XX Fórum BNB – XIX ANPEC Regional 
NORDESTE 2022 : 
título mestre 
Clique para editar o estilo do 
Perspectivas de desenvo...
Roteiro 
Parte 1 - Nordeste : marcas do desenvolvimento recente 
Parte 2 – Nordeste 2022: perspectivas e desafios estratég...
A fonte: os estudos prospectivos 
• Ambiente:Mundial, Nacional, 
Nordeste e Bancário 
Cenários 2022 
Trajetória mais Prová...
A equipe 
CCoooorrddeennaaççããoo GGeerraall: BNB/ETENE e IICA 
CCoooorrddeennaaççããoo TTééccnniiccaa:: equipe CEPLAN Consu...
A concepção de desenvolvimento adotada 
e a abordagem multidimensional 
Econômica Ambiental 
AMBIENTE 
INSTITUCIONAL 
DESE...
Parte 1 - NORDESTE: 
Marcas do desenvolvimento 
recente
Marcas da economia 
1. Dinamização . ddaa eeccoonnoommiiaa, com desempenho acima da média nacional, 
impulsionado pelo cre...
Mudança na dinâmica sub-regional 
Sub-Regiões selecionadas do Nordeste, 1999-2010 
Participação do Produto Interno Bruto d...
Reforço a marcas das relações externas 
4. Reforço da integração aassssiimmééttrriiccaa do Nordeste no comércio inter-rree...
0,11 
0,10 
0,12 
0,10 
BRASIL E ESTADOS DO NORDESTE - GRAU DE 
ABERTURA (X/PIB) 
Brasil 
0,07 
0,03 
0,02 
0,02 
0,01 
0,...
Mudanças na base de infraestrutura 
6. Avanço importante na montagem mmmooonnntttaaagggeeemmm ddddeeee ppppaaaarrrrqqqquuu...
Resistências e avanços na C,T&I 
8. Insuficiente . eessffoorrççoo iinnoovvaattiivvoo ddaass eemmpprreessaass do Nordeste (...
Avanços no quadro social 
10. Melhoria dos níveis de renda da população, com significativa 
redução da pobreza absoluta, i...
NE: Liderou crescimento do rendimento 
médio domiciliar (2000-2010) 
Brasil e Grandes Regiões: Valor do rendimento nominal...
NE Rural teve crescimento do rendimento 
domiciliar acima da media (2000-2010) 
Brasil e Nordeste: Valor do rendimento nom...
NE: Liderou ritmo de redução da pobreza e 
hiato inter regional se reduziu
Nordeste: persistência de hiato 
nos indicadores sociais 
2010 
Indicador 
Nordeste no país 
 Inter-regionais: o hiato que...
Avanços no quadro social 
11. Melhoria da escolaridade média , com avanços importantes no 
acesso e interiorização do ensi...
BR e NE ampliam e interiorizam as 
Universidades Federais 
2002: 43 2010: 
campi 
230 campi
NE : Distribuição espacial dos campi das 
Universidades Federais 
POS GRADUAÇÂO 
2010 
Dos 657 programas 
de pós-graduação...
Tendências da Dimensão Ambiental 
11. . Agravamento da degradação ambiental nnooss aagglloommeerraaddooss 
uuuurrrrbbbbaaa...
NE : avanço do processo de desertificação
Marcas do ambiente institucional 
13. Manutenção de quadro de insuficientes políticas rreeggiioonnaaiiss 
eeeexxxxppppllll...
Parte 2 – NORDESTE 2022: 
Perspectivas e Desafios
Perspectivas para 2022 
11.. AAuummeennttoo ddoo ggrraauu ddee aabbeerrttuurraa nnoo ccoomméérrcciioo eexxtteerriioorr, co...
Perspectivas para 2022 
3. DDiiffiiccuullddaaddeess eemm pprroosssseegguuiirr iinnvveessttiinnddoo ssiiggnniiffiiccaattiiv...
Nordeste e os Novos Investimentos 
em rodovias Mapa das Concessões das Rodovias - 2012 
Mapa das Concessões Rodoviárias – ...
NE:infraestrutura ferroviária incompleta 
Nordeste: projetos de infraestrutura econômica ( executados e em execução) 
Font...
Perspectivas para 2022 
44.. AAvvaannççooss nnooss ddeessddoobbrraammeennttooss ddaass ccaaddeeiiaass pprroodduuttiivvaass...
