Atitude social reivindicatória maria zoraide - uva - 2009

1.512 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.512
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atitude social reivindicatória maria zoraide - uva - 2009

  1. 1. WWW.CURSORAIZES.COM.BRUNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ – UVA CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA RESENHA CRÍTICA TOBIAS BARRETO-SE 2009 WWW.CURSORAIZES.COM.BR
  2. 2. WWW.CURSORAIZES.COM.BR AMANDA GOIS SANTOSGRAZIELE DE JESUS MENEZESJOSÉ MESSIAS P. DO NASCIMENTO MARIA PAIXÃO DA CRUZMARIA ZORAIDE ALMEIDA SANTOS NICELMA SANTANA RESENHA CRÍTICA Trabalho apresentado a disciplina Educação, Juventude e Sociedade da Prof.ª Karina Oliveira Costa. Do 2° período do Curso em Pedagogia da Universidade do Vale do Acaraú - UVA TOBIAS BARRETO-SE 2009 WWW.CURSORAIZES.COM.BR
  3. 3. WWW.CURSORAIZES.COM.BR ATITUDE SOCIAL REIVINDICATÓRIA Nesta sociedade há uma contradição entre as possibilidades materiais do ser humano,que praticamente tudo pode (ou poderia), e o/a adolescente que frente a esse “tudo” émarginalizado. Isso é o que leva a uma atitude social reivindicatória. Através de sua atitude e sua força ele tenta modificar a sociedade, que por sua vez vivemudanças intensas, influenciando ao indivíduo. Os padrões sociais, mudam muito pelopróprio impacto dos adolescentes e jovens. Na medida em que o/a adolescente não encontra ocaminho adequado para a sua expressão vital e para a aceitação de uma possibilidade derealização, não poderá jamais ser um adulto satisfeito. A tecnificação da sociedade, o domínio de um mundo adulto incompreensível eexigente, a burocratização limitante das possibilidades de emprego e trabalho, as exigênciasde uma industrialização mal canalizada e uma economia mal dirigida criam uma divisão declasses absurdas e ilógicas, que o indivíduo tenta superar mediante crises violentas de reformasocial. É a juventude, naturalmente revolucionária do mundo, e logicamente também a nossa,a que tem em si o sentimento místico da necessidade de mudança social. O jovem, normal e adequado a seu processo evolutivo, deve contestar e reivindicar ummundo, uma sociedade, uma humanidade melhor, mais justa e mais cheia de amor. Se fosse ocaso, só por isso é necessário entender e respeitar certas atitudes adolescentes, que aindaapavoram a muitos adultos. A conduta do adolescente está dominada pela ação. Ele não pode manter uma linha deconduta rígida, permanente e absoluta, embora o queira. Sua personalidade é permeável e suainstabilidade necessária. Lida permanentemente com o imprevisível, tanto no seu mundointerno como no externo. Joga com seu corpo, sua alma, sua conduta de acordo com aspossibilidades confusas e confusionantes. Aparece contraditório, embora seja esta, ou as condutas mais variáveis, as maisadequadas a este complexo momento evolutivo. Fixar-se numa só conduta, não corresponde aum comportamento normal, nem ajuda a aprender da experiência. Para atingir a maturidade é necessário ter individualidade e independência reais. Aseparação progressiva dos pais, a entrada na turma, e a posterior individuação discriminativasão passos necessários do processo evolutivo humano. Muitos pais em nossa cultura seangustiam frente ao crescimento dos filhos e chegam até negá-lo. WWW.CURSORAIZES.COM.BR
  4. 4. WWW.CURSORAIZES.COM.BR Existe a já mencionada “ambivalência dual” por ambas as partes que às vezes é fontede conflitos que atrapalham o crescimento físico e psicológico normal. O conflito de geraçõesé uma realidade necessária para o desenvolvimento sadio, tanto dos filhos adolescentes comoo de seus pais. Uma conquista, por mínima que seja entusiasma e alegra. Uma frustração aborrece edeixa triste. Isto acontece milhares de vezes ao dia. Sua luta com os pais, a sociedade, ospreconceitos, o medo, seus triunfos físicos, ou sua realização intelectual, uma aprovação, umarejeição; tudo constante e vertiginosamente alternando no dia a dia, explicam os sentimentosde solidão e os de exaltação. Estas mudanças de estado de ânimo são normais. Assim é que aprendemos a ter sentimentos humanos, sentimentos válidos com ogrande valor das experiências vividas plena e intensamente, ainda que possam ser poucoduradouras. Constituída assim a “Síndrome da Adolescência Normal” é possível entendercomo professores, pais, adultos em geral, podem se basear em estereótipos e preconceitos que,em lugar de ajudar ao adolescente a viver esta etapa de nossa vida evolutiva com maiorsegurança e liberdade, fazem deste importante período vital a fonte de tormentos, angustias,medos e culpas totalmente desnecessários e perturbadores. Fica claro para nós que falar de que a adolescência não existe, ou que se trata de umproblema sócio-político-econômico circunstancial, é expressão de um desconhecimento deuma realidade social, psicológica e também clínica e pedagógica. Claro que fica mais fácil teorizar sobre o aqui notado. Entretanto, temos comprovado,com numerosas pesquisas, com discussões a nível de bairro, de favela, de escolas de todo tipoe de nossos adolescentes estudantes e operários mal pagos, que esses conflitos e pesaresexistem. A elaboração dos “lutos” mencionados não é fácil, os chamados mecanismospsicopáticos aparecem e é duro lidar com eles. Um “luto” é uma situação de pena e dor, edeve respeitar-se para que possa “elaborar-se”. As diversas manifestações da “síndrome da adolescência normal” acontecem. Se adescrição é dramática nem sempre sua exteriorização é dessa forma. O adolescente turbulentoe violentamente contestador, alegre e triste. Porém também existe aquele em quem aturbulência é mais interna que externa. Pode “parecer” mais tranqüilo e até mais adaptado asua realidade, sua família, seu meio. Entretanto, em qualquer momento estoura com sua“síndrome” em toda sua plenitude. WWW.CURSORAIZES.COM.BR
  5. 5. WWW.CURSORAIZES.COM.BR Não é necessário procurar o “rebelde sem causa”, o reclamador vociferante ou obriguento constante. Esse é outro problema. É bom saber que existe um verdadeiro leque demanifestações que mudam em intensidade e variedade externas. Psicodinamicamente, seprocurar, nós acharemos as características assinaladas, algumas mais intensas, outras menos,porém todas elas presentes. Sem uma aproximação ao conhecimento da psicologia normaldo/da adolescente pouco poderá ser feito em favor da saúde e da educação deles. WWW.CURSORAIZES.COM.BR

×