Gestão de Recursos Humanos:Que espaço de desenvolvimento no actual contexto?                   Luís Botelho             Fo...
800         700         600         500         400         300         200         100           0               1968 197...
Complexidade         O poder daCrescimento     no funcionamento      Burocracia:                    Exigência dos  despesa...
2004                      01-01-2006:                      Regime de Protecção Social Convergente                      L 6...
2007       LVCR                    RCTFP  Lei 12-A / 2008            Lei 59/2008  27 de Fevereiro          11 de SetembroL...
GESTÃO DA                            GESTÃO               DESPESA COM                            PELA                 PESS...
Gestão das Pessoas   vs    Gestão da despesa com Pessoal GESTÃO DADESPESA COM  PESSOAL                                    ...
GESTÃO                                         POR                                     COMPETÊNCIASPassado                ...
Missão                                       Objectivos estratégicos                                       Plano de activi...
Competências necessárias        Competências indispensáveis            Competências indispensáveisao Funcionamento do orga...
Dados                    Informação          Conhecimento                     Saber           Contextualização           C...
GESTÃOA ideia fundamental da alteração do regime de vinculação consistia na                                     PELA      ...
+   A: Quero e aproveito          A: Quero … mas                              (a certeza de acabar)       (Sistemática des...
A NEGOCIAÇÃO faz sentido na gestão, e no caso na Gestão de Recursos Humanos,quando conseguimos soluções do tipo “ Win-Win ...
1) Desde logo o momento da contratação…         Para além da posição remuneratória (agora sem espaço negocial), não se afa...
2) Enquanto se mantém a relação, o desempenho profissional         Contratualiza-se o desempenho partindo da negociação de...
3) E os Instrumentos de Regulação Colectiva do Trabalho           cujo papel pode vir a ser determinante para a vida dos t...
Descrédito do Acordo de Entidade de Emprego Público?      Desde 2009, quando foi publicado o Acordo de Carreiras Gerais (2...
parcialOs Acordos de Empresa Publica:         • Têm em média 17 cláusulas         • das matérias passíveis de serem regula...
parcialUma leitura mais preocupada do RCTFP, permitiria perceber outras matérias passíveis de regulação:Pode regular ausên...
O desafio dos Gestores de Recursos Humanos, perante os constrangimentos  actuais que “suspenderam” o percurso que se fazia...
BEM HAJA               PELA ATENÇÃO!                  Luis.botelho@pj.ptLuís Botelho                           http://comu...
QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA AUDIOCONFERÊNCIA                    Foi enviado um questionário                       de aval...
OBRIGADO PELA SUA PARTICIPAÇÃO…               Obrigado pela sua participação!               Para sair da sessão,          ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gestão de Recursos Humanos: Que espaço de desenvolvimento no actual contexto? - Luís Botelho

1.667 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.667
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gestão de Recursos Humanos: Que espaço de desenvolvimento no actual contexto? - Luís Botelho

  1. 1. Gestão de Recursos Humanos:Que espaço de desenvolvimento no actual contexto? Luís Botelho Formador de Gestão de Recursos Humanos
  2. 2. 800 700 600 500 400 300 200 100 0 1968 1979 1983 1986 1988 1991 1996 1999 2005 Adm. Central Adm. Local A constatação do crescimento do Estado em moldes que não são comportáveis para a sociedade civilLuís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  3. 3. Complexidade O poder daCrescimento no funcionamento Burocracia: Exigência dos despesa da AP: Proliferação das cidadãos de pública Proliferação de normas e mais qualidade organismos regulamentos Não interessa “Mais Estado” Interessa “Melhor Estado” Contexto: “New public management” Duas linhas “Reinventing governement” de De cariz mais liberal propõe-se respostas De cariz menos liberal propõe-se a transferir para o sector a evoluir de uma administraçãoprivado algumas actividades do Burocrática para uma gestãoEstado através das privatizações Empresarial do Estado (Grã-Bretanha –Thatcher) ( USA – Clinton / Al Gore) Luís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  4. 