Tratado De Methween

4.418 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.418
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tratado De Methween

  1. 3. <ul><li>Desenvolvimento do Trabalho </li></ul><ul><li>O Tratado de Methuen </li></ul><ul><li>Sou capaz de… </li></ul><ul><li>Bibliografia/Webgrafia </li></ul>
  2. 4. <ul><li>O Tratado de Methuen foi assinado a 27 de Dezembro de 1703, entre Portugal e Inglaterra. </li></ul><ul><li>Segundo o tratado Portugal ficava obrigado a abrir o seu mercado à importação da lã inglesa. Em contrapartida os vinhos portugueses pagariam taxas alfandegárias (- 1/3) às que os vinhos franceses pagavam ao entrar em Inglaterra (exportação facilitada para portugueses) </li></ul><ul><li>Abandonou-se, assim (até 1836), a política do fomento manufactureiro, favorecendo-se os interesses económicos dos grandes viticultores, e, progressivamente, aumentou a produção e a exportação do vinho do Porto para Inglaterra. Em contrapartida, condenou à destruição a incipiente indústria de lanifícios portuguesa. </li></ul>
  3. 6. <ul><li>«A Aliança e estreita amizade que subsistem entre a Sereníssima e Poderosíssima Princesa Ana, rainha da Grã-Bretanha, e o sereníssimo e Poderosíssimo Senhor D. Pedro, rei de Portugal, pedindo que o comércio de ambas as nações, inglesa e portuguesa, seja promovido quanto possível for: </li></ul><ul><li>E Sua Sagrada Majestade a Rainha da Grã-Bretanha, tendo dado a entender a Sua Sagrada Majestade El-Rei de Portugal, pelo Exmo. Cavaleiro João Metwen, membro do Parlamento da Inglaterra e seu embaixador extraordinário em Portugal, que seria muito do seu agrado se os panos de lã e as mais fábricas de lanifícios da Inglaterra, fossem admitidos em Portugal, tirando-se a proibição que havia de introduzi-los naquele reino: para tratar e completar este negócio, deram seus plenos poderes e ordens, a saber; </li></ul>
  4. 7. <ul><li> Sua Sagrada Majestade Britânica ao sobredito Exmo. Senhor João Metwen; Sua Sagrada Majestade Portuguesa ao Exmo. D. Manuel Teles, marquês de Alegrete, Conde de Vilar Maior, cavaleiro professo na Ordem de Cristo, etc. Os quais, em virtude dos plenos poderes a eles respectivamente concedidos, depois de uma madura e exacta consideração nesta matéria, concordaram nos artigos seguintes: </li></ul><ul><li>Artigo 1º Sua Sagrada Majestade El-Rei de Portugal promete, tanto em próprio nome como dos seus sucessores, admitir para sempre daqui em diante no reino de Portugal os panos de lã e mais fábricas de lanifícios da Inglaterra, como era costume até o tempo que foram proibidos pelas leis, não obstante qualquer condição em contrário. </li></ul><ul><li>Artigo 2º É estipulado que Sua Sagrada e Real Majestade Britânica, em seu próprio nome, e no dos seus sucessores, será obrigada para sempre, daqui por diante, a admitir na Grã-Bretanha os vinhos do produto de Portugal, de sorte que em tempo algum (haja paz ou guerra entre os reis de Inglaterra e de França) não se poderá exigir de direitos de alfândega nestes vinhos, ou debaixo de qualquer outro título, directa ou indirectamente, ou sejam transportados para Inglaterra em pipas, </li></ul>
  5. 8. <ul><li> tonéis ou qualquer outra vasilha que seja mais do que o que se costuma pedir para igual quantidade da medida de vinho de França, diminuindo ou abatendo uma terça parte do direito do costume. Porém, se em qualquer tempo esta dedução ou abatimento de direitos, será feito, como acima é declarado, for por qualquer modo infringido e prejudicado, Sua Sagrada Majestade Portuguesa poderá, justa e legitimamente, proibir os panos de lã e todas as demais fábricas de lanifícios de Inglaterra. </li></ul><ul><li>Artigos 3º Os Exmos. Senhores Plenipotenciários prometem, e tomam sobre si, que seus amos acima mencionados ratificarão este tratado e que dentro do termo de dois meses se passarão as ratificações. Em fé e testemunho de todos estes artigos, eu, o plenipotenciário de Sua Sagrada Majestade Britânica, tenho confirmado este tratado, assinando-o, selando-o com o selo das minhas armas; E o Exmo. Plenipotenciário de Sua Sagrada Majestade Portuguesa, para evitar a disputa a respeito da precedência entre as duas coroas da Grã-Bretanha e de Portugal, assinou outro instrumento do mesmo teor, mudando somente o que devia ser mudado por este motivo. Dado em Lisboa a 27 de Dezembro de 1703.» </li></ul>
  6. 9. <ul><li>Dizer em que ano foi assinado o Tratado de Methuen? </li></ul><ul><li>1613 </li></ul><ul><li>1533 </li></ul><ul><li>1823 </li></ul><ul><li>1703 </li></ul><ul><li>1943 </li></ul><ul><li>1453 </li></ul>Dizer quais foram os locais envolvidos no tratado? Portugal e Espanha Portugal e Inglaterra Espanha e Inglaterra Portugal e França França e Inglaterra França e Espanha Dizer o que, respectivamente, melhorou e piorou em Portugal? Vinho Lanifícios Lanifícios Vinho Guerra Lanifícios Vinho Guerra Agricultura Guerra Agricultura Lanifícios
  7. 10. <ul><li>http://historiaaberta.com.sapo.pt/lib/doc002.htm </li></ul><ul><li>http://www.gifmania.com.pt/livros/libro_y_pluma/ </li></ul><ul><li>http://www.leme.pt/historia/efemerides/1227/2.jpg </li></ul><ul><li>http://www.historiaaberta.com.sapo.pt </li></ul>

×