminavam a entrada principal do Templo Maçônico de
Sussex. Uma delas tin...
Mais uma vez procurei os maçons mais antigos de Sussex
e perguntei a respeito do significado daquilo. Houve
zombarias de q...
curar e abordar qualquer investigação sobre o tema do
zodíaco, do pavimento, do pentagrama e do símbolo no
degrau da frent...
gravada em minha mente. Ela foi exposta da seguinte
forma:
Por exemplo, observou o bibliotecário, referimo-nos a Jesus de
...
O Zodíaco e o Pavimento - outra análise
Quando mencionamos o termo zodíaco instintivamente,
podemos ser levados a pensar n...
com a leitura da sorte. Nesse caso, haveria alguma
mensagem oculta nisso tudo?
O pavimento tinha uma história diferente. N...
O Pavimento Mosaico pode ser considerado o belo soalho
de uma Loja Maçônica justamente pelo fato de ser
colorido e enxadre...
cada um de nós pessoalmente e nós como um todo.
Temos uma responsabilidade caridosa.
Lições mais justas e morais são difíc...
salas com o teto pintado com estrelas afixadas, mas estas
eram poucas e raras. Das que me informaram, nenhuma
mostrava o z...
perguntei ao curador se havia sido conservada alguma
planta arquitetônica do complexo, contendo as di-
mensões, que eu pud...
comprido na medida imperial ou quase meio metro no
sistema métrico.
Então, foi assim que, depois de uma dessas reuniões, e...
instigante e percebi que precisava desenvolvê-la de
maneira estruturada. Essa se mostrava uma reveladora
jornada pelo univ...
• do significado do símbolo no degrau da frente.
Capítulo 2
O Nascer do Sol
Da maneira que levamos nossas vidas no mundo
o...
meramente estamos passando os elos dessa corrente do
desenvolvimento humano, que, acreditamos, se estenderá
muito longe no...
redonda, mas, em outros períodos escuros ela tem
pedaços faltando, e que ela então cresce de novo até
ficar como uma pedra...
O que é o Sol?
Por que ele é quente?
Como fica pendurado no céu?
Como se movimenta pelo céu de um lado para o outro?
Como ...
grega e romana. O papel desempenhado por outros
povos, em outras partes do mundo, foi amplamente igno-
rado. Recentemente ...
observadores do céu teriam notado que o Sol se movia
para duas posições extremas em seu trajeto - posições a
que nos refer...
sombra - seria criada por um objeto perpendicular, como
uma árvore, e que a sombra se moveria em torno da base
do objeto c...
ou órbita, em comparação com os outros. E em torno do
que eles estavam viajando ou circulando? Da Terra? Do
Sol? De alguma...
teriam observado este outro fenômeno da mecânica
celeste. Eles teriam percebido que, no amanhecer, após
intervalos de 30 d...
levando, por estimativa, 25.920 anos para o eixo realizar
uma rotação completa. O efeito visível é que o Sol parece
nascer...
atuais sistemas de calendários no Ocidente, marca o
tempo em que a era precessional de Áries finalmente
terminou e a nova ...
O conhecimento e a descoberta desse processo da
mecânica celeste demonstram a incrível habilidade de
nossos ancestrais de ...
sua opinião, a Lua era provavelmente uma massa de
pedra orbitando a Terra, tendo possivelmente o tamanho
de uma das ilhas ...
de uma linhagem familiar. Isso, é claro, teria sido uma
tentativa primitiva de manipulação genética. Se isso fosse
verdade...
druídica apareça em alguma literatura do século XX, a
English Heritage, que é responsável pelo local, agora
sugere que ele...
os dados coletados ali precisavam ser entendidos e
transmitidos por muitas gerações antes que a estrutura de
pedra fosse e...
entender que a razão pela qual o horizonte continuava a
se mudar para longe era a curvatura da superfície da
Terra - pois ...
mesmo dia do ano, Eratóstenes notou que, ao colocar
uma vara verticalmente no chão, ela lançava uma
pequena sombra. Ele me...
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest

395 visualizações

Publicada em

os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
395
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

213581222 os-segredos-do-templo-de-salomao-kevin-l-gest

  1. 1. Kevin L. Gest Os Mitos em Torno do Rei Bíblico Tradução: Silvio Antunha MADRAS 2011 A Sabedoria é Suprema "Bem-aventurado o homem que encontra sabedoria, o homem que adquire conhecimento... Adquire pois a sabedoria, obtenha entendimento... A sabedoria é suprema; portanto, obtenha sabedoria. Ainda que custe tudo que você tem, obtenha entendimento." Provérbios 3,13 e 4,7 Para: Louis, Emma, Matthew e Alexander - e minha mãe.
  2. 2. Índice Agradecimentos...........................................................................................................................................................................2 Capítulo 1..............................................................................................................9 Por que o Sol?...............................................................................................................9 Conhecimento Secreto - Sabedoria Sagrada.............................................................83 Capítulo 4..........................................................................................................127 O Segredo do Selo de Salomão................................................................................127 Capítulo 5..........................................................................................................158 Pitágoras, Escolas de Mistério e Maçonaria.............................................................158 Capítulo 6..........................................................................................................174 Influência Eclesiástica - Maçons Admiráveis.........................................................................................................................174 Capítulo 10........................................................................................................348 Capítulo 11........................................................................................................371 Capítulo 12........................................................................................................377 Capítulo 13........................................................................................................394 AGRADECIMENTOS A preparação deste livro resultou em muita leitura de assuntos que originalmente não eram familiares para mim, em viagens a outras terras e na investigação histórica de um jeito que antes não havia imaginado. Isso implicou trancar-me com um computador e fazer desenhos sem fim em papel para diagramas, tanto para provar como para investigar diversos critérios. Tudo isso demorou vários anos, durante os quais coloquei minha família em muitas situações inconvenientes. Só posso agradecer-lhes pela paciência e compreensão, enquanto eu me entregava à fascinação por aquilo que descobria. Transmito aos membros da Loja Santa Cecilia 1636 a minha gratidão pelas muitas horas que agüentaram ouvir minhas conversas e palestras por um período de dez anos, quando explicava o que havia descoberto e avaliava a reação deles aos meus achados. Em particular, gostaria
  3. 3. de agradecer ao bom amigo e pesquisador por profissão, o Ven. Irm. Mike Oulten, que ouvia atentamente minhas divagações em outros tempos e me incentivava a continuar procurando. E Mike, mais uma vez, em companhia do Ven. Irm. Ron Cuff OBE, ambos os quais perceberam que eu devia registrar meus achados na expectativa de que seriam de interesse e valor para outras pessoas. Foi o incentivo deles que me inspirou a escrever este livro. Junto a isso, eu gostaria, da mesma forma, de agradecer ao Grão-Mestre Provincial da Província Maçônica de Sussex pela permissão de utilizar a grande quantidade de fotografias do Templo Maçônico de Sussex nesta obra. Também agradeço ao Ven. Irm. Reg Barrow, curador do Museu Maçônico de Sussex, pela paciência de comentar a respeito de algumas de minhas observações, pouco sabendo onde isso poderia terminar. É desnecessário dizer que a publicação de qualquer livro envolve muita gente. Só posso agradecer a todo o pessoal da Ian Allan-Lewis Masonic Books pela ajuda e, em particular, pela orientação e incentivo que recebi de Peter Waller nas primeiras etapas de redação. Nick Grant por sua paciência com as ilustrações e correções, e Martin Faulks pela orientação sobre questões de marketing. Também agradeço à maravilhosa equipe de funcionários e bibliotecários da Biblioteca e Museu Maçônico do Freemasons Hall, em Londres, que tantas vezes a meu pedido procuraram documentos há muito esquecidos e me orientaram para informações que talvez eu jamais levasse em consideração. Eu também gostaria de agradecer aos bibliotecários e outros funcionários que me atenderam na Biblioteca Britânica, em Londres, no Real Instituto de Arquitetos Britânicos, na Real Sociedade
  4. 4. Astronômica de Londres, no Observatório Real de Greenwich, na Biblioteca de Referência de Sussex e na Biblioteca Central da Cidade de Brighton; aos funcionários do Departamento de Turismo do Governo Egípcio, em Londres, da Biblioteca de Referência da Cidade de Westminster, em Londres, do Museu Judaico em Camdem, Londres, e outras fontes de informações e referências que são muitas para citar individualmente. Meus agradecimentos também vão para Crichton Miller pelo uso das imagens que ele criou relacionadas à utilização da cruz céltica; para dr. Robert Lomas por seu incentivo e pela permissão de usar o material desen- volvido a respeito da Jarda Megalítica [Megalithic Yard] e as obras de William Preston; para Paul Bush e o deão da Catedral de Peterborough pela permissão de usar informações e desenhos previamente produzidos a respeito da catedral - novamente são muitas pessoas para mencionar individualmente. Nota especial: neste livro, fiz referências às obras do sr. George Lesser e sua investigação, na década de 1960, do uso de geometria sagrada na construção de várias catedrais em toda a Europa e, em particular, na Catedral de Chartres. Foram feitos esforços para localizar os editores de suas obras, Tiranti, a fim de obter a aprovação paia usar certas ilustrações, mas em vão. Parece que a companhia editora dos Tiranti foi vendida na década de 1970, mas as tentativas de localizar quem naquele tempo possuía as listas de obras publicadas antes resultaram em silêncio. Por isso, peço desculpas antecipadamente por qualquer inconveniência que o uso desse material possa causar-lhes. Todos os esforços foram feitos para rastrear cada detentor de direitos autorais e conseguir a devida
  5. 5. autorização, mas, na eventualidade de alguma omissão, favor entrar em contato com o autor, via editor, para que as correções necessárias possam ser feitas em futuras edições deste livro. Abertura - O nascer do Sol, uma inspiração Ainda estava escuro. Exceto o da minha própria respiração, nenhum outro ruído quebrava o silêncio da noite. As brasas da fogueira ardiam em um rubor intenso. O ar estava tão parado que a fumaça de um braseiro, que queimava parte de uma tora erguida verticalmente, unificava-se com a nebulosa fumaça da Via Láctea, como se a textura nublada acima tivesse sido criada apenas por ela. Saltei para fora do meu saco de dormir. Andando silenciosamente em volta da fogueira para não perturbar meu companheiro, coloquei alguma lenha no fogo para mantê-lo aceso. E também uma pequena chaleira, com água suficiente para fazer uma boa caneca de café quente. Havia acordado muito naturalmente e senti que a alvorada não poderia demorar muito. Nossos relógios de corda haviam parado há alguns dias e não tínhamos a menor idéia de qual horário inventado pelo homem estávamos vivendo. Longe do alcance das estações de rádio, vínhamos, desde a semana passada, levantando com o Sol e encerrando as tarefas do dia quando o Sol se punha. Com o café na mão, afastei-me do fogo, agora inflamado, e me coloquei em frente ao velho Volkswagen. Antes de sair para o sertão australiano, fui aconselhado a usar um dos seguintes três tipos de veículos: um com tração nas quatro rodas; algum carro fabricado no país -
  6. 6. tipo Holden -, cujas peças de reposição eram fáceis de encontrar; ou um Volkswagen refrigerado a ar - sem radiador ou mangueiras d'água com que se preocupar. O velho Volkswagen era tudo o que eu podia pagar. Sentado nas Montanhas Kimberley, no noroeste da Austrália, as estrelas no céu tinham uma claridade rara. A cidade grande mais próxima, que irradiaria luzes intrusas de faróis de carros, semáforos e iluminação das ruas, ficava a cerca de 640 quilômetros. O Cruzeiro do Sul se destacava entre as constelações, enquanto Orion, que eu chamava de "meu velho amigo", pois foi um dos primeiros grupos de estrelas importantes que aprendi a reconhecer, surgia no céu ao norte. Nos meses em que eu estivera no mato, percebi que olhava os céus como centenas de gerações antes de mim haviam feito. As estrelas, muito mais do que qualquer pessoa poderia ver perto de uma cidade, destacavam-se pelo brilho exuberante, enquanto o pano de fundo do espaço sideral era mais negro do que qualquer um pudesse imaginar. Também vi estrelas cadentes em abundância, algo que alguém dificilmente saberia que existe em um ambiente urbano. Embora não tivesse notado quando me coloquei em frente ao Volkswagen com meu café, eu estava virado para o Leste. Quando quase todo café havia sido bebido, o primeiro resplendor da alvorada rompia no horizonte. Não era a primeira alvorada que eu testemunhava, mas presenciei com respeito o desenrolar desse drama de todo dia. As estrelas no oriente começavam a esmaecer à medida que a luz do Sol ganhava força. Quando a bola amarela de fogo apareceu no horizonte, um calor confortável e inesperado atingiu meu rosto em cheio. O ar, que estava completamente parado, de repente e agradavelmente precipitou-se em direção ao horizonte
  7. 7. iluminado, como se o Sol fosse um imenso ímã que o atraísse. Um martim-pescador cantou a distância. Um ruído sussurrante, fraco, vinha do capim branco comprido que nos rodeava, quando as pontas dos caules roçavam suavemente umas na outras ao leve sabor do ar. Um bando de papagaios, cor-de-rosa e cinza - Galahs -, voou bem no alto, rodopiou e circulou, depois arremeteu para o chão, várias centenas de metros abaixo. No ar também se sentia o leve aroma do eucalipto e do capim seco, onde antes nada mais havia além do frescor do ar da noite e da leve fragrância do café instantâneo que saía da caneca encaixada nas minhas mãos. Embora eu tivesse presenciado o alvorecer muitas vezes, nessa manhã, em particular, meus sentidos pareciam encontrar alguma afinidade extra com o mundo ao meu redor. Estava preenchido com uma tranqüilidade e uma paz interior, com um sentimento de estar completamente de acordo com o ambiente à minha volta, totalmente sintonizado com o mundo - com a natureza - e minha participação nele. Era muito bom estar vivo, sentir-me vivo. Tal sentimento vivo deixou sua marca. Ainda hoje, tantos anos depois, posso fechar os olhos e ser transportado de volta àquela manhã e experimentar tudo isso: a luz, o calor, o movimento do ar, até mesmo o cheiro do mundo misturado com o café. Foi uma experiência espiritual que jamais esqueci. Muitos anos depois, minha atenção foi particularmente atraída para o Sol nascente e sua influência sobre as pessoas das antigas civilizações. Precisei de pouquíssimas pesquisas para constatar que tais civilizações cultuavam esse evento como a base da própria vida e que o impacto que ele teve há tantas
  8. 8. gerações continua a ser sentido hoje. Isso voltou à tona nos lugares mais inesperados. A Maçonaria foi um deles.
