A Heroica Pesca Do Bacalhau

1.415 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.415
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Heroica Pesca Do Bacalhau

  1. 1. A Heroica Pesca do Bacalhau Música: Fado Marujo By Ney Deluiz Canta: Amália Rodrigues Ligue o Som
  2. 2. Falou em bacalhau, a gente pensa em um único tipo de peixe, mas isto não é verdade. Há 5 tipos de peixes chamados de bacalhau, sendo que o bacalhau do Porto é o bacalhau tipo Cod Gadus Morhua com mais de 3 kg . O Cod Gadus Morhua é o l egítimo b acalhau. É pescado no Atlântico Norte e considerado o bacalhau mais nobre. Tem coloração palha e uniforme quando é salgado e seco . Q uando cozido, desfaz-se em lascas claras e tenras, de sabor inconfundíve l . Já o C od Gadus Macrocephalus (b acalhau do Pacífico ) , por parecer c om o Cod Gadus Morhua também é vendido como bacalhau do Porto. As diferenças estão no rabo e barbatanas (com extremidades branc as) e na sua coloração m ais clar a (quase branco).
  3. 3. Cada tipo de bacalhau é vendido em 3 categorias : 1) Imperial , bem cortado e bem curado. 2) Universal , com pequenos defeitos , mas paladar igual ao do Imperial e 3) Popular , com manchas e do qual faltam pedaços. O Ling tem carne bem clara e é mais estreito que os demais. Tem um bom corte e é muito bo m para grelhar. O Saithe , mais escuro , tem sabor mais forte. É o mais importado e excelente para bolinhos, saladas e ensopados de bacalhau. O Zarbo é um peixe pequeno e claro, que se adapta bem ao corte transversal e tem muito boa rentabilidade.
  4. 4. A pesca do bacalhau, mais do que um trabalho, era um ato de heroísmo! Até 1974, navios portugueses partiam em ab ril para uma missão heroica até o utubro nas águas frias da costa da Noruega e da Groelândia.
  5. 5. Cada navio leva va entre 40 a 60 barquinhos de 5 metros , chamados Dóris . Eles p odiam transportar quase 1 tonelada de peixe cada um e como se encaixavam uns nos outros , tornavam mais fácil a arrumação no navio .
  6. 6. Chegando nos locais de pesca, os pescadores nos dóris se a fastavam a remo do navio e depois , com a ajuda de pequenas velas , partiam para a pesca . Chegavam a se afastar até 30 Km dos navios.
  7. 7. Eles partiam às 4 da manhã e c ada um recebia um balde de isc as e uma bússola . Pescavam sozinhos e com grandes riscos , porque n aquela região fria eram comuns as tempestade s , nevoeiros e icebergues. Quando ele passa, o marujo português Não anda, passa a bailar, como ao sabor das marés E quando se jinga, põe tal jeito, faz tal proa Só para que se não distinga Se é corpo humano ou canoa
  8. 8. Quase mil anzois eram presos a um linha que chegava a ter 1,5 Km. Pescar assim só era possível porque o bacalhau depois de fisgado não luta e fica esperando quieto ser içado para o barco . Chega a Lisboa, salta do barco num salto Vai parar à Madragoa ou então ao Bairro Alto Entra em Alfama e faz de Alfama o convés Há sempre um Vasco da Gama num marujo portugu ê s
  9. 9. A cada 2 horas as linhas eram re colhidas e se os peixes fossem suficiente s eles voltavam ao navio , partindo depois para uma segunda pesca. Para comer eles levavam apenas azeitonas e um pão com bacalhau. Quando ele passa com seu alcache vistoso Tráz sempre pedras de sal no olhar malicioso Põe com malicia a sua boina maruja Mas se inventa uma carícia, não há mulher que lhe fuja
  10. 10. Trabalhavam 20 horas por dia e raramente ficavam fora por mais de 4 horas de cada vez. No fim do dia o navio apitava ou, no caso de haver neblina , dava um toque de sirene e todos regressavam. Uma madeixa de cabelo descomposta Pode até ser a fateixa de que uma varina gosta Sempre que passa um marujo português Passa o mar numa ameaça de carinhosas marés
  11. 11. Os dóris eram então descarregados, içados, limpos e empilhados para o dia seguinte .
  12. 12. Enquanto o navio não estivesse totalmente carregado eles não voltavam a Portugal.
  13. 13. Quando a captura era suficientemente grande , os pescadores ajudavam a tripulação que ficara a bordo a preparar o peixe , antes de jantarem e ir em para a s cama s beliches.
  14. 14. A etapa final era a de salgar o bacalhau e armazená-lo nos porões .
  15. 15. Banho não havia . Eles trocavam de roupa uma vez por mês e a roupa de baixo, uma vez por semana. Ao fim do dia o cozinheiro lhes dava 1 litro de água doce para se lavarem, já que a água era ultra racionada.
  16. 16. Se houvesse nevoeiro, era estendido um cabo de 2.000 metros, suspenso em bóias para que fosse mais fácil encontrar o navio. Mas mesmo assim não era incomum um pescador se perder e ser deixado para trás.
  17. 17. Finalmente, o bacalhau era secado ao sol. Já os os homens iam pescar sardinhas nos outros 6 meses do ano. Fim

×