Pp Workshop Anabela

543 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia, Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
543
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pp Workshop Anabela

  1. 1. Biblioteca Escolar<br />espaço culturalmente<br />AUTO -AVALIAÇÃO<br />WORKSHOP FORMATIVO<br />biblioteca escolar<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  2. 2. ÍNDICE<br />Avaliar?<br />Objectivos<br />Conceitos implicados no modelo de auto-avaliação<br />Organização estrutural e funcional<br />Aplicação do modelo<br />Oportunidades e constrangimentos<br />As mudanças para a melhoria<br />Participação<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  3. 3. Porque se avalia?<br />Conhecer a qualidade do serviço <br /> prestado pela BE. <br />Conhecer os benefícios resultantes na formação dos utilizadores.<br />Novos tempos<br />Novos desafios<br />AFERIR<br />REFLECTIR<br />MUDAR<br />AFERIR<br />REFLECTIR<br />MUDAR<br />AFERIR<br />REFLECTIR<br />MUDAR<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  4. 4. OBJECTIVOS<br />“Facultar um instrumento pedagógico e <br /> de melhoria contínua que permita aos <br /> órgãos directivos e aos coordenadores avaliar o trabalho da biblioteca escolar e o impacto desse trabalho no funcionamento global da escola e nas aprendizagens dos alunos, identificar as áreas de sucesso e aquelas que, por apresentarem resultados menores, requerem maior investimento, determinando, nalguns casos, uma inflexão das práticas.”<br />Novos tempos<br />Novos desafios<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  5. 5. CONCEITOS IMPLICADOSNO MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO<br />Novos tempos<br />Novos desafios<br />O VALOR<br />A experiência e os benefícios que se retiram da biblioteca.<br /> O valor que se traduz nas atitudes e nas competências dos utilizadores a partir dos recursos e acções realizadas através da biblioteca.<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  6. 6. CONCEITOS IMPLICADOSNO MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO<br />Novos tempos<br />Novos desafios<br />UM PROCESSO<br />Um processo que é pedagógico e regulador, inerente à gestão e procura de uma melhoria contínua da BE.<br />A avaliação não constitui um fim, devendo ser entendida como um processo que, idealmente, conduzirá à reflexão e originará mudanças concretas na prática.<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  7. 7. CONCEITOS IMPLICADOSNO MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO<br />Novos tempos<br />Novos desafios<br />O IMPACTO<br />O impacto no ensino e na aprendizagem é positivo.<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  8. 8. CONCEITOS IMPLICADOSNO MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO<br />Novos tempos<br />Novos desafios<br />INSTRUMENTO PEDAGÓGICO<br />A auto-avaliação, através da recolha de evidências, ajudará cada BE a identificar o caminho que deve seguir com vista à melhoria do seu desempenho e sugerir possíveis acções para melhoria no Agrupamento.<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  9. 9. CONCEITOS IMPLICADOSNO MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO<br />Novos tempos<br />Novos desafios<br />NOVO ENTENDIMENTO DA BE<br />O aluno apresenta-se como actor activo e construtor do próprio conhecimento. <br />Inquirybasedlearning– conhecimento que se constrói a partir do questionamento e inquirição contínuos.<br />Introdução das TIC, desenvolvimento de redes, novas literacias, aprendizagem contínua e ao longo da vida<br />Evidence – Basedpractice– desenvolvimento de práticas sistemáticas de recolha de evidências, associadas ao dia-a-dia (provam o impacto que as BE’s têm nas aprendizagens).<br />Avaliação – processo de determinar o valor (em termos de benefícios) e qualidade de um sistema (satisfação dos utilizadores)<br /> Avaliação centrada no impacto qualitativo da BE, na aferição das modificações positivas que o seu funcionamento tem nas atitudes, valores e conhecimento dos utilizadores (aferição não da eficiência, mas da eficácia dos serviços, os resultados que os serviços produziram).