  9. 9. CAPÍTULO 1 POR QUE O SOL? Salomão, rei de Israel no Antigo Testamento, é um personagem bem conhecido dos adeptos das três principais religiões do Ocidente - o Cristianismo, o Islamismo e o Judaísmo - e se mantém vivo graças às referências ao Templo de Salomão, em Jerusalém, e à sua conhecida sabedoria. Ele foi um líder, um construtor e um diplomata talentoso. E, se a tradição for interpretada de forma lógica, foi claramente um homem de charme e presença considerável - o que talvez ficou consubstanciado no seu relacionamento com a rainha de Sabá. Sua liderança foi demonstrada em muitos atos, o mais significativo talvez ligado à construção e ornamentação do primeiro Templo em Jerusalém. Nas entrelinhas do texto bíblico, o reinado dele coincidiu com um período de estabilidade para os adoradores de Yahweh, um povo cujos ancestrais haviam vagado, errantes, por várias gerações, pela Península do Sinai, depois do êxodo do Egito, e haviam se envolvido em batalhas para garantir a sua terra prometida. Com essa estabilidade, veio também um período de relativa prosperidade, o que fica evidente nas descrições dos opulentos ornamentos do Templo.
  10. 10. Como uma dedução a partir de seus vínculos com o primeiro Templo em Jerusalém, e de sua pretensa sabedoria, somos levados a crer que seu nome era Salomão. Mas suponhamos que não fosse. Vamos presumir que essa palavra servisse para descrever seu cargo e sua posição. Assim, se o nome do Templo fosse um reflexo de seu cargo ou posição, então poderia mudar nosso entendimento a respeito do significado e da finalidade para a qual o Templo servia. Isso poderia definir para que o templo fora criado ou dedicado, em vez de identificar de quem ele recebeu seu nome. A suposta sabedoria de Salomão pode então ter sido um reflexo das habilidades e do conhecimento que ele adquiriu em relação à sua função, em vez de implicar que ele fosse uma pessoa de intelecto superior ou que tivesse poderes de raciocínio altamente desenvolvidos. Os resultados de tal revelação seriam extremamente poderosos. Apesar do fato de eu ter ocupado, por muitos anos, cargos executivos em negócios e também em muitos comitês e organizações sociais, não havia nada em minha vida que tivesse me preparado verdadeiramente para a Maçonaria. Minhas primeiras impressões foram de uma organização cujas práticas eram, na melhor das hipóteses, obtusas. Porém, ao mesmo tempo, existe uma dignidade e uma grandeza nos procedimentos que vêm de uma tradição muito antiga e consagrada. Percebi depois que essa grandeza era realçada pela decoração da sala que a Loja da qual eu era membro usava para suas reuniões. Alguns anos depois da minha iniciação, aquela sala, junto com sua arquitetura e decoração, tornou-se um foco de minha atenção. Isso resultaria em um fascínio que me
  11. 11. levaria a uma jornada de descoberta e mudaria, de uma maneira que eu jamais havia pensado, meu entendimento e minha percepção sobre o quadro histórico de certos eventos associados às principais religiões ortodoxas. O tema da Maçonaria é algo que, por várias vezes nos últimos séculos, atraiu um misto de excitação e histeria do público. Existem famílias nas quais a filiação a essa sociedade fraterna tão antiga existe há gerações, com pais iniciando filhos, e depois netos, com grande orgulho. Existem outras pessoas que a vêem como uma organização que perpetra sentimentos diabólicos e anti- religiosos; uma sociedade secreta na qual os membros estão empenhados em golpes para desestabilizar e derrubar governos, uma associação de homens que está comprometida em garantir que seus membros sejam promovidos a altos cargos no governo local, em instituições ou corporações importantes, em detrimento de qualquer outra pessoa com capacidade similar. Porém, repetidas investigações de funcionários de governos e de pessoas respeitadas, que não eram maçons, mas pesquisaram sua história e estrutura, concluíram que tais temores são infundados. Em vez disso, eles relatam que se trata de uma organização altamente intelectual e moral, que no passado foi instigadora, motivadora e patrocinadora de significativos empreendimentos científicos e de caridade, papel que ainda continua existindo. A Maçonaria é uma organização dominada por homens, embora, desde o início do século XX, participantes femininas passaram a ter sua própria estrutura de Loja no Reino Unido, operando de maneira concomitante à de seus equivalentes masculinos. Os homens ingressam na Maçonaria em várias etapas de sua vida, a partir de 21
  12. 12. anos de idade. Eles vêm de vários substratos socio- econômicos, permanecem membros por várias razões, mas obviamente não o fazem a menos que retirem alguma satisfação interior de sua filiação. O período típico de filiação é acima de 25 anos. A maioria associa-se na meia-idade, embora os que ingressam na juventude provavelmente se tornam membros regulares de apoio por volta de 40 ou 50 anos. Existem aqueles que desistem de sua filiação e também o fazem por razões variadas. A Maçonaria é uma organização global que, se adequadamente regulamentada, é aceita pela constituição da Grande Loja Unida da Inglaterra (GLUI), sujeitando-se a ela. A GLU da Inglaterra tem suas origens em 1717, quando um pequeno grupo de Lojas sediadas em Londres reuniu-se para formar a Grande Loja da Inglaterra, a precursora do órgão administrativo que existe atualmente. Porém, Lojas Maçônicas existem há muito mais tempo. Na Escócia, por exemplo, existem Lojas conhecidas em Edimburgo desde o século XV. A mais antiga Loja conhecida da Inglaterra, cujos registros foram conservados, é a Loja de Antigüidade no 2. Seus livros de atas estão disponíveis desde 1736, mas se sabe que outros estiveram disponíveis desde 1721, e desde então se perderam. Os mais antigos livros de atas guardados na Biblioteca do Freemasons Hall, em Londres, são da reunião de uma Loja que se juntava em uma taberna conhecida como Swan and Rummer [Cisne e Copázio] e datam de 1725. Porém, Elias Ashmole registrou em seu diário que foi iniciado como maçom especulativo em Warrington, em 1646, cerca de 70 anos antes da forma- ção da Grande Loja da Inglaterra. Existiram, no passado, muitos autores e pesquisadores eminentes que acreditavam que as origens da Maçonaria
  13. 13. derivavam do conhecimento sagrado conservado pelos sacerdotes do Antigo Egito; que o mesmo foi transferido para as civilizações da Grécia e de Roma antes de chegar à Grã-Bretanha com as legiões romanas, há 2 mil anos. As reuniões típicas da Loja consistem na representação de uma série de peças curtas que contêm uma mensagem moral e incentivam a compreensão pessoal e o entendimento. Tudo isso está contido em uma complicada história que envolve a construção do Templo de Salomão. Caracterizado nos livros de Crônicas e Reis do Antigo Testamento, o Templo de Salomão dispõe da aura de ter sido algo especial, uma aura que resistiu ao passar do tempo. Existem muitos livros dedicados apenas ao tema do Templo, com uma ampla variedade de imagens e modelos feitos através dos séculos em tentativas de revelar como o mesmo deve ter sido. Apesar disso, o Templo de Salomão demonstrou ser um enigma. Alguns arqueólogos e pesquisadores acadêmicos chegaram mesmo a questionar se ele existiu algum dia. Na introdução de seu livro essencial A Test of Time [Um Teste do Tempo], o dr. David Rohl reflete sobre uma tese apresentada pelo professor Thomas L. Thompson da Universidade de Copenhague, considerado pelo dr. Rohl como "uma das maiores autoridades em assuntos bíblicos". O dr. Rohl comenta a opinião do professor Thomas L. Thompson assim: (...) basicamente ele está dizendo que as histórias do Antigo Testamento são composições ficcionais, escritas no segundo século a.C., e que, como resultado, seria uma "completa perda de tempo" (em suas palavras) alguém
  14. 14. tentar confirmar essas histórias por meio da arqueologia (...). De fato, a base do livro do dr. Rohl se origina da questão sobre a significativa defasagem entre aquilo que o texto bíblico nos conta, que aconteceu há 3 ou 4 mil anos, e a capacidade da comunidade arqueológica de provar isso por meio de evidências de campo, apesar de 150 anos de escavações no Egito, em Israel e em territórios adjacentes. O dr. Rohl prossegue, fazendo uma observação mais interessante como conseqüência dessa falta de evidências: (...) temos um problema fundamental para aqueles que defendem o uso da Bíblia como fonte de história. As escavações históricas no Egito e no LEVANTE, em andamento na maior parte dos últimos dois séculos, não produziram evidências tangíveis para demonstrar a veracidade arqueológica das narrativas bíblicas iniciais. O material direto de apoio à história tradicional da nação israelita, legado nos livros de Gênesis, Êxodo, Josué, Juizes, Samuel, Reis e Crônicas, virtualmente não existe. É como se os israelitas simplesmente tivessem pegado seus pertences, deixado o Egito no reinado de Ramsés II (no século XIII a.C.) e se encaminhassem para o Sinai, para milagrosamente desaparecer da História por cerca de 400 anos, antes de voltarem à tona nas inscrições da campanha dos reis da Assíria do século IX. Aonde eles foram? De acordo com a Bíblia, eles foram se instalar na Palestina, onde afinal deveriam forjar uma pátria sob os carismáticos reis do Período da Monarquia Unida: Saul, Davi e Salomão. Mas virtualmente nada parecido com essa aventura épica foi encontrado nos registros
  15. 15. arqueológicos da Palestina. Aliás, os séculos da longa peregrinação na terra dos faraós também não deixaram absolutamente nenhum vestígio no vale ou no delta do Nilo. O dr. Rohl prossegue para acrescentar: (...) é essencial encontrar evidências arqueológicas que mostrem que os eventos registrados no Antigo Testamento verdadeiramente aconteceram e que personagens como José, Moisés, Saul, Davi e Salomão realmente caminharam por esta Terra por volta de 3 a 4 mil anos atrás? Claramente, se existe dúvida de que Moisés, Saul, Davi e Salomão de fato caminharam por esta Terra, então, por definição, também deve existir alguma dúvida se o Templo atribuído a Salomão foi mesmo construído. Por outro lado, o templo, que depois alcançaria certa fama, pode ter sido construído, mas não por Salomão, ainda que atribuído a ele no texto do Antigo Testamento. Algumas pessoas sugeriram que o Templo não foi realmente construído em Jerusalém, mas que fazia parte de um complexo, atribuído a Salomão, que foi escavado em Megido. Mas mesmo a conexão de Salomão com essas escavações é duvidosa. Novamente citamos o dr. Rohl: Através dos anos até o presente, têm sido mostradas estruturas monumentais, de vários períodos arqueológicos que se estendem por séculos, atribuídas às atividades de construção de Salomão nas cidades de Megido, Gezer e Hazor. O "Portão de Salomão", em Megido, não é mais datado dos tempos de Salomão,
  16. 16. embora a sinalização turística moderna, erguida na frente do mesmo, continue a informar aos visitantes que eles estão diante de um portão "dos tempos de Salomão. O enigma da existência de Salomão acabou ficando ainda mais confuso. O dr. Rohl menciona que Salomão não era seu nome de nascimento, mas um nome atribuído a ele algum tempo depois de sua morte. Então, se não existiu ninguém com o nome de rei Salomão, quem seria a pessoa que posteriormente adotou esse nome? E por que seu nome foi mudado? Supõe-se que a época à qual nos referimos como a do reinado de Salomão tenha sido um tempo em que seu reino gozou de um período prolongado de paz. Por isso, deduziu-se que o nome dele derivava da palavra hebraica shalom, que significa paz. Existem outros pesquisadores que têm diferentes interpretações para a origem do nome dele, assunto que será devidamente retomado adiante. Então, existe um problema potencial. Com base em comentários recentes do professor Thompson, ampliados pelo dr. Rohl, a comunidade arqueológica nos deixa com um dilema: • Temos um povo que constitui o foco central de muitas religiões ocidentais, mas que aparentemente deixou pouca ou nenhuma evidência arqueológica de sua existência inicial na Palestina, no Sinai ou no Egito. • Temos a impressão de que não existem evidências de ter existido um grupo de reis, Saul, Davi e Salomão, cujo comentário escrito no Antigo Testamento é fonte diária de considerável inspiração para milhares de pessoas.
