O agrupamento de gêneros argumentativos em diferentes proposta

4.845 visualizações

Publicada em

Os gêneros são produzidos em diferentes contextos sociais ou domínios sociais de comunicação e que esse pertencimento a diferentes domínios causa impactos em sua forma composicional.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.845
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O agrupamento de gêneros argumentativos em diferentes proposta

  1. 1. Maria Cristina Amarante – RA 125479Curso: Redefor – Língua PortuguesaDisciplina: LP003 – Linguística Textual: Tipologias, Agrupamentos e TextualidadeAtividade Dissertativa Individual 2 O agrupamento de gêneros argumentativos em diferentes proposta O Estudo do presente tópico nos mostra que os gêneros são produzidos emdiferentes contextos sociais ou domínios sociais de comunicação e que essepertencimento a diferentes domínios causa impactos em sua forma composicional. Porexemplo, vimos que cada gênero analisado (posts, reportagens jornalísticas, relatos deexperiência pessoal, contos etc.) apresenta diferenças de textualização em função de ostextos serem caracterizados por um determinado aspecto tipológico, que é opredominante. Aprendemos também que os aspectos tipológicos dos gêneros estãorelacionados a ações gerais predominantes de textualização (narrar, relatar, argumentar,expor, descrever e regular ações alheias (injunção)). São essas ações que organizam ostextos, exemplares do gênero. Os textos que lemos apesar de pertencerem ao gênero "reportagem", elesapresentam diferentes textualidades e isto ocorre em função de eles se inserirem emdiferentes domínios sociais de comunicação, apresentando diferentes aspectostipológicos predominantes. Vimos também que os critérios estabelecidos por Dolz eSchneuwly (2004[1996]) são realmente muito úteis para o trabalho com os gêneros ecom os seus exemplares (os textos singulares) em sala de aula. Os textos em geral sãocompostos de uma combinação de sequências; sendo assim, um texto sempre traz emsua composição várias sequências. Os gêneros textuais estão cada vez mais presente na educação atual. Essatendência foi oficializada com a publicação da Proposta Curricular do Estado de SãoPaulo (PCESP), em 2008, baseada na proposta dos genebrinos Dolz e Schneuwly(1996). A proposta didática organizada pelo agrupamento por gêneros, visando umaprogressão no ensino, na qual diferentes capacidades leitoras e escritoras fossempaulatinamente construídas. Para os autores, Dolz e Schneuwly, deve-se trabalhar todos
  2. 2. os agrupamentos e não simplesmente privilegiar uns em detrimento de outros. Sempreabordando crescentes níveis de complexidade, em todos os anos escolares. Segundo Dolz e Schneuwly, os critérios utilizados para organizar osagrupamentos de gêneros são o contexto, ou domínio social de comunicação, onde osgêneros são produzidos e circulam, considerando que um mesmo gênero pode serproduzido e circular em domínios sociais de comunicação diversos, além dos processosde textualização, como o vocabulário e as sequências textuais. Já a proposta genebrina separa o agrupamento em oral e escrita, ciclos 1 e 2 e seresume às práticas orais. Nas atividades propostas o aluno deverá opinar e debaterdesenvolvendo assim a habilidade de argumentar. As atividades vão evoluindo eaumentando gradativamente o grau de complicação. Na escrita, exigi-se que o alunodomine os diferentes gêneros textuais. Faz uso ainda dos recursos de leitura e produçãode textos argumentativos, como o artigo de opinião, a partir do qual também propõeleitura e produção de textos deste gênero. Portanto, ao focarmos no agrupamento argumentar e compararmos as propostasgenebrina e PCESP podemos perceber que ambas fazem uso de uma progressão nonível de dificuldade e exigência em relação ao conteúdo abordado. Confrontando aspropostas, em relação à progressão didática e a diversidade de gêneros a seremtrabalhados em cada ano/série, a proposta genebrina parece apresentar vantagens,porque dá prioridade a um aprendizado progressivo, além de fazer uso de maiorvariedade de gêneros textuais relativos a cada agrupamento.
  3. 3. Referências Bibliográficas:DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita -Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In: ROJO, R. H.R.; CORDEIRO, G. S. (Orgs./Trads.) Gêneros orais e escritos na escola. Campinas:Mercado de Letras, 2004[1996]ROJO, R. H. R. Gêneros do discurso/texto como objeto de ensino de línguas: Umretorno aotrivium? In: SIGNORINI, I. (Org.) (Re) Discutir texto, gênero e discurso. SãoPaulo: Parábola Editorial, 2008WESTON, A. A construção do argumento. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

×