<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  10. 10. ORGANIZAÇÃO ESTRUTURALE FUNCIONAL<br />Novos tempos<br />Novos desafios<br />O modelo está organizado em torno de quatro domínios e respectivos subdomínios que representam as áreas nucleares em que se deverá processar o trabalho da/com a Biblioteca Escolar<br />A – APOIO AO DESENVOLVIMENTO CURRICULAR:<br />A.1. Articulação curricular da BE com as estruturas pedagógicas e os docentes<br />A.2. Desenvolvimento da literacia da informação<br />B – LEITURA E LITERACIAS<br />C –PROJECTOS, PARCERIAS E ACTIVIDADES LIVRES E DE ABERTURA À COMUNIDADE:<br />C.1. Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular<br />C.2. Projectos e parcerias<br />D – GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR<br />D.1. Articulação da BE com a Escola/Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE<br />D.2. Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços<br />D.3. Gestão da colecção/da informação<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  11. 11. ORGANIZAÇÃO ESTRUTURALE FUNCIONAL<br />Novos tempos<br />Novos desafios<br />Quadro Referencial do Modelo<br />(para cada subdomínio é apresentado um quadro)<br />sugestões de acções para melhoria tendo em conta a analise das evidências<br />exemplos<br />para possíveis instrumentos de recolha de evidências <br />zonas <br />nucleares de intervenção em cada domínio<br />acções a implementar que operacionalizam o respectivo indicador<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  12. 12. ORGANIZAÇÃO ESTRUTURALE FUNCIONAL<br />Novos tempos<br />Novos desafios<br />RECOLHA DE EVIDÊNCIAS<br />ÍNDICES DE UTILIZAÇÃO DA BE<br />Recolha sistemática ao longo do ano lectivo<br />PAA<br />RI <br />PCA<br />PCT<br />ACTAS<br />QUESTIONÁRIOS<br />ENTREVISTAS<br />MATERIAIS PRODUZIDOS<br />REGISTOS DE OBSERVAÇÃO<br />RELATÓRIOS<br />Os instrumentos criados para a auto-avaliação da BE podem ser adaptados à realidade de cada BE.<br />Sugestão RBE: <br />Questionários /professores - aplicação a 20% do número total de professores.<br />Questionários/alunos, - aplicação a 10% em relação ao número de<br />alunos em cada nível de escolaridade.<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  13. 13. ORGANIZAÇÃO ESTRUTURALE FUNCIONAL<br />Os perfis de desempenho caracterizam o que se espera da BE,<br /> face à área analisada. <br />Novos tempos<br />Novos desafios<br />4 níveis<br /> 4 descritores<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  14. 14. APLICAÇÃO DO MODELO<br />Novos tempos<br />Novos desafios<br /> A aproximação à realidade será feita por etapas, tendo <br /> em conta o contexto interno e externo da BE, devem levar a seleccionar o domínio a ser objecto de aplicação dos instrumentos. O ciclo completa-se ao fim de quatro anos e deve fornecer uma visão holística e global da BE. Cada etapa compreende um ciclo:<br />- Identificação de um problema ou de um desafio;<br /> - Recolha de evidências;<br /> - Interpretação da informação recolhida;<br /> - Realização das mudanças necessárias; <br /> - Recolha de novas evidências acerca do impacto dessas mudanças<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  15. 15. APLICAÇÃO DO MODELO<br />Novos tempos<br />Novos desafios<br />Organização de cada etapa<br />Selecção do domínio a avaliar<br />Adequação do modelo à realidade do Agrupamento<br />Divulgação da aplicação do modelo à comunidade<br />Calendarização do processo (criar um cronograma)<br />Definição dos instrumentos de recolha a utilizar para cada<br /> indicador temático<br />Produção de outros instrumentos além dos fornecidos pelo modelo<br />Apresentação dos resultados à comunidade escolar<br />Ligação à avaliação interna e externa do Agrupamento. <br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  16. 16. OPORTUNIDADES<br /><ul><li>Promove uma cultura de avaliação;
  17. 17. Potencia uma visão e um pensamento estratégico;
  18. 18. Promove o trabalho colaborativo dentro do agrupamento (o necessário envolvimento de todos);
  19. 19. Ajuda a estabelecer prioridades ;
  20. 20. Permite diagnosticar pontos fracos e pontos fortes.