4. 2004 01-01-2006: Regime de Protecção Social Convergente L 60/2005 de 29/12; DL 234/2005 de 30/12 posteriormente Lei de Bases L 4/2008 de 29/01Luís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  5. 5. 2007 LVCR RCTFP Lei 12-A / 2008 Lei 59/2008 27 de Fevereiro 11 de SetembroLuís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  6. 6. GESTÃO DA GESTÃO DESPESA COM PELA PESSOAL NEGOCIAÇÃO GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Paradoxalmente, o actual cenário de CRISE da dívida pública e a consequente necessidade de contenção da despesa, veio afectar a forma como as reformas na área da GRH podem ser concretizadas.Luís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  7. 7. Gestão das Pessoas vs Gestão da despesa com Pessoal GESTÃO DADESPESA COM PESSOAL Prémios de L 55-A/2010 desempenho Aumento acréscimo do n.º de PTs de trabalhadores + Alterações de Manutenção Posicionamento do n.º de PTs remuneratório (Obrigatórias e gestionárias) Redução Na prática a opção Trabalhadores que se do n.º de PTs gestionária exigida mantêm em funções pelo art. 7 da LVCR fica suspensa Luís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  8. 8. GESTÃO POR COMPETÊNCIASPassado Futuro Gestão por Gestão de Gestão do Produtos /serviços processos conhecimento Sistema de Gestão de Sistema de Gestão de Recursos Humanos Recursos Humanos com com base na função base na competência • Recrutamento e selecção • Avaliação de Descrição Portfólio e perfis desempenho de funções de Competências • Carreiras • Quadro / Mapa Luís Botelho • Formação http://comunidades.ina.pt/
  9. 9. Missão Objectivos estratégicos Plano de actividades – QUAR Desempenho organizacional SIADAP 1 Cessação Contratos por Recrutamento & selecção tempo determinado Mobilidade Mobilidade Especial Empregabilidade Emprego ≠ Aumentar Postos Trabalho Interna Disponível Existente (necessário) Diminuir Postos Trabalho H /MM H/ PT PT •Manter a estrutura geral de competências sempre actuais H/ /MM PT H PT PT •Garantir a disponibilização voluntária das capacidades HH/ /MM H /M PT PT •Garantir competências (saberes, técnicas, comportamentos) H/M PT para ocupar adequadamente os vários Postos de Trabalho ≠ Competências Competências Formação Existentes Necessárias Mobilidade Interna à organizaçãoLuís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  10. 10. Competências necessárias Competências indispensáveis Competências indispensáveisao Funcionamento do organismo. por serem próprias da Missão e não apenas úteis à realização de Maioritariamente são comuns a da organização, constituindo objectivos. Associadas à Visão e universos mais abrangentes a sua essência. ao desenvolvimento da Org. TransversaisCompetências Organizacionais Específicas Estratégicas Transversais Competências Unidade Orgânica Específicas Estratégicas Transversais Competências Posto de Trabalho Específicas Estratégicas Luís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  11. 11. Dados Informação Conhecimento Saber Contextualização Conversação Assimilação Significância Integração ManipulaçãoGestos Rotinas Experiências Técnica Caracterização Concretização Utilização Correcção Conexão ConsciencializaçãoTraços valores atitudes ComportamentoLuís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  12. 12. GESTÃOA ideia fundamental da alteração do regime de vinculação consistia na PELA NEGOCIAÇÃOpassagem da UNILATERALIDADE do acto de vinculação para o carácterBILATERAL do acto no regime de contratação,O novo quadro legal transportou para a vida organizacional um contínuo de situações de negociação: 1) Desde logo o momento da contratação… Para além da posição remuneratória (agora sem espaço negocial), não se afasta a possibilidade de outros factores serem igualmente negociados em clausulado próprio ao contrato 2) Enquanto se mantém a relação, o desempenho profissional Contratualiza-se o desempenho partindo da negociação de objectivos individuais, dos critérios de atingimento e superação, e das competências que serão objecto de maior atenção e avaliação. 3) E os Instrumentos de Regulação Colectiva do Trabalho cujo papel pode vir a ser determinante para a vida dos trabalhadores e para a GRH. Luís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  13. 13. + A: Quero e aproveito A: Quero … mas (a certeza de acabar) (Sistemática descon- Queremos! B: abandono logo que fiança na continuidade) Vamos ganhar possa. Dou o mínimo, B: Apenas enquanto ( Interesse de A ) porque obrigado não tiver alternativa A: Apenas enquanto Apenas enquanto A: Apenas enquanto não tiver alternativa não tivermos não tiver alternativa 0 B: abandono logo que alternativa. B: Quero … mas possa. Dou o mínimo. Dou para me manter (Sistemática descon- Continua-se???? em jogo fiança na continuidade) A: abandono logo que A: Quero e aproveito possa. Dou o mínimo. (a certeza de acabar) Não vamos a jogo! B: Apenas enquanto B: abandono logo que não tiver alternativa possa. Dou o mínimo, – Continua-se???? porque obrigado – 0 +Luís Botelho ( Interesse de B) http://comunidades.ina.pt/
  14. 14. A NEGOCIAÇÃO faz sentido na gestão, e no caso na Gestão de Recursos Humanos,quando conseguimos soluções do tipo “ Win-Win ”, ou seja, quando são integradasas divergências numa solução em que ambas as partes obtêm ganhos.A Pergunta:Temos competências e condições para NEGOCIAR? Gestão Privada Gestão Publica S Não Faço! S Faço!Há Lei que proíbe? Há Lei que permite? N Faço! N Não Faço! É fundamental para “negociar” alterar comportamentos de gestão Luís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  15. 15. 1) Desde logo o momento da contratação… Para além da posição remuneratória (agora sem espaço negocial), não se afasta a possibilidade de outros factores serem igualmente negociados em clausulado próprio ao contrato Na formulação do contrato, em especial após o OE 2011 (L 55-A/2010) quase nada pode ser negociado, tudo o que envolve acréscimo de despesa, está arredado Mas convenhamos que a GRH também não parece estar tecnicamente preparada para individualizar cláusulas contratuais, mesmo sem acréscimos de despesa, até porque não sentem definidos, seja pela lei ou pela prática, os limites e as margens de negociação Minutas DGAEP Negociar ou Aderir?Luís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  16. 16. 2) Enquanto se mantém a relação, o desempenho profissional Contratualiza-se o desempenho partindo da negociação de objectivos individuais, dos critérios de atingimento e superação, e das competências que serão objecto de maior atenção e avaliação. Lógica de “negociação” Interesse organizacionalAvaliador Maximizar o rendimento (resultados) Fomentar a integração Cultura de responsabilização Reforço do mérito Entre outras... Interesse (Expectativa) individual GRH O que sei fazer (capacidades) Papel deAvaliado O que quero fazer (motivações) Acompanhamento O que posso fazer (meios disponíveis) e dinamização Na Lógica de “construção de juízos” “negociar” apoios, acompanhamentos e registos “negociar” incremento da comunicação “negociar” formações e condições de desempenho Luís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  17. 17. 3) E os Instrumentos de Regulação Colectiva do Trabalho cujo papel pode vir a ser determinante para a vida dos trabalhadores e para a GRH.Com papel de destaque na Gestão Privada, a introdução deste “novo” instrumentopara a GRH, está a desvirtuar o paradigma de gerir pela negociação: Peso específico do Acordo produzido Gestão Privada – privilegia a identidade da empresa. Impõe-se por lei, como mais estruturante e vinculativo o Acordo de Empresa Gestão Pública – Privilegia o Acordo de Carreira (ou sector). Relega para o Acordo de Empresa Publica para confinar a algumas matérias residuais . Matérias reguláveis nos Acordos de Entidade de Emprego Público Cláusula 17ª do• Duração e organização do tempo de trabalho, excluindo suplementos remuneratórios; ACT 1/2009• Segurança, higiene e saúde no trabalho; Acordo Colectivo• Definição dos serviços mínimos durante a greve. das carreiras gerais) Luís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  18. 18. Descrédito do Acordo de Entidade de Emprego Público? Desde 2009, quando foi publicado o Acordo de Carreiras Gerais (28/Set) e o Acordo da Carreira Especial Médica, contabilizam-se 22 Acordos de Entidade de Emprego Público: 12 publicados em 2010 10 publicados em 2011.O Acordo de Sector particularmente minimalista, Quanto a pugnar por direitos e deveres, fica o registo(22 cláusulas) limitou-se a regular a actividade de intenções em torno de:administrativa: a) Frequência de acções de formação a todos os• duração do período experimental, trabalhadores e o dever de estes as frequentarem,• à duração e organização do tempo de trabalho, b) Maior dificuldade no impedimento de auto-formação,• às férias no ano da contratação, c) Obrigação de publicitar deliberações que digam• Teletrabalho respeito aos trabalhadores e,• actividade sindical. d) Incentivar a afirmação da autonomia, flexibilidade, capacidade, competitividade e criatividade do trabalhador; Matérias que efectivamente são de exclusiva abordagem do Acordo de Sector Luís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  19. 19. parcialOs Acordos de Empresa Publica: • Têm em média 17 cláusulas • das matérias passíveis de serem regulamentadas, apenas 2 abordam a “Segurança Higiene e Saúde no Trabalho” e 1 os “serviços mínimos” • Outros temas abordados Horários nas suas várias modalidades (por vezes distinguindo funcionamento e atendimento) Trabalho extraordinário e Trabalho a tempo parcial Trabalho em dias de descanso Intervalos de descanso, interrupções ocasionais, dispensas e tolerâncias Teletrabalho Pontualidade e Assiduidade Recompensa de desempenho (3) Divulgação do IRCT Princípio da maior favorabilidade (1) e participação dos trabalhadores Luís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  20. 20. parcialUma leitura mais preocupada do RCTFP, permitiria perceber outras matérias passíveis de regulação:Pode regular ausências interpoladas ao trabalho na Maternidade e Paternidade (art.º 34º, nº 7)Pode estabelecer indemnização em caso de despedimento ilícito de trabalhadora grávida puérpera ou lactante (art.º 42º, nº 8)Pode estabelecer medidas especiais de protecção a trabalhadores com capacidade reduzida e/ou doença crónica (art.º 44º, nº 3 e art.º 51º )Pode determinar deveres específicos dos trabalhadores (art.º 88º)Pode impor que determinadas matérias sejam matéria de regulamento interno (art.º115)Pode dispor sobre licenças sem remuneração (art.º 234º) É curioso que a tendência da gestão privada passa pela flexibilização, e consequente desregulamentação, levando a regulação para o tratamento casuístico das realidades através dos Acordos de Empresa . A Gestão Pública, por seu lado, insiste em espartilhos normativos generalistas, e revela-se incapaz de aproveitar integralmente o espaço de intervenção de um IRCT Luís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  21. 21. O desafio dos Gestores de Recursos Humanos, perante os constrangimentos actuais que “suspenderam” o percurso que se fazia sem o substituir por outro,e na impossibilidade de “intervir” e prepara a gestão da despesa com Pessoal,traduz-se no aprofundar dos mecanismos de intervenção técnica e de promoção deuma efectiva gestão de competências gerando cenários de desenvolvimento das pessoas e em consequência de melhores respostas dos serviços, e finalmente, num inevitável recurso à imaginação reinventando situações profissionais quesuperem e permitam criar ou retomar um espaço negocial indutor de mecanismos colaborativos e motivadores. Luís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  22. 22. BEM HAJA PELA ATENÇÃO! Luis.botelho@pj.ptLuís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  23. 23. QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA AUDIOCONFERÊNCIA Foi enviado um questionário de avaliação por email a todos os participantes! Agradecemos a sua colaboração!Luís Botelho http://comunidades.ina.pt/
  24. 24. OBRIGADO PELA SUA PARTICIPAÇÃO… Obrigado pela sua participação! Para sair da sessão, carregue sobre Exit:Luís Botelho http://comunidades.ina.pt/

×