  17. 17. • É questionável se a edificação que constitui a peça fundamental da organização fraterna mais antiga do mundo, a Maçonaria, jamais tenha existido. • É duvidoso se o nome atribuído à pessoa reverenciada pela sua empreitada de construção e por sua sabedoria, Salomão, tenha realmente sido seu verdadeiro nome. O que vamos fazer com tudo isso? Existem respostas possíveis para os problemas causados pela falta de evidências observada antes, como o dr. Rohl habilmente demonstra em seu livro. Ele faz isso por meio do reexame de algumas evidências e artefatos arqueológicos que foram recuperados, mas considerados de um contexto diferente pela comunidade arqueológica. Isso, entretanto, ainda nos deixa com um número de perguntas sem respostas, especialmente em relação à Salomão e a conexão com a Maçonaria. Se não há evidências para provar a existência de um homem chama- do Salomão, então como ele e o Templo que lhe é atribuído foram ligados à Maçonaria? Não havia referências aparentes em minha família de filiação à Maçonaria por parte de pai, mas sim por parte de mãe. Quando estava no início de minha adolescência, minha avó encorajou-me à filiação caso a oportunidade aparecesse. Ela vinha de uma família razoavelmente grande, que cresceu no começo do século XX. A maior parte de seus irmãos havia sido membros da fraternidade e muitas de suas irmãs se casaram com homens que eram maçons, ou se tornaram, sendo encorajados por sua tradição familiar. Desse modo, tendo sido devidamente planejado pela minha avó, quando surgiu a oportunidade de ingressar, perto da minha chegada à meia-idade, eu também fui iniciado nessa antiga instituição.
  18. 18. Alguns anos após a minha iniciação, tivemos uma palestra em nossa Loja, a primeira em muitos anos, conhecida como Palestra de Preston, assim chamada em homenagem a um dos grandes registradores e historiado- res maçônicos, Willian Preston. Este é especialmente lembrado pela obra Illustrations of Masonry [Ilustrações da Maçonaria], publicada pela primeira vez em 1772 e que se tornou referência freqüentemente citada nos registros maçônicos antigos. Uma Palestra de Preston é aquela, segundo o que nos dizem, fundamentada em uma pesquisa bem estruturada. O título da palestra a que assistimos naquela noite era "A História da Maçonaria na Inglaterra". O tema em pauta prendeu a minha atenção e aguardei com interesse o início dos trabalhos, pois desejava ter uma compreensão clara de uma história que até aquele momento continuava amplamente desco- nhecida para mim. Ouvi atentamente. Fiquei pouco entusiasmado com as conclusões. Elas afirmavam que: • não havia história da Maçonaria na Inglaterra antes de 1717, ano em que a Grande Loja da Inglaterra foi formada por quatro Lojas sediadas em Londres. • embora alguns membros acreditassem que a Maçonaria guardasse algum grande segredo, muitos haviam procurado e chegado à conclusão de que ali nada disso existia. • a Maçonaria havia sido formada apenas como um clube de cavalheiros e assim permanecera até os dias atuais. Por razões que não posso explicar, uma descrença completa nessas conclusões cresceu dentro de mim nos meses seguintes. Acho que eu esperava que algo mais misterioso fosse revelado, e como isso não aconteceu,
  19. 19. senti que deveria existir alguma coisa a mais. Assim sendo, gastei os dois anos seguintes lendo uma ampla variedade de livros sobre a história maçônica. Embora eles trouxessem uma quantidade considerável de infor- mações, não respondiam as muitas questões fundamentais que surgiram em minha mente. Muitos dos livros oficiais sobre a Maçonaria haviam sido escritos algumas décadas antes e, muitas vezes, baseavam-se em pesquisas realizadas no final do século XIX. A maioria tratava da história da instituição, especulando sobre suas origens e/ou de onde derivavam certas práticas e elementos de nossas cerimônias. Ao final desse breve período de leitura e pesquisa, muitas outras questões haviam surgido em minha mente: 1. A Grande Loja Unida da Inglaterra, em uma gravação de vídeo produzida e disponibilizada para qualquer pessoa interessada em Maçonaria, mencionava que nossas cerimônias giravam em torno de uma complicada história, envolvendo o Templo do Rei Salomão. a. Por que, eu me perguntei, esse edifício, brevemente mencionado no Antigo Testamento, deveria ter tal foco de atenção? b. Existia alguma coisa a respeito desse edifício que não fosse imediatamente óbvia? c. Por que o assim chamado clube de cavalheiros estaria interessado em um obscuro edifício religioso da Antigüidade? Era difícil imaginar que alguém, em algum momento das últimas centenas de anos, de repente levado por uma onda de imaginação erudita, tivesse achado uma boa idéia incluí-lo nas cerimônias maçônicas e de fato conseguisse fazer isso.
  20. 20. d. Existia, eu me perguntei, algo a respeito do Templo de Salomão que não fosse imediatamente óbvio quando subentendido ou transmitido pelo ensino religioso tradicional? 2. No começo de uma das cerimônias maçônicas, indica- se que a Maçonaria é um sistema próprio de moralidade, coberto de alegorias. Eu pensei que soubesse o que era uma alegoria, mas, apesar disso, fui procurar no Oxford Dictionary para ter certeza de que a minha interpretação estava correta. A definição afirmava que era uma: "narrativa que descreve um assunto sob a aparência de outro". Em outras palavras, uma alegoria é uma coisa mascarada ou apresentada como outra coisa. Uma verdade ou uma realidade subliminar ou oculta da visão evidente, como em uma história. Assim, dentro das nossas cerimônias, existe uma declaração aberta de que debaixo da aparência externa da Maçonaria existe alguma coisa que está escondida e não imediatamente óbvia. Isso, eu pensei, dificilmente está de acordo com as conclusões da Palestra de Preston de que não existe nada ali. 3. Meus instintos levaram-me de volta à referência sobre sistema próprio de moralidade. Sem uma análise mais profunda, este é um ideal altamente respeitável, para encorajar a honestidade e a integridade em todas as coisas que uma pessoa faz na vida. A moralidade é um código pelo qual uma pessoa deve viver sua vida e regular suas ações. É, portanto, um código que governa a vida e lhe dá ordem. É um código pelo qual povos civilizados devem conduzir seus negócios e se relacionar uns com os outros. Comecei a me perguntar por que a palavra próprio precisava ser usada. Convenci a mim mesmo de que talvez a referência a um sistema próprio de moralidade pudesse se referir a algum
  21. 21. outro código que, de modo organizado, influenciasse a nossa vida. 4. Desenvolvi um fascínio pelo ano no qual quatro Lojas, sediadas em Londres, reuniram-se para criar uma corporação administrativa única a fim de governar seus procedimentos - a Grande Loja da Inglaterra. O ano em questão era 1717. Esse número é freqüentemente usado por acaso como nota de rodapé da história maçônica - um ponto de referência de passagem e nada mais. Mas esse número - 1717 - é muito simétrico. Por que as quatro Lojas com sede em Londres se juntaram nesse ano em particular e não no ano anterior, 1716, ou no ano seguinte, 1718? Durante algum tempo comecei a achar que estava atribuindo um grande significado a algo que era, apesar de tudo, apenas um número para definir um ano. Mas eu estava bem alerta para o fato de que nada na Maçonaria é realmente tão simples, tudo existe ali com uma finalidade. A simetria dos números me intrigou, mas muitos anos passariam antes que uma resposta inesperada se apresentasse a mim. Quando alguém participa pela primeira vez de uma Loja Maçônica, é aceito naquilo que é conhecido como O Ofício. As Lojas de Ofício na Maçonaria abrangem três níveis de capacitação, conhecidos como graus. Esses graus são chamados: Aprendiz: significa, como nas profissões de antigamente, aquela pessoa que não sabe nada das habilidades da profissão em que ingressará e que está no ponto de partida de seu processo de aprendizagem. O nome desse indivíduo é incluído no registro para mostrar sua aceitação
  22. 22. como apto para treinamento, exatamente como no sistema das antigas Guildas. Companheiro: significa que o conhecimento, a compreensão e as habilidades básicas da arte foram alcançadas. Mestre Maçom: significa que agora a pessoa adquiriu o entendimento completo das habilidades da indústria e é Mestre da Arte. Hoje esses três níveis de capacitação estão mais relacionados ao entendimento simbólico do que ao conhecimento real associado à arte de moldar e entalhar a pedra. Cada Grau tem uma cerimônia bastante específica pela qual todo maçom deve passar. Todas essas cerimônias são decoradas e passadas de uma geração de maçons a outra, de cor, exatamente como as tradições orais das antigas civilizações e como os maçons operativos de antigamente faziam. Como quase todas as sociedades e clubes, a administração de cada Loja é empreendida por membros nomeados e eleitos para realizar tarefas específicas, como Secretário, Tesoureiro, Mestre de Banquete e Esmoler. Existem três cargos principais em cada Loja. Eles são conhecidos como o Venerável, exatamente como o Presidente de qualquer organização social; o Primeiro e o Segundo Vigilante, cujos papéis são parecidos com o de presidentes em treinamento. Existem outros cargos na Loja, normalmente classificados pelos mais velhos, que participam e realizam as cerimônias. À medida que a pessoa progride em cada cargo, torna-se então responsável por uma parte específica de cada cerimônia,