  21. 21. ...</li></ul>Novos tempos<br />Novos desafios<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  22. 22. CONSTRANGIMENTOS<br />Há o risco de se confundir a auto-avaliação da BE <br /> com a avaliação do coordenador e da sua equipa;<br />Dificuldades na gestão do tempo (coordenador);<br />Falta de sistematização e de experiência na recolha de evidências;<br />Sobrecarga de registos que cada vez são mais exigidos aos docentes, pode dificultar a recolha de evidências;<br />Competências reduzidas na utilização das TIC por parte de alguns docentes;<br />Reduzida participação dos Encarregados de Educação e baixo nível de escolaridade dos mesmos.<br />......<br />Novos tempos<br />Novos desafios<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  23. 23. Novos tempos<br />Novos desafios<br />AS MUDANÇAS PARA A MELHORIA<br />A comunidade educativa deve separar bem a avaliação do<br /> serviço prestado por uma estrutura, da avaliação de desempenho dos docentes.<br />Maior articulação entre todos os elementos da comunidade educativa. Maior aproximação e mais diálogo.<br />Alterar as mentalidades sobre a biblioteca escolar, e dar visibilidade à diferença entre informação e conhecimento. <br />Mais organização, mais selectividade e melhor gestão do tempo do professor bibliotecário.<br />Gerar mais motivação para a formação e necessidade de permanente actualização por parte dos docentes.<br />Reconhecer na biblioteca uma mais valia no processo-ensino aprendizagem ao serviço de todos.<br />Contribuir para uma cultura de avaliação participada. <br />Acções de melhoria que se reflictam nos resultados escolares.<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  24. 24. PARTICIPAÇÃO DE TODO O AGRUPAMENTO<br />Novos tempos<br />Novos desafios<br />QUESTIONÁRIOS, ENTREVISTAS E GRELHAS DE OBSERVAÇÃO <br />ALUNOS<br />QUESTIONÁRIOS E ENTREVISTAS<br />ENC. EDUCAÇÃO<br />QUESTIONÁRIOS, ENTREVISTAS, PLANIFICAÇÕES, RELATÓRIOS, ACTAS, GRELHAS DE OBSERVAÇÃO, ETC <br />PROFESSORES<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  25. 25. PARTICIPAÇÃO DE TODO O AGRUPAMENTO<br />Novos tempos<br />Novos desafios<br />director<br />ANALISAR RELATÓRIOS<br />FAZER RECOMENDAÇÕES<br />ACOMPANHAR<br />COADJUGAR<br />... <br />conselho pedagógico<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  26. 26. Bibliografia<br />Texto da sessão, disponibilizado na plataforma.<br />Eisenberg, Michael & Miller, Danielle (2002) “This Man Wants to Change Your Job”, School Library Journal. 9/1/2002<br />Todd, Ross (2002) “School librarian as teachers: learning outcomes and evidence-based practice”. 68th IFLA Council and General Conference August.  <br />Todd, Ross (2008) “TheEvidence-Based Manifesto for SchoolLibrarians”. SchoolLibraryJournal. 4/1/2008.<br />Modelo de Auto-avaliação das bibliotecas escolares<br />Novos tempos<br />Novos desafios<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />
  27. 27. Biblioteca Escolar<br />espaço culturalmente<br />Formação RBE Nov 2009<br />AUTO -AVALIAÇÃO<br />WORKSHOP FORMATIVO<br />BIBLIOTECA ESCOLAR DO AGRUPAMENTO VERTICAL MONSENHOR JERÓNIMO AMARAL<br />Anabela Quelhas<br />biblioteca escolar<br />

×