Gerenciamento de emergências – uma visão sistêmica

428 visualizações

Publicada em

Gerenciamento de Emergências – Uma Visão Sistêmica

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
428
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gerenciamento de emergências – uma visão sistêmica

  1. 1. Gerenciamento de Emergências – Uma Visão Sistêmica Professor MICHEL CADENAS Bacharel em Segurança Pública 41 3263-7900 www.cadenas.com.br michel@cadenas.com.br
  2. 2. COMO O HOMEM ESTÁ SE PORTANDO FRENTE ÀS TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO?
  3. 3. Mídia, educação e cidadania NOVAS TECNOLOGIAS
  4. 4. A TELEFONIA UMA EVOLUÇÃO FANTÁSTICA ...
  5. 5. O PASSADO
  6. 6. O PRESENTE
  7. 7. O FUTURO É INIMAGINÁVEL...
  8. 8. Hiroshima - 06 de Agosto de 1945
  9. 9. O que eles já anunciavam ?
  10. 10. Feyzin, França – 4/1/1966 • Vazamento de 1.200 m3 de propano, durante operação de drenagem da esfera; • Houve colapso do reservatório (BLEVE); • 48 horas para controle do incêndio; • 18 mortes e 81 vítimas.
  11. 11. Flixborough, UK – 1/6/1974 •Ruptura de tubulação de 8”, improvisada entre dois reatores; •Vazamento de ciclohexano seguido de explosão e incêndio; •Potencial da explosão equivalente a 32 ton de TNT; •Raio letal de 125 m; •28 mortes; •Prejuízos de US$ 412 milhões.
  12. 12. Bhopal, Índia – 3/12/1984 • Vazamento de isocianato de metila; • Estimadas 4.000 mortes; • Mais de 200.000 intoxicados; • Maior catástrofe da indústria química. Foto: Pablo Bartholomew
  13. 13. Acidentes no Brasil Acidentes no Brasil
  14. 14. No BRASIL - Um Período deTransição
  15. 15. Paranaguá, PR – Nov/2004
  16. 16. A origem dos Acidentes Falhas de MANUTENÇÃO Não seguir PROCEDIMENTOS Erros de GESTÃO
  17. 17. D =  (e adv x e v)  D h,m,a + P e,s DESASTRES
  18. 18. • SEM o mapeamento das áreas PERIGOSAS das empresas: MAPEAMENTO DE ÁREAS PERIGOSAS D =  (e adv x e v)  D h,m,a + P e,s
  19. 19. • COM o mapeamento das áreas PERIGOSAS das empresas: MAPEAMENTO DE ÁREAS PERIGOSAS D =  (e adv x e v)  D h,m,a + P e,s
  20. 20. Gerenciamento de Emergências Prevenção Identificação dos Perigos Avaliação dos Riscos Redução dos Riscos Plano de Emergência Treinamento Intervenção Avaliação Acionamento Mobilização Resposta Recuperação Gerenciamento de Riscos Plano de Contingência
  21. 21. “O GERADOR DO RISCO É RESPONSÁVEL PELO TRATAMENTO DO RISCO” Conceito Fundamental
  22. 22. Gerenciamento de Emergências Prevenção Identificação dos Perigos Avaliação dos Riscos Redução dos Riscos Plano de Emergência Treinamento Intervenção Avaliação Acionamento Mobilização Resposta Recuperação Gerenciamento de Riscos Plano de Contingência CONHECIMENTO VONTADE/QUERER MOMENTO TRIADE DA PREVENÇÃO PERIGO = ENERGIA RISCO = PROXIMIDADE
  23. 23. Como fazer Gestão de Risco para preservar a VIDA ?
  24. 24. Visão de Futuro/Planejamento Estratégico/Pensamento Sistêmico
  25. 25. Gerenciamento de Emergências Prevenção Identificação dos Perigos Avaliação dos Riscos Redução dos Riscos Plano de Emergência Treinamento Intervenção Avaliação Acionamento Mobilização Resposta Recuperação Gerenciamento de Riscos Plano de Contingência 90% 10%
  26. 26. Gerenciamento de Emergências Prevenção Identificação dos Perigos Avaliação dos Riscos Redução dos Riscos Plano de Emergência Treinamento Intervenção Avaliação Acionamento Mobilização Resposta Recuperação Gerenciamento de Riscos Plano de Contingência
  27. 27. Gerenciamento de Emergências Prevenção Identificação dos Perigos Avaliação dos Riscos Redução dos Riscos Plano de Emergência Treinamento Intervenção Avaliação Acionamento Mobilização Resposta Recuperação Gerenciamento de Riscos Plano de Contingência
  28. 28. Gerenciamento de Emergências Prevenção Identificação dos Perigos Avaliação dos Riscos Redução dos Riscos Plano de Emergência Treinamento Intervenção Avaliação Acionamento Mobilização Resposta Recuperação Gerenciamento de Riscos Plano de Contingência
  29. 29. Gerenciamento de Emergências Prevenção Identificação dos Perigos Avaliação dos Riscos Redução dos Riscos Plano de Emergência Treinamento Intervenção Avaliação Acionamento Mobilização Resposta Recuperação Gerenciamento de Riscos Plano de Contingência
  30. 30. A INFORMAÇÃO EXISTE… BASTA ORGANIZÁ-LA Informação Informação Informação Informação Informação Informação Informação INFORMAÇÃO INFORMAÇÃO INFORMAÇÃO INFORMAÇÃO INFORMAÇÃO INFORMAÇÃO INFORMAÇÃO
  31. 31. dados “depositado” “útil” “interpretado (RH/TI)” decisões “pensar” “atos mentais”auxiliar nas ações “executar” “atos físicos”propiciar as conhecimentosinformações
  32. 32. PARA A SOCIEDADE RESULTADOS PARA QUEM ? Setor Público (Governo) Setor Privado Mídia Universidade Sociedade Civil
  33. 33. D =  (e adv x e v)  D h,m,a + P e,s DESASTRES
  34. 34. • COM o mapeamento das áreas PERIGOSAS das empresas: MAPEAMENTO DE ÁREAS PERIGOSAS D =  (e adv x e v)  D h,m,a + P e,s
  35. 35. Visão de Futuro/Planejamento Estratégico/Pensamento Sistêmico
  36. 36. Faremos Gestão de Risco para preservar a VIDA !!!
  37. 37. Gerenciamento de Emergências – Uma Visão Sistêmica Professor MICHEL CADENAS Bacharel em Segurança Pública 41 3263-7900 www.cadenas.com.br michel@cadenas.com.br

×