Procedimentos voc

430 visualizações

Publicada em

procedimento muito bom para estudantes

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
430
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Procedimentos voc

  1. 1. CÂMARA AMBIENTAL DO SETOR METALÚRGICO, MECÂNICO E SIDERÚRGICO Procedimento para Cálculo de Emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) nas Operações de Pintura de Carrocerias Metálicas da Indústria Automotiva Método para cálculo de geração de COV por balanço de massa Elaborado pelo Grupo de Trabalho “Emissões Atmosféricas do Processo de Pintura Automotiva” Maio/2012 Proposta de procedimento para estimar e quantificar as emissões de COVs provenientes do processo de pintura de carrocerias metálicas das indústrias automotivas visando atendimento às exigências de licenças ambientais e monitoramento periódico junto à CETESB para fontes novas e existentes. Trata-se de documento que somente será aprovado depois de considerar as contribuições advindas da Consulta Pública e após a análise e aprovação pelas áreas técnicas da CETESB.
  2. 2. Procedimento para Cálculo de Emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) nas Operações de Pintura de Carrocerias Metálicas da Indústria Automotiva Maio/2012 2/16 Membros do Grupo de Trabalho “Emissões Atmosféricas do Processo de Pintura Automotiva” • André Hirose - Toyota • Arthur Signorini - Honda • Daniela B. Sousa - Ford • Edmir Mesz - Ford • Eliane D'Aprille - Ford • Enedir Rodrigues - CETESB • Fabio Patara - Mercedes Benz • Francisco Gasparini - GM • Ivo Salzupin -Volkswagen • José Vani santana - SCANIA • Lilian M. Oliveira - Ford • Marcelo Colpas Silva - Volkswagen • Marcos Pie Cervera - CETESB • Maria Cristina Poli - CETESB • Mirela Siqueira - PSA Peugeot Citroen • Nelson Branco - GM • Paulo Cesar Rodrigues - CETESB • Roberta F. Abolagio – VW • Sheila Tiemi Sakamoto - Toyota
  3. 3. Procedimento para Cálculo de Emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) nas Operações de Pintura de Carrocerias Metálicas da Indústria Automotiva Maio/2012 3/16 Índice 1. Campo de Aplicação 2. Princípio 3. Objetivo 4. Definições 5. Especificações 6. Método 7. Acompanhamento dos Padrões Internacionais e Recomendações 8. Bibliografia 9. Anexos 1. Campo de Aplicação Este procedimento, estabelece critérios para o cálculo das emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) para a atmosfera, originadas no processo de pintura de carrocerias metálicas de automóveis novos, cabines de caminhões, veículos de uso múltiplo e carrocerias de veículos utilitários, pick-up e caminhote, trator e ônibus, excluindo veículos agricolas e/ou máquinas utilizadas na construção civil. Também não é aplicável a pinturas de peças plásticas, como por exemplo, para-choques 2. Princípio: Estimativa das emissões de COVs por m 2 pintado através do balanço de massa entre a quantidade de solventes presente na tinta utilizada e a quantidade de sólidos fixos .Também estabelece uma relação com a área pintada, criando assim condição de se observar a eficiência dos produtos utilizados, equipamentos, processos, métodos e eventual abatimento das emissões.dentre as diversas instalações deste processo de pintura. 3. Objetivo: Estimar e quantificar as emissões de COVs provenientes do processo de pintura em empresas automotivas visando atendimento às exigências de licenças ambientais e monitoramento períodico junto à CETESB para fontes novas e existentes. 4. Definições 4.1 Área Total de Superfície de Carrocerias: É a superfície da carroceria a ser pintada (também conhecida como área de eletroforese). 4.2 Automóvel - Veículo de Passeio: Veículo automotor, destinado ao transporte de passageiros, com capacidade para até oito pessoas, exclusive o condutor. 4.3 Caminhão: Veículo automotor com ou sem chassis, com peso total maior que 2727 kg, projetado para o transporte de carga. 4.4 Veículos de Uso Múltiplo: Veículo automotor com ou sem chassis para o transporte de mais de oito pessoas. 4.5 Veículo Utilitário: Veículo automotor para o transporte de carga ou de mais de oito pessoas com peso total menor que 2727 kg. 4.6 Pick-Up – Caminhonete: Veículo destinado ao transporte de carga com peso bruto total de até 3.500 kg.
