301 a proclamação da republica

748 visualizações

Publicada em

Proclamação da República no Brasil (1889)

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
748
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

301 a proclamação da republica

  1. 1. Proclamação da República (15/11/1889) Prof. Cristiano Pissolato
  2. 2. Movimento republicano • Os cafeicultores do oeste paulista começaram a defender uma nova organização política para o país. • Publicado o primeiro Manifesto Republicano em 1870 o grupo era liderado por Quintino Bocaiúva e Joaquim Saldanha Marinho. Quintino Bocaiúva (1836-1912) atuou em vários jornais de orientação republicana. Joaquim Saldanha Marinho (1816- 1895) foi presidente de várias províncias e deputado federal.
  3. 3. • “De todos os ângulos do país surgem queixas, de todos os lados políticos surgem os protestos e as revelações estranhas que denunciavam a existência de um vício grave, o qual põe em risco a sorte da liberdade pela completa anulação do elemento democrático... • Neste país que se presume constitucional e onde só deverão ter ação poderes delegados, responsáveis, acontece por defeito do sistema, que só há um poder ativo, onímodo, onipotente, e esse é justamente o poder sagrado, inviolável e irresponsável...” (Trecho do Manifesto Republicano de 1870). Ilimitado
  4. 4. • Fundado em 1873 o Partido Republicano Paulista (PRP) com o apoio da elite cafeicultora do oeste paulista. Convenção de Itu (1873) reunião que fundou o PRP, dos 133 fundadores 78 eram cafeicultores.
  5. 5. Jornal A Província de São Paulo é fundado por um grupo de pessoas ligado ao PRP em 1875. O jornal apóia o golpe de 15 de novembro e logo depois altera seu nome para O Estado de São Paulo em 1889.
  6. 6. Igreja Positivista do Brasil • Origina-se da Sociedade Positivista Brasileira fundada em 1876. • Transforma-se em Igreja em 1881 com sede no Rio de Janeiro, sendo a Religião da Humanidade. • Defende a abolição e a república. Auguste Comte (1798-1857) filosofo francês fundador da Sociologia e do Positivismo. Na Religião da Humanidade prestando culto a Trindade Positiva (Humanidade, Planeta Terra e os elementos que o compõem e o Universo, astros, etc). Miguel Lemos (1854-1917) fundador da Igreja no Rio de Janeiro.
  7. 7. Templo Positivista em Porto Alegre cabendo destaque ao lema que está acima da porta (dir.) “Ordem e Progresso”. Raimundo Teixeira Mendes (1855-1927) criador da bandeira nacional da República. Júlio de Castilhos governador gaúcho em 1891 e de 1893 a 1898. Benjamin Constant coronel carioca participou ativamente do golpe de 15 de novembro.
  8. 8. • Mesmo depois da independência a Igreja Católica esteve subordinada ao Estado, no chamado regime do padroado. • Para valer uma resolução do papa no Brasil está primeiro deveria ser aprovada pelo imperador D. Pedro II. Questão religiosa (1872-1875) Ficava a cargo do governo a construção de igrejas, nomeação de padres, bispos, etc.
  9. 9. Papa Pio IX esteve à frente da Igreja Católica de 1846 a 1878. Decretou que pessoas ligadas a maçonaria deveriam ser desligadas das irmandades/confrarias católicas. D. Pedro II não aprovou este decreto. Acataram a ordem papal sem aprovação do imperador. Dom Vital Maria Gonçalves de Oliveira (bispo de Olinda). Dom Antônio de Macedo Costa (bispo de Belém). Se recusou a rezar missas encomendadas por maçons, foi preso em 1875 e levado para o Rio de Janeiro. Foi anistiado pelo imperador no mesmo ano. Foi preso em 1874 e condenado a quatro anos de prisão, anistiado em 1875. Chegou ao posto de arcebispo de Salvador em 1890 (primaz).
  10. 10. Questão militar • D. Pedro II deixou o Exército em uma posição marginal da política brasileira. • Reclamação de baixos soldos, rígida disciplina e lentidão nas promoções. Oficiais do Exército em 1886.
  11. 11. Fim da escravidão (Lei Áurea – 1888) • O fim da escravidão não provocou um colapso agrícola, mas fazendeiros dependentes do trabalho escravo principalmente da região do Vale do Paraíba. • Esses produtores tradicionais sentiram-se traídos pela monarquia e não mais a apoiaram. Vale do Paraíba Oeste Paulista Palavra que vem do latim e significa “feito/coberto de ouro”, algo magnífico, ápice.
  12. 12. Três grupos republicanos Jacobinos Antônio da Silva Jardim Participação popular na tomado do poder eram mais sensíveis as importância das camadas mais populares. Positivistas Benjamin Constant Governo autoritário tendo no poder a elite intelectualizada para levar o país ao progresso. Republicanos históricos Quintino Bocaiúva A maioria dos membros da elite que tinha assinado o Manifesto Republicano de 1870. Queriam uma república liberal, federativa, civil e oligárquica. Elites de SP, MG, RS.
  13. 13. O golpe de 15 de novembro de 1889 • No dia 15/11 o marechal Deodoro da Fonseca assumiu o comando das tropas revoltadas e ocupando as ruas da capital. • Decretou a prisão do Presidente do Conselho de Ministros do Império, o visconde de Ouro Preto. Afonso Celso de Assis Figueiredo, visconde de Ouro Preto (1836- 1912) do Partido Conservador, o senador vitalício foi o último Presidente do Conselho de Ministros, era de fato o chefe de governo nomeado pelo imperador, podia ser substituído a qualquer momento.
  14. 14. “Proclamação da República” de 1893 obra de Benedito Calixto.
  15. 15. • Formou-se o governo provisório que toma o poder sob a chefia de Deodoro da Fonseca. • No dia 17/11 a família real partiu para o exílio na Europa. “Proclamação da República” do artista Henrique Bernardelli em 1900.
  16. 16. Revista Illustrada tinha uma orientação abolicionista e republicana. “A Liberdade guiando o Povo” de Eugene Delacroix obra de 1830. Representação de uma mulher: mãe-pátria, guerreira, pacífica, protetora e maternal. Barrete frígio – espécie de touca usada pelos republicanos franceses na cor vermelha durante a Tomada da Bastilha em 1789.
  17. 17. “Alegoria da República” quadro de Manuel Lopes Rodrigues. Efígie da República representada nas cédulas do real que entrou em circulação desde 1994.
  18. 18. Extra
  19. 19. Família imperial brasileira Imperatriz consorte D. Teresa Cristina Bourbon - Duas Sicílias, D. Antônio Gastão Orléans de Bragança, princesa imperial D. Isabel, D. Pedro II, D. Pedro Augusto de Saxe-Coburgo e Bragança, Gastão de Orléans, conde d’Eu e D. Luís e D. Pedro. Foto na Casa da Princesa Isabel em 1888.
  20. 20. Imperador D. Pedro II (1821- 1891) faleceu em Paris. Imperatriz consorte D. Teresa Cristina Bourbon - Duas Sicílias (1822-1889) faleceu na cidade portuguesa do Porto. Imperador e imperatriz
  21. 21. Filhas e netos de D. Pedro II D. Isabel, Princesa Imperial do Brasil (1846- 1921). D. Leopoldina (1847-1871) faleceu em Viena. Luís Augusto, príncipe de Saxe- Coburgo-Gota (1847-1907). Filhos de D. Leopoldina D. Pedro Augusto (1866-1934) D. Augusto Leopoldo (1867-1922) D. José Fernando (1869-1888) D. Luís Gastão (1870-1942) D. Gastão de Orléans, conde d’Eu e Príncipe consorte (1842-1922). Filhos de D. Isabel D. Luísa Vitória (1874) D. Pedro de Alcântara (1875-1940) D. Luís Maria (1878-1920) D. Antônio Gastão (1881-1918)
  22. 22. Chefe da casa imperial brasileira (pretendente ao trono imperial) D. Pedro Henrique de Orléans e Bragança (1909-1981) filho de D. Luís Maria assumiu a chefia da casa imperial após a morte de sua avó D. Isabel em 1921. D. Luís Gastão de Orléans e Bragança (1938- ) filho de D. Pedro Henrique assumiu a chefia da casa imperial em 1981.

×