  23. 23. uma parte que precisa ser decorada tanto em palavras como em ações. A sala na qual minha Loja se reunia em Sussex, na Inglaterra, era mencionada como um Templo Maçônico. Outras salas usadas por Lojas em outras localizações geográficas, muitas vezes, eram mencionadas como Salas de Loja, o que indicava que ali havia alguma diferença. Por que, eu me perguntei, havia ali alguma diferença? Essas razões, eu descobri depois. Uma nova cidade, um novo Templo O Templo de Sussex é único e o prédio que o abriga conquistou o status de Edifício Listado. Isso quer dizer que é visto como uma construção de significado histórico e arquitetônico especial e que seu caráter deve ser preservado. Nem sempre foi usado como edifício maçônico. Foi construído originalmente na década de 1820 e depois foi usado como residência de uma família proeminente do negócio de cervejaria local. No final do século XVIII, uma pequena cidade de pesca situada na costa sul da Inglaterra, uma aldeia chamada Brighthelmstone, de repente se viu em uma situação muito desagradável. O príncipe regente, filho do rei George III, depois coroado como George IV, adquiriu uma chácara perto do mar e determinou que fosse construído nela um palácio. Fascinado pelos desenhos do Oriente, reconhecendo que naquela época o Império Britânico estava expandindo sua influência em territórios como a Índia, a arquitetura do palácio refletia seus interesses. Arquitetonicamente, o mesmo não estaria deslocado se tivesse sido construído por algum marajá. Mas, nessa pequena aldeia costeira de pesca, causou um rebuliço
  24. 24. total. Atualmente, com seu interior restaurado em sua antiga glória, é conhecido como o Pavilhão de Brighton, uma importante atração turística na estância balneária de Brighton. E desnecessário dizer que o advento do novo palácio resultou na rápida transformação da antiga aldeia de pesca em uma cidade na moda, enfeitada com espetaculares residências, ladeadas por outras casas que refletiam a arquitetura georgiana da época em que foram construídas. Foi durante esse período da expansão urbana de Brighthelmstone, que o antigo príncipe regente, o rei George IV, tornou-se maçom e, depois, Grão-Mestre. À medida que a cidade de Brighton se expandia e sua população crescia, nas décadas seguintes, tornou-se o destino obrigatório de uma invenção, a estrada de ferro, que trouxe enorme prosperidade à cidade. Foi nesse cenário de desenvolvimento da cidade que, em meados de 1800, os maçons de Sussex começaram a procurar um local onde pudessem estabelecer uma sede permanente. Uma reunião dos maçons de Sussex foi realizada na Prefeitura de Brighton, em 1858, e, embora vários locais fossem examinados e muitas outras reuniões dos maçons de Sussex acontecessem, em 1893, o então Grão-Mestre Provincial lamentou que por várias razões nenhuma das plantas podia ser aproveitada. Alguns anos mais tarde, em 1897, a antiga casa pertencente à família da cervejaria e uma área adjacente de um terreno baldio, ambas ficando a poucos minutos de caminhada da estação ferroviária de Brighton, tornaram-se propriedades dos maçons de Sussex, estabelecendo a sede maçônica permanente que eles procuravam há tanto tempo. No mesmo ano, a pedra fundamental foi lançada para que a antiga residência se transformasse em um Clube Maçônico, que, no final da reforma, ostentava um salão de
  25. 25. sinuca, salas para comissões e salas menores onde as Lojas podiam praticar suas cerimônias. Não foi antes de 1928 que o Templo Maçônico de Sussex foi construído no complexo que existe hoje em dia. Uma das razões para a demora na construção do Templo foi a Primeira Guerra Mundial, a Grande Guerra que ocorreu de 1914 a 1918, após a qual, por causa da colossal carnificina humana nos campos de batalha da Europa, houve considerável redução de mão-de-obra especializada. Essa redução de homens capacitados retardou as oportunidades para a construção. Por isso, a pedra fundamental foi lançada em 26 de junho de 1919 pelo Grão-Mestre Provincial de Sussex, o duque de Richmond. A edificação foi consagrada nove anos depois, em 20 de julho de 1928, por lorde Ampthill. Enquanto estava investigando o cenário desses acontecimentos e expondo minhas descobertas para um companheiro de Loja - um pesquisador local bem conceituado -, ele chegou à conclusão de que um conceito do desenho do Templo provavelmente já havia sido definido em meados do século XVII. Esse conceito possivelmente ditava inclusões específicas, o formato resultante e o espaço necessário. O que se procurava, depois da reunião na Prefeitura de Brighton, em 1858, era um local onde pudesse ser construído. A antiga moradia do cervejeiro, junto com o terreno baldio adjacente a ela, constituíam o local ideal. E, como era uma cidade que gozava de amparo real e atraía muitos moradores com influência política, fortuna e posição social, nenhuma despesa seria poupada em sua execução. O Templo Ma- çônico de Sussex evidentemente pretendia ser algo especial. De fato, temos uma clara indicação disso nas atas, após a cerimônia de dedicação. Ao propor um brinde
  26. 26. ao "Templo Maçônico de Sussex", o Mui Venerável Irmão sir Alfred Robbins concluiu com estas palavras: Eu tive a oportunidade de examinar o edifício e jamais vi outro mais bem planejado para o uso ao qual foi proposto. Fico satisfeito que nossos filhos e os filhos dos nossos fi- lhos possam, em tempos vindouros, rememorar o evento deste dia e dizer que nessa época existiram maçons que acreditaram totalmente nos grandes princípios da Maçonaria e, por isso, se empenharam em erguer um edifício merecedor sob todos os aspectos das tradições da Maçonaria e merecedor da alta posição que a mesma alcançou. Essas palavras por si só deixam claro que realmente aquele era considerado um edifício muito especial. Algo especial foi o que a construção se tornaria, como veremos nas páginas seguintes. Por uma dessas estranhas coincidências que às vezes acontecem, a Loja na qual fui iniciado se reuniu nas salas do Pavilhão Real a maior parte do tempo nos anos iniciais de sua existência, antes de se mudar para o Templo Maçônico de Sussex, pouco depois do edifício ter sido concluído. A decoração incomum levantou questionamentos Embora tenha visitado outros complexos maçônicos ou locais onde as Lojas realizam suas reuniões, tanto na Grã-Bretanha como no exterior, eu ainda estava para encontrar algum cuja decoração ornamental se comparas- se com aquela onde a minha própria Loja se reúne. Ele até hoje ainda é decorado de forma espetacular: as paredes têm painéis de madeira, existe uma suave
  27. 27. claridade difusa, que torna possível a iluminação uniforme em volta da sala, fornecida discretamente e oculta em uma galeria engalanada com uma decoração floral. Os principais móveis são de madeira, exuberantemente entalhados com grande esmero e habilidade por mãos desconhecidas, feitos há várias décadas. Na área central, sobre o antigo chão de madeira, há a inserção do pavimento mosaico em preto e branco, cercado pela orla dentada. No centro do pavimento, existem dois círculos de diferentes tamanhos, um dentro do outro; o menor contém a letra "G" pintada em dourado. Mas a característica dominante da sala é um zodíaco enorme, lindamente decorado, no teto. Medindo cerca de 40 pés (12,5 metros), seu efeito é irresistível quando visto pela primeira vez. Em intervalos equidistantes em torno da circunferência do zodíaco, existem 12 pequenos painéis que exibem a representação ilustrativa de cada símbolo do zodíaco - cada qual pintado à mão por um artista
  28. 28. desconhecido. Dentro do círculo descrito pelo zodíaco, o teto sobe para formar uma cúpula, a abóbada celeste, pintada à mão em azul pastel suave e complementada com estrelas e com um símbolo do Sol. O teto em abóbada projeta-se por inteiro diretamente em cima do pavimento mosaico. Fica evidente que nenhuma despesa foi economizada quando tudo isso foi instalado originalmente. Definitivamente, tal sala era considerada de grande importância para receber tanto esmero e atenção. Durante os primeiros dez anos de minha carreira maçônica, visitei essa sala em muitas ocasiões e sua ambientação se tornou o pano de fundo de um cenário tão familiar para nossas ocupações que não atribuí à decoração nenhum outro pensamento. Mas, quando entramos em uma era muito mais aberta a respeito do movimento maçônico, após muitos anos de suspeita, fustigação e acusações infundadas sobre sermos uma sociedade secreta, foi realizado um evento social nesse complexo maçônico para o qual companheiras e esposas foram convidadas. Uma exibição especial sobre nossa história foi montada no templo principal. Foi dessa maneira que minha esposa passou pela porta do Templo, quando então ficou imediatamente perplexa com a preeminência do zodíaco. Ela virou-se para mim e perguntou por que aquilo estava ali. Fiquei um pouco envergonhado de ter de admitir que não sabia o porquê. Igual pergunta surgiu a respeito do pavimento mosaico e novamente precisei admitir a completa falta de compreensão da finalidade daquilo. Outras questões surgiram a respeito da decoração e do tamanho de vários objetos e o meu embaraço, por não ter respostas satisfatórias, foi ficando cada vez mais intenso. No final daquela noite, percebi que estivera tão envolvido em fazer
  29. 29. direito a minha parte nas cerimônias, que não havia dado o devido valor àquilo que estava ao meu redor, o porquê de estar ali ou o que significava. Isso era algo que claramente eu precisava corrigir. Cada Loja realiza o que é conhecido como Instrução da Loja, noites em que cerimônias são ensaiadas e alguns fatos menos conhecidos sobre a Maçonaria são revelados. Tendo participado regularmente dessas noites, fiquei um pouco surpreso de não ter sido informado da razão e do significado das instalações do Templo. Indaguei aos mais antigos da Loja o motivo do zodíaco estar ali. Fiquei pasmo ao descobrir que nenhum deles sabia. Alguns membros dos mais antigos comentou que nosso Grão-Mestre Provincial Adjunto, um cargo muito alto da Maçonaria sediada em Sussex, certa vez disse que ele mesmo havia se perguntado sobre o significado de o zodíaco. Pedi a opinião do curador do Templo, e ele comentou que também não sabia. Por meio dessas respostas percebi que, se aquilo tivera algum significado na época em que foi instalado, então esse entendimento se perdera para a atual geração de maçons. Esse ponto ficou mais bem demonstrado quando o curador acrescentou o comentário: "Se algum dia você ficar sabendo, então, por favor, conte-me. Essa é a primeira pergunta que sempre me fazem quando recebo visitantes no Templo". Depois fiquei sabendo que o curador era muito bem informado a respeito da história maçônica, de modo que o comentário dele dava a entender que a descoberta de alguém que conhecesse o significado do zodíaco seria bastante improvável. Se eu quisesse encontrar a resposta, então precisaria procurá-la por mim mesmo.
