Guerra Das Trincheiras

4.384 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.384
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Guerra Das Trincheiras

  1. 1. Diana Lopes 9ª B nº10 Guerra das Trincheiras
  2. 2. TÁCTICAS DE INFANTARIA No início do séc. XX a maior parte dos chefes militares davam importância à utilização da infantaria nos ataques. Os oficiais franceses apoiavam esta táctica e, na 1ª Guerra Mundial, mandaram soldados para o campo de batalha mal equipados para as trincheiras. Diziam que não eram necessárias as precauções defensivas.
  3. 3. Aquelas tácticas foram postas em causa depois dos exércitos terem sofrido em ataques contra trincheiras defendidas por metralhadoras. Apesar dos bombardeamentos que se faziam antes dos soldados avançarem, a infantaria fracassou na Frente Ocidental nas batalhas que se travaram em 1915. Só em 1918, quando o coronel John Fuller convenceu o general Henri Rawlinson a usar 412 tanques de guerra seguidos por soldados e apoiados por 1000 aviões de combate é que os aliados quebraram as defesas dos alemães na Frente Ocidental .
  4. 4. O sistema de Trincheiras Depois da batalha do Marne em Setembro de 1914, os alemães foram obrigados a retirar até ao rio Aisne. O Comandante alemão, General Erich von Falkenhayn, decidiu que as suas tropas deviam ficar a todo o custo nas zonas que ainda ocupavam entre a Bélgica e a França. Falkenhayn mandou que os seus homens cavassem trincheiras que lhes dariam protecção contra o avanço das tropas francesas e inglesas. As trincheiras eram protegidas por arame farpado e por postos de metralhadora. Cavavam trincheiras pela "terra de ninguém" para ouvir o que se passava na posição inimiga ou para capturar soldados e depois interrogá-los.  
  5. 5. A TERRA DE NINGUÉM "Terra de ninguém" foi o nome usado pelos soldados para descrever o terreno entre duas trincheiras inimigas. A "Terra de ninguém" tinha grandes quantidades de arame farpado. Se fosse uma área sujeita a ataques constantes, a "terra de ninguém" ficava cheia de equipamento militar destruído e abandonado e de corpos que com o tempo entravam em decomposição. Era muito difícil atravessar a "terra de ninguém". Os soldados tinham que evitar as metralhadoras e as explosões, e também ultrapassar as inúmeras barreiras de arame farpado, os detritos de material destruído ou abandonado e as crateras cheias de água e lama provocadas pelas bombas.
  6. 6. <ul><li>A vida nas trincheiras </li></ul><ul><li>Com o decorrer da guerra, que pensava-se ser curta, foi perciso atacar o inimigo e defender-se dele. </li></ul><ul><li>As trincheiras onde os soldados se abrigavam tiveram de se desenvolver. </li></ul><ul><li>Haviam vários tipos de trincheiras, todas elas interligadas. </li></ul><ul><li>As trincheiras podiam atingir grande profundidade, chegando mesmo a ir até 15 metros abaixo do solo, e por isso, eram muito difíceis de destruir. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Gás venenoso </li></ul><ul><li>Os gases venenosos eram conhecidos muito antes da 1ª Guerra Mundial, mas os oficiais do exército mostravam relutância em os utilizar por que os consideravam uma arma incivilizada. O exército francês foi o primeiro a utilizá-los, quando no primeiro mês de guerra dispararam granadas de gás lacrimejante contra os alemães. </li></ul>

×