  4. 4. Procedimento para Cálculo de Emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) nas Operações de Pintura de Carrocerias Metálicas da Indústria Automotiva Maio/2012 4/16 4.7 Trator – Õnibus: Veículo automotor destinado a tracionar, arrastar outro ou transporte coletivo com capacidade para mais de 20 passageiros. 4.8 Veículo agricola e/ou utilzado na construção civil: Veiculo automotor ou não, destinado a uso esclusivo na agricultura ou na construção civil, 4.9 Carroceria: Corpo ou estrutura de veículo automotor, seja este automovel, caminhão, veículo de uso multiplo, veículo utilitário, pick-up, trator ou ônibus, incluindo partes externas como pára-choques, portas, guarda-corpos, teto, assoalho, chassis e peças metálicas ou plásticas incorporadas antes de serem pintadas, contanto que sejam pintadas na mesma linha de aplicação. 4.10 Compostos Orgânicos Voláteis (COVs): Pela abrangência dada a esta definição que incluem tanto compostos orgânicos quanto as misturas em diversas proporções com tais compostos, deverá se considerar como COV todo composto orgânico exceto metano (CH4) As emissões de COVs consideradas neste procedimento são baseadas somente nas emissões geradas dentro da unidade industrial do processo de pintura de carrocerias automotivas. 4.11 Equipamento de Controle e Abatimento: Dispositivo ou grupos de dispositivos utilizados para a redução de emissões para a atmosfera. 4.12 Fonte Existente: A instalação designada para a pintura de carrocerias de veículos novos em uma fábrica, em operação anterior a data de efetivação desta metodologia. 4.13 Novas Fontes: Instalação designada para a pintura de carrocerias de veículos novos em uma fábrica, planejada e aprovada para instalação pelas autoridades, após a data de efetivação desta metodologia 4.14 Pintura: Um fino filme, protetor ou decorativo aplicado a carroceria do veículo. As operações de pintura controladas neste procedimento incluem os seguintes processos: a. Desengraxante (Pré-limpeza) de carrocerias: Operação usada para remover impurezas como graxas, lubrificantes e poeira b. Pré-tratamento (Fosfato): Tratamento dado para a superficie metálica da carroceria, voltado a proteger a mesma da oxidação – em geral, é utilizado fosfato de níquel ou zinco para este tratamento. c. Eletroforese (Eletrocoat): Processo de pintura por imersão, utilizando um campo elétrico para efetuar a deposição de materiais resinosos na carroceria do veículo. Neste processo, a peça a ser pintada age como um eletrodo com a carga oposta a partícula do produto contido no tanque de imersão. d. Selantes (Sealers): aplicação de massa selante a base de celulose. e. Fundo Nivelador (Primer de Superfície): Pintura protetiva entre o processo de eletroforese e aplicação de esmalte. f. Esmalte (Basecoat): A pintura inicial provida da cor final, formada por uma resina pigmentada durável, o qual pode ser curada ao longo da pintura de verniz transparente. g. Verniz Transparente (Clearcoat): A pintura final, formada por uma resina clara provendo suavidade, alto brilho e durabilidade à superfície. h. Purga: Operação de limpeza do sistema de aplicação quando resíduos de pintura são expelidos, permitindo assim a mudança de cor no sistema. i. Reparo final: Pintura para correção de falhas ou imperfeições no final, após montagem do veículo.
