Cefai mastoplastia e mastopexia
Próximos SlideShare
Carregando em...5
×

Curtiu isso? Compartilhe com sua rede

Compartilhar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Visualizações

Visualizações totais
1,743
No Slideshare
1,743
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0

Ações

Compartilhamentos
Downloads
22
Comentários
0
Curtidas
0

Incorporar 0

No embeds

Conteúdo do relatório

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Cirurgias de mamas Silvilena Bonatti 2013
  • 2. Histórico MAMAS FEMINILIDADE, SENSUALIDADEPadrão de beleza:- São influenciadas por tendências da moda;- Nos anos 20 as mulheres ressaltavam suas mamas;- Nos anos 40, as mamas mais volumosas eram aspreferidas;- Na década de 60, um visual menor foi o popular.
  • 3. HistóricoPadrão de beleza: - Atualmente = tendência em direção ao meio termo, com visual baseado em linhas anatômicas naturais = proporçãoPadrão de beleza x Midia
  • 4. AnatomiaLocalização anatômica:- Superiormente, entre a 2 e a 3 toraxcostela; mm.peitorais- Inferiormente, entre a 7 e a 8; Gll. mamárias- Lateralmente, pela linha axilar Mamilo - CAPanterior;- Medialmente pela linhaparaesternal. Ductos mamarios Tecido Pele gorduroso
  • 5. Anatomia tecido mamário Ligamentos de Cooper sustentado por ligamentos (de Cooper) fixam ao músculo peitoral e a pele permitem movimento das gll. mamárias e dão suporte para a mama.
  • 6. AnatomiaA mama é composta:- 20 lóbulos, que desembocam pelos ductos no mamilo.- Desenvolvimento: em resposta a alterações hormonais queocorrem nas mulheres, entre os 12 e os 18 anos deidade, dependendo da herança genética de cada uma.
  • 7. Anatomia -Constantes alterações fisiológicas devido a cicloshormonais, gravidez variações do peso corporal, idade - Falta de desenvolvimento -Modificações no volume e na forma; - mamas pequenas, volumosas, ou flácidas.
  • 8. Anatomia Ação Perda de resistência gravitacional da peleFrouxidão Perda de Processo natural de envelhecimentoligamentar elasticidade Ptose mamária Emagrecimentos Redução pós- abruptos lactação Falência ovariana com o advento da menopausa
  • 9. Anatomia Hipomastia: mamas pequenasGigantomastia: mamas muito volumosas
  • 10. Mamoplastia Redutora E Mastopexia
  • 11. Mamoplastia redutora Objetivos:- Reduzir o volume das mamas;- Retirar o excesso de pele;- Corrigir a queda da mama;- Resultando em um equilíbrio entre o conteúdo (tecido mamário) e ocontinente (pele).
  • 12. Mamoplastia redutora Objetivos:- Aliado à obtenção de forma e simetria adequada das mamas;- Com cicatrizes mínimas e imperceptíveis;- Aspectos funcionais: melhora da postura e dores na coluna.
  • 13. Mamoplastia redutora Indicações:- IDADE para a realização da cirurgia:- A partir dos 15 anos de idade, desde que as mamas não estejamaumentado de tamanho e a paciente esteja com o peso corporaladequado.-70% com menos de 40 anos e 30% entre 20 e 30 anos. (na prática)
  • 14. ConceitoMASTOPLASTIA / MAMOPLASTIA REDUTORA: redução do volume dasmamas e correção da queda Cicatriz T invertido
  • 15. Conceito MASTOPEXIA: correção da queda das mamas e da flacidez da pele.
  • 16. Mastopexia areolar: pouca flacidez, pequena sobra de pele
  • 17. Conceito MASTOPEXIA COM PRÓTESE - Só a pexia ou só a inclusão de próteses não são suficientes para solucionar a ausência de volume associada à flacidez. - Quando se realiza ressecção de pele e inclusão de próteses, estas projetam o volume mamário no sentido póstero-anterior e a proteção delas na área do sulco mamário é formada apenas por pele e subcutâneo.
  • 18. MASTOPEXIA COM PRÓTESE- Na atualidade, as brasileiras desejam mamas maiores- Quando apresentam pouco volume associado à média ou grandeflacidez, a maioria não deseja apenas o aumento de volume, mastambém a correção da flacidez.
  • 19. MASTOPEXIA COM PRÓTESE- Bom resultado estético com cicatrizes peri areolares maisverticais, podendo concluí-la com T invertido no sulco mamário, com oramo horizontal da cicatriz de extensão variável em acordo com o graude flacidez.
  • 20. Prótese retromamária, subfascial e retromuscular Retromuscular Subfascial Retroglandular
  • 21. Técnicas cirírgicas Escolha da técnica cirúrgica adequadaExame dos tecidos Suas possibilidades
  • 22. Cirurgia: pré-operatórioAvaliação pré-operatória:- Desvio postural;- Assimetria mamária;- Volume mamário;- Gordura lateral da mama;- Qualidade da pele: estrias, retrações, cicatrizes.
