Histórico dos conceitos: medicina complementar e integrativa

5.729 visualizações

Publicada em

Curso Gestão de Práticas Integrativas e Complementares - Histórico dos conceitos: medicina tradicional, alternativa, complementar e integrativa

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.729
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.208
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
118
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Histórico dos conceitos: medicina complementar e integrativa

  1. 1. HISTÓRICO DOS CONCEITOS Medicina Tradicional, Alternativa, Complementar e Integrativa CURSO INTRODUTÓRIO EM PRÁTICAS CORPORAIS E MENTAIS DA MTC
  2. 2. Objetivo Apresentar histórico e o contexto em que foram criados os conceitos de Medicina Tradicional, Medicina Alternativa, Medicina/Prática Complementar e Medicina/Prática Integrativa.
  3. 3. MT – Medicinas Tradicionais Definição “É a soma total do conhecimento, habilidades e práticas baseadas nas teorias, crenças e experiências de diferentes culturas, explicáveis ou não, e usadas na manutenção da saúde, bem como na prevenção, diagnóstico,​​ tratamento ou melhoria de doenças físicas e mentais”. (WHO, 2000)
  4. 4. ● Abrange uma ampla variedade de terapias e práticas que variam de país para país e de região para região. • Inclui uma diversidade de práticas de saúde, abordagens, conhecimentos e crenças que incorporam plantas, animais e/ou medicamentos à base de minerais; terapias espirituais, técnicas manuais e exercícios, aplicados isoladamente ou em combinação para manter o bem-estar, bem como para tratar, diagnosticar ou prevenir doenças. (WHO, 2001) MT – Medicinas Tradicionais
  5. 5. ● Conhecimento médico tradicional pode ser transmitido oralmente de geração em geração, em alguns casos com famílias especializadas em tratamentos específicos, ou pode ser ensinado nas universidades oficialmente reconhecidas (WHO, 2001) MT – Medicinas Tradicionais
  6. 6. ● Tem sido usado por milhares de anos, com excelentes contribuições realizadas por profissionais para a saúde humana. ● Às vezes, a sua prática é bastante restrita geograficamente e também pode ser encontrada em diversas regiões do mundo. No entanto, na maioria dos casos, um sistema médico é chamado de "tradicional", quando é praticado no país de origem (WHO, 2001). MT – Medicinas Tradicionais
  7. 7. • Tem uma longa história associadas ao empirismo. • Frente aos eventos de agravamento do processo saúde-doença e acidentes foram sendo testadas diferentes formas de cuidado. • No processo de diferenciação social pelo trabalho foram sendo identificados nas comunidades os membros com maior habilidade, conhecimento ou dom, de observar o processode de adoecimento e de buscar o tratamento e a cura dentro de suas condições de conhecimento e prática. MT – Medicinas Tradicionais
  8. 8. DEFINIÇÃO “Nos países onde o sistema de saúde dominante é baseado na medicina alopática ou onde a Medicina Tradicional não foi incorporada no sistema de saúde nacional, muitas vezes estas Medicinas são chamadas de ‘alternativa’” (WHO, 2002) “Medicina Alternativa" refere-se ao uso de uma abordagem não-convencional, tradicional ou não, no lugar da medicina convencional (NCCAM, 2013). MT – Medicinas Tradicionais
  9. 9. Contexto Na sociedade contemporânea a Medicina Alternativa está associada ao contexto social do movimento de Contracultura da década de 1960 e 1970. “Uma contracultura é uma teoria viva e palpitante, uma especulação a respeito da fase seguinte da sociedade”. (Ferguson,1995:194) MT – Medicinas Tradicionais
  10. 10. Período de Guerra Fria e polarização dos valores, crenças, práticas sociais etc.; CAPITALISMO SOCIALISMO MT – Medicinas Tradicionais
  11. 11. Mediação das conjunções “ou...ou” e do verbo “ser”, de forma que um profissional apenas poderia “ser isso ou aquilo”; ISSO - ALOPATA AQUILO - ALTERNATIVO MT – Medicinas Tradicionais
  12. 12. Reestruturação das disputas no interior do campo da saúde: “CURANDEIRO” MÉDICO MT – Medicinas Tradicionais
  13. 13. Reestruturação das disputas no interior do campo da saúde: MÉDICO NÃO- CONVENCIONAL MÉDICO CONVENCIONAL MT – Medicinas Tradicionais
  14. 14. Reestruturação das disputas no interior do campo da saúde: “CETICISMO DESINFORMADO” “ENTUSIASMO SEM CRÍTICA” MT – Medicinas Tradicionais
  15. 15. MC – Medicina Complementar Definição “Medicina Complementar" geralmente refere-se ao uso de uma abordagem não-convencional em conjunto com a medicina convencional”. (NCCAM, 2013)
  16. 16. Contexto 28 novembro - 2 dezembro de 1977 - Reunião da OMS sobre a“Promoção e Desenvolvimento da Medicina Tradicional”, após Assembleia Mundial da Saúde em 1977. Objetivos Reunir especialistas dos principais sistemas de MT para trabalhar em conjunto e sugerir um plano de ação para promovê-la e desenvolvê-la MC – Medicina Complementar
  17. 17. Produzir sugestões sobre: ● as orientações políticas para o fornecimento de materiais e técnicas das MT; ● colaboração entre os diferentes sistemas de cuidados de saúde; desenvolvimento de recursos humanos de MT; ● Organização dos serviços de saúde de MT; ● Desenvolvimento futuro da MT e sua utilização, particularmente nos serviços de saúde nacionais e investigação relevante (WHO, 1977).