  5. 5. Procedimento para Cálculo de Emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) nas Operações de Pintura de Carrocerias Metálicas da Indústria Automotiva Maio/2012 5/16 5. Especificações 5.1 Os responsáveis por fontes estacionárias referenciadas neste método, devem atender os seguintes requisitos: 5.1.1 Manter registros de manutenção para o processo e equipamentos de controle. 5.1.2 Manter registros mensais de consumo de tintas e solvente que contenham COV de todas operações de pintura de carrocerias descritas nesta metodologia, incluindo as seguintes informações: • Quantidade e tipos de carrocerias pintadas • Área total da superfície de cada modelo de veículo produzido • Variação da superfície pintada devido a mudança de modelo • Consumo de Tinta e informação de quantidade de COV • Consumo de solvente na purga e limpeza (por tipo) As informações sobre a quantidade de COVs contida nos produtos utilizados deverá ser fornecida pelos fornecedor de matéria-prima com base no método “US Environmental Protection Agency (EPA) Method 24 of the Code of Federal Regulations (CFR) Title 40, Part 60, Appendix A”, . A quantidade de COVs deverá constar na Ficha de Informações sobre Produtos Quimicos - FISPQ, no campo IX da mesma. 5.1.3 A qualquer momento poderá ser solicitado ao fabricante de tintas, a comprovação das informações constantes na FISPQ do produto relativas a quantidade de COVs e método utilizado para medição. 5.2 Determinação da Área Total de Superfície da Carroceria. 5.2.1 A área da superfície da carroceria considerada para o cálculo de COV é somente a área de pintura que passa pelo processo de eletroforese, determinado pela Departamento de Engenharia de cada montadora. 5.2.3 A qualquer momento poderá ser solicitado à montadora a comprovação das informações relativas a área de pintura e método utilizado para tal medição. 5.3 Cálculo das Emissões de COVs 5.3.1 O cálculo das emissões de COVs para as operações de pintura são baseadas no consumo total de COVs durante um período de tempo. O cálculo dos credito de COV capturados em estado liquido são baseados na quantidade em quilos, capturado na purga ou solvente utilizado na limpeza das linhas de recirculação. 5.3.2 O cálculo do COV capturado e destruido por equipamento de controle deve contemplar a quantidade de COV no estado gasoso capturado nas estufas de secagem do processo produtivo, além da eficiência de destruição do equipamento de controle e destruição instalado no processo. 6. Método A seguinte fórmula é usada para o cálculo das emissões de COV: VE = 1000 x [ (VC1 x COV1) + (VC2 x COV2) + Solv1 + Solv2 . . . - (RSA + RSB . . .) ] / [(B1 x S1)+(B2 X S2)+...] VE = emissão média de COV (g/m 2 por mês) VC1 = volume de Tinta 1 usada por mês (L); Exemplo: fundo (primer) COV1 = conteúdo de COV da Tinta 1 (kg/L) VC2 = volume de Tinta 2 usada por mês (L); Exemplo: esmalte (basecoat) COV2 = conteúdo de COV da Tinta 2 (kg/L)
  6. 6. Procedimento para Cálculo de Emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) nas Operações de Pintura de Carrocerias Metálicas da Indústria Automotiva Maio/2012 6/16 Solv1 = peso do Solvente 1 usado por mês (kg); Exemplo: solvente para primer-colorido Solv2 = peso do Solvente 2 usado por mês (kg); Exemplo: solvente de purga RSA = somatória de solventes capturados na fase de vapor, reciclados ou destruidos por equipamento de controle de COV (kg); Exemplo: emissão de solventes durante a aplicação de tinta RSB = somatória de solventes capturados na fase líquida (kg); Exemplo: purga de solventes ou solvente utilizado para limpeza das linhas de recirculação; A somatória precisa ser o valor líquido dos sólidos. medido