  30. 30. Dessa experiência com nossos anciões maçônicos, logo cheguei à conclusão de que empenhávamos esforços consideráveis para aprender e aperfeiçoar nossas cerimônias, mas que não dedicávamos tempo algum ao entendimento daquilo que fazíamos, ou por que fazíamos aquilo. Se essa mesma situação fosse comum em outras Lojas, então nossa organização como um todo corria sério risco de perder todo vestígio e entendimento a respeito da base de nossa antiga instituição e, consequentemente, terminaríamos como uma sociedade que seria como uma concha oca, vazia de conteúdo. Quando externei essa opinião para alguns dos maçons seniores da região de Sussex, eles reconheceram que talvez já havíamos chegado a tal situação. Os comentários negativos só serviram para me incentivar a encontrar respostas. A busca pelo entendimento Existem pessoas que acreditam que a Maçonaria seja uma sociedade secreta, o arauto de algum grande segredo. A visão oficial, como mencionei anteriormente, é que a Maçonaria não passa de um clube de cavalheiros. Como qualquer maçom confirmará, as cerimônias dos três graus do Ofício usam uma linguagem um tanto enigmática, junto com ações complexas, algumas das quais podem ser desconfortáveis de se realizar e passí- veis de discussões, sendo deliberadamente planejadas para serem assim. Agora, quando essas cerimônias são bem realizadas, elas transmitem uma dignidade e uma grandeza raramente experimentadas hoje em outros gêneros de vida. Essas cerimônias são totalmente únicas. Então, qualquer maçom que ler este livro entenderá o meu ponto de vista, quando afirmo que cheguei à
  31. 31. conclusão de que qualquer indivíduo ou grupo de pessoas, que tenha deliberadamente se assentado à mesa, há várias centenas de anos, e concebido nossa organização, nossas cerimônias - tanto na retórica como nas ações, na estrutura, nos cargos, nas insígnias e no mobiliário -, com a finalidade exclusiva de criar um clube de cavalheiros, estaria, sem sombra de dúvidas, sofrendo de algum sério distúrbio mental. Apesar dos muitos livros oficiais que indicavam e explicavam a origem e o significado simbólico ocultos sob certos aspectos de nossas cerimônias, não existiam explicações para muitos dos pontos que começaram a me intrigar. Entre eles estava a maneira como o Sol figura em nossas cerimônias, ao indicar: • que o Sol nasce no Oriente; • que existe um cargo para marcar o Sol poente; • que existe um cargo para marcar o meridiano (o ponto mais alto) que o Sol alcança no céu, ponto que chamamos meio-dia; • que a Terra gira constantemente sobre seu eixo em sua órbita em torno do Sol. Existem outras referências ao Sol, além das mencionadas. Até mesmo o símbolo que o Grão-Mestre mostra em parte de sua insígnia é o do Sol. Por que, eu me perguntei, fazemos isso? Por que existe toda essa referência ao Sol? Por que um clube de cavalheiros precisaria chamar a atenção para essas coisas? Imagens perdidas
  32. 32. O Templo Maçônico de Sussex tem outra característica: mantém um museu e um centro de exposições de itens da memória do passado maçônico. Isso inclui grande quantidade de aventais e outros objetos ilustrativos que faziam parte das imagens que compunham as insígnias da Maçonaria nos séculos XVIII e XIX. O que surpreende é que grande parte dessas imagens contém o símbolo do Sol, da Lua e das estrelas, e também ilustrações pictóricas de referências bíblicas: a escada de Jacó, conectando o Céu e a Terra, está particularmente bem representada. Hoje em dia, as insígnias da Maçonaria são produzidas em massa por poucos fornecedores especializados e adquiridas pelos membros como objeto necessário ao progresso e à posição de alguém. Um belo avental bordado, com data em torno de 1785, junto com representações do Sol e da Lua. Porém, nos séculos XVIII e XIX, tudo era feito à mão, especialmente os aventais, alguns dos quais exibiam imagens pictóricas maravilhosas, delicadamente bordadas com muita habilidade. Hoje em dia, adquirimos as insígnias a cada nova posição que avançamos. Nos séculos anteriores, os membros acrescentavam novas
  33. 33. imagens às insígnias existentes para indicar a posição que ocupavam na Loja. Assim, no passado, essas imagens indicavam conhecimento e entendimento, enquanto hoje em dia as insígnias são estilizadas, com mais simplicidade, destituídas de imagens elaboradas e mais indicativas da hierarquia e do tempo da filiação. O que havia ocorrido, me perguntei, para causar tal mudança? Por que, de repente, o Sol, a Lua, as estrelas e as imagens bíblicas saíram de moda das insígnias maçônicas? A Loja em que fui iniciado é, por padrões modernos, muito antiga, tendo sido fundada em 1876. Originalmente, para alguém ser aceito como membro, precisava ser músico ou de alguma forma estar ligado à música, como um organista de igreja. O resultado dessa conexão musical foi que a Loja acabou sendo batizada de acordo com a santa padroeira da música, Santa Cecília. Na época em que a Loja foi fundada, um estandarte foi feito para ser exibido sempre que a Loja estivesse reunida. Esse estandarte media cerca de 1,82 metro de comprimento por 1,5 metro de largura, e foi delicadamente bordado com fios de seda para exibir a maravilhosa imagem dessa famosa santa. Também bordadas no estandarte existiam imagens geométricas, semelhantes aos símbolos que se destacavam em outros objetos do século XIX, inclusive o símbolo do pentagrama. Depois de cerca de 75 anos de bons serviços prestados, durante os quais ela foi reparada várias vezes, o estandarte original foi considerado sem condições de mais reparos, sendo doado ao Museu Maçônico de Sussex. Outro estandarte foi feito, semelhante em cada aspecto ao original, mas com uma revisão principal: o pentagrama foi omitido. Na mesma época, existiam duas lâmpadas ornamentais,
  34. 34. cuidadosamente fabricadas em ferro fundido, que iluminavam a entrada principal do Templo Maçônico de Sussex. Uma delas tinha o símbolo geométrico do Selo de Salomão e a outra era decorada com o pentagrama. Em um tempo de vandalismo insensato, essas lâmpadas tornaram-se alvo de persistente estrago, durante o qual em uma ocasião a lâmpada que mostrava o pentagrama foi arrancada da parede. Quando a mesma foi substituída, o pentagrama foi removido e a lâmpada substituta foi decorada com mais um Selo de Salomão. Lamentavelmente, desde então, ambas as lâmpadas foram removidas. Por que o até então altamente respeitado modelo geométrico do pentagrama, um exemplo do qual se destaca or- gulhosamente nos degraus principais do Freemasons Hall, em Londres, na sede da Grande Loja Unida da Inglaterra, a corporação que governa a Maçonaria, caiu tão dramaticamente em desgraça? Essas eram questões para as quais não havia resposta imediata. Imagens místicas Existia ainda mais alguma coisa a respeito do Templo de Sussex que era intrigante. Assim como o degrau da entrada principal do Freemasons Hall, em Londres, mostra a representação de um pentagrama, o degrau principal do complexo de Sussex exibe um modelo completamente diferente: seções de círculos rodeadas por um círculo externo.
  35. 35. Mais uma vez procurei os maçons mais antigos de Sussex e perguntei a respeito do significado daquilo. Houve zombarias de que se tratava de um sinal secreto, cujo simbolismo eles não poderiam divulgar. Ficava óbvio por esse comportamento que eles que não tinham mais nenhuma idéia da importância daquela representação, como não tiveram sobre o zodíaco. Esse desenho entrou para a minha lista como mais um item a ser investigado. Começa a busca - graças à BBC Resolvi encontrar respostas para as questões que entraram no foco central. Assim que minha busca começou, vários eventos ocorreram em minha vida em um curto espaço de tempo que, de modo imprevisto, tiveram considerável influência sobre a minha linha de pesquisa. Isso acabou virando um rumo de pesquisa que me levou por um caminho de descoberta e esclarecimento, colocando-me em contato com pessoas de prestígio, enviando-me a lugares distantes que de outra maneira talvez eu apenas sonhasse visitar. Em primeiro lugar, eu estava inseguro por onde começar. Demorei muito para chegar à conclusão de que, se seguisse um caminho tradicional de investigação, terminaria com uma resposta tradicional. Eu teria que pro-
  36. 36. curar e abordar qualquer investigação sobre o tema do zodíaco, do pavimento, do pentagrama e do símbolo no degrau da frente do Templo de Sussex de um ângulo inteiramente diferente, usando outras fontes além das tradicionais obras maçônicas. Raciocinei que, se ainda assim terminasse com uma resposta tradicional, então ficaria satisfeito. À medida que ponderei a questão a respeito de quais fontes deveria usar, várias semanas passaram. Uma tarde, eu estava dirigindo perto do Aeroporto Gatwick, de Londres, e ouvia um programa no rádio do carro transmitido pela BBC. Nesse programa em particular, os ouvintes eram incentivados a escrever para o apresentador em busca de respostas para questões que os intrigassem. Toda semana, várias dessas questões eram tratadas em determinada tarde, em um segmento conhecido como "Answers Please" [Respostas, Por Favor]. Sendo assim, naquela ocasião em que eu estava ouvindo o rádio perto do Aeroporto Gatwick, escutei que um ouvinte escreveu para o programa dizendo que havia lido que existiam muitas discrepâncias entre as afirmações bíblicas e sua relação com eventos históricos. O ouvinte perguntava se o programa podia trazer mais luz ao assunto, verificando se isso era verdade. Para conseguir respostas, o apresentador da BBC fez algo que parecia ser um contato ao vivo com o Vaticano, em Roma, falando com um bibliotecário do Vaticano e perguntando a questão do ouvinte. O bibliotecário concordou que existiam muitas afirmações de eventos que não se encaixavam naquilo que hoje conhecemos como a cronologia real, com base em calendários produzidos a partir dos registros históricos conservados. Uma observação em particular, que eu vou parafrasear, ficou
  37. 37. gravada em minha mente. Ela foi exposta da seguinte forma: Por exemplo, observou o bibliotecário, referimo-nos a Jesus de Nazaré, sugerindo que ele veio de uma cidade com esse nome. As autoridades romanas eram muito conscienciosas e meticulosas a respeito dos registros que faziam. Muitos documentos dessa época foram conservados. Não fomos capazes de localizar nenhum mapa dessa área, nem qualquer documento conservado dessa época, que mostre um lugar chamado Nazaré. Nossas investigações mostraram que não existiu nenhum lugar com esse nome antes de cerca de 600 d.C. Então isso nos coloca diante de um problema com referência a esse termo: Jesus de Nazaré. Essa simples afirmação me forneceu a possível explicação para aquilo que eu estava procurando. Parecia lógico dar uma olhada mais próxima no pano de fundo e no cenário histórico e arqueológico do Templo de Salomão do que meramente confiar no texto bíblico e na fé orientada pela Igreja. Logo consegui perceber que existia considerável diferença entre o meu entendimento, baseado naquilo que me ensinaram na escola e por meio da doutrinação religiosa, e aquilo que aparentemente aconteceu com base nos registros históricos. E especialmente aquilo que foi deixado de fora, de forma deliberada ou não, que distorce as imagens. E é aquilo que nos é dito que dá colorido às nossas percepções. Quando alguém está informado sobre os fatos ocorridos, uma nova perspectiva sobre os eventos se apresenta.