Nordeste no mapa futuro da mineração
Perspectivas para 2022 
7.. MMaaiiss ddiiffiiccuullddaaddee ppaarraa aattrraaiirr iinnvveessttiimmeennttooss iinndduussttr...
O Brasil atual: problemas no 
desenvolvimento industrial 
Mercado interno Mercado externo 
63,0% 
60,0% 
57,0% 
54,0% 
51,...
O Brasil industrial : 
A indústria de maior valor agregado 
tem endereço 
Fonte: PNLT
Perspectivas para 2022 
8. Avanços nas mmuuddaannççaass nnoo sseerrttããoo : ampliação do dinamismo de 
atividades urbanas,...
Perspectivas para 2022 
1144.. AAuummeennttoo ddaa eexxppeeccttaattiivvaa ddee vviiddaa ee rreedduuççããoo ddoo nníívveell ...
NE : pirâmide etária consolida mudança 
75 e + 
NORDESTE - Projeções Demográficas 
Pirâmide etária da população, por sexo,...
Desafios Estratégicos 
Elevação da 
Competitividade 
Diversificação e 
Ampliação da base 
produtiva 
Novas 
institucionali...
Eixos de Ação 
1 2 3 4 
Diversificação e 
Ampliação da base 
produtiva 
Elevação da 
Competitividade 
Ampliação dos 
Avanç...
Parte 3 – Considerações Finais : 
o papel estratégico do BNB
O PAPEL ESTRATÉGICO DO BNB 
CENÁRIO 1 
Com prevalência de Políticas Regionais Implícitas 
Importância do FNE (diante da fr...
O PAPEL ESTRATÉGICO DO BNB 
CENÁRIO 2 
Com Políticas Regionais explícitas 
Mudanças Prováveis: 
• Criação de governança da...
OBRIGADA! 
taniabacelar@gmail.com
Nordeste 2022
Nordeste 2022
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Nordeste 2022

368 visualizações

Publicada em

Apresentação de Prof. Tânia Bacelar no XX Fórum de Desenvolvimento Economico do Banco do Nordeste 2014 e XIX Encontro Regional da ANPEC.

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
368
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
28
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nordeste 2022

  1. 1. XX Fórum BNB – XIX ANPEC Regional NORDESTE 2022 : título mestre Clique para editar o estilo do Perspectivas de desenvolvimento Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Fortaleza , 6 de novembro de 2014
  2. 2. Roteiro Parte 1 - Nordeste : marcas do desenvolvimento recente Parte 2 – Nordeste 2022: perspectivas e desafios estratégicos Parte 3 - Considerações Finais: o papel estratégico do BNB
  3. 3. A fonte: os estudos prospectivos • Ambiente:Mundial, Nacional, Nordeste e Bancário Cenários 2022 Trajetória mais Provável e Projeções para 2022 • Inserção externa • Dinâmica econômica • Federalismo • Infra estrutura Nordeste 2022 • C. T & Inovação S I N T • Sustentabilidade ambiental • Dinâm. urbana e rural • Dinâmica social • Financiamento Tendências recentes, Perspectivas e Propostas Análise Qualitativa E S E
  4. 4. A equipe CCoooorrddeennaaççããoo GGeerraall: BNB/ETENE e IICA CCoooorrddeennaaççããoo TTééccnniiccaa:: equipe CEPLAN Consultoria CCoooorrddeennaaddoorreess TTeemmááttiiccooss:: • Olímpio de Arroxelas Galvão - FBV • Gustavo Maia Gomes – UFPE • Jair do Amaral - UFC • João Bosco Arruda - UFC • Ana Cristina Fernandes – UFPE •• MMaarriiaa ddoo CCaarrmmoo SSoobbrraall ee RReennaattaa CCaarrvvaallhhoo -- UUFFPPEE • Cristina Cacciamali e Alexandre Barbosa -USP • Frederico Jayme Junior e Fabrico Missio - UFMG AAuuttoorreess ddee NNOOTTAASS TTÉÉCCNNIICCAASS (( 88))
  5. 5. A concepção de desenvolvimento adotada e a abordagem multidimensional Econômica Ambiental AMBIENTE INSTITUCIONAL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Social Social
  6. 6. Parte 1 - NORDESTE: Marcas do desenvolvimento recente