pelo método usado para se determinar o conteúdo de COV na tinta. B1 = número de carrocerias do tipo B1 pintadas em um mês S1 = área de Superfície da carroceria B1 que passa pela eletroforese (m 2 ) B2 = número de carrocerias do tipo B2 pintadas em um mês S2 = área de Superfície da carroceria B2 que passa pela eletroforese (m 2 ) Notas: 1. Para o apontamento das quantidades de cada um dos fatores e cálculo da fórmula de emissões de COVs, bem como produção mensal e área dos veículos pintados, deve ser utilizada planilha padrão, conforme Anexo 1 deste procedimento. 2. Para determinação do conteúdo de COVs das tintas (COV1,COV2,...) deve ser seguido o método descrito no Anexo 2 deste procedimento, documento este baseado no “US Environmental Protection Agency (EPA) Method 24 of the Code of Federal Regulations (CFR) Title 40, Part 60, Appendix A”. 3. Para a determinação da somatória de solventes capturados na fase de vapor, reciclados ou destruidos por equipamento de controle (RSA), é necessário que se siga o protocolo de medição conforme anexo 3 deste documento, relativo a determinação da quantidade de COV capturado nas estufas de secagem e encaminhados para reciclagem ou destruidos em equipamento de controle, 4. Para determinação da eficiência de destruição de equipamentos de controle de emissão de COVs (por exemplo: RTO), deve ser seguido Termo de Referência para Elaboração do Plano de Monitoramento de Emissões Atmosféricas - CETESB, Publicado no Diário Oficial Estado de São Paulo - Caderno Executivo I (Poder Executivo, Seção I), Edição n° 120(10), do dia 15/01/2010, Páginas números: 40 a 46. 7. Bibliografia - Norma ASTM D1186 - Norma ASTM D1475 - Standard Test Method for Density of Paint, Varnish, Lacquer, and Related Products - Norma ASTM D2369 - Standard Test Method for Volatile Content of Coatings - Norma ASTM D3792 - Standard Test Method for Water Content of Water Reducible Paints by Direct Injection into a Gas Chromatograph - Norma ASTM D4017 - Standard Test Method for Water in Paints and Paint Materials by the Karl Fischer Titration Method - Norma ASTM D4475 - Standard Test Method for Determination of Dichloromethane and 1,1,1Trichloroethane in Paints and Coatings by Direct Injection into a Gas Chromatograph - Norma ASTM D5087 - Norma ASTM D5403 - Standard Test Methods for Volatile Content of Radiation Curable Materials - Norma ASTM D6266 - Norma ASTM D - Norma ASTM D - EPA VOC Glossary - US Environmental Protection Agency (EPA) Method 21 - US Environmental Protection Agency (EPA) Method 24 - US Environmental Protection Agency (EPA) Method 25A - Regulamentações Européias
  7. 7. Procedimento para Cálculo de Emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) nas Operações de Pintura de Carrocerias Metálicas da Indústria Automotiva Maio/2012 7/16 - Proyecto de Norma Oficial Mexicana, estabelecendo los níveles máximos permisíbles de emisión a la atmosfera de compuetos orgánicos volatiles provenientes de las operaciones de recubrimiento de carrocerías de la industria automotriz, así como el método para calcular sus emisiones Proyecto NOM-121-ECOL-1997). - Canadian Council of Ministers of the Environmental and Management Plant, Initiative V307, August 1995. 8 - Anexos Anexo 1 – Planilha de cálculo de emissões de COVs por área pintada Anexo 2 – Método para determinação do teor de COVs e densidade em tintas Anexo 3 – Protocolo para determinação de emissões gasosas capturadas
  8. 8. Procedimento para Cálculo de Emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) nas Operações de Pintura de Carrocerias Metálicas da Indústria Automotiva Maio/2012 8/16 ANEXO 1 Planilha de cálculo de emissões de COVs por área pintada
