3A vida em Cristo
 PRIMEIRA SEÇÃO      Para que estamos na Terra,   o que devemos fazer     e como nos ajuda o Espírito Santo de Deus
 PRIMEIRO CAPÍTULO             A dignidade do ser humanoESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIA          YC 291-298
291          Como pode uma pessoa distinguir se a sua açãoé                   boa ou má?O ser humano tem capacidade para d...
292         Pode uma pessoa fazer o mal         para que daí surja um bem?Não, não se deve fazer ou aceitaralgo mau para q...
293   Para que fim Deus nos deu as paixões?As paixões existem para sermos atraídos para o bem,mediante emoções fortes e se...
294          Uma pessoa é pecadora se sentir em si paixões                        fortes?Não, as paixões podem ser muitova...
295   O que é a consciência?A consciência é a voz            “Quando nos sentimosinterior do ser humano                  r...
296          Podemos forçar alguém         contra a sua consciência?Ninguém deve ser forçado a agir contra aprópria consci...
297      Pode uma pessoa formar a sua consciência?                       Sim, deve inclusivamente fazê-lo.                ...
298             É culpado, perante Deus, alguém que age de                   consciência errônea?Não. Quem faz um profundo...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIA

988 visualizações

Publicada em

Aula 02 do Youcat School, o tema é: Escolha, Paixões e Consciência.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
988
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
546
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIA

  1. 1. 3A vida em Cristo
  2. 2.  PRIMEIRA SEÇÃO  Para que estamos na Terra, o que devemos fazer e como nos ajuda o Espírito Santo de Deus
  3. 3.  PRIMEIRO CAPÍTULO   A dignidade do ser humanoESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIA YC 291-298
  4. 4. 291 Como pode uma pessoa distinguir se a sua açãoé boa ou má?O ser humano tem capacidade para distinguir as ações boasdas más, porque possui razão e consciência, que lhepermitem juízos claros. [1749-1754, 1757-1758]Existem algumas diretrizes que ajudam a distinguir as boas das más ações:1. Aquilo que faço deve ser bom; não basta uma boa intenção.2. Mesmo que aquilo que eu faço seja realmente bom, a má intenção comque o faço torna má toda ação.3. As circunstâncias em que uma pessoa atua podem diminuir aresponsabilidade, embora não mudem em nada o bom ou mau caráterdessa ação.
  5. 5. 292 Pode uma pessoa fazer o mal para que daí surja um bem?Não, não se deve fazer ou aceitaralgo mau para que daí surja algo “Se uma pessoabom. Muitas vezes, porém, temos de desejaraceitar um mal menor, para impedir verdadeiramenteum maior. [1755-1756, 1759-1761] o bem, tem de querer fazer ouOs fins não justificam os meios. Não é sofrer tudo pelocorreto praticar adultério para bem.” (Sören Kierkegaard)estabilizar o casamento.
  6. 6. 293 Para que fim Deus nos deu as paixões?As paixões existem para sermos atraídos para o bem,mediante emoções fortes e sensibilidade clara para o que écorreto, e para sermos repelidos do que é mau e perverso.[1762-1766, 1771-1772]Deus fez o ser humano com capacidade para amar e odiar,desejar ou desprezar, ser atraído por certas coisas e termedo de outras, estar cheio de alegria, de tristeza ou decólera.
  7. 7. 294 Uma pessoa é pecadora se sentir em si paixões fortes?Não, as paixões podem ser muitovaliosas. Só por causa de uma máorientação é que servem o mal aspaixões que foram pensadas parauma poderosa realização do bem.[1767-1770, 1773-1775]As paixões que foram orientadas para o bemtornam-se virtudes. Elas tornam-se, então,carburante para uma vida de luta pelo bem epela justiça. As paixões que dominam o serhumano, lhe roubam a liberdade e odesencaminham para o mal chamam-se vícios.
  8. 8. 295 O que é a consciência?A consciência é a voz “Quando nos sentimosinterior do ser humano responsáveis,que incondicionalmente o envergonhados e assustados por um delitomove a procurar o bem e contra a voz daa evitar o mal. É também consciência, isso implicaa capacidade de distinguir que há Alguém perante ouma coisa da outra. Deus qual somos responsáveis efala ao ser humano pela envergonhados, e por cujasconsciência. [1776-1779] pretensões acerca de nós temos respeito.” (Beato John Henry Newman)
  9. 9. 296 Podemos forçar alguém contra a sua consciência?Ninguém deve ser forçado a agir contra aprópria consciência, enquanto a sua açãose desenrolar dentro dos limites do BEMCOMUM. [1780-1782, 1798]Quem passa por cima da consciência de uma pessoa,ignorando-a e exercendo pressão sobre ela, fere a suadignidade. De fato, quase nada faz uma pessoa maishumana que o dom de poder sozinha distinguir eescolher o bem e o mal. Isso vale até quando a decisãoé claramente má. Quando uma consciência está bemformada, a voz interior fala um uníssono com aquiloque, perante Deus, é razoável, justo e bom.
  10. 10. 297 Pode uma pessoa formar a sua consciência? Sim, deve inclusivamente fazê-lo. A consciência, inata a todo ser “Violentar a humano, dotado de razão, podeconsciência humana significa ferí-la ser mal orientada e anestesiada. profundamente, Deve ser por isso formada, a fim desferir o mais de se tornar um instrumento cadadoloroso golpe à suadignidade. Em certa vez mais fino de compartamentomedida é mais grave reto. [1783-1788, 1799-1800] que matá-la. Beato Jõao XXIII
  11. 11. 298 É culpado, perante Deus, alguém que age de consciência errônea?Não. Quem faz um profundo exame de si e formula umjuízo seguro deve seguir a sua voz interior em qualquercircunstância, mesmo que corra o risco de fazer algoerrado. [1790-1794, 1801-1802]Deus não nos culpa pela desgraça que trazemos ao mundo se anossa consciência estiver invencivelmente errônea. Embora, emúltima análise, se deva seguir sempre a própria consciência, deveter-se, todavia, bem claro diante dos olhos que, apelandoabusivamente à suposta consciência errônea, já se cometeramfalsificações, assassinatos, torturas e fraudes.

×