  7. 7. Marcas da economia 1. Dinamização . ddaa eeccoonnoommiiaa, com desempenho acima da média nacional, impulsionado pelo crescimento da renda, do crédito, do emprego e pela atração de importante bloco de investimentos. 2. Mudança significativa da eessttrruuttuurraa pprroodduuttiivvaa: a) perda de importância relativa das bases tradicionais (complexo pecuária/ algodão/policultura e complexo sucro-alcooleiro) b) avanços significativos do terciário (serviços de educação, saúde e comércio moderno, serviços às empresas) c) fortalecimento da indústria (de transformação e da construção civil) ee ddoo aaggrroonneeggóócciioo ((vvoollttaaddoo ppaarraa aa pprroodduuççããoo ddee ggrrããooss ee ddee ffrruuttaass)) 3. Dinamismo de bases produtivas de pequeno porte (1 milhão de MPE, sendo 14% do total nacional), avanços na produção agropecuária de base familiar( agroecologia) e consolidação de APL`s
  8. 8. Mudança na dinâmica sub-regional Sub-Regiões selecionadas do Nordeste, 1999-2010 Participação do Produto Interno Bruto da sub-região no PIB brasileiro (Números índices: participação em 1999 = 100) 145,00 130,23 113,43 108,14 106,74 135,00 125,00 115,00 105,00 Participação em 1999 = 100 Cerrados Semiárido Nordeste Litoral Oriental Regiões 100,74 95,00 85,00 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Fonte (dados brutos): IBGE, Produto Interno Bruto dos Municípios e IBGE, Contas Nacionais Metropolitanas
  9. 9. Reforço a marcas das relações externas 4. Reforço da integração aassssiimmééttrriiccaa do Nordeste no comércio inter-rreeggiioonnaall,, ccoomm ddeessttaaqquuee ppaarraa aa BBaahhiiaa (( qquuee aammpplliiaa ssuuaa aarrttiiccuullaaççããoo ccoomm o Sudeste), Pernambuco ( que reforça seu papel de pólo de distribuição para o Nordeste Oriental) e do Maranhão (que se integra crescentemente ao Pará ) 55.. MMaannuutteennççããoo ddaa iinnttrroovveerrssããoo nas relações econômicas externas , com crescimento do comércio menor que o nacional ( perda de importância relativa no comercio externo do país) e predomínio de exportações de baixo conteúdo tecnológico (concentração da pauta em poucos produtos em cada Estado).
  10. 10. 0,11 0,10 0,12 0,10 BRASIL E ESTADOS DO NORDESTE - GRAU DE ABERTURA (X/PIB) Brasil 0,07 0,03 0,02 0,02 0,01 0,08 0,06 0,04 0,02 Nordeste 0,01 0,01 0,00 Maranhão Bahia Alagoas Ceará Pernambuco Rio Grande do Norte Paraíba Piauí Sergipe FONTE: IBGE. Anuário Estatístico do Brasil, diversos anos; MDIC/Secex.
  11. 11. Mudanças na base de infraestrutura 6. Avanço importante na montagem mmmooonnntttaaagggeeemmm ddddeeee ppppaaaarrrrqqqquuuueeeessss eeeeóóóólllliiiiccccoooossss nnaa rreeggiiããoo ( em especial no RN,PB,BA e MA) com paralela atração de industrias produtoras de equipamentos para geração deste tipo de energia 7. AAmmpplliiaaççããoo ee mmooddeerrnniizzaaççããoo ddaa bbaassee ddee iinnffrraaeessttrruuttuurraa eeccoonnôômmiiccaa com a implantação e/ou consolidação de importantes projetos (inter lliiggaaççããoo ddee bbaacciiaass ccoomm áágguuaass ddoo rriioo SSããoo FFrraanncciissccoo;; ffeerrrroovviiaass Transnordestina e FIOL; portos de Suape, Aratu e Pecém; modernização de aeroportos e implantação do de São Gonçalo, ...).
  12. 12. Resistências e avanços na C,T&I 8. Insuficiente . eessffoorrççoo iinnoovvaattiivvoo ddaass eemmpprreessaass do Nordeste (realizado sobretudo através da compra de máquinas e equipamentos) e lliimmiittaaddaa aarrttiiccuullaaççããoo ddeessttaass ccoomm aa bbaassee ddee CC,,TT&&II iinnssttaallaaddaa nnaa região. 9. EEvvoolluuççããoo ppoossiittiivvaa ddaa bbaassee ddee CCiiêênncciiaa,, TTeeccnnoollooggiiaa && IInnoovvaaççããoo , com destaque para a expansão das Universidades, inclusive no interior do Nordeste, para a instalação de novos centros de pesquisa, e para o desenvolvimento de pólos tecnológicos. MMaass ooss ggaassttooss FFeeddeerraaiiss eemm CC,,TT&&II aaiinnddaa ppeerrmmaanneecceemm mmuuiittoo concentrados no Sudeste e Sul. Os Governos estaduais tenderam a ampliar seus investimentos, em especial a Bahia, o Ceará e Pernambuco.
  13. 13. Avanços no quadro social 10. Melhoria dos níveis de renda da população, com significativa redução da pobreza absoluta, inclusive no meio rural. No entanto o Nordeste mantém indicadores sociais muito aquém da média nacional.
  14. 14. NE: Liderou crescimento do rendimento médio domiciliar (2000-2010) Brasil e Grandes Regiões: Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes (Reais) –– 2000 e 2010 Mas: Rendimento médio do Nordeste é 55% do observado no Sudeste
  15. 15. NE Rural teve crescimento do rendimento domiciliar acima da media (2000-2010) Brasil e Nordeste: Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes (Reais), segundo a situação do domicílio –– 2000 e 2010 Rendimento médio do Nordeste Rural é 2/3 do observado no Brasil como um todo
  16. 16. NE: Liderou ritmo de redução da pobreza e hiato inter regional se reduziu
  17. 17. Nordeste: persistência de hiato nos indicadores sociais 2010 Indicador Nordeste no país Inter-regionais: o hiato que ainda separa o NE das Rendimento medio domiciliar 64% da média nacional Rendimento medio domiciliar rural 31% da média nacional Tx de pobreza absoluta o dobro da taxa nacional Tx de analfabetismo o dobro da taxa nacional regiões mais ricas do país, e mesmo da média nacional escolaridade media 83% da media nacional Intra-regional:reduzir desigualdades internas, que tendem a se ampliar
  18. 18. Avanços no quadro social 11. Melhoria da escolaridade média , com avanços importantes no acesso e interiorização do ensino superior
  19. 19. BR e NE ampliam e interiorizam as Universidades Federais 2002: 43 2010: campi 230 campi
  20. 20. NE : Distribuição espacial dos campi das Universidades Federais POS GRADUAÇÂO 2010 Dos 657 programas de pós-graduação oferecidos na região, apenas um (Ciências da Saúde da UFBA) apresentou avaliação com nota máxima (7) da Capes no ano de 2010. Fonte: MEC/INEP. Elaboração UFPE/GRITT. E não mais do que 11 programas obtiveram classificação 6 da referida agência.
  21. 21. Tendências da Dimensão Ambiental 11. . Agravamento da degradação ambiental nnooss aagglloommeerraaddooss uuuurrrrbbbbaaaannnnoooossss eemm eessppeecciiaall ppeellooss rreedduuzziiddooss iinnvveessttiimmeennttooss eemm ssaanneeaammeennttoo básico, pelo padrão de ocupação movido pelo mercado imobiliário e pela presença dos portos nas suas proximidades 1122.. RReeccoorrrrêênncciiaa ddee sseeccaass sseevveerraass, agora com impactos essencialmente eeccoonnôômmiiccooss,, ccoomm ccrreesscceennttee iinnfflluuêênncciiaa ddaass mmuuddaannççaass cclliimmááttiiccaass nnoo avanço da desertificação e da ocorrência de inundações
  22. 22. NE : avanço do processo de desertificação
  23. 23. Marcas do ambiente institucional 13. Manutenção de quadro de insuficientes políticas rreeggiioonnaaiiss eeeexxxxppppllllíííícccciiiittttaaaassss,,,, ccoomm iirrrreelleevvaannttee aattuuaaççããoo ddaa SSUUDDEENNEE rreeccrriiaaddaa ee dificuldades de coordenação horizontal das instituições de atuação regional, contrastam com impactos positivos de políticas nacionais de corte setorial (políticas regionais implícitas). Perspectiva positiva associada à recente financeirização do FNDE 1144.. RRRReeeeccccoooonnnncccceeeennnnttttrrrraaaaççççããããoooo ddddaaaa rrrreeeecccceeeeiiiittttaaaa ppppúúúúbbbblllliiiiccccaaaa llaassttrreeiiaa ffoorrttee pprroottaaggoonniissmmoo ddaa União em políticas públicas (em especial nas políticas sociais e em investimentos estruturadores). Prevaleceram as políticas regionais “ implícitas”.
  24. 24. Parte 2 – NORDESTE 2022: Perspectivas e Desafios
  25. 25. Perspectivas para 2022 11.. AAuummeennttoo ddoo ggrraauu ddee aabbeerrttuurraa nnoo ccoomméérrcciioo eexxtteerriioorr, considerando o bloco de investimentos em implantação, que sinaliza para novas aattiivviiddaaddeess ccoomm ffoorrttee vvooccaaççããoo ppaarraa eexxppoorrttaarr –– aaggrroonneeggóócciioo,, mmiinneerraaççããoo,, petróleo gás petroquímica, automotiva, naval ( por conta da sistemática de compra da Petrobrás)... 22.. FFoorrttaalleecciimmeennttoo ddaass cciiddaaddeess ddee ppoorrttee mmééddiioo como pólos comerciais e de serviços sub-regionais, com crescente pressão por políticas que mmeellhhoorreemm aa qquuaalliiddaaddee ddee vviiddaa (( hhaabbiittaaççããoo,, mmoobbiilliiddaaddee,, ccoolleettaa ee tratamento de resíduos sólidos...) ao lado de avanços no planejamento e controle urbanos
  26. 26. Perspectivas para 2022 3. DDiiffiiccuullddaaddeess eemm pprroosssseegguuiirr iinnvveessttiinnddoo ssiiggnniiffiiccaattiivvaammeennttee eemm iinnffrraaeessttrruuttuurraa eeccoonnôômmiiccaa no novo ambiente nacional onde vão predominar as concessões ( que tendem a priorizar projetos de maior taxa de retorno) como se vislumbrou nos primeiros Mapas do Governo Federal
  27. 27. Nordeste e os Novos Investimentos em rodovias Mapa das Concessões das Rodovias - 2012 Mapa das Concessões Rodoviárias – 2012
  28. 28. NE:infraestrutura ferroviária incompleta Nordeste: projetos de infraestrutura econômica ( executados e em execução) Fonte: BNDES ( 2014)
  29. 29. Perspectivas para 2022 44.. AAvvaannççooss nnooss ddeessddoobbrraammeennttooss ddaass ccaaddeeiiaass pprroodduuttiivvaass que se dirigiram ao Nordeste nos anos recentes 55.. PPaarrttiicciippaaççããoo ddeessttaaccaaddaa nnaass aattiivviiddaaddeess lliiggaaddaass àà eeccoonnoommiiaa ccrriiaattiivvaa, tais como produção cinematográfica, serviços de TIC, publicidade, produção cultural ... 66.. PPPPaaaarrrrttttiiiicccciiiippppaaaaççççããããoooo iiiimmmmppppoooorrrrttttaaaannnntttteeee nnnnoooossss iiiinnnnvvvveeeessssttttiiiimmmmeeeennnnttttoooossss eeeemmmm mmmmiiiinnnneeeerrrraaaaççççããããoooo pprreevviissttooss para os próximos anos
  30. 30. Nordeste no mapa futuro da mineração
  31. 31. Perspectivas para 2022 7.. MMaaiiss ddiiffiiccuullddaaddee ppaarraa aattrraaiirr iinnvveessttiimmeennttooss iinndduussttrriiaaiiss - política federal deve enfrentar as atuais desvantagens competitivas da industria do país e estimular segmentos de maior valor agregado ( e tais segmentos estão fortemente concentrados no SE/Sul e em Manaus)
  32. 32. O Brasil atual: problemas no desenvolvimento industrial Mercado interno Mercado externo 63,0% 60,0% 57,0% 54,0% 51,0% 48,0% 45,0% 42,0% 39,0% 36,0% 33,0% 30,0% 27,0% 24,0% 21,0% 18,0% Produtos manufaturados Produtos básicos
  33. 33. O Brasil industrial : A indústria de maior valor agregado tem endereço Fonte: PNLT
  34. 34. Perspectivas para 2022 8. Avanços nas mmuuddaannççaass nnoo sseerrttããoo : ampliação do dinamismo de atividades urbanas, da fruticultura irrigada e de atividades de maior convivência com o semi-árido 9. MMaannuutteennççããoo ddoo ddiinnaammiissmmoo ddaa eeccoonnoommiiaa aaggrrííccoollaa mmooddeerrnnaa instalada nos cerrados (MA,PI,BA) 10. CCoonnssoolliiddaaççããoo ddee AAPPLLss ee ddoo tteecciiddoo ddee MMPPEE’’ss 11. IInntteennssiiffiiccaaççããoo ddooss aavvaannççooss nnoo ssiisstteemmaa ddee CCTTII com ampliação de investimentos em inovação 12. Ampliação das pesquisas desenvolvidas nos centros de PD rreeggiioonnaall aa ppaarrttiirr ddaa eeeexxxxppppaaaannnnssssããããoooo ddddaaaassss ppppaaaarrrrcccceeeerrrriiiiaaaassss ccccoooommmm cccceeeennnnttttrrrroooossss nnaacciioonnaaiiss ee iinntteerrnnaacciioonnaaiiss .. 1133..IInntteennssiiffiiccaaççããoo ddaa iinnoovvaaççããoo iinncclluussiivvaa – com foco nos desafios da realidade regional - tende a ganhar espaço nas agendas dos pesquisadores