  9. 9. Procedimento para Cálculo de Emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) nas Operações de Pintura de Carrocerias Metálicas da Indústria Automotiva Maio/2012 9/16 Anexo 1 – Planilha de cálculo de emissões de COVs por área pintada (1/2) Consumo Densidade da Tinta Consumo Total COV COV Tinta Solvente Adicionado Densidade Solvente Total HCT Emitido Fator de EMISSÃO ltrs kg/litro kg % peso kgs. litros kg/itros kgs. Emissão kgs Pintura Eletroforetica (E-Coat) Specific Factor 1 0.00 0.00 0.00 0.00 2 0.00 0.00 0.00 0.00 3 0.00 0.00 0.00 0.00 TOTAL 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 Selantes e Antiruido Specific Factor 1 0.00 0.00 0.00 0.00 2 0.00 0.00 0.00 0.00 3 0.00 0.00 0.00 0.00 4 0.00 0.00 0.00 0.00 5 0.00 0.00 0.00 0.00 TOTAL 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 Pintura de Fundo (Primer) 1 0.00 0.00 0.00 0.00 2 0.00 0.00 0.00 0.00 3 0.00 0.00 0.00 0.00 4 0.00 0.00 0.00 0.00 5 0.00 0.00 0.00 0.00 6 0.00 0.00 0.00 0.00 7 0.00 0.00 0.00 0.00 8 0.00 0.00 0.00 0.00 9 0.00 0.00 0.00 0.00 10 0.00 0.00 0.00 0.00 TOTAL 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 Esmalte Base e Verniz Specific Factor 1 0.00 0.00 0.00 0.00 2 0.00 0.00 0.00 0.00 3 0.00 0.00 0.00 0.00 4 0.00 0.00 0.00 0.00 5 0.00 0.00 0.00 0.00 6 0.00 0.00 0.00 0.00 7 0.00 0.00 0.00 0.00 8 0.00 0.00 0.00 0.00 9 0.00 0.00 0.00 0.00 10 0.00 0.00 0.00 0.00 11 0.00 0.00 0.00 0.00 12 0.00 0.00 0.00 0.00 13 0.00 0.00 0.00 0.00 14 0.00 0.00 0.00 0.00 15 0.00 0.00 0.00 0.00 16 0.00 0.00 0.00 0.00 TOTAL 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 Cera de Cavidade Specific Factor 1 0.00 0.00 0.00 0.00 2 0.00 0.00 0.00 0.00 TOTAL 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 Material de Reparo Specific Factor 1 0.00 0.00 0.00 0.00 2 0.00 0.00 0.00 0.00 3 0.00 0.00 0.00 0.00 4 0.00 0.00 0.00 0.00 TOTAL 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 Consumo Densidade Quantidade HCT Solvente Litros kg/litros Kilograma % kgs 1 0.00 0.00 2 0.00 0.00 3 0.00 0.00 4 0.00 0.00 TOTAL 0.00 0.00 0.00 Data da Emissão: Periodo: Empresa: Endereço: Processo: Cidade: PROCESSO / MATERIAL Solvente Consumido Limpeza
  10. 10. Procedimento para Cálculo de Emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) nas Operações de Pintura de Carrocerias Metálicas da Indústria Automotiva Maio/2012 10/16 Anexo 1 – Planilha de cálculo de emissões de COVs por área pintada (2/2) Volume Recuperado Densidade Quantidade COV Solvente Litros kg/litros Kilograma % kgs 1 0.00 0.00 2 0.00 0.00 TOTAL 0.00 0.00 0.00 Emissão de COV (g/m 2 ): Processo Material Usado (Kg) Emissão COV (Kg) g/m2 Veiculo Produçao m2 / veículo Área Pintada (m2) 1 Pintura Eletroforetica (E-Coat) 0.00 0.00 #DIV/ 0! 0.00 2 Selantes e Antiruido 0.00 0.00 #DIV/ 0! 0.00 3 Pintura de Fundo(Primer) 0.00 0.00 #DIV/ 0! 0.00 4 Esmalte Base e Verniz 0.00 0.00 #DIV/ 0! 0.00 5 Cera de Cavidade 0.00 0.00 #DIV/ 0! 0.00 6 Material de Reparo 0.00 0.00 #DIV/ 0! 0.00 7 Solvente Consumido 0.00 0.00 #DIV/ 0! 0.00 8 Solvente Recuperado 0.00 0.00 #DIV/ 0! 0.00 TOTAL 0.00 0.00 #DIV/ 0! 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 0.00 TOTAL 0 0 Superficie de Eletroforese - ELPO (m2) Nome da Empresa: Periodo: Recuperação Emissão de COV - Resumo Geral Empresa: Endereço: Data da Emissão: Cidade:Processo: Periodo:
  11. 11. Procedimento para Cálculo de Emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) nas Operações de Pintura de Carrocerias Metálicas da Indústria Automotiva Maio/2012 11/16 ANEXO 2 Método para determinação de material volátil e densidade de revestimentos de superfícies de carrocerias automotivas.
