HistóRia 1ª Republica

8.306 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.306
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

HistóRia 1ª Republica

  1. 1. Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ano Lectivo: 2008/2009 Data: 6/Nov/2008 Disciplina: História Professora: Sílvia Mendonça Trabalho Realizado por: Aldair Santos Nº1 9ºB
  2. 2. Da 1º República à Ditadura Militar
  3. 3. Crise e Queda da Monarquia <ul><li>Descontentamento das classes médias e do operariado </li></ul><ul><li>Entre 1890 e 1892, a Europa viveu uma crise económico-financeira, que também afectou Portugal. </li></ul><ul><li>Esta crise, influenciou à falência dos bancos e de empresas, ao aumento da dívida pública, a desvalorização da moeda. </li></ul><ul><li>Isto acabou por levar ao aumento de impostos, ao desemprego o que fez com que agravasse a condição de vida da população, da classe média e do operariado. </li></ul><ul><li>Esta época de crise levou ao descontentamento social. </li></ul>
  4. 4. Crise e Queda da Monarquia <ul><li>Divulgação das Instruções socialistas e republicanas </li></ul><ul><li>Na década de 70 do séc. XIX, fundaram-se em Portugal dois partidos políticos: o Partido Republicano e o Partido Socialista. </li></ul><ul><li>A formação do Partido Republicano e a adesão aos seus ideais beneficiou do clima de descontentamento que se vivia. Esta situação agravou-se devido ao Ultimato Inglês. </li></ul><ul><li>Este facto contribuiu para a rebentamento da primeira tentativa de derrube da monarquia e implantação da República, em 31 de Janeiro de 1891, no Porto mas falhou. </li></ul><ul><li>O Partido Socialista, fundado em Portugal em 1875, não teve muitos apoiantes e contava apenas com o operariado pouco numeroso. As suas linhas de força eram a crítica à sociedade capitalista e a não aceitação da propriedade privada dos meios de produção. </li></ul>
  5. 5. Crise Económica de 1890/1891 <ul><li>A crise </li></ul><ul><li>O desemprego e a inflação eram muito elevados, os salários eram baixos e os impostos aumentavam cada vez mais. </li></ul><ul><li>O povo sentia-se explorado pelo rei e pelos políticos que o governavam. </li></ul>Zé Povinho na guilhotina
  6. 6. Crise da Monarquia Descontentamento das classes médias e do operariado Crise económica de 1890-1891 A agricultura permanecia atrasada e pouco produtiva, a indústria pouco desenvolvida e a balança comercial deficitária. A dívida externa aumentou e com ela, o deficit nacional. AGRICULTURA Cão de Deficit
  7. 7. Mapa Cor-de-Rosa <ul><li>Em 11 de Janeiro de 1890, o governo português receberia um Ultimato de Inglaterra. Os ingleses exigiam que Portugal não reclamasse os territórios intermédios do &quot;mapa cor-de-rosa&quot;. O mapa cor-de-rosa mostrava as regiões africanas que Portugal considerava estarem sob a sua influência depois da Conferência de Berlim . No Ultimato exigia-se a retirada imediata dos portugueses, sob pena do governo britânico cortar a posição de aliado que mantinha com Portugal desde o séc. XIV e que conduziria ao corte de relações diplomáticas. </li></ul>Mapa Cor-de-Rosa
  8. 8. 5 de Outubro Razões da Queda da Monarquia <ul><li>A maior parte da população vivia mal. </li></ul><ul><li>Humilhação pela cedência ao Ultimato. </li></ul><ul><li>Grandes dividas do país. </li></ul><ul><li>Atraso do desenvolvimento agrícola e industrial. </li></ul><ul><li>Promessas do partido Republicano: </li></ul><ul><li>Grande agitação e falta de liberdade. </li></ul>República
  9. 9. A Portuguesa <ul><li>&quot;A Portuguesa” </li></ul><ul><li>Heróis do mar, nobre povo, </li></ul><ul><li>Nação valente, imortal </li></ul><ul><li>Levantai hoje de novo </li></ul><ul><li>O esplendor de Portugal! </li></ul><ul><li>Entre as brumas da memória, </li></ul><ul><li>Ó Pátria, sente-se a voz </li></ul><ul><li>Dos teus egrégios avós. . . </li></ul><ul><li>Às armas, às armas! </li></ul><ul><li>Sobre a terra , sobre o mar. </li></ul><ul><li>Às armas, às armas! </li></ul><ul><li>Pela Pátria lutar </li></ul><ul><li>Contra os canhões marchar, marchar ! </li></ul>
