25 De Abril

10.557 visualizações

Publicada em

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.557
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
121
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

25 De Abril

  1. 1. 25 de Abril Disciplina: História Professora: Silvia Mendonça Ano Lectivo: 2006/2007 João Florindo, nº15, 9ºB Escola Básica 2.3 da Cruz de Pau
  2. 2. A revolução do 25 de Abril A revolução do 25 de Abril de 1974, desencadeadapelo MFA, constituiu um dos marcos fundamentais da história de Portugal. Graças ao 25 de Abril, restabeleceram-se as liberdades individuais e a democracia, terminou a guerra colonial e reconheceu-se a indepedência das colonias. Ao derrubar o regime ditatorial iniciado em 1926, a revolução devolveu os portugueses o direito de traçarem livremente o seu destino colectivo.
  3. 3. Milhões de pessoas, nas ruas e praças de todo o pais, demonstraram publicamente em 1 de Maio de 1974 a sua alegria pela reconquista da liberdade. Revolução do 25 de Abril
  4. 4. Momentos depois do 25 de Abril <ul><li>Os tempos que se seguiram ao 25 de Abril, não foram tranquilos. O MFA acabaria por se dividir em várias fracções, reflectindo a </li></ul><ul><li>diversidade politica e ideológica da própia sociedade. Só depois de 25 de Novembro de 1975 a agitação revolucionária daria lugar à plena institucionalização do regime democratico, reforçado pela aprovação da Constituição de 1976. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Dos objectivos fundamentais do 25 de Abril, descolonizar, democratizar e desenvolver, foi este ultimo o mais dificil de atingir. Mas a revolução criou as condições indispensaveis para que possa vir a alcançar o pleno desenvolvimento economico e cultural da sociedade portuguesa </li></ul>
  6. 6. O Cravo <ul><li>O cravo tornou-se o símbolo da Revolução de Abril de 1974. Com o amanhecer as pessoas começaram a juntar-se nas ruas, apoiando os soldados revoltosos. </li></ul>
  7. 7. O 25 de Abril após 33 anos <ul><li>O 25 de Abril de 1974 continua a dividir a sociedade portuguesa, embora as divisões estejam limitadas aos estratos mais velhos da população que viveram os acontecimentos, às facções políticas dos extremos do espectro político e às pessoas politicamente mais empenhadas. A análise que se segue refere-se apenas às divisões entre estes estratos sociais. Em geral, os jovens não se dividem sobre o 25 de Abril. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Existem actualmente dois pontos de vista dominantes na sociedade portuguesa em relação ao 25 de Abril. </li></ul><ul><li>Quase todos, com muito poucas excepções, consideram que o 25 de Abril valeu a pena. Mas as pessoas mais à esquerda do espectro político tendem a pensar que o espírito inicial da revolução se perdeu. O PCP lamenta que a revolução não tenha ido mais longe e que muitas das conquistas da revolução se foram perdendo. As pessoas mais à direita lamentam a forma como a descolonização foi feita e lamentam as nacionalizações. </li></ul>
  9. 9. António de Spínola
  10. 10. Francisco da Costa Gomes
  11. 11. Ramalho Eanes
  12. 12. Mario Soares
  13. 13. Jorge Sampaio
  14. 14. Aníbal Cavaco Silva
  15. 15. As primeiras medidas revolucionarias <ul><li>O programa do MFA tinha em vista a democratização da sociedade portuguesa através das seguintes medidas </li></ul><ul><li>Extinção da policia politica, da Legião Portuguesa e da Mocidade Portuguesa </li></ul><ul><li>Abolição da censura e reconhecimeto da liberdade de expressão e pensamento </li></ul><ul><li>Libertação dos presos politicos </li></ul><ul><li>Lançamento de uma politica ultramarina que conduzisse à paz </li></ul>
  16. 16. Independência das colonias e retorno dos nacionais <ul><li>A partir de Julho de 1974, realizaram-se negociações com os representantes dos movimentos de libertação tendo em vista a descolonização. </li></ul><ul><li>Formaram-se assim cinco novos paises independentes </li></ul>
  17. 17. O dificil caminho da democracia <ul><li>Em Março de 1975, os elementos mais conservadores do M.F.A tentaram uma revolta, cujo o fracasso levou ao exílio de varios civis e militares entre eles Spínola. </li></ul><ul><li>Um novo governo provisorio, chefiado por Vasco Gonçalves, decretou a nacionalização dos bancos, companhias de seguros e grandes empresas. </li></ul>
  18. 18. <ul><li>Em Setembro de 1975, Vasco Gonçalves substituído pelo almirante Pinheiro de Azevedo iniciou o processo de estabilização. Em 25 de Novembro a extrema-esquerda tentou um golpe, tendo sido detida pelos militares moderados . A democracia de tipo ocidental é que saiu vencedora. Em 25 de Abril de 1975 realizaram-se eleições para a Assembleia Constituinte, tendo esta sido aprovada em 2 de Abril de 1976 </li></ul>A consolidação da democracia
  19. 19. A constituição de 1976 <ul><li>A constituição de 1976 garantiu a todos os portugueses os direitod e liberdades indivifuais, salientando-se: </li></ul><ul><li>A igualdade de todos perante a lei </li></ul><ul><li>A liberdade de expressão e opinião </li></ul><ul><li>A liberdade de reunião e associação </li></ul><ul><li>O direito à educação </li></ul><ul><li>O direito ao voto </li></ul><ul><li>O direito à greve e à organização sindical </li></ul>
  20. 20. As dificuldades economicas <ul><li>A crise economica mundial, afectou Portugal. A instabilidade revolucionaria contribuiu para agravar as dificuldades económicas. O acentuado crescimento da dívida externa levou Portugal a recorrer ao fundo monetário internacional que concedeu emprestimos ao pais. </li></ul>
  21. 21. Portugal adere à Europa Comunitária <ul><li>A primeira metade da decada de 80, caracterizou-se pela tentativa de estabilização economica. Em 1 de Janeiro de 1986, Portugal aderiu à Comunidade Economica Europeia. A C.E.E transferiu, avultadas verbas para Portugal. </li></ul>
  22. 22. Bibliografia <ul><li>Texto </li></ul><ul><ul><li>Diniz, M. E. , Tavares, A. e Caldeira, A. M. – História 9ºAno, 5ª Ed., EDITORIAL O LIVRO </li></ul></ul><ul><li>Imagem </li></ul><ul><ul><li>Todas as imagens foram obtidas apartir da busca das mesmas personalidades / acontecimentos, no motor de busca da internet, GOOGLE. ( www.google.pt ) </li></ul></ul><ul><ul><li>http://janelaparaorio.weblog.com.pt/arquivo/25abril.jpg </li></ul></ul><ul><ul><li>http://xafarica.weblog.com.pt/arquivo/25abril-thumb.jpg </li></ul></ul>
  23. 23. <ul><li>http://pinpao.blogs.sapo.pt/arquivo/maia.JPG </li></ul><ul><li>http://maricelper.blogs.sapo.pt/arquivo/liberdad%2025%20Abril%2074.jpg </li></ul><ul><li>http://populo.weblog.com.pt/arquivo/opm1026.jpg </li></ul><ul><li>http://mywheel.net/blogpt/wp-content/uploads/2006/01/anibal_cavaco_silva.jpg </li></ul><ul><li>http://2rosas.weblog.com.pt/arquivo/mario%20soares.jpg </li></ul><ul><li>http://inet.sitepac.pt/JorgeSampaio05.jpg </li></ul><ul><li>http://content.answers.com/main/content/wp/en/a/a3/GeneralSpinola.jpg </li></ul><ul><li>http://www.exercito.pt/portal/exercito/_specific/public/ueo/EP/ramalho%20eanes.jpg </li></ul><ul><li>http://www.info-antike.de/regent/regent-d/pictures/portugal-spinola.jpg </li></ul><ul><li>http://www.uc.pt/cd25a/media/Politicos/costgome.gif </li></ul><ul><li>http://www.uc.pt/cd25a/media/Politicos/ramaeane.gif </li></ul><ul><li>http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/ff/M%C3%A1rio_Soares.jpg </li></ul><ul><li>http://ternaeanoite.blogs.sapo.pt/arquivo/sampaio3.jpg </li></ul><ul><li>http://www.igadi.org/ogalus/imaxes/20060309_lisboa_toma_posesion_anibal_cavaco_silva320.jpg </li></ul>

×