  12. 12. Procedimento para Cálculo de Emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) nas Operações de Pintura de Carrocerias Metálicas da Indústria Automotiva Maio/2012 12/16 Anexo 2 – Método para determinação de material volátil e densidade de revestimentos de superfícies carrocerias automotivas. Resumo do método: Este método é usado para determinar o teor de material volátil e densidade de tinta, verniz e laca ou outros revestimentos de superfícies de carrocerias automotivas. 1. Preparo da amostra 1.1 Prepare cerca de 100 ml da amostra, se necessário adicionando os compostos, em um jarro de vidro ou recipiente metálico mas sempre com tampa. O recipiente deve ter volume suficiente para que caiba a amostra, mesmo quando existir a necessidade de adição de compostos. Neste caso, combine os compostos (por peso ou volume) na proporção recomendada pelo fabricante. Feche hermeticamente o recipiente entre as adições e durante a mistura, a fim de prevenir perda de material volátil. 1.2 Imediatamente após ao preparo da amostra, pegue aliquotas destes 100 ml de amostra preparada, para a determinação do total de conteúdo volátil, conteúdo de água e densidade. 2 Conteúdo de Volateis: Para determinar o conteúdo total de voláteis use o seguinte procedimento: 2.1 Pese e registre o peso de um prato de alumínio, com precisão de 1 mg. Usando uma seringa, adicione de 0,3 a 0,5 g de tinta no prato de aluminio. 2.2 A amostra deve ser levada a estufa de secagem e permacer pelo mínimo de 1 hora, a temperatura de 110 o C. 2.3 Remova o prato de aluminio da estufa e coloque imediatamente em um dissecador para que resfrie até a temperatura ambiente e em seguida efetuar a pesagem com precisão de 1 mg. 2.4 Cálculo de teor de voláteis 2.4.1 Calcule o teor de volateis (Wv), conforme a seguinte equação: WV = ( W1 – W2)/W3 Onde, W1 = peso do prato e da amostra antes do aquecimento,em g W2 = peso do prato e da amostra após o aquecimento, em g W3 = peso da amostra, em g. 3 Densidade da Tinta: Para determinar a densidade da tinta use o seguinte procedimento: 3.1 Pese e registre o peso de um recipiente de vidro (becker) com volume suficiente para conter 100 ml, com precisão de 1 mg. 3.2 Adicione 100 ml de tinta no recipiente e pese novamente, com precisão de 1 mg 3.3 Cálculo da desidade: 3.3.1 Calcule a desidade da tinta (Dc), conforme a seguinte equação: Dc = ( Wb – Wa)/W3
  13. 13. Procedimento para Cálculo de Emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) nas Operações de Pintura de Carrocerias Metálicas da Indústria Automotiva Maio/2012 13/16 Onde, Wa = peso do recipiente, em g Wb = peso do recipiente e da amostra, em g V = volume da amostra, em ml. O unidade da densidade da tinta (Dc) é apresentado em g/ml ou kg/litro.
  14. 14. Procedimento para Cálculo de Emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) nas Operações de Pintura de Carrocerias Metálicas da Indústria Automotiva Maio/2012 14/16 ANEXO 3 Protocolo para determinação de captura de COVs em estufas de pintura
  15. 15. Procedimento para Cálculo de Emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) nas Operações de Pintura de Carrocerias Metálicas da Indústria Automotiva Maio/2012 15/16 A. Resumo do Método A captura de COVs de estufas de pintura é determinado, simulando a perda de COV de uma superfície recém- pintada por diferença de peso antes e após a secagem. Painéis de teste de metal são submetidos a um filme de pintura e em sequencia ao "flashoff" e secagem em estufa. A perda de peso durante a secagem é então relacionada ao volume de sólidos depositados sobre os painéis de teste para calcular um controle de carga de entrada do dispositivo em gramas de COV por litro de tinta aplicada. Este método é usado para determinar a exasutão que segue para o dispositivo de controle de COVs usados em uma operação de pintura e acabamento de automóveis ou veiculos de carga. As variações apenas para este protocolo são de que o painel de testes tem lugar na linha de pintura durante a pintura real do veículo e o seu processo de secagem As tintas utilizadas são transferidas por propelente a base de água e / ou solvente. Uma amostra de cada tinta avaliada é