  38. 38. O Zodíaco e o Pavimento - outra análise Quando mencionamos o termo zodíaco instintivamente, podemos ser levados a pensar nisso como uma ferramenta astrológica usada para ler a sorte. Isso não surpreende. Hoje em dia, dificilmente uma revista ou um jornal no mundo ocidental deixa de apresentar um horóscopo, produzido por astrólogos, que fornece previsões a respeito de eventos que podem ou não ocorrer na vida de alguém. Essas previsões são relacionadas à data de nascimento da pessoa, que, por sua vez, é associada a um signo específico do zodíaco. A Astrologia é uma ciência antiga que se originou há milhares de anos do estudo do movimento dos céus. Era a ciência da previsão do lugar onde as estrelas ou os planetas estariam em certas horas de dias específicos. Foi precursora da ciência que conhecemos atualmente como Astronomia. E continuou a ter significativa força científica até o século XIX, embora tenha começado a dar lugar à Astronomia que se desenvolveu no século XVIII. Ao que parecia, seria possível existir alguma lógica no zodíaco que circundava a abóbada celeste, salpicada de estrelas, que eu tão freqüentemente via no Templo Maçônico de Sussex. Tendo em mente que se as minhas conjecturas estivessem corretas e que o desenho do Templo de Sussex havia sido criado antes de meados do século XIX, então isso teria acontecido em uma época em que ainda existiria considerável entendimento a respeito da antiga influência da Astrologia. Assim, raciocinei: o zodíaco provavelmente estava mais relacionado com a astrologia da localização de planetas e estrelas do que
  39. 39. com a leitura da sorte. Nesse caso, haveria alguma mensagem oculta nisso tudo? O pavimento tinha uma história diferente. Não apenas se mostrava mais próximo da Terra, mas estava intrinsecamente vinculado com o zodíaco. Eu tinha antes afirmado que o pavimento era uma área mosaica de ladrilhos pretos e brancos, cercada por uma orla dentada. São dez ladrilhos na largura por 22 ladrilhos no comprimento. Parecia uma proporção extremamente singular, pois o pavimento oferecia uma simetria visual que aparentava naturalmente se encaixar com o tamanho da sala, a decoração e o zodíaco acima. Isso levava a pensar no que veio primeiro, a sala - e daí o pavimento desenhado para se encaixar nela -, ou se o desenho da abóbada celeste tinha influenciado o tamanho da sala, e daí novamente o pavimento havia sido calculado para se encaixar nela. Demonstrarei, no momento oportuno, que os três elementos estão vinculados por conceitos desenvolvidos por civilizações antigas para garantir a harmonia da forma. Porém, antes que eu chegasse a esse estágio, alguma coisa mais aconteceu. Logo que notícias do meu interesse em certos aspectos do Templo de Sussex tornaram-se conhecidas, um Irmão de outra Loja chamou minha atenção para "The Lectures of the Three Degrees" [Palestras dos Três Graus]. Essas, lamentavelmente, poucas vezes são citadas ou menciona- das nas Lojas hoje em dia, mas elas fornecem um ponto de referência útil. Desconhecemos exatamente onde e quando essas palestras se originaram, mas registros antigos parecem remetê-las ao sistema de palestras de William Preston, publicado pela primeira vez em 1772. NasLectures, o pavimento é descrito assim:
  40. 40. O Pavimento Mosaico pode ser considerado o belo soalho de uma Loja Maçônica justamente pelo fato de ser colorido e enxadrezado... À medida que os passos do homem são trilhados nos vários e incertos incidentes da vida, e que seus dias são variegados, encaixando-se em tribulações e eventos desconhecidos, sua passagem por esta existência, embora algumas vezes acompanhada de circunstâncias prósperas, muitas vezes é acossada por uma grande quantidade de coisas ruins. Por essa razão, nossa Loja é guarnecida com o trabalho mosaico para indicar a incerteza de todas as coisas aqui na Terra. Hoje podemos andar na prosperidade, enquanto amanhã podemos tropeçar nos caminhos acidentados da fraqueza, da tentação e da adversidade. Então, embora tais emblemas estejam diante de nós, somos moralmente instruídos para não nos vangloriarmos de nada, mas para prestarmos atenção em nossos caminhos, para andarmos honestamente e com humildade perante Deus, pois não existe uma situação na vida na qual o orgulho possa ser fundido com o equilíbrio. Essa é a qualidade moral da área quadriculada do pavimento em questão, seu objetivo claramente definido. Dizem-nos que ele serve para nos lembrar dos destinos opostos que podemos experimentar em nossa passagem pela vida. Exatamente como o dia é claro e a noite é escura, há a alegria e a tristeza, a vida e a morte, a saúde e a doença, a prosperidade financeira e a pobreza. Dessa mesma forma, existem aqueles que têm abundância de todas as coisas sob seu comando, enquanto existem muitos que enfrentam as marés baixas das adversidades da vida. Para estes, devemos providenciar alguma ajuda,
  41. 41. cada um de nós pessoalmente e nós como um todo. Temos uma responsabilidade caridosa. Lições mais justas e morais são difíceis de imaginar e ainda assim são ilustradas de uma forma tão simples. Isso, porém, levanta questões específicas: • Como tudo isso começou? • Onde surgiu a idéia do uso desses métodos simples de ilustração moral? • Onde e como o pavimento mosaico em preto e branco se originou? Também somos apresentados a uma interpretação alegórica de nossos arredores. Por um lado, temos um pavimento desenhado de maneira atraente sobre o qual somos convidados a caminhar, mas, por outro lado, ele contém um simbolismo oculto - uma mensagem que enfatiza a moralidade em seu contexto mais amplo. Quando chega a orla dentada, asLectures continuam: A orla dentada representa para nós os planetas que, em suas várias rotações, formam um belo arremate ou orla em volta desse grande luminar, o Sol... Novamente o Sol! Das observações feitas nas Lectures, parecia que a abóbada, como símbolo do céu, representava o Céu, enquanto o pavimento era o reflexo de nossa vida na Terra. Porém, isso não explica por que deveria existir qualquer menção aos planetas, nem por que atenção específica deveria ser dirigida a eles. Eu observara que a maioria das salas de Loja tinha o pavimento mosaico, mas nem todas elas tinham a orla dentada; então para estas tal simbolismo planetário estava perdido. Fiquei sabendo que algumas Lojas no Norte da Inglaterra reuniam-se em
  42. 42. salas com o teto pintado com estrelas afixadas, mas estas eram poucas e raras. Das que me informaram, nenhuma mostrava o zodíaco. A medida que os meses passavam, entrei regularmente no Templo Maçônico para nossas reuniões da Loja, com o zodíaco e o pavimento em visão total. Tendo desenvolvido interesse pelas suas imagens, eu sentia como se alguma força oculta me levasse para eles e me dissesse para continuar procurando. Eu olhava mas não conseguia enxergar aquilo que havia para eu ver. A única resposta, que me parecia adequada, era aquela amplamente aceita entre os maçons e que já foi mencionada, da lição de moralidade, de que o pavimento simboliza e representa a experiência da vida na Terra, com seu padrão de antagonismos, sob a cobertura do Céu. Era uma resposta, mas meus instintos continuavam a me dizer que existiam mais revelações a caminho. Por causa dos meus anos de envolvimento com essa antiga instituição, eu sabia que tudo na Maçonaria estava lá para alguma finalidade, quer fosse um símbolo ou um movimento em uma cerimônia. Isso reforçou em minha mente que deveria existir um propósito específico para o plano da Loja. Como eu observara anteriormente, o número de ladrilhos do pavimento mosaico contava 22 de comprimento por dez de largura. Nenhum desses números parecia relacionado a nada que eu conhecesse. O total de 22 x 10 = 220 fazia menos sentido ainda. Eu continuava sem poder deixar de sentir que havia alguma coisa a respeito do pavimento para a qual meus instintos tentavam chamar minha atenção. Como havia notado que o pavimento parecia se encaixar tão bem nas proporções do Templo de Sussex, com o comprimento total cabendo exatamente acima no diâmetro do zodíaco,
  43. 43. perguntei ao curador se havia sido conservada alguma planta arquitetônica do complexo, contendo as di- mensões, que eu pudesse consultar. Ele não tinha conhecimento de nenhum documento detalhado, mas me forneceu uma cópia de um, originalmente produzido no início da década de 1920, que mostrava algumas dimensões muito importantes. Elas indicavam que o Templo tinha 58 pés de comprimento por 40 pés de largura. Agora eu queria saber qual o tamanho do pavimento. Parecia que a única maneira de descobrir isso seria medindo-o. Durante esse período uma tarefa coube a mim, regularmente, como parte de nossas reuniões. Na cerimônia de segundo grau há uma referência à habilidade dos primeiros maçons de ofício. Dizem que neste nível os indivíduos teriam adquirido e demonstrado considerável habilidade em talhar e esculpir formas ou modelos em pedras nas quais seriam alocados para tra- balhar. Além disso, contava-se uma história a respeito da construção de parte do Templo do Rei Salomão, tendo como fundo o cenário bíblico das guerras entre efraimitas e gileaditas. Alguns componentes do Templo são citados com medidas em côvados. Essa mesma unidade de medida pode ser encontrada nos livros de Reis e Crônicas do Antigo Testamento. Também era uma unidade de medida usada pelos antigos egípcios. Percebi, pela reação dos candidatos, que eles não tinham a menor idéia a respeito do tamanho de um côvado. Então, sem interferir no conteúdo da história, eu introduzia o candidato no fato de que um côvado era medido como o comprimento do ponto do cotovelo até a ponta do dedo médio da mão esticada, cerca de 18 polegadas de
  44. 44. comprido na medida imperial ou quase meio metro no sistema métrico. Então, foi assim que, depois de uma dessas reuniões, eu peguei uma trena para medir o pavimento. Para economizar tempo, decidi medir um ladrilho e depois multiplicá-lo pelo número de ladrilhos no comprimento e na largura. A orla dentada parecia ter uma largura igual em toda a volta, então eu só precisava medir uma borda e aplicar a dimensão ao perímetro total. Percebi que o complexo do Templo foi erguido em uma época em que a unidade de medida padrão na Grã-Bretanha estava no sistema imperial de pés e polegadas, não no sistema métrico. Todavia, verifiquei se a minha trena tinha ambas unidades marcadas nela. Os ladrilhos mediam exata- mente 18 polegadas quadradas, e o arremate da mesma dimensão, 18 polegadas de largura. Dezoito polegadas - o representativo comprimento de um côvado. Conforme eu observava o pavimento, ficou imediatamente óbvio que 22 ladrilhos de comprimento podiam ser interpretados como 22 côvados. Mas a orla significava que eu podia somar um côvado em torno das laterais. Assim, em vez de ser 22 x 10, a medida agora era 24 côvados x 12 côvados. O perímetro não era 1.296 polegadas, 108 pés ou 33 metros, era 72 côvados. Esta seria a minha primeira descoberta decisiva. Só, muito depois, descobri os possíveis relacionamentos que ditavam essa dimensão. Quanto mais demorava, mais excitado eu ficava para descobrir que existia realmente uma relação proporcional exata entre o pavimento e a abóbada acima. Quanto mais eu investigava, mais questões se levantavam - e tantas mais respostas eram necessárias. Mas até então não havia respostas. A busca para encontrar essas respostas tornou-se cada vez mais
  45. 45. instigante e percebi que precisava desenvolvê-la de maneira estruturada. Essa se mostrava uma reveladora jornada pelo universo do entendimento, como acontecia nos tempos antigos, sem nenhuma pequena medida do mistério atrelado. Obviamente, eu precisava saber, aprender e compreender mais. Conclusão Embora a Maçonaria seja apresentada como um clube de cavalheiros, está claro que suas cerimônias e procedimentos assentam-se na Antigüidade. O vínculo entre essa antiga instituição e o Templo de Salomão era particularmente obscuro. Parecia possível que o zodíaco, o pavimento e a decoração do Templo Maçônico de Sussex refletissem essa antigüidade em virtude das origens e das razões há muito esquecidas. Além do mais, o esforço de garimpar respostas mostrou que era impraticável confiar exclusivamente no texto bíblico, na fé religiosa e na opinião convencional, pois necessitava explorar outras fontes de informação. Particularmente, eu precisava descobrir mais a respeito: • das possíveis origens da Maçonaria. • da conexão maçônica com Astrologia/Astronomia; • da influência do pentagrama; • dos aparentes relacionamentos visuais harmoniosos entre o zodíaco e o pavimento mosaico do Templo de Sussex;
  46. 46. • do significado do símbolo no degrau da frente. Capítulo 2 O Nascer do Sol Da maneira que levamos nossas vidas no mundo ocidental do século XXI, como estamos agora acostumados, a maioria de nós tem pouco entendimento ou empatia pelo mundo que nossos ancestrais conheceram, como eles viveram, como sobreviveram, suas crenças, seus medos, suas esperanças e sonhos. É, porém, sensato pensar que cada um de nós vem de uma corrente de antepassados que se estende de volta ao alvorecer da primeira existência do homem - uma corrente de seres que nasceram, aprenderam como sobreviver no ambiente em que viviam, associaram-se a outro ser, tive- ram filhos, depois morreram - em um processo que continuou por dezenas de milhares de anos. Nós, hoje,
  47. 47. meramente estamos passando os elos dessa corrente do desenvolvimento humano, que, acreditamos, se estenderá muito longe no futuro. Atualmente podemos olhar no calendário e observar quantos dias de verão restam no ano. Nos dias escuros e frios do inverno, podemos nos confortar com o conhecimento de que a primavera está bem ali, virando a esquina. Para os nossos ancestrais, que não tinham a vantagem do relógio, do calendário, do diário e da agenda programada em rede no computador para identificar exatamente onde eles estavam na passagem do tempo, a vida não era tão certa. É difícil compreender que dezenas de milhares de anos atrás, alguém, em algum lugar, deve ter percebido que em vários intervalos de dias o Sol se movia mais alto no céu durante aquilo que chamamos verão e que, quando isso acontecia, o ar em volta ficava mais quente. Ele deve ter percebido que, à medida que o ar ficava mais quente, as flores e as árvores floresciam e o alimento e sua variedade tornavam-se mais fáceis de encontrar. Imagine um de nossos ancestrais, milhares de anos atrás, talvez até há dezenas de milhares de anos, possivelmente sentado em volta de uma fogueira em uma caverna, à noite, junto com outros de sua tribo, de repente dizendo a eles: Vocês já perceberam que quando aquela grande bola de luz surge acima das árvores ela faz a escuridão ir embo- ra? Que a mesma fica em um lugar ligeiramente diferente quando o ar está mais quente em comparação com quando o ar está frio? Vocês já perceberam que quando a outra bola com menos luz está no céu, no escuro, algumas vezes ela é como uma pedra totalmente
  48. 48. redonda, mas, em outros períodos escuros ela tem pedaços faltando, e que ela então cresce de novo até ficar como uma pedra redonda cheia? Como será que isso acontece? Alguém, em algum lugar, algum dia observou essas coisas. Alguém, em algum lugar, algum dia começou um processo dedicado de observação. Alguém, em algum lugar, algum dia começou a observar os detalhes do cosmos, do mundo natural em torno de si e de que modo certos arranjos do cosmos influenciavam o mundo natural. Alguém, em algum lugar, algum dia percebeu que, por meio de observação cuidadosa, os arranjos do cosmos e da natureza eram tão regulares que podiam ser previstos. Alguém, em algum lugar, algum dia colocou em prática um mecanismo de registrar essas observações, de estudar esses arranjos e de entender seu significado. Alguém, em algum lugar, algum dia desenvolveu e divulgou um método de passar adiante essas informações de uma geração a outra - uma forma de universidade antiga - com, sem dúvidas, cada geração somando e acumulando conhecimento e entendimento em uma era distante, antes da escrita e dos livros terem sido inventados. Imagine você os debates e as discussões que devem ter se seguido, talvez durante dias, meses e mesmo gerações, à medida que nossos antepassados tentavam entender as informações que recolhiam - o que a lógica do cenário sugeria. Pense sobre as horas e os dias de debates e aborrecimentos, discussões e coletas de informações necessários para levar em conta apenas o processo de responder a questões como:
  49. 49. O que é o Sol? Por que ele é quente? Como fica pendurado no céu? Como se movimenta pelo céu de um lado para o outro? Como fica mais quente e mais frio? O que acontece para ele se mover mais alto no céu em algumas épocas do ano em comparação com outras? O que faz o ciclo se repetir dia após dia, ano após ano? Como somos os beneficiários de milhares de gerações de entendimento acumulado, consideramos o conhecimento como óbvio. À medida que testamos o universo com as vantagens de sofisticados dispositivos eletrônicos, satélites e radiotelescópios, com equipes de cientistas dedicados, reunidos para garantir resultados, acreditamos que, em nossa geração, estamos fazendo grandes progressos. As proezas de nossos ancestrais exigiram até maior dedicação, por causa da limitação com que os olhos deles podiam ver e da natureza primitiva de suas ferramentas de medição e avaliação. O que eles conseguiram talvez seja até mais notável do que tudo o que temos, ou que estamos fazendo, em nossa era. Infelizmente, começamos, no século XX, uma partícula minúscula de tempo na imensidão do entendimento humano, a nos afastar desse conhecimento acumulado. A base e as origens desse conhecimento correm perigo de serem perdidas ou de serem tratadas com desdém. Exatamente onde ou como todo o processo de entendimento da mecânica do cosmos começou a se perder nas brumas dos tempos. Muito do entendimento global da atualidade foi influenciado pelo desenvolvimento da civilização ocidental. Esta, por causa da proximidade geográfica, retirou muito de seu conhecimento das eras
  50. 50. grega e romana. O papel desempenhado por outros povos, em outras partes do mundo, foi amplamente igno- rado. Recentemente começou a haver um crescente reconhecimento de que alguns processos celestiais atribuídos às civilizações mediterrâneas e do Oriente Médio foram observados e reconhecidos na Índia e na China há muito tempo. Se os povos dessas áreas foram os primeiros a descobrir como o processo celeste funcionava e se eles transferiram esse conhecimento para as civilizações da Ásia Menor, ou se foi o contrário, não está claro. Seja lá como for, isso deve ter acontecido, com certeza, há muitas gerações. Os estudiosos nos dizem que o Sol foi a principal divindade. Era cultuado pelos maias, pelos egípcios antigos e pelos babilônicos. No caso dos egípcios antigos, o deus Sol Ra pode ser rastreado há pelo menos 5 mil anos, por volta de 3.000 AEC. Atualmente existe na Índia uma marani, cuja família proclama 5 mil anos de descendência contínua do deus Sol. Para o deus Sol ter sido uma divindade principal, com forma humana há 5 mil anos, isso implica que a civilização existente naquela época provavelmente já tinha um entendimento avançado do significado da esfera flamejante, com base em informações que foram passadas por centenas de gerações antes dela. Filósofos gregos, que visitaram o Egito em tempos antigos, mencionaram que os egípcios lhes mostraram registros de dados astronômicos que re- montavam a uma época muito distante. Provavelmente não teria levado mais que algumas gerações de monitoramento a partir de um único local, como o topo de uma colina com visão clara para o horizonte, para perceber que o Sol nasce em um lugar ligeiramente diferente todo dia. Esses primitivos
  51. 51. observadores do céu teriam notado que o Sol se movia para duas posições extremas em seu trajeto - posições a que nos referimos como o solstício de verão e o solstício de inverno repetindo o ciclo. Eles teriam notado que, conforme o Sol se movia para o norte desde sua posição no solstício, de inverno, ele subia mais alto naquela posição que chamamos de meio-dia, e que, quanto mais alto subia, mais quente o ar ficava à medida que a estação avançava do inverno para o verão. Teriam percebido que existe um ponto no trânsito do Sol pelo horizonte - um ponto central - pelo qual o Sol passa em seu caminho de trazer o verão para o inverno, e o inverno para o verão, e que, nos dois dias do ciclo anual em que isso acontece, a duração do dia e da noite é igual. Chamamos esses pontos de equinócio de primavera e equinócio de outono. Logo se perceberia que o ciclo tem alto grau de previsibilidade, repetindo-se após o Sol nascer 366 vezes. Provavelmente não teria levado mais que algumas gerações de monitoramento dedicado, a partir de um único local, para observar os ciclos da Lua; e que após o Sol nascer 30 vezes, a Lua passa por um processo de se tornar novamente um círculo cheio de luz, diminuindo e depois gradualmente crescendo de novo para se tornar um círculo cheio. Não teria demandado muita observação adicional para notar que, da hora em que as primeiras centelhas de luz apareciam depois de terem sumido, no dia que chamamos de Lua nova, a mesma completaria novamente seu ciclo no 28o dia, e que o mundo natural também era influenciado por ciclos similares, como a menstruação feminina. Não teria demandado maior avaliação para reconhecer que, em um dia ensolarado, uma projeção escura - uma
  52. 52. sombra - seria criada por um objeto perpendicular, como uma árvore, e que a sombra se moveria em torno da base do objeto conforme o dia avançasse, aumentando e diminuindo com o ciclo do Sol. A observação e o registro do movimento da sombra enfim permitiram a previsão da época e da estação. Esses ritmos estavam totalmente alinhados com o movimento do Sol pelo horizonte e sua altura no céu ao meio-dia. Claro, esse conhecimento viria com novas questões, como e para onde o Sol vai quando fica embaixo do horizonte à noite? A previsão das estações e da época do ano teria ajudado imensamente na transição da existência nômade do caçador-coletor para a existência fixa, a domesticação de certos animais, o gerenciamento da colheita e do alimento. Com o passar do tempo isso influciaria as roupas, a adaptação de armas de caça e o desenvolvimento de estilos permanentes de abrigo. No meio de tudo isso, viria o estudo do céu à noite e com ele a compreensão de que algumas estrelas se movem pelos céus no mesmo plano do Sol e da Lua - essas estrelas seriam mais tarde chamadas de planetas. Grupos de estrelas, ou aquelas que formavam configurações que lembravam aos nossos ancestrais alguma coisa de seus hábitos, da mitologia ou daquilo que eles tivessem visto, receberam nomes - e se tornaram constelações. Nossos ancestrais teriam percebido que alguns planetas se moviam pelos céus mais rápido que outros, enquanto alguns tinham seus movimentos tão lentos que era difícil detectar. Imagine a inteligência, o raciocínio lógico e os debates em que esses ancestrais devem ter embarcado para chegar à conclusão de que aquele que viajava mais rápido deveria estar viajando em torno do círculo menor,
  53. 53. ou órbita, em comparação com os outros. E em torno do que eles estavam viajando ou circulando? Da Terra? Do Sol? De alguma outra coisa mais? A lógica talvez também tenha levado a sugerir que os planetas fossem todos de igual tamanho e viajassem à mesma velocidade. Isso levaria a mais uma conclusão lógica, de que, se eles estivessem viajando em torno da Terra, então aquele que viajasse mais rápido deveria estar mais próximo. Por definição, aquele que viajasse mais lentamente estaria mais distante. Nós já sabemos atualmente que essas conclusões são incorretas, mas, pareciam muito lógicas alguns milhares de anos atrás. Imagine ainda a compreensão da grandeza do ato da criação à medida que eles percebiam a vasta distância entre nós, que os círculos criados pelos caminhos dos planetas indicavam. Essas devem ter sido revelações realmente perturbadoras. Precessão do Equinócio Existiram outras implicações associadas ao movimento do Sol que teriam demorado muito mais tempo para ser entendidas, como o fenômeno conhecido como Precessão do Equinócio. Ao contrário do ciclo do Sol, erguendo-se acima do horizonte a cada manhã, 366 vezes no ano do calendário, ou da Lua com seus ciclos de 28 e 30 dias, ou do movimento anual do Sol pelos equinócios e solstícios, a precessão leva cerca de 26 mil anos para completar apenas um ciclo. Por meio do estudo das estrelas à noite e do ciclo sem fim do movimento aparente do Sol no horizonte e sua elevação no céu, junto com o monitoramento dos solstícios e dos equinócios, nossos ancestrais astrônomos
  54. 54. teriam observado este outro fenômeno da mecânica celeste. Eles teriam percebido que, no amanhecer, após intervalos de 30 dias, no mesmo intervalo de tempo de um ciclo da Lua, o Sol surgiria em uma das 12 constelações ou configurações de estrelas que se alinham no caminho que o Sol percorre - a eclíptica. O Sol, então, passa por determinada constelação à medida que o período de 30 dias progride, cruzando todas as 12 constelações no ano. Não teriam precisado dar um salto muito grande para conectar a passagem das estações com o movimento do Sol pelo horizonte na alvorada - as quatro estações - equivalentes aos quatro quartos do ciclo anual da passagem da Terra em torno do Sol. Embora seja especulação, é possível imaginar que, ao notar as três posições primárias do Sol no horizonte como sendo significativas, eles tenham escolhido dividir cada um dos quartos dos ciclos sazonais em três seções e daí nomeado as 12 constelações nas quais o Sol nascia em sua jornada anual aparente. Seja lá como isso aconteceu, as 12 constelações foram definidas e nomeadas. A cada uma foram alocados aproximadamente 30 graus de um círculo. As 12 constelações tornaram-se conhecidas como Cinturão ou Grande Círculo - mais conhecido pela maioria das pessoas hoje em dia como o zodíaco. Na manhã do equinócio de primavera, quando o Sol cruza o horizonte, ele o faz em uma das 12 constelações do zodíaco que se alinham no caminho que o Sol, a Lua e os planetas percorrem. A precessão é causada por uma ligeira oscilação no eixo da Terra. Essa oscilação causa uma ação de rolagem muito gradual que em troca resulta em uma rotação muito lenta do eixo. Como conseqüência, o horizonte move-se adiante em relação ao caminho que o Sol percorre,
  55. 55. levando, por estimativa, 25.920 anos para o eixo realizar uma rotação completa. O efeito visível é que o Sol parece nascer em uma das 12 constelações na madrugada da manhã do equinócio de primavera e, então, nos 2.160 anos seguintes, ele se move muito lentamente por essa constelação e dentro de cada uma das outras constelações em rotação. Então, há 5 mil anos o Sol nasceu na constelação de Touro no equinócio de primavera. Hoje ele nasce na constelação de Peixes e, entre essas épocas, nascia na constelação de Aries, a constelação em evidência no tempo de Salomão. Nas Escrituras, existe menção ao sacrifício do bezerro gordo. Alguns autores sugeriram que essa é uma indicação de que o evento das escrituras se refere ao ocorrido na era em que a constelação em evidência era a de Taurus - o touro. Depois encontramos referências a carneiros e ovelhas, supostamente significando a era de Áries - o carneiro. Também houve muita especulação de que as referências aos peixes, no Cristianismo, em grande parte dos últimos 2 mil anos, indicavam a atual era precessional de Pisces - Peixes. Existem aqueles que acreditam que o Ano 1 ( 1 EC/1 d.C.) da Era Cristã, o início nominal de nossos
  56. 56. atuais sistemas de calendários no Ocidente, marca o tempo em que a era precessional de Áries finalmente terminou e a nova era de Peixes começou. Em futuro não muito distante, o Sol começará a nascer na constelação de Aquário, por isso a famosa referência ao início da Era de Aquário. Exatamente quando essa mudança deve acontecer depende de a quem nos referimos. Os maias da América do Sul, em seus calendários antigos, concluíram que a nova era começaria em 2012. Quando levantei o assunto junto ao Observatório de Greenwich, eles sugeriram que a nova era não começaria antes de 350 anos. O problema é o lugar onde a pessoa começa a medição e qual ponto determinado no céu, talvez uma estrela solitária, denota o fim do atual ciclo. Não obstante essas diferenças, uma coisa é certa - depois de um intervalo de tempo de cerca de 2.160 anos, nossa era precessional de Peixes está chegando ao final. Nossos ancestrais talvez tenham levado milhares de anos para perceber que o Sol percorria toda uma constelação antes de se mover para a seguinte, e depois para outra, e que isso era ainda mais um dos ciclos que haviam sido criados como parte do governo do cosmos.
  57. 57. O conhecimento e a descoberta desse processo da mecânica celeste demonstram a incrível habilidade de nossos ancestrais de guardar registros que, de alguma forma, foram passados de geração em geração. Com certeza, apenas uma única geração não teria detectado o movimento precessional. Provavelmente foram necessários 5 mil anos ou mais de entendimento e observação acumulados junto com alguma forma de registro para se fazer comparações, antes que o fenômeno fosse identificado positivamente. De acordo com registros conservados, a primeira pessoa que notou, entendeu e explicou o ciclo precessional foi o filósofo, matemático e astrônomo grego Hiparco. Ele fez isso por volta de 245 AEC. O que não quer dizer que ele tenha sido o primeiro, mas apenas que ele foi o primeiro de quem existem evidências registradas desse entendimento. Os babilônios e os mesopotâmicos também conheceram e entenderam esse processo celeste. Porém, tendo em mente o tempo que leva para o movimento precessional ser percebido, é altamente provável que o processo tenha sido monitorado durante milhares de anos antes de Hiparco ter conquistado a glória. Se a minha sugestão de que provavelmente foram necessários 5 mil anos de observação para se entender a mecânica da precessão, sem mencionar qualquer intervalo de tempo anterior durante o qual alguém observou se esse fenômeno ocorria, está certa, então estamos nos projetando de volta ao sexto ou sétimo milênio AEC - ou 9 mil anos atrás. Algumas observações reunidas e interpretadas por nossos ancestrais nem sempre eram bem recebidas. O astrônomo Anaxágoras, da Grécia Antiga, é lembrado por ter declarado à hierarquia dominante da época que, em
  58. 58. sua opinião, a Lua era provavelmente uma massa de pedra orbitando a Terra, tendo possivelmente o tamanho de uma das ilhas gregas. Ele anunciou essa teoria por volta de 480 AEC. Tal visão lhe custou caro. Foi acusado de atividade irreligiosa e lançado ao exílio. O que também fica entendido é que, como a conseqüência de o Sol ser a principal divindade, seria lógico que os primeiros sacerdotes se tornassem os guardiões do conhecimento, formulando métodos de transmitir esse conhecimento de geração em geração, quase da mesma maneira como as principais religiões continuam a operar atualmente. Graham Hancock, em seu famoso livro Fingerprints of the Gods [Impressões Digitais dos Deuses], indica que um sacerdócio devotado ao estudo e ao registro do movimento do Sol, e outras relações astronômicas, existiu possivelmente durante milhares de anos em Heliópolis, no Egito, e que esse sacerdócio acumulou considerável quantidade de dados e entendimento. Outros autores observaram, geralmente sem fazer especulações, que era provável que os sacerdotes dominantes da Antigüidade, percebendo a importância de garantir que o conhecimento que acumulavam fosse transmitido para gerações futuras - e que isso exigia um intelecto mais elevado do que o normal para entender, explicar e continuar a pesquisa -, procuravam jovens que mostrassem inteligência, educando-os para a vida de sacerdotes astrônomos. Alguns autores chegaram a sugerir que os sacerdotes procuravam, como parceiras, mulheres que também mostrassem alto grau de inteligência e tinham filhos com elas, na esperança de que a prole resultante desses relacionamentos pudesse se mostrar suficientemente inteligente para que a informação fosse passada dentro
  59. 59. de uma linhagem familiar. Isso, é claro, teria sido uma tentativa primitiva de manipulação genética. Se isso fosse verdade, poderia sugerir que nossos ancestrais tinham pelo menos um entendimento básico do mundo natural e do processo de seleção, que se estendia além do exclusivo estudo do céu. É interessante notar que seções do Antigo Testamento são registros de linhagens sacerdotais familiares como essas. Isso inclui Davi. Compreendemos da linhagem de Davi - seus des- cendentes. Antes da linhagem de Davi, existe outra linhagem sacerdotal como essa mencionada na Bíblia. Ela abrange os descendentes de Aarão, irmão de Moisés - o sacerdócio conhecido como os levitas. Existem lugares do mundo onde esse tipo de regime se petpetua ainda hoje. Na Índia, a casta brâmane é o mais alto grau das castas, assemelhando-se ao sacerdócio em que tradicionalmente a elite dominante se desenvolveu. Também é interessante observar que o castiçal israelita de sete braços, a menorá, que se acredita tenha origem por volta da época de Moisés, refere-se especificamente aos planetas - Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno, mais o Sol e a Lua. Moisés, que, como dissemos, lançou as fundações das tradições israelitas, é considerado como tendo vivido por volta de 1.400 AEC, o que significa que um considerável conhecimento astronômico já devia estar bem estabelecido nessa época, sendo transmitido de geração em geração, por meio da linhagem sacerdotal. Stonehenge [Círculo de Pedras], na planície de Salisbury, é um lugar conhecido como calendário e marcador solar. A tradição diz que foi construído pelos druidas, que eram os sacerdotes predominantes e os guardiões do conhecimento de sua época, na Grã-Bretanha e em grande parte da Europa Ocidental. Embora a conexão
  60. 60. druídica apareça em alguma literatura do século XX, a English Heritage, que é responsável pelo local, agora sugere que ele foi construído por três culturas diferentes. A construção de Stonehenge, segundo a English Heritage, é datada por volta de 2.100 AEC. Mas antes da edificação desse relógio solar, altamente complexo e exato, com uma metodologia de construção que ainda continua a desconcertar arqueólogos e a fascinar quem visita o local, outro círculo havia sido erguido no mesmo lugar. Essa construção anterior foi feita com estacas de madeira em vez das grandes placas de pedra. Pode muito bem ter sido um protótipo temporário, fácil de construir, para testar a ciência antes que uma estrutura permanente, muito mais elaborada e construída em pedra, fosse tentada. Buracos feitos no chão, que originalmente abrigavam os postes de madeira, foram descobertos por John Aubrey por volta de 1666 e, muito naturalmente, agora são conhecidos como os "buracos de Aubrey". Usando as técnicas de datação por carbono, esses buracos, e consequentemente as estacas de madeira montadas neles, foram datados em 3.100 AEC. Isso sugere que o Wooden Henge [o Círculo de Madeira] foi usado por um período de mil anos entre a sua construção e a daquele que restou, feito de pedra. É preciso discutir mais se o Wooden Henge foi uma tentativa, possivelmente bem- sucedida, de construir aquilo que atualmente nós reconheceríamos como peça do aparato científico, que permitiria o monitoramento de dados conhecidos, como eles existiam. Isso proporcionaria que os sacerdotes continuassem a construir conforme esse entendimento, pois o aparato lhes possibilitava observar e monitorar uma atividade celestial em uma instalação conhecida. Supondo que fosse usado regularmente para observações, então
  61. 61. os dados coletados ali precisavam ser entendidos e transmitidos por muitas gerações antes que a estrutura de pedra fosse experimentada. Quando associamos isso ao relato de Anaxágoras e sua tentativa de estimar o tamanho da Lua, e a construção do Wooden Henge na planície de Salisbury, então temos boas indicações de que algum entendimento, interesse e estudo do universo foram empreendidos durante considerável período na primeira antigüidade. Vamos supor mil anos de observação e registro antes da edificação do Wooden Henge, e então agora temos um intervalo de tempo que nos remonta a 4.000 AEC. O mundo está pontilhado de restos de observatórios solares de diferente engenhosidade, muitos deles originados da época anterior a 2.500 AEC. Assim, é muito provável que alguém tenha registrado os detalhes da Precessão do Equinócio bem antes do tempo de Hiparco. Os registros ou não foram conservados ou nós ainda não os encontramos. Qual o tamanho da bola? Junto com o registro das esferas celestes e seus movimentos, também é óbvio que as primeiras civilizações se debateram na tentativa de entender o que era o próprio mundo. Ficando em pé em qualquer ponto na terra, ou mesmo no litoral, a linha de visão de uma pessoa termina no horizonte. Agora, se você caminhar até o horizonte, tudo o que vai descobrir é que o horizonte se mudou para longe de onde você o viu pela primeira vez. O que você consegue ver é outro horizonte distante. Esse fenômeno deve ter causado grandes debates nas primeiras civilizações à medida que se procurava
  62. 62. entender que a razão pela qual o horizonte continuava a se mudar para longe era a curvatura da superfície da Terra - pois a Terra é uma bola muito grande. Uma vez percebido isso, o próximo problema a resolver seria definir com certeza qual a grandeza da bola. Exatamente como Hiparco, a primeira pessoa de quem temos registros conservados para mostrar que ele entendeu os princípios da precessão, o filósofo grego Eratóstenes foi o primeiro registrado como tendo medido a circunferência de nosso planeta. Eratóstenes tinha um trabalho que lhe oferecia muitas oportunidades. Ele tomava conta da grande biblioteca que existia em Alexandria. Essa biblioteca, a história nos conta, guardava registros de considerável antigüidade. Eratóstenes estava, portanto, em posição de ter acesso irrestrito a eles. A tradição diz que na coleção de materiais conquistados existiam documentos que Alexandre, o Grande, que deu o nome à Alexandria, havia recuperado ou recolhido enquanto conquistava partes da Índia. Incluída nesses documentos, acredita-se, estava a referência ao fato de a Terra ser uma esfera. Eratóstenes conhecia bastante Trigonometria e Geometria. Ele também sabia que bem ao sul de Alexandria, cerca de 5 mil estádios adiante (430 milhas ou 720 quilômetros), situada nas margens do Rio Nilo, ficava a cidade de Sirene, conhecida atualmente por Aswan. Na cidade existia um poço em que o Sol, quando ficava diretamente suspenso ao meio-dia no Solstício de Verão, brilhava diretamente sobre as águas embaixo. Era a única época do ano em que isso acontecia. Também se sabia que nesse mesmo dia e nessa mesma hora, um objeto vertical erguido em Sirene, como uma vara ou um obelisco, não tinha sombra. De volta a Alexandria no
  63. 63. mesmo dia do ano, Eratóstenes notou que, ao colocar uma vara verticalmente no chão, ela lançava uma pequena sombra. Ele mediu o comprimento da sombra e, com seus conhecimentos de geometria, foi capaz de definir o ângulo do Sol em relação ao de Sirene. Era de 7,2 graus. Obviamente ele sabia que, se a Terra fosse uma esfera, também poderia ser definida por um círculo de 360 graus. Então, a divisão de 360 graus por 7,2 lhe dizia a distância de Sirene a Alexandria, que era um cinqüenta avos da distância em torno de todo o círculo - a Terra. 360/7,2 = 50 Assim, a multiplicação dos 5 mil estádios por 50 lhe deu o comprimento da circunferência polar da Terra: 430 milhas x 50 = 21.500 milhas (arredondadas) 720 quilômetros x 50 = 36 mil quilômetros (arredondados) Os resultados de Eratóstenes eram notavelmente exatos quando comparados com medições de satélite de moderna tecnologia. A absoluta enormidade do tamanho da Terra deve ter sido estonteante para uma civilização em que a maioria das pessoas viajava apenas algumas poucas milhas desde seu local de nascimento, enquanto os mais estudados, como Eratóstenes, podem ter viajado apenas algumas poucas centenas de milhas. Certamente que o comprimento da sombra, como conseqüência da vara de Eratóstenes, produzindo uma sombra com relação angular de 7,2 graus, quando medido em Alexandria no Solstício de Verão, continua sendo sempre um oitavo do comprimento da vara. Supondo que o comprimento de vara seja de 64 unidades: 64 x seno de 7,2 graus = 64 x 0,125 = 8

×