  10. 10. A Revolução Republicana <ul><li>A Revolução Republicana </li></ul><ul><li>A crise política e descontentamento geral foram agravados com o Governo de ditadura de João Franco. O rei era acusado de passar mais tempo a distrair-se do que á frente da governação do país. </li></ul><ul><li>Em 1908, deu-se o regicídio, a morte de D. Carlos e o príncipe D. Luís Filipe, que tinham sido assassinados. D. Manuel II que se sucedeu no trono, não conseguiu impedir o crescimento do republicanismo. </li></ul><ul><li>No dia 5 de Outubro de 1910, a revolução republicana triunfou, pela acção militar de baixa patente, de civis da classe média, dando de seguida a implantação da República no resto do país. </li></ul>Acção Militar de Baixa Patente
  11. 11. O Regicídio <ul><li>No dia 31 de Janeiro de 1908, o rei, que se encontrava em Vila Viçosa, tinha dado carta branca a um documento que autorizava a expulsão para fora do país ou o exílio nas colónias de todos os criminosos que cometessem crimes contra a segurança do Estado. No dia 1 de Fevereiro o rei ao regressar de Vila Viçosa desembarcou no Terreiro do Paço, na linha Sul e Sudeste. Quando a carruagem se dirigia para o paço, o rei D. Carlos foi alvejado pelo caixeiro Alfredo Costa enquanto o príncipe D. Luís Filipe era morto da mesma maneira por um professor, Manuel da Silva Buíça. D. Amélia conseguiu proteger o seu filho mais novo, D. Manuel que sofreu um ligeiro ferimento. Os regicidas foram imediatamente abatidos enquanto a carruagem partiu em debandada para o Arsenal da Marinha. </li></ul>
  12. 12. A 1º República <ul><li>A 5 de Outubro de 1910, na sequência de um movimento militar iniciado na véspera, é proclamada a República de Portugal e constituído um governo provisório, presidido por Teófilo Braga. </li></ul><ul><li>O movimento republicano já tinha vindo a manifestar-se, de uma forma minimamente organizada, desde a década de 70 do século anterior, consumava-se agora o fim do poder da única instituição que, por não ser eleita pelos cidadãos, era alheia ao princípio político da soberania nacional: o Rei. </li></ul><ul><li>Da 1ª Guerra Mundial acentuaram a crise do parlamentarismo da Primeira República, que sucumbiu a um golpe militar levado a cabo em 1926. Na sua sequência, viria a estabelecer-se em Portugal o regime que ficou conhecido por Estado Novo. </li></ul>
  13. 13. A 1º República <ul><li>Realizações da 1º República </li></ul><ul><li>Direito à Greve; </li></ul><ul><li>Protecção na Velhice ou na Doença; </li></ul><ul><li>Horário de Trabalho Semanal 48 H; </li></ul><ul><li>Igualdade de Direitos dos Cônjuges; </li></ul><ul><li>Igualdade Entre Filhos Legítimos e Ilegítimos; </li></ul>
  14. 14. A 1º República <ul><li>A Acção Governativa da 1º República </li></ul><ul><li>Os Governos da 1º República desenvolveram uma série de reformas económicas, sociais e educativas com vista à consolidação do novo regime e à melhoria das condições de vida das populações. </li></ul><ul><li>No aspecto económico-financeiro, esses governos enfrentaram grandes dificuldades na concretização das medidas divulgadas. Apesar de alguma modernização, a produção agrícola, sobretudo de cereais, que continuava deficitária. Por outro lado, a industrialização, os meios de transporte e as comunicações continuavam a registar um grande atraso. </li></ul><ul><li>Do ponto de vista social, o Governo republicano instituiu medidas, como a redução de horas de trabalho, o descanso semanal, o direito social, etc. </li></ul><ul><li>O operariado foi talvez o grupo social que mais benefícios obteve. </li></ul>
  15. 15. A 1º República <ul><li>A Acção dos Governos Republicanos na Educação </li></ul><ul><li>Estabelecimento da escolaridade obrigatória entre os 7 e 10 anos; </li></ul><ul><li>Criação de jardins-escola; </li></ul><ul><li>Aumento do número de escolas primárias; </li></ul><ul><li>Reforma do ensino técnico; </li></ul><ul><li>Criação das Universidades de Lisboa e do Porto; </li></ul>
  16. 16. A 1º República Constituição de 1911 PODER LEGISLATIVO Congresso ou Parlamento Câmara dos Deputados (4 anos) Senado (6 anos) CIDADÃOS ELEITORES ELEGEM PODER EXECUTIVO Presidente da República (4 anos) Elege PODER JUDICIAL Tribunais Nomeia GOVERNO Um novo Regime, uma nova Constituição. . .
  17. 17. A 1º República Participação na Primeira Grande Guerra
  18. 18. Conclusão <ul><li>Com este trabalho consegui saber tudo sobre a 1º República Portuguesa. Consegui abordar todos os pontos pedidos pela professora, desde a Crise e Queda da Monarquia até à Ditadura Militar. Espero que a professora goste. </li></ul>
  19. 19. Bibliografia <ul><li>Para este trabalho, pesquisei em: </li></ul><ul><li>www.slideshare.com </li></ul><ul><li>“ Viver a História” de 9º ano da Porto Editora </li></ul>

×