coletada para determinação da densidade de sólidos. B. Procedimento de Teste 1. Colocação do painel / Determinação do Peso Limpa, seca, painéis de aço pesado anteriormente "electrocoated", tamanho 4" x 12" (0,10 m x 0,30m), são colocados em um suporte na carroceria de um veículo, onde o qual seja esperada a aplicação de pintura. A carroceria é pintada como uma unidade de produção típica. O sistema de transporte de carrocerias deve ser parado pouco antes da carroceria entrar na estufa. Nesta fase, os painéis são cuidadosamente retirados, pesados imediatamente em uma balança analítica, e depois voltam a carroceria para secar na estufa pintura. Depois de sair da estufa, os painéis são removidos da carroceria, deixar esfriar e pesar mais uma vez na mesma balança analítica. Além disso, a espessura média de cada revestimento aplicado é determinado. Espessura do filme deve ser medida com um instrumento, como um "Elcometer" ou "Dualscope". 2. Credito de captura na Estufa Os seguintes cálculos são usados para expressar o COV capturado na estufa por litro de sólidos aplicada. Peso de sólidos de tinta aplicado = peso do painel pintado após secagem em estufa menos o peso do painel antes da aplicação de tinta. WPS = W2 - W onde: WPS = Peso de solidos da pintura aplicada, g W = Peso do painel antes da aplicação de tinta, g W2 = Peso do painel (BC/CC or Cor sólida) apos sair da estufa de secagem e resfriamento apropriado, g Peso de VOC disponíveis para o controle (capturado) é igual peso do painel no ponto em que todo o ar de escape é exaurido para o dispositivo de controle, menos peso do painel no ponto que o ar de exaustão não é mais ventilado para o dispositivo de controle (depois da estufa de cura). Para pinturas a base de água, o peso da água é subtraída da perda de peso total WSA = W1 - W2 , para pinturas base solvente ou WSA = [W1 - W2] - [(W4 - W3) * %H2Ocorr/100], para pintura base água onde: WSA = Peso do COV disponivel para controle(capturado), g W1 = Peso do painel (BC/CC ou Cor Solida) antes de entrar na estufa de cura, g W2 = Peso do painel (BC/CC or Cor Solida) após sair da estufa de cura e apropriadamente resfriada, g W3 = Peso do painel (Somente base água) anted da aplicação de tinta, g
  16. 16. Procedimento para Cálculo de Emissões de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) nas Operações de Pintura de Carrocerias Metálicas da Indústria Automotiva Maio/2012 16/16 W4 = Peso do painel (Somente base água) antes de entrar na cabine de pintura de verniz, g %H2Ocorr = Porcentagem de água na amostra de tinta corrigida para o blank, (peso, H2O/peso, Tinta) Calculo de quilos de COV disponíveis para o controle por litro de sólidos de revestimento aplicado para cada painel medidos: CDL = WSD*WSA/WPS onde: CDL = Credito de Captura na estufa, kg VOC capturados/litro de solidos aplicado WSA/WPS = Peso de COV disponivel para controle/peso de solidos aplicados, g/g WSD = Densidade media de Solidos pesados, kg sólidos/litro solidos D. REQUISITOS DE TESTE 1. Frequencia de Certificação O dispositivo de controle de escape estufa de cura de VOC deve ser determinada por um teste de conformidade inicial. O proprietario /operador deve rever as condições operacionais anualmente. Os resulta dos de testes mais recentes, mantem-se validos até que o proprietário/operador demonstre que não ocorreram mudanças significativas na tecnologia ou processo de pintura. Variações anuais nas cores ou ajustes menores na mistura de solventes referntes a processo, qualidade ou outras razões, não constituem mudanças significativas na tecnogia de pintura. Mudanças significativas no processo, podem incluir alterações de tubulações para os oxidadores (pós queimadores) ou alterações de grande porte nas cabines de pintura, tuneis de "flash" ou estufas. 2. Equipamento Use pelo menos três painéis de alumínio ou de aço fino com uma área mínima de 24 polegadas quadradas (154,8 cm2) para cada tinta avaliada (48 polegadas quadradas~310 cm2 de preferência). As folhas devem ser ½ polegada (1,5cm) maior em tamanho do que a área a ser pulverizado para facilidade de manuseio. Para medições de peso do painel, utilizar uma balança com precisão de 0.01g

×