Apresentação ma 6

1.350 visualizações

Publicada em

Esta apresentação de slides foi desenvolvida para o Curso Introdutório em Práticas Integrativas e Complementares: Antroposofia Aplicada à Saúde. Acesse: https://cursos.atencaobasica.org.br/courses/16682
Material produzido pelo Ministério da Saúde (Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares) e Instituto Communitas.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.350
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
799
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação ma 6

  1. 1. CURSO INTRODUTÓRIO EM PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES: ANTROPOSOFIA APLICADA À SAÚDE Princípios gerais e passo a passo da abordagem médica antroposófica Ricardo Ghelman
  2. 2. Podemos atender a um paciente de três formas: 1. Centrado na doença 2. Centrado no paciente 3. Centrado na relação entre o indivíduo e a doença – a pessoa como centro do cuidado
  3. 3. 1. Centrado na doença (modelo convencional) Em um paciente em crise de asma, uma abordagem centrada na doença levaria a um diagnóstico e o tratamento respectivo: •Edema brônquico – justifica anti-inflamatório hormonal •Secreção – justifica anti-inflamatório hormonal •Broncoespasmo – justifica estímulo beta- adrenérgico com agente simpaticomimético
  4. 4. 2. Centrado no paciente (modelo alternativo) Nessa abordagem, um paciente de 40 anos tenso que acabou de receber uma notícia difícil do trabalho, ou seja, que existe risco de ser demitido, e entrou em broncoespasmo agudo •justifica tratamento baseado em processo de relaxamento e fortalecimento da resiliência.
  5. 5. 3. Centrado na relação entre o indivíduo e a doença (modelo integrativo) Um paciente alérgico com história pregressa de rinite e asma, recebeu uma notícia difícil do trabalho, sua resiliência não estava boa e entrou em crise de broncoespasmo •justifica integrar tanto a abordagem do controle da crise asmática com medicamentos antroposóficos aliados aos da biomedicina (anti-inflamatórios e simpaticomiméticos) além do apoio ao paciente individual em seu momento biográfico, com relaxamento e aumento da resiliência.
  6. 6. Antroposofia aplicada à saúde como Sistema Médico Complexo ou Racionalidade Médica de abordagem integrativa • Doutrina médica • Sistema diagnóstico • Sistema terapêutico – cuidado integral em saúde • Morfologia • Fisiologia Luz M, 2006
  7. 7. Doutrina Médica da ANTROPOSOFIA • Desenvolve uma abordagem unificada da fisiologia, fisiopatologia e terapêutica baseado na ideia de sistemas e organizações. • A Metodologia científica antroposófica ou Fenomenologia de Goethe é uma proposta de integração entre Ciência e Arte baseada na observação exata, aplicada no estudo de pacientes e da terapêutica.
  8. 8. Doutrina Médica da ANTROPOSOFIA • Esta metodologia parte da descrição da realidade percebida e se aprofunda através da intencionalidade no estudo das relações e do desenvolvimento dos fenômenos em direção à percepção da totalidade, buscando uma aproximação tanto com o ‘arquétipo’ do paciente, como da doença como da terapêutica. • O profissional de saúde antroposófico se empenha junto ao paciente e à família em perceber o significado da doença, na visão do desenvolvimento noo-psico-somático (noética = dimensão espiritual humana`) sobre o pano de fundo do estudo racional de sua biografia.
  9. 9. Doutrina Médica Constituição humana geral Os constituintes do Ser Humano são o Corpo ou Soma, a Alma ou Psique e a Individualidade ou Espírito. O Corpo é compreendido por uma Morfologia e Fisiologia ordenadas por quatro organizações ou campos de forças que se comportam em três sistemas. A Psique compreende a organização das vontades, sentimentos e pensamentos em interação psicossomática com estes três sistemas. A Individualidade (ou pyrus, noo) é a essência humana que gera autoconsciência na psique e identidade imunológica no corpo. O processo de cura corresponde ao reequilíbrio destes sistemas de forças.
  10. 10. Doutrina Médica Constituição humana geral Estes três constituintes se desenvolvem ao longo da biografia, de forma tríplice, dos 0 as 21 anos o maior desenvolvimento é corporal, dos 21 aos 42 anos o maior desenvolvimento é psicológico e dos 42 em diante, o maior desenvolvimento é espiritual. O Corpo também é compreendido de forma sistêmica pela sua natureza tríplice em três sistemas orgânicos funcionais: sistema neuro-sensorial (SNS); sistema rítmico (SR); e sistema metabólico-motor (SMM).
  11. 11. Os três sistemas orgânicos funcionais • SISTEMA NEURO-SENSORIAL (SNS) – associado ao ectoderma • SISTEMA RÍTMICO (SR) – associado ao mesoderma • SISTEMA METABÓLICO – MOTOR (SMM) – associado ao endoderma SNS SR SMM
  12. 12. Doutrina médica: organizações Quanto à organização quádrupla estamos falando de sistemas dinâmicos. As quatro organizações são Organização Física (OF), Organização Vital (OV), Organização Anímica (OA) e Organização do Eu (OE). A OF é avaliada através do peso (quantitativo e qualitativo), pela tendência a mineralização, rigidez e edema. No aspecto psíquico é investigada pelo grau de melancolia (peso d’alma), rigidez, dureza mental e cristalização de ideias fixas. A OV é avaliada pelas formas convexas (formas infantis), pela leveza, pela capacidade de regeneração e crescimento, pelo turgor úmido e maciez da pele, pela falta de cansaço e fácil recuperação. Psiquicamente pela boa memória, pela profundidade do sono, pelo temperamento fleumático e pela adaptabilidade.
  13. 13. Doutrina médica: organizações A OA é avaliada pelo tônus muscular, motricidade, sensibilidade, agilidade, distribuição da gordura e sua absorção, sensibilidade gástrica, pressão arterial, frequência cardíaca e respiratória e pela distribuição de gases. Psiquicamente pela irritabilidade, ansiedade, atenção, vigília, animação, dispersão e temperamento sanguíneo. A OE é avaliada pelo equilíbrio, postura, capacidade de manter a temperatura, olhar presente e imunocompetência. Psiquicamente pela capacidade de concentração, pela ‘presença de espírito’, pela determinação e atuação, pelo temperamento colérico e pela coerência. Estas manifestações se traduzem como Resiliência, auto- regulação, Salutogênese - termos que expressam a atuação da Individualidade.
  14. 14. Doutrina médica: organizações O desenvolvimento das quatro organizações de forças como quatro partos. Estes partos nos primeiros 21 anos de vida, criam as condições para o amadurecimento das quatro organizações de forças que organizam nosso corpo humano. Parto Físico (parto normal ou cesariana): acontece na Maternidade ou em casa, quando a criança se separa fisicamente da mãe. Parto da Vitalidade ou Vegetativo (Mielinização): Ao final da primeira infância ocorre um segundo parto, quando termina um ciclo de 7 anos (setênio) ocorre a troca dos dentes, o fim da mielinização (bainha de gordura termina de envolver os neurônios), o fim da produção de células de gordura e o pulmão amadurece. Durante esta passagem para a segunda infância, quando a criança passa de um nível de consciência de fantasia para um mais racional, existe muito maior consciência do mundo e muitas perguntas que surgem.
  15. 15. Doutrina médica: organizações Parto Anímico ou Animal (homonal): O terceiro parto é bem visível, pois aquela criança começa a transformar seu corpo dos 10 aos 14 anos, surge uma vida animal intensa chamada Puberdade quando nascem pelos, mudam de comportamento para uma vida solitária ou em bandos e aumenta muito a consciência dos sentimentos próprios. Parto da Maioridade: O quarto e último parto acontecem por volta dos 21 anos e é um Parto do Eu, quando surgem perguntas de identidade como Quem Sou Eu? Qual minha Vontade? Qual o Sentido da Vida ?
  16. 16. Doutrina Médica - Microcosmos Para a organização vinculadas aos arquétipos clássicos dos sete planetas e da mitologia grega, adotamos uma Tipologia que caracteriza psiquicamente cada um destes arquétipos como traços de personalidade. Os tipos 1, 2 e 3 estão associados aos arquétipos - Lua, Mercúrio e Vênus, respectivamente, se organizam a cada setênio do nascimento aos 21 anos de idade e são tipos tipicamente femininos. Os tipos 5, 6 e 7 estão associados aos arquétipos Marte, Júpiter e Saturno, respectivamente, se organizam a cada setênio dos 42 anos aos 63 anos de idade e são tipos tipicamente masculinos. O tipo 4 solar, de natureza integrada e não sexual, se desenvolve entre 21 e 42 anos de idade e corresponde ao equilíbrio entre os 6 tipos complementares.
  17. 17. Doutrina Médica - Microcosmos Nossa tipologia denomina os aspectos psíquicos destes sete tipos como: Tipo 1: Cuidador(a)/ Maternal Tipo 2: Comunicativo(a)/Sociável Tipo 3: Sensual/Estético(a) Tipo 4: Altruísta/Cordial Tipo 5: Empreendedor(a)/Executivo(a) Tipo 6: Estratégico(a)/Organizador(a) Tipo 7: Disciplinado(a)/Rígido(a)/Formal
  18. 18. Morfologia antroposófica I TRIMEMBRAÇÃO: SISTEMA NEURO-SENSORIAL (SNS) - SISTEMA RÍTMICO (SR) - SISTEMA METABÓLICO – MOTOR (SMM) O SNS está mais vinculado à epiderme, cabeça e pescoço, músculos estriados esqueléticos, sistema nervoso somático, sistema nervoso autônomo simpático, órgãos dos sentidos, tireoide, sistema arterial e as plaquetas. Possui como características um centro cranial, mineralização periférica nos ossos chatos, simetria lateral, baixa capacidade regenerativa, tendência a imobilidade, permite sensação, percepção e consciência, ação catabolizante, configurante, ordenador e promotor de frio corporal. O SR está mais vinculado à derme, tórax e mamas, o aparelho cardiovascular, o aparelho respiratório, a série vermelha do sangue e o sistema linfático. Seu papel é conciliador, harmonizador, curador e integrador. 18
  19. 19. Morfologia antroposófica I TRIMEMBRAÇÃO: SISTEMA NEURO-SENSORIAL (SNS) - SISTEMA RÍTMICO (SR) - SISTEMA METABÓLICO – MOTOR (SMM) O SMM tem está mais vinculado a hipoderme, musculatura lisa, o aparelho digestório e seus anexos, sistema nervoso autônomo parassimpático, o sistema locomotor, o sistema endócrino-metabólico (exceto tireóide), o aparelho geniturinário, sistema venoso, o sistema reticuloendotelial e a série branca sanguínea. Possui as seguintes características: centro caudal, mineralização central nos ossos longos tubulares, assimetria e forma espiral, enorme capacidade regenerativa, não permite sensação, percepção e consciência, ação anabolizante, tendência ao movimento, sentido centrífugo, dissolvente e gerador de calor. 19
  20. 20. Morfologia antroposófica II QUADRIMEMBRAÇÃO: Entendemos que cada uma destas quatro organizações se manifesta, respectivamente, como quatro lemniscatas verticais (forma do infinito, do número 8), que se relacionam diretamente com os três sistemas orgânicos e psíquicos. Os órgãos e tecidos da OF (órgãos terra) são os órgãos sensoriais, ossos (tecidos mineralizados) e pulmão. A OV (órgãos água) está presente no figado, músculos (não placa motora), medula óssea, mucosas digestivas e folículos pilosos (vulneráveis à quimioterapia). A OA (órgãos ar) se manifesta nos órgãos gordurosos (SNC, sistema urogenital), órgãos musculares e/ou ácidos, aerados, catabolizantes ou anabolizantes (estômago, boca, tireóide, adrenais, hipófise, etc). A OE (órgãos fogo) está vinculada a pineal (centro do SNS), ao coração (centro do SR) e baço, pâncreas (centro do SM), além do figado e medula óssea. Os quatro órgãos cardinais são pulmão (terra), fígado (água), rins (ar) e coração (fogo). 20
  21. 21. Morfologia antroposófica III HEPTAMEMBRAÇÃO: esta tipologia está relacionada aos sete arquétipos planetários e aos seus metais associados Tipo 1 (Argentum): Lua Tipo 2 (Mercurius): Mercúrio Tipo 3 (Cuprum): Vênus Tipo 4 (Aurum): Sol Tipo 5 (Ferrum): Marte Tipo 6 (Stannum): Jupiter Tipo 7 (Plumbum): Saturno 21
  22. 22. Morfologia antroposófica III Os sete biotipos estão também vinculados aos órgãos da seguinte maneira: • o tipo 1 ao SNC, órgãos dos sentidos e gônadas; • o tipo 2 ao pulmão, intestino e pâncreas; • o tipo 3 aos rins, adrenais e veias; • o tipo 4 ao coração; • o tipo 5 a vesícula biliar, tireóide, placa motora e artérias; • o tipo 6 ao fígado anabólico, hipófise e articulações; • o tipo 7 ao baço, ao sistema imune, pineal e ossos. 22
  23. 23. Quatro lemniscatas verticais justapostas criam uma imagem integrada cuja porção superior se relaciona com o SNS, a região inferior com o SMM e o centro com o SR: • OF - lemniscata esquelética de natureza mineral cristalizada – ponto de cruzamento na caixa torácica, especificamente na sexta vertebra torácica (T6). • OV - lemniscata muscular de natureza fluida (80% de água) - ponto de cruzamento no final da inserção do músculo trapéziona na altura de T6. • OA - lemniscata nervosa de natureza lipídica – decussação das pirâmides, no bulbo encefálico na região cervical. • OE - lemniscata circulatória de natureza calórica – coração na altura deT6.
  24. 24. = Organização do Eu = Organização Anímica (animal) = Organização Vital (vegetal, vegetativa) = Morfologia e matéria viva, animada e individualizada
  25. 25. Fisiologia antroposófica I Existe uma Lei da Polaridade entre os sistemas opostos SNS e SMM. O SNS tem seu centro no pólo cefálico e o SMM tem seu centro no pólo abdominal. O Sistema Rítmico promove uma equilíbrio dinâmico entre os polos. O SNS está associado a geração dos processos crônico-degenerativos, em geral associado a um processo inflamatório crônico que evolui para esclerose. Fica mais ativo após os 42 anos de idade. O SMM está envolvido na gênese da inflamação aguda e predomina sua atividade até os 21 anos.
  26. 26. Fisiologia antroposófica I O SR, que predomina sua ação harmoniosa entre os 21 e 42 anos de idade é promotor de homeostase e saúde. Na inflamação aguda existe uma “intensificação” das 4 organizações no corpo humano, que se manifestam nos quatro sinais inflamatórios respectivamente: rubor, edema, dor e calor. Na menstruação ocorre afastamento da OE - localmente com perda de relação com o sangue que cai na gravidade, hipotermia, baixa de imunidade, perda do “centramento e espaço aberto para outro Eu” (filho). Na ovulação, ao contrário, existe um pico de aumento de temperatura e, maior “centramento” revelando maior atividade da OE.
  27. 27. | 31,5 - | 21 | 42 | 14 | 7 | 0 | 49 | 56 | 63 Saúde Quente Frio Sistema Metabólico- motor Sistema Neuro - SensorialSistema Rítmico Doenças infecto-contagiosas Doenças crônico-degenerativas P.ex. Doenças cardiovasculares e Câncer P.ex. Doenças respiratórias agudas e doenças perinatais Patologia e Biografia
  28. 28. Fisiologia antroposófica II Do ponto de vista orgânico a tipologia da heptamembração (sete arquétipos planetários) procura caracterizar os processos patológicos em seis padrões, além do padrão de equilíbrio (Tipo 4) e mencionamos os metais associados aos arquétipos para auxiliar o raciocínio terapêutico. Tipo 1 (Argentum): tipo juvenil, brevilíneo e anabolismo; edema, tumores; Tipo 2 (Mercurius): fluxo, movimento, inflamação aguda e absorção; Tipo 3 (Cuprum): calor, circulação e redução de tônus; Tipo 4 (Aurum): saudável e radiante; Tipo 5 (Ferrum): intensidade de atuação e função, secreção, voz, aumento de tônus; Tipo 6 (Stannum): deformações, condições amorfas, cistos, nódulos e fibroses; Tipo 7 (Plumbum): tipo longilíneo, catabolismo, calcificações, atrofias, esclerose e envelhecimento precoce.
  29. 29. Fisiologia antroposófica II Podemos relacionar os tipos 1, 2 e 3, de uma forma geral, com os processos inflamatórios agudos e com o SMM. De forma análoga podemos relacionar os tipos 5, 6 e 7 aos processos crônico-degenerativos e ao SNS, assim como relacionar o tipo 4 à saúde.
  30. 30. Fisiologia antroposófica III Existem 12 sentidos, em três grupos de quatro sentidos, que estão vinculados, respectivamente as dimensões corporal, psíquica e espiritual: •Percepção dos fenômenos corporais: tato, orgânico ou vida, movimento, equilíbrio; •Percepção dos fenômenos naturais e psíquicos: olfato, paladar, visão, sentido térmico; •Percepção dos fenômenos culturais e espirituais: audição, linguagem, pensamento, Eu do outro.
  31. 31. Sistema Diagnóstico antroposófico No sentido de objetivar o diagnóstico em Antroposofia, buscamos atingir com clareza o diagnóstico do: Sistema Tríplice (dos três sistemas ou Trimembração), Sistema Quádruplo (das quatro organizações, quatro corpos, ou Quadrimembração), Sistema Héptuplo (das sete tipologias relacionadas aos arquétipos dos sete planetas tradicionais) e, Biografia humana. Para alcançar este amplo diagnóstico utilizamos basicamente uma Anamnese e exame físico completo, subsidiado por Exames complementares laboratoriais e de imagem. Na anamnese valorizamos e organizamos a coleta de dados biográficos e patologias por setênios (a cada 7 anos).
  32. 32. Sistema Diagnóstico antroposófico Sempre levamos em conta não apenas a morfologia associada aos três sistemas orgânicos, mas, sobretudo a fisiopatologia subjacente ao SMM, ou seja, a inflamação aguda, e ao SNS, ou seja, o processo crônico-degenerativo. Para avaliar as atividades psíquicas vinculadas aos três sistemas orgânicos, ou seja, Pensamento, Sentimento e Vontade, respectivamente utilizamos adicionalmente critérios vinculados ao estilo de vida e padrões de comportamento.
  33. 33. Sistema Terapêutico antroposófico A terapêutica oferecida pela Medicina Antroposófica, coerente com a visão tríplice do ser humano, deve abranger a individualidade, a psique e o corpo e para isso se faz necessário um trabalho conjunto de uma equipe multiprofissional orientada pela Antroposofia, geralmente coordenada pelo médico.
  34. 34. Sistema Terapêutico antroposófico Ao nível da individualidade o médico ou o psicólogo busca despertar a consciência do sentido da doença na biografia do paciente, a fim de fortalecer a autoconsciência e a reestruturação biográfica. No âmbito psíquico se desenvolve, principalmente, um trabalho com a psicologia antroposófica e a terapia artística. A arte, desde a escultura em pedra, desenho, pintura até o canto, atinge diretamente, embora em níveis diferentes, a alma humana. O corpo humano, no sentido mais amplo, é cuidado através de medicamentos, além de uma série de atividades terapêuticas como nutrição antroposófica, massagem rítmica, euritmia, quirofonética, reorganização neurofuncional, odontologia antroposófica, enfermagem antroposófica.
  35. 35. Sistema Terapêutico antroposófico Assim a Terapêutica Antroposófica possui uma abordagem transdisciplinar com equipe de saúde que acessam o paciente por umas das portas de entrada: • Área da Individualidade: Aconselhamento Biográfico • Área Psíquica: Psicoterapia antroposófica e Terapia Artística • Área Somática: Medicina e Farmácia antroposófica; Enfermagem, Nutrição, Odontologia, Fisioterapia, Fonoaudiologia; Terapias: Massagem Rítmica, Euritmia, Quirofonética, Educação terapêutica e Extra-lesson
  36. 36. Sistema Terapêutico não- medicamentoso a) Terapias externas: escalda-pés; enfaixamentos; compressas e emplastros à base de chás, óleos e pomadas fitoterápicas b) Banhos terapêuticos: são realizados com a diluição de óleos à base de plantas medicinais na água da imersão c) Massagem rítmica: é inspirada na massagem sueca e, por intermédio de toques específicos (deslizamentos superficiais, amassamento e malaxação, duplos círculos e lemniscatas), atuando sobre as frações sólida, aquosa, gasosa e calórica do organismo permite seu reequilíbrio
  37. 37. Sistema Terapêutico não- medicamentoso d) Nutrição: orientação segundo os princípios da Antroposofia após avaliação diagnóstica nutricional. e) Terapia artística: envolve atividades individuais e em grupo: •no âmbito da forma (desenho, modelagem com argila e escultura) •no âmbito da cor (pintura em aquarela) •e do som e movimento (musicoterapia, cantoterapia e euritmia) f) Aconselhamento Biográfico: terapia breve biográfica em pacientes adultos com capacidade reflexiva fora de crises, preferencialmente em grupo, de caráter higiênico e preventivo. Ritmo dos setênios.
  38. 38. Ghelman R, Yaari M, Hosomi JK, Venutto A, Pravatto MJr, Costa Livia, Facina A, Bovino J, Morais MM, Nakamura MU. “Ficha Clínica Antroposófica do Núcleo de Medicina Antroposófica da Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina.” Arte Medica Ampliada 2012; 32(1): 12-21. Abordagem antroposófica através de um caso clínico em ambiente universitário como paciente do SUS: atendida pela Ficha Clinica Antroposófica
  39. 39. DATA DA PRIMEIRA CONSULTA:_18_/04_/2011_Médic@(s):____Ricardo Ghelman_______ ____________________________________________________________________________ IDENTIFICAÇÃO: RH:_xyz__ • Nome:_____RSBC ___________Data de Nascimento:___/___/___Idade: 29a. 9m. 9d • Endereço:_____xx____________________________________ ______Cep:____________ • Tel:( )____________Naturalidade:_______Procedência:_________e-mail: ___________ • Estado Civil:___solteira_____Nome do marido:______________________________ • Grau de Instrução:___ensino médio completo_ Profissão:___ Profissional do sexo ___ • Situação profissional: Atividade predominante: 􀂉 Física x􀂉 Mental 􀂉 Misto (horas/dia):___4_______Estável 􀂉 Temporário /instável 􀂉 Desempregado /inativo • 􀂉 Licença Médica 􀂉 Tempo sem atividade profissional ____ meses • No ambiente de trabalho: Exposição de fumaça de cigarro 􀂉 sim 􀂉 não • Outros riscos ocupacionais: 􀂉 sim 􀂉 não __DST AIDS___________________ • Renda familiar/Salário mínimo: __3000,00_____ ao mês • Habitação própria 􀂉 sim 􀂉 não Convênio médico: 􀂉 sim 􀂉 não • Raça/Cor:___Branca_______ Fotótipo: 􀂉 Albino 􀂉 Branco só queima 􀂉 Branco bronzeia e queima 􀂉 Branco só bronzeia 􀂉 Negro Claro 􀂉 Negro Escuro • Religião: 􀂉 Católica Apostólica Romana 􀂉 Evangélicas 􀂉 Espírita 􀂉 Umbanda 􀂉 Budismo 􀂉 Candomblé 􀂉 Judaica 􀂉 Tradições Esotéricas 􀂉 Islâmica 􀂉 Tradições Indígenas 􀂉 Hinduísta 􀂉 Outras religiosidades 􀂉 Sem religião • Indicação: __,. _________________________________________
  40. 40. QD (Motivo da consulta de duração): Gravidez indesejada na 13 a semana com várias patologias HPMA (História Patológica da Moléstia Atual): •Asma desde 7 a. (1) – há 22 anos •Enxaqueca desde a puberdade (2) – há 17 anos •Gastrite desde 22 a. junto a elevação do colesterol e sobrepeso (3) – há 7 anos •Rinite há 2 a. junto com cocaína (4) •Edema recente (5) •Gestação indesejada - Tomou Citotec 2 vezes
  41. 41. ANTECEDENTES PESSOAIS (História Patológica Pregressa) • Cirurgias anteriores: 􀂉 Sim 􀂉 Não. Especificar__Plastica para Mama__ • Antecedentes patológicos: • Doenças infecciosas agudas: 􀂉 Rubéola, 􀂉Sarampo, 􀂉 Escarlatina 􀂉 Varicela, 􀂉 Caxumba, 􀂉 Toxoplasmose, 􀂉 Citomegalovírus, 􀂉 Herpes, 􀂉 Sífilis, 􀂉Infecção urinária, 􀂉 Hepatite A, 􀂉 Infecção de vias aéreas superiores de repetição, 􀂉 Pneumonia, 􀂉GECA • Doenças infecciosas crônicas:􀂉 Chagas, 􀂉 Tuberculose, 􀂉 Schistossomose, 􀂉 Hepatite B, 􀂉 C, 􀂉 Papiloma virus, 􀂉 HIV, 􀂉 outros: especificar______________________________ • Doenças crônico-degenerativas: alergia (􀂉 via aérea superior, 􀂉 asma, 􀂉 dermatite atópica , 􀂉 outros__________), 􀂉 Hipertensão arterial, 􀂉 Síndrome Metabólica 􀂉 outras cardiopatias, 􀂉 Diabetes, • 􀂉 Neoplasias, 􀂉 Doenças reumatologias, 􀂉 Doenças auto imune, 􀂉 Desordens dermatológicas (melasma, estrias, quelóides), 􀂉 outros __ • Desordens psíquicas: 􀂉depressão, 􀂉 drogadição ilícita, 􀂉 tabagismo, 􀂉 etilismo (começo, fim, número de unidades por dia ou semana):__________________________________________________ • Viagens recentes: • Medicações em uso:__Aerolin SOS, omeprazol__________
  42. 42. ANTECEDENTES FAMILIARES • Ascendência Materna (quem) Paterna (quem) Irmã(o)s (quem) • Causa dos óbitos..........................􀂉______________􀂉 ___________ 􀂉______________ • Doenças adquiridas......................􀂉______________􀂉 ___________ 􀂉______________ • Alergias ........................................􀂉______________􀂉 ___________ 􀂉______________ • Hipertensão Arterial ......................􀂉______________􀂉 _pai________ 􀂉 _____________ • Síndrome Metabólica/Obesidade..􀂉_mãe _________􀂉 ___________ 􀂉______________ • Outras Cardiopatias ......................􀂉______________􀂉 ___________ 􀂉______________ • Diabetes Mellitus ..........................􀂉______________􀂉 ____________􀂉______________ • Neoplasias ....................................􀂉______________􀂉 ____________􀂉______________ • Doenças reumatologias.................􀂉______________􀂉 ____________􀂉______________ • Doenças auto-imunes....................􀂉______________􀂉 ____________􀂉______________ • Desordens psíquicas.....................􀂉______________􀂉 ____________􀂉______________ • Outras doenças.............................􀂉______________􀂉 ____________􀂉 _____________ • Tabagismo ....................................􀂉______________􀂉 ____________􀂉 _____________ • Etilismo .........................................􀂉______________􀂉 ____________􀂉 _____________ • Drogas Ilícitas ...............................􀂉______________􀂉 ____________􀂉__irmãos______ • Gemelaridade ...............................􀂉______________􀂉 ____________􀂉______________ • Doenças hereditárias/Malformações....􀂉______________􀂉 ____________􀂉______________ • N° de irmãos: __8___(sua posição: _1_/__8_) • Genograma:
  43. 43. Biografia: Fatos Biográficos de Maior Impacto por Setênio
  44. 44. ANTES DE NASCER: estrutura familiar durante a concepção 1􀂉 Nada estruturada 2􀂉 Ruim 3􀂉 Normal 4􀂉 Muito boa 5􀂉 Ótima PRIMEIROS SETE ANOS: 0-7 ANOS Função materna: 􀂉 Mãe 􀂉 Outra pessoa. Quem? tia___Desempenho: 􀂉 Boa 􀂉 Regular 􀂉 Ruim Atividades recreativas/lúdicas: 􀂉 Sim 􀂉 Não Idade de alfabetização: __6_____Dificuldades de aprendizado: 􀂉 sim 􀂉 não Amamentação por até 6 meses? 􀂉 Sim 􀂉 Não. Duração _____ meses. Complementação 􀂉 Sim 􀂉 Não Vacinação nos primeiros 5 anos de vida: sim Fatos marcantes que quer mencionar (nascimentos, mortes, mudanças, acidentes, traumas) Em que idade:___com 4 anos vai ter mais contato com tia O MUNDO FOI BOM: 􀂉 1(Muito ruim) 􀂉 2(Ruim) 􀂉 3(Normal) 􀂉 4(Muito Bom) 􀂉 5(Ótimo)
  45. 45. SEGUNDO SETENIO: 7-14 ANOS • Ambiente familiar? .............􀂉 1(Muito ruim) 􀂉 2(Ruim) 􀂉 3(Normal) 􀂉 4(Muito Bom) 􀂉 5(Ótimo) • Ambiente escolar-social?....􀂉 1(Muito ruim) 􀂉 2(Ruim) 􀂉 3(Normal) 􀂉 4(Muito Bom) 􀂉 5(Ótimo) • Havia rotina? .....................􀂉 Sim 􀂉 Não • Fatos marcantes que quer mencionar (nascimentos, mortes, mudanças, acidentes, traumas) • Em que Idade:___tentativa de estupro pelo tio__ O MUNDO FOI BELO: 􀂉 1(Muito ruim) 􀂉 2(Ruim) 􀂉 3(Normal) 􀂉 4(Muito Bom) 􀂉 5(Ótimo)
  46. 46. TERCEIRO SETENIO: 14-21anos • Havia respeito e liberdade para a manifestação de seus sonhos, ideais e aspirações?􀂉 Sim 􀂉 Não • Fatos marcantes que quer mencionar (nascimentos, mortes, mudanças, acidentes, traumas) • Em que idade: vida sexual intensa com início da prostituição aos 16 anos O MUNDO FOI JUSTO: 􀂉 1(Muito ruim) 􀂉 2(Ruim) 􀂉 3(Normal) 􀂉 4(Muito Bom) 􀂉 5(Ótimo)
  47. 47. Interrogatório complementar sobre os diversos aparelhos Interrogatório segundo o SISTEMA TRÍPLICE (SNS, SR e SMM) e QUÁDRUPLO (OF, OV, OA e OE)
  48. 48. Sistema Neuro-Sensorial (SNS): Atividade do Pensamento • Uso cotidiano do intelecto para estudar, pesquisar no computador; concentração mental exigida pela informática, televisão, videogame; ideação e análise, idéias fixas, preocupações • Por sua intensidade e/ou duração: nota de 1 a 5 (MUITO REDUZIDO a ELEVADO GRAU)
  49. 49. ORGAN. FÍSICA Dificuldade de aprendizagem. Prontidão para a aprendizagem. Pensamento alerta, rígido, bloqueado. 1 2 3 4 5 ORGAN. VITAL Memória alterada. Hipersonia. Vitalidade do pensamento. Memória boa/ Sono bom. Memória alterada. Insônia. 1 2 3 2 1 ORGAN. ANÍMICA Desinteresse. Indiferença. Interesse. Envolvimento ansioso, compulsivo. 1 2 3 4 5 ORGAN. EU Incoerência. Irreflexão. Dissociação. Dispersão. Coerência. Intencionalidade. Autoconsciência. Incoerência. Pouca autoconsciência. Foco e método em excesso. 1 2 3 2 1 SÍNTESE PENSAR CONTEMPLATIV O DESLIGADO EQUILIBRADO PENSADOR INTELECTUAL 1 2 3 4 5
  50. 50. Sistema Rítmico (SR): Atividade do Sentimento • Padrão de vida afetiva tanto positiva (expressão emocional de alegria, simpatia, empatia e compaixão), como de vida afetiva negativa (tristeza, medo, raiva, frieza e antipatia); capacidade de expressão artística ou retenção de mágoas e tensões • Por sua intensidade e/ou duração: nota de 1 a 5 (MUITO REDUZIDO a ELEVADO GRAU)
  51. 51. ORGAN. FÍSICA Apatia. Antipatia. Empatia. Simpatia. Passionalidade. 1 2 3 4 5 ORGAN. VITAL Sem “sabor”. Desgosto. Harmonia. Tranqüilidade. Destempero. Desgaste. 1 2 3 2 1 ORGAN. ANÍMICA Desânimo. Abatimento. Desalento. Tédio. Ânimo adequado. Angústia. Opressão. Irritabilidade. Aflição. 1 2 3 4 5 ORGAN. EU Pouco entusiasmo. Decisão difícil. Pouca cordialidade. Negligência. Entusiasmo. Interesse. Cordialidade. Capacidade de decisão. Exaltação. Excitabilidade. 1 2 3 2 1 SÍNTESE SENTIR Eu me isolo dos outros e dificilmente me emociono com as coisas, vivo uma melancolia. Sou tido como “sério” e reservado. As tragédias não me atingem tanto emocionalmente. Sinto que minha razão e emoção estão equilibradas. Sou uma pessoa emotiva, com meus momentos de altos e baixos. Sou muito influenciado pelas emoções. GÉLIDO (0°) APÁTICO FRIO (15°) ANTIPÁTICO AGRADÁVEL (22°) EMPÁTICO CALOROSO (30°) SIMPÁTICO PASSIONAL(38°) SEM JUÍZO CRÍTICO 1 2 3 4 5
  52. 52. Sistema Metabólico Motor(SMM): Atividade da Vontade • Vontade desde impulsos, desejos, intenções, decisões, realizações • Por sua intensidade e/ou duração: nota de 1 a 5 (MUITO REDUZIDO a ELEVADO GRAU)
  53. 53. ORGAN. FÍSICA Pouca ação. Retração. Agir paralisado. Agir ponderado. Agir impulsivo, obstinado. 1 2 3 4 5 ORGAN. VITAL Indisposição. Cansaço. Fadiga. Prostração. Boa disposição. Excesso de dispêndio de energia. 1 2 3 2 1 ORGAN. ANÍMICA Automatismo. Inércia. Inatividade. Desmotivação. Equilíbrio entre repouso e movimento. Inquietação. Agitação psicomotora. 1 2 3 4 5 ORGAN. EU Incapacidade de realização. Insegurança. Capacidade de realização. Segurança. Empenho acentuado na busca de realização. 1 2 3 2 1 SÍNTESE VONTADE Eu quase nunca coloco em prática aquilo que pensei em fazer. Poucas vezes realizo meus desejos. Em geral realizo meus desejos. Empenho-me bastante na realização de meus desejos. Tenho muita determinação na realização de meus desejos. INERTE PASSIVO EQUILIBRADO IMPULSIVO OBