O despotismo pombalino: política


• Sebastião José de Carvalho e Melo foi nomeado por D. José
  I os título de conde de O...
• Reorganização do Exército, fundação do Erário
               Régio (departamento do Estado que passou a
               c...
Objectivo- atrair capitais dos grandes investidores


Companhias monopolistas:

  • Produção e venda de vinhos do Douro
  ...
A produção dos tecidos de algodão e as
       indústrias implantadas tiveram o novo
       impulso:

       •   Os vidros ...
Arquitectos e engenheiros dos planos de reconstrução de
  Lisboa:

      • Eugénio dos Santos
      • Manuel da Maia
     ...
O Despotismo Pombalino   MarquêS De Pombal
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O Despotismo Pombalino MarquêS De Pombal

11.580 visualizações

Publicada em

marquês de pombal_portugal_1ºministro_absolutismo_história

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.580
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.313
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Despotismo Pombalino MarquêS De Pombal

  1. 1. O despotismo pombalino: política • Sebastião José de Carvalho e Melo foi nomeado por D. José I os título de conde de Oeiras e de Marquês de Pombal. O despotismo esclarecido • Regime político absolutista • Orientado pela razão • Objectivo do seu governo: O progresso Bem comum Na tentativa de assassínio ao rei em 1758 foram incriminados: • Os inimigos políticos do Marquês • Membros de importantes famílias nobres • Os Jesuítas, por serem acusados de conspirarem contra o rei • A ordem religiosa, banida do Brasil e de Portugal e foram expulsos do país A reorganização do Estado: • Vigorosa reforma do Estado, com o objectivo de o dotar de estruturas modernas e actualizadas
  2. 2. • Reorganização do Exército, fundação do Erário Régio (departamento do Estado que passou a centralizar todas as receitas e despesas) • Reformas da Inquisição, dependia mais estreitamente do Estado • Reforma global do ensino, criou as primeiras escolas primárias oficiais e conferiu a importância dos estudos científicos na Universidade de Coimbra (Colégio dos Nobres) O despotismo pombalino: economia Comércio: Não só porque reflectia na riqueza geral do país mas também porque as receitas do estado dependiam dos direitos de entrada e de saída das mercadorias dos portos metropolitanos e brasileiros. Medidas tomadas: • Declarou o comércio como actividade nobre • Fundou a Junta do Comércio (organismo encarregue de disciplinar o comércio e a industria, com participação de mercadores) • Companhias de comércio • Sociedades por acções Companhias comerciais- pôr fim ao comércio ligado ao contrabando.
  3. 3. Objectivo- atrair capitais dos grandes investidores Companhias monopolistas: • Produção e venda de vinhos do Douro • Pesca no Algarve Através da Companhia dos Vinhos do Alto Douro e da Companhia da Pesca do Algarve As manufacturas Marquês de Pombal – política mercantilista (aprofundava a interdependência da metrópole e das colónias e preocupava-se com os metais preciosos proibindo a exportação do ouro) Crise comercial (no Brasil): • Descia a mineração de ouro • Baixava a produção de açúcar • Diminuía a venda de escravos Fomento manufactureiro: • Concessão de monopólio (fabrico de algumas mercadorias) • Direitos alfandegários (importações de matérias- primas) • Aumento dos direitos sobre as manufacturas
  4. 4. A produção dos tecidos de algodão e as indústrias implantadas tiveram o novo impulso: • Os vidros (Marinha Grande) • O papel (Lousã) • Os lanifícios (Portalegre) • As sedas • E outras manufacturas de produtos de luxo Este renascimento manufactureiro beneficiou o mercado metropolitano português e o brasileiro (século XVIII) O urbanismo pombalino Uma nova concepção do espaço urbano: • Terramoto de 1755 (devastou uma série de povoações no litoral português, principalmente na cidade de Lisboa) O marquês de Pombal foi o grande obreiro da reconstrução urbana de Lisboa: • Reconstrução da cidade (novo centro económico, pensado em moldes inovadores e reveladores da concepção de governo) • Racionalidade e traçado geométrico (símbolo de rigor e de autoridade do despotismo esclarecido no qual o objectivo era o desenvolvimento e o bem estar da comunidade)
  5. 5. Arquitectos e engenheiros dos planos de reconstrução de Lisboa: • Eugénio dos Santos • Manuel da Maia • Carlos Mardel Projecto da nova e moderna cidade: • Ruas largas e direitas • Passeios calcetados • Rede de esgotos • Habitações com sistema de protecção anti-sísmica e contra incêndios • Edifícios com o mesmo desenho arquitectónico • Praça do Comércio passou a ser o novo centro (no qual se erguia a estátua equestre do rei) O estilo pombalino foi aplicado noutros pontos do país no qual se destaca a cidade de Vila Real de Santo António porque foi projectada de raiz com o objectivo de atrair a população piscatória da zona

×