  18. 18. Contexto 06-12 de setembro de 1978 - Conferência Internacional sobre Atenção Primária de Saúde. Alma-Ata (URSS) Objetivo: • “se prestará atención al desarollo de nuevas categorias de agentes de salud, a la participación y reorientación, en la medida de lo necesario, de las personas que ejercen la medicina tradicional y de las posturas tradicionales cuando existan” (OMS, 1981: 70) Para alcançar “Saúde para todos no Ano 2000”, deve-se privilegiar: – os modelos de medicina tradicional e seus agentes; – o uso de tecnologias mais baratas e simplificadas, porém com o critério de eficiência, eficácia e efetividade; – o desenvolvimento individual da responsabilidade pela saúde; – o tratamento deste indivíduo como sujeito que recebe a atenção; – um modelo de prática médica, mediado por uma nova racionalidade. MC – Medicina Complementar
  19. 19. – Contexto 9 de novembro de 1989 – “Queda do muro”: começou a ser derrubado o Muro de Berlim depois de 28 anos de existência. Consequências: • período de fim da polarização de modelos políticos, econômicos, de valores, de práticas sociais ,etc.; • Globalização e construção de uma “aldeia global”, com rápida redefinição de fronteiras materiais e de crenças de sociedades externas nas organizações locais. MC – Medicina Complementar
  20. 20. Mediação das conjunções “e...e” e do verbo “ter”, de forma que um profissional possa “ter essa competência e aquela” MC – Medicina Complementar
  21. 21. MC – Medicina Complementar Identificação de diferentes tipos de prática profissional no campo da saúde Tipos Formação Uso de Tecnologia Prática da Diagnose Prática da Terapêutica PURO Medicina Ocidental Contemporânea Prática é mediada pelo uso de tecnologias (duras) Anamnese e semiologia com a mediação da tecnologia Centrada na doença com alguma preocupação preventiva CONVERTID O Formação inicial em Medicina Ocidental Contemporânea e atuando exclusivamente com outro sistema médico Prática com a menor interferência tecnológica possível Anamnese e semiologia centrados na pessoa e não na doença Centrada no doente e no auxílio para o auto-conhecimento HÍBRIDO Formado na Medicina Ocidental Contemporânea e complementando sua prática com outros sistemas médicos Prática orientada por terapêutica com menor uso de tecnologia, tomadas em sua função complementar Anamnese e semiologia centrados na pessoa e com uso restrito de tecnologia Centrada no doente e no auxílio para o auto-conhecimento
  22. 22. Princípios que a definem: • não rejeita a medicina convencional nem aceita acriticamente terapias alternativas; • boa medicina é baseada em boa ciência, orientada para a investigação de novos paradigmas; • juntamente com o conceito de tratamento, os conceitos mais amplos de promoção da saúde e prevenção da doença são fundamentais; • praticantes da medicina integrativa devem adotar os seus princípios e se comprometerem à autoreflexão, ao autodesenvolvimento e ao autocuidado (Weil, 2013). MI – Medicina Integrativa
  23. 23. Contexto Práticas Integrativas e o conceito de Ambivalência AMBIVALÊNCI A MI – Medicina Integrativa
  24. 24. Práticas Integrativas e o conceito de Ambivalência Mesmo apontando ora um, ora outro, dos polos do par de opostos, o foco é o processo como “terceiro espaço” de enunciações, que acompanha a “assimilação de contrários” e pressagia a formação de uma cultura interacional. Deve-se lembrar que o “inter” é o fio cortante da tradução e da negociação, o entre-lugar, o terceiro espaço, que permite evitar a política da polaridade e emergir como os outros de nós mesmos. (Bhabha; 2003.) MI – Medicina Integrativa
  25. 25. MI – Medicina Integrativa Práticas Integrativas como Ambivalência • Nova dimensão epistemológica: elege o processo como produtor de conhecimento • Nova dimensão ontológica: produz novas atores sociais e novos conhecimentos • Nova dimensão sócio-antropológica: atores sociais portadores de identidades ambivalentes são identificados como importantes produtores de conhecimento
  26. 26. Referências World Health Organization. General Guidelines for Methodologies on Research and Evaluation of Traditional Medicine. Geneva; 2000 World Health Organization. Legal Status of Traditional Medicine and Complementary/Alternative Medicine: a Worldwide Review. Geneva; 2001 World Health Organization. WHO Traditional Medicine Strategy 2002–2005. Geneva; 2002 World Health Organization. The promotion and development of Traditional Medicine. Geneva; 1978 OMS. Conferência Internacional sobre Atención Primaria de Salud. Alma-Ata (URSS), 06-12 de septiembre de 1978.
  27. 27. National Center for Complementary and Alternative Medicine (NCCAM), http://nccam.nih.gov/ Bivins, R. (2007). Alternative Medicine? A History. Oxford University Press. ISBN 9780199218875. ROZAK, T. A Contracultura - Reflexões sobre a sociedade tecnocrática e a oposição juvenil. 2° ed. Petrópolis/ RJ; Vozes; 1972. OTANI, Márcia Aparecida Padovan and BARROS, Nelson Filice de. A Medicina Integrativa e a construção de um novo modelo na saúde. Ciênc. saúde coletiva[online]. 2011, vol.16, n.3, pp. 1801-1811 Bhabha, Homi K. O local da cultura. Belo horizonte: Ed. UFMG; 2003.) Referências
  28. 28. Weil, A. 2013. http://integrativemedicine.arizona.edu/about/definition.html Open University. Issues in complementary and alternative medicine. Disponível em: http://www.open.edu/openlearn/health-sports-psychology/health/health-studies/issues-complement Referências

×