  35. 35. Perspectivas para 2022 1144.. AAuummeennttoo ddaa eexxppeeccttaattiivvaa ddee vviiddaa ee rreedduuççããoo ddoo nníívveell ddee mmoorrttaalliiddaaddee iinnffaannttiill - com intensidade menor – e pressão por consolidação do SUS. 1155.. AAvvaannççoo ddoo nníívveell ddee eessccoollaarriiddaaddee notadamente entre os jovens. 1166.. AAmmpplliiaaççããoo ddaa ooffeerrttaa ddee mmããoo ddee oobbrraa qquuaalliiffiiccaaddaa 1177.. CCoonnttiinnuuiiddaaddee ddaa rreedduuççããoo ddaa ppoobbrreezzaa e avanços no IDH com redução do ritmo da queda das situações piores. 1188..MMeellhhoorriiaass nnooss ppaaddrrõõeess ddee ssuusstteennttaabbiilliiddaaddee aammbbiieennttaall,, aappeessaarr dos impactos das mudanças climáticas e das pressões antrópicas 1199.. CCoonnssoolliiddaaççããoo ddaa mmuuddaannççaa ddoo ppeerrffiill eettáárriioo da população
  36. 36. NE : pirâmide etária consolida mudança 75 e + NORDESTE - Projeções Demográficas Pirâmide etária da população, por sexo, 2010 e 2022. 70 - 74 65 - 69 60 - 64 55 - 59 50 - 54 45 - 49 40 - 44 35 - 39 30 - 34 25 - 29 20 - 24 15 - 19 Homens Mulheres 8 6 4 2 0 2 4 6 8 10 - 14 5 - 9 0 - 4 2010 2022 Fonte: LYRA, Rejane 2014
  37. 37. Desafios Estratégicos Elevação da Competitividade Diversificação e Ampliação da base produtiva Novas institucionalidades Valorização da integração e da Ampliação dos Avanços Sociais Promoção da Sustentabilidade Ambiental diversidade territorial
  38. 38. Eixos de Ação 1 2 3 4 Diversificação e Ampliação da base produtiva Elevação da Competitividade Ampliação dos Avanços Sociais Promoção da Sustentabilidade Ambiental Consolidação das transformações econômicas recentes Ampliação e redefinição da inserção externa Fortalecimento do sistema de CTI Priorização da educação de qualidade Avanços no mercado de trabalho Enfretamento das mudanças climáticas Minimização das pressões antrópicas Ampliação e melhoria da infraestrutura econômica e da Fortalecimento da Melhorias nas gestão ambiental condições de vida, com redução da pobreza e desigualdade macrologística
  39. 39. Parte 3 – Considerações Finais : o papel estratégico do BNB
  40. 40. O PAPEL ESTRATÉGICO DO BNB CENÁRIO 1 Com prevalência de Políticas Regionais Implícitas Importância do FNE (diante da fragilidade de outros instrumentos) • Iniciativa estratégica 1: reforçar o ETENE para o Banco assumir forte protagonismo no debate sobre o desenvolvimento regional (atuando nacionalmente, articulado com os Governos Estaduais) • Iniciativa estratégica 2: criar lócus de articulação da ação dos Bancos Públicos Federais e Agências Estaduais de Fomento Objetivo: construir parcerias estratégicas.
  41. 41. O PAPEL ESTRATÉGICO DO BNB CENÁRIO 2 Com Políticas Regionais explícitas Mudanças Prováveis: • Criação de governança da Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR). • Criação do FNDR. • Criação do Sistema de coordenação das fontes de financiamento do desenvolvimento regional. • Fortalecimento de órgãos federais regionais. Impactos no BNB: • Novo padrão de inserção em ambiente modificado • Gestor estratégico do FNDR
  42. 42. OBRIGADA! taniabacelar@gmail.com

×