LITERACIA EM SAUDE - Como elaborar suportes de comunicação acessíveis, Cristina Vaz de Almeida

465 visualizações

Publicada em

COMO ELABORAR SUPORTES DE COMUNICAÇÃO ACESSÍVEIS. A IMPORTÂNCIA DA LITERACIA


para contactar a autora: vazdealmeidacristina@gmail.com

Publicada em: Marketing
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
465
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

LITERACIA EM SAUDE - Como elaborar suportes de comunicação acessíveis, Cristina Vaz de Almeida

  1. 1. SEMIME 2014 | FMH Melhorar estruturas gráficas e de conteúdo dos suportes digitais para melhorar literacia dos utilizadores CRISTINA VAZ DE ALMEIDA
  2. 2. “ (…) um indivíduo com competências de informação deve ser capaz de reconhecer quando a informação é necessária, e ter a capacidade para a localizar, avaliar e usar eficazmente" American Library Association, 1989
  3. 3. Literacia é o conjunto de COMPETÊNCIAS cognitivas e sociais e a CAPACIDADE dos indivíduos para acederem, compreenderem e usarem informação de forma a que consigam viver em sociedade.
  4. 4. LITEREXCLUSÃO é uma dimensão de exclusão social que revela as incapacidades processuais dos indivíduos se relacionarem e utilizarem a informação através das competências básicas de literacia.
  5. 5.  “ (…) se, um indivíduo com competências de informação é aquele com capacidade para a localizar, avaliar e a usar eficazmente"  A Internet é cada vez mais o principal veículo de transmissão de informação e conhecimento. CONHECIMENTO
  6. 6. Na Internet  É fundamental uma concepção, gestão e design dos sites para os tornar mais ACESSÍVEIS, mais compreensíveis.
  7. 7. Cerca de 57% de grupos de cidadãos na União Europeia não utilizam regularmente a Internet; DECLARAÇÃO DE RiGA - Iniciativa i2010: Plano de Acção «Tecnologias da Informação e das Comunicações e Envelhecimento»
  8. 8. Utilizadores de internet acima dos 65 anos apenas 10%  Apenas 10% dos cidadãos com mais de 65 anos de idade utilizam a Internet enquanto que os cidadãos entre os 16 e os 24 anos de idade têm uma taxa de utilização de 68%; DECLARAÇÃO DE RGA - Iniciativa i2010: Plano de Acção «Tecnologias da Informação e das Comunicações e Envelhecimento»
  9. 9. Pressupostos Declaração de Riga Pressuposto 20: promoção de medidas que promovam a literacia digital através da educação formal e informal para grupos desfavorecidos onde os idosos estão incluídos.
  10. 10. Legibilidade e lecturabilidade
  11. 11. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 11 As pessoas …  Apesar de conseguirem DESCODIFICAR palavras, frases e até textos, muitas pessoas não conseguem usar a informação escrita contida em livros, jornais, folhetos, suportes digitais, etc.  Apesar de conhecerem os números, grande parte das pessoas não consegue fazer cálculos simples.
  12. 12. 12 LINGUAGEM ORAL E OUTROS PRE -REQUISITOS DESCODIFICAÇÃO COMPREEENSÃO LITERAL RESOLUÇÃO DOS PROBLEMAS, RESPOSTA COGNITIVA-AFECTIVA INFERÊNCIA PENSAMENTO CRÍTICO EXPERIÊNCIA LÓGICA DE LINGUAGEM NÍVEIS NO PROCESSO DE LEITURA
  13. 13. LEGIBILITY E READABILITY - CONCEITOS cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 13  2 aspectos centrais em literacia são os conceitos de: LEGIBILIDADE (ou legibility) e de LECTURABILIDADE (readability - uma tradução possível.
  14. 14. Legibility e readability - relação cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 14 Legibilidade relaciona-se com a percepção visual e Lecturabilidade com a compreensão intelectual do texto
  15. 15. Legebilidade cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 15  A LEGIBILIDADE é a facilidade em realizar a descodificação.  É a capacidade de DISTINÇÃO DAS LETRAS, distinguindo umas das outras.
  16. 16. Readability - lecturabilidade cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 16  Quando se fala de 'lecturabilidade' (ou 'apreensibilidade') refere-se à capacidade e apetência de um texto para ser lido, de facilitar a compreensão do seu conteúdo.