  • 23. Orientações pré-operatórias:- Parar de fumar 30 dias antes da cirurgia;- Evitar bebidas alcoólicas e refeições fartas na véspera da cirurgia- Parar com medicamentos para emagrecer, diuréticos easpirina, ginko biloba, arnica 10 dias antes da cirurgia;- Levar roupas para o hospital com abertura frontal;- Repouso por 3 semanas;- Proibida atividades domésticas por 3 a 4 semanas;- Proibido de dirigir por 30 dias.
  • 24. Cirurgia-Tipo de anestesia: geral ou peridural alta com sedação- Duração do ato cirúrgico: média é de 2 a 4 horas.- Período de internação: 24 horas.
  • 25. Técnicas cirírgicasT INVERTIDO: ressecção glandular (Ivo Pitanguy, 1960)- A evolução da cirurgia reduziu as cicatrizes tornando-as mais curtas;- Não atinge regiões axilares e esternais;- As cicatrizes localizam-se ao redor da aréola e de seu pólo inferior atéo sulco infra-mamário, sendo a técnica mais freqüente.
  • 26. Técnicas cirírgicasPERIAREOLAR:- Cicatriz ao redor da aréola;- Indicada nas pequenas e médias hipertrofias e flacidez;- A maior dificuldade reside na obtenção de mamas projetadas e decicatrizes esteticamente aceitáveis;
  • 27. Técnicas cirírgicasPERIAREOLAR:Complicações:- Achatamento da eminência mamaria;- Alargamento da cicatriz;- Ptose precoce pela falta de sustentação;- Para evitar a ptose, coloca-se uma lâmina de poliuretano em torno damama, no plano subcutâneo fixando-a na fascia peitoral anterior.
  • 28. Técnicas cirírgicasCICATRIZ EM L:- Cicatrizes localizam-se ao redor da aréola, do seu pólo inferior até osulco infra-mamário;- E lateralmente no sulco infra-mamário.- Elimina a parte medial da cicatriz em T invertido.
  • 29. Técnicas cirírgicasMASTOPEXIA VERTICAL- Cicatrizes ao redor da aréola e de seu pólo inferior até o sulco infra-mamário;- Elimina a parte medial e lateral da cicatriz em T invertido
  • 30. Complicações- Necrose do complexo aréolo-mamilar CAM;- Perda da sensibilidade: de caráter reversível;- Hematomas: geralmente ocorre em pacientes que fazem o uso demedicamentos do grupo dos salicilatos e dipironas;
  • 31. ComplicaçõesHEMATOMA e HEMORRAGIAS: quando ocorre, deve-se retirar aprótese, coagular o vaso sangrante e reintroduzir a prótese.SEROMA: quando ocorre, deve-se retirar a prótese, limpar a cavidade ereintroduzir a prótese; ou punção guiada por US.INFECÇÃO: a prótese deve ser removida, drenar e iniciarantibioticoterapia.Recolocar a prótese após 3 a 6 meses.
  • 32. Complicações- Cicatrizes exuberantes: pode estar associado a fatores como tensãona sutura da pele e uso inadequado de fios;- Fatores predisponentes também influenciam- Dismorfias: achatamento do cone mamário ou assimetrias sãopassiveis de correção.
  • 33. ComplicaçõesÁrea de sofrimento = isquemia = deiscência
  • 34. Complicações
  • 35. Complicações Pioderma gangrenoso:-Auto-imune e não-infecciosa- Rara- Lesão cutânea avermelhada = evolui p/ necrose
  • 36. ComplicaçõesNecrose e deiscência
  • 37. Cuidados- Curativos: Curativos elásticos especialmente adaptados a cada tipode mama, trocados periodicamente.-Pontos:-São retirados em torno do 7º ao 10º dia.-Retorna a atividade física:- Geralmente após 90 dias. Cola cirúrgica + microporagem
  • 38. Cuidados- Exames: Mamografias; US preventivos.- Lactação:• As técnicas cirúrgicas visam preservar a lactação;• A diminuição da lactação é comum• A função reaparece mesmo após ressecções das áreas delactogênese ou secção de sua continuidade com a lactopoiese.• Até nas enxertias do complexo areolomamilar, ocorre recanalizaçãoductal e excreção láctea.
  • 39. Fases do pós-operatório1 - PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia- Forma ainda está além do resultado planejado- Geralmente, nenhuma mama fica perfeita no pós-operatório imediato- Dor, edema,
  • 40. Fases do pós-operatório2 - PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 8º mês.- Mama começa a apresentar uma evolução que tende à formadefinitiva;- Forma definitva após o 6º a 8º mês;- Insensibilidade do mamilo;- Maior ou menor grau de edema até 4º a 6º mês;
  • 41. Fases do pós-operatório3 - PERÍODO TARDIO: Vai do 8º ao 12º mês.- Mama atinge seu aspecto definitivo(cicatriz, forma, consistência, volume, sensibilidade);- Fotografias do aspecto definitivo;- Compará-los com o aspecto pré-operatório de cada paciente;- Tem grande importância, no resultado final, o grau de elasticidade dapele das mamas e o volume conseguido.- O equilíbrio entre ambos varia de caso para caso.
  • 42. VÍDEOS
  • 43. Cirurgias de mamas Silvilena Bonatti 2013