Romantismo

867 visualizações

Publicada em

Literatura - Romantismo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
867
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
404
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Romantismo

  1. 1. Na Europa: Final do Século XVIII. No Brasil: Início do século XIX. Imagens:Autoria desconhecida Professora: Mª Cristina A. Biagio
  2. 2. Alemanha:  1774 - Goethe publica “Os sofrimentos do jovem Werther”. Inglaterra:  Início do século XIX - Lord Byron – poesia ultrarromântica.
  3. 3. Arcadismo  Predomínio da razão;  Objetivismo;  Universalismo;  Imitação da cultura clássica greco-latina;  Gosto pelo decassílabo e pelo soneto;  Natureza como pano de fundo para os encontros amorosos;  Busca do equilíbrio, racionalismo;  Maior contenção formal. Romantismo  Predomínio da emoção;  Subjetivismo;  Nacionalismo;  Valorização da cultura popular;  Gosto pelas redondilhas;  Natureza mais real, que interage com o eu lírico;  Sentimentalismo, estados da alma tristes e melancólicos;  Maior liberdade formal.
  4. 4. 1836 – Suspiros Poéticos e Saudades, de Gonçalves de Magalhães.
  5. 5.  Revolução e contradição;  Ideais da Revolução Francesa – “Liberdade, Igualdade e Fraternidade”.  Na Europa: O cavaleiro Medieval.  No Brasil: O mito do bom selvagem, de Rousseau;  Independência do Brasil (1822);  Escravos.
  6. 6.  Predomínio da emoção sobre a razão;  Subjetivismo;  Individualismo/ egocentrismo;  Nacionalismo, Ufanismo, Indianismo;  Pessimismo / Mal do século;  Escapismo ( Fuga da realidade);  Crítica-Social.
  7. 7. Gonçalves Dias – principal autor – Um projeto de cultura brasileira. Canção do Exílio – Poesia ufanista. I -Juca Pirama- considerado o mais perfeito poema épico-indianista de nossa literatura.
  8. 8. Geração indianista/nacionalista/ufanista Gonçalves Dias , Gonçalves de Magalhães, Casimiro de Abreu Características: • Indianismo; • Nacionalismo; • Estilo equilibrado; • Ritmo marcante; • Idealização feminina.
  9. 9. “I - Juca Pirama”, de Gonçalves Dias Meu canto de morte, Guerreiros, ouvi: Sou filho das selvas, Nas selvas cresci; Guerreiros, descendo Da tribo tupi. Da tribo pujante, Que agora anda errante Por fado inconstante, Guerreiros, nasci; Sou bravo, sou forte, Sou filho do Norte; Meu canto de morte, Guerreiros, ouvi. (...)
  10. 10. "Tu choraste em presença da morte? Na presença de estranhos choraste? Não descende o cobarde do forte; Pois choraste, meu filho não és! ... Possas tu, isolado na terra, Sem arrimo e sem pátria vagando, Rejeitado da morte na guerra, Rejeitado dos homens na paz, Ser das gentes o espectro execrado; Não encontres amor nas mulheres. Teus amigos, se amigos tiveres, Tenham alma inconstante e falaz! ...”
  11. 11. 2ª fase/geração: byroniana ou ultrarromântica Álvares de Azevedo, Influenciado pelas obras de Lord Byron, foi o maior representante da Segunda Geração Romântica. Sua prosa apresenta o noturno, a aventura, o macabro, o satânico, o incestuoso, os elementos do romantismo maldito. Três outros autores destacam-se na segunda geração da poesia romântica brasileira: Casimiro de Abreu, Fagundes Varela e Junqueira Freire.
  12. 12.  “Estou agora triste. Há nesta vida Páginas torvas que se não apagam, Nódoas que não se lavam... se esquecê-las De todo não é dado a quem padece... Ao menos resta ao sonhador consolo No imaginar dos sonhos de mancebo!  Oh! voltai uma vez! eu sofro tanto! Meus sonhos, consolai-me! distraí-me! Anjos das ilusões, as asas brancas As névoas puras, que outro sol matiza. Abri ante meus olhos que abraseiam E lágrimas não tem que a dor do peito Transbordem um momento... (...)”
  13. 13. Geração condoreira - Castro Alves - “O poeta dos escravos” - Pode ser considerado o último grande poeta do Romantismo. A poesia abolicionista é sua melhor realização na linha social. “Navio Negreiro” e “Vozes d’África”. Na poesia social predominam as comparações, metáforas, antíteses, hipérboles. Na poesia amorosa: destaque para a sensualidade da mulher. OBRAS DE CASTRO ALVES “Espumas Flutuantes”, “A Cachoeira de Paulo Afonso” ,“Os Escravos”.
  14. 14. “Deus! ó Deus! onde estás que não respondes? Em que mundo, em qu'estrela tu t'escondes Embuçado nos céus? Há dois mil anos te mandei meu grito, Que embalde desde então corre o infinito... Onde estás, Senhor Deus? (...)”
  15. 15. Pelourinho, Debret Escravos, Debret
  16. 16. Tanto na Europa quanto no Brasil, o romance nasceu em forma de folhetim. Publicado em jornais e revistas em forma de capítulos, como as novelas que conhecemos hoje. O romance assumiu, muito mais que a poesia, o papel principal de instrumento de construção da cultura brasileira.
  17. 17.  Flashback narrativo;  O amor como redenção;  Idealização do herói (o índio – símbolo nacional);  Idealização da mulher amada;  Personagens planas (simples);  Linguagem metafórica;  Impasse amoroso com final feliz ou trágico;  Oposição aos valores sociais;  Retrata a burguesia.

×