  17. 17. A importância da linguagem clara – acessível - nos suportes digitais
  18. 18. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA18 O que é uma linguagem acessível? É a comunicação que os utilizadores entendem à primeira. |Linguagem Clara
  19. 19. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 19 Guia da linguagem clara ESCREVER CLARO _ COMISSÃO EUROPEIA 2013 http://ec.europa.eu/translation
  20. 20. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 20 USE PALAVRAS SIMPLES
  21. 21. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 21 USE VERBOS ELIMINE SUBSTANTIVOS
  22. 22. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 22 USE VERBOS
  23. 23. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 23 Guia: Endereço: http://ec.europa.eu/ translation Publications Office Graphic Design Service — Layout made by DGT.02 USE TERMOS OBJECTIVOS E SIMPLES
  24. 24. Refere a Comissão de Acreditação das Organizações de Saúde 1993: :: «Também as Pessoas com maiores níveis de literacia preferem textos simples». CVA/COMUNICAÇÃO E LITERACIA EM SAÚDE/2013 24
  25. 25. A importância da segmentação dos públicos
  26. 26. SEGMENTAÇÃO DO PÚBLICO-ALVO cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 26 O público-alvo tem de estar bem identificado quando escrevemos menagens digitais – sites, blogs, redes sociais… É indispensável saber para quem é que estamos a comunicar e a preparar os conteúdos.
  27. 27. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 27 SEGMENTAÇÃO: Dados demográficos, socioeconomicos de comportamento,
  28. 28.  O DESIGN de um sítio Web deverá respeitar aspectos fulcrais, como: funcionalidade, conteúdo e estética.
  29. 29. Os Menus devem ser pouco complexos, com camadas em número equilibrado; Hierarquia de páginas e respectivos menus
  30. 30. A parte superior de uma página Web é a mais importante. É nesta zona que se encontra logótipo, título do site e de cada página, bem como barra de navegação horizontal (quando exista), sem que o utilizador necessite de fazer scroll; Navegação intuitiva e coerente ao longo das páginas
  31. 31.  Apresentar coerência ao longo das páginas, utilizar elementos iguais ou com funções semelhantes, para que quando o utilizador muda de página, continuar a saber onde se encontra e qual a função de cada elemento.
  32. 32. Os elementos de navegação estão num mesmo local em todas as páginas.
  33. 33.  ELEMENTOS GRÁFICOS (tais como barras de navegação, logótipos, botões, etc.) devem manter-se consistentes ao longo do site e obedecer a três regras fundamentais: FORMA, PROPORÇÃO E ALINHAMENTO.
  34. 34. SIMPLICIDADE – site saúde NHS.uk
  35. 35. Regras básicas para construir documentos digitais
  36. 36. O que consideramos um texto confuso e pouco acessível?
  37. 37. O que consideramos um texto confuso e pouco acessível? Sem espaços; Letra demasiado pequena; Sem paragens (titulos, subtítulos); Com muitas ideias num mesmo espaço reduzido;
  38. 38. O que consideramos um texto CONFUSO e pouco acessível? MISTURAR FRASES COM LETRAS maiúsculas E MINÚSCULAS; Com fontes e formatos diferentes; Com demasiadas cores;
  39. 39. O que consideramos um texto confuso e pouco acessível? Muitas frases em itálico…itálico…itálico..itálico Muitos sublinhados…; Muitos sublinhados…; Muitos sublinhados…;
  40. 40. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 40 Como elaborar um documento digital para obter os melhores resultados em termos de compreensão?
  41. 41. Deixar bastante espaço em branco ao redor das margens e entre as sessões. Controle a quantidade de informação SIMPLICIDADE – site saúde NHS.uk
  42. 42. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 42 Use linguagem acessível = simples. As técnicas de linguagem escrita - digital podem ser aproveitadas das mensagens verbais - palavras comuns «KIS»;
  43. 43. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 43 Use a palavra «deve» e «é necessário» para dar indicação para as acções;
  44. 44. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 44 Não use siglas sem explicar conteúdo ou resumo desse significado; Evite «jargões» técnicos;
  45. 45. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 45 Limite o número de mensagens (2 ou 3 mensagens principais
  46. 46. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA46
  47. 47. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA47 Não corte palavras entre linhas;  Destaque as ideias principais;  Use «bullets» em vez de letras maiúsculas em todo o texto
  48. 48. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA48  Não use sombras ou padrões confusos debaixo do texto;  Faça um bom contraste entre a fonte e o fundo do suporte;
  49. 49. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA49 Nos documentos (folhetos, formulários e sites…): Não use sombras ou padrões confusos debaixo do texto; Faça um bom contraste entre a fonte e o fundo do suporte;
  50. 50. 50 Use fonte «sans serif» na fonte do computador. Arial/Calibri Letra redonda, legível
  51. 51. ,51 Se fizer um documento para computador (transformar em pdf e coloca-lo on line) não divida em colunas pequenas- dificulta leitura; Evite fazer o scroll;
  52. 52. 52 Limite o comprimento da linha entre 40 e 50 caracteres; Garantir que o comprimento do texto na página se ajusta ao tamanho da janela
  53. 53. Deixar bastante espaço em branco ao redor das margens e entre as sessões.
  54. 54. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 54 Tamanho das fontes Utilize pelo menos fonte de 12 pontos/texto; 16 a 18 pontos nos subtitulos 20 a 24 pontos nos Titulos
  55. 55. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA55 Nos documentos Coloque o texto tipo «Pergunta – Resposta», pois ajuda a leitura e compreensão; Pergunta:……… Resposta:………
  56. 56. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA56 Focus nos comportamentos e ações, em vez de ser nas teorias, isto é: Qual é o comportamento que desejo que o meu «alvo» tenha?
  57. 57. A importância das imagens acessíveis
  58. 58. Importância das imagens  Qualquer texto pode conter imagens, desde que estas estejam integradas no sentido do texto e que sejam coerentes com o texto.
  59. 59. Importância das imagens Certifique-se de colocar as imagens no contexto; Ilustrar bem - Ao ilustrar partes do corpo interno, incluir a parte externa do corpo; O cérebro humano está localizado na cabeça
  60. 60. IMAGENS COM LEGENDAS Garantir que todas as imagens se encontram legendadas ou descritas com texto
  61. 61. As imagens permitem uma grande dinâmica. Podem ser fixas ou com mobilidade.
  62. 62. Videos incorporados
  63. 63. Todas as imagens nos sites têm de ter texto, para o utilizador cego poder «ler» texto alternativo associado à imagem.
  64. 64. Garantir que o tamanho do texto pode ser aumentado com as opções do seu navegador
  65. 65. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA66 Use recursos visuais que ajudam a transmitir a sua mensagem; Use imagens familiares ao público- alvo;
  66. 66. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA67 imagens familiares
  67. 67. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA68 Uso de imagens familiares
  68. 68. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA69 Uso de imagens familiares
  69. 69. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA70 Os locais mais frequentes de desenvolvimento de úlceras de pressão encontram-se ilustrados na figura: http://forumenferma gem.org/feridas/cat egory/prevencao/ulc eras-de-pressao/
  70. 70. cristina vaz de almeida SEMIME 2014 - CVA 71
  71. 71. E por ultimo… As imagens estão associadas ás cores. As cores representam emoções e sensações. Assim é preciso conhecer o EFEITO DAS CORES para também as poder usar adequadamente e de forma diversas no texto ou fora dele.
  72. 72. Obrigada! Cristina Vaz de Almeida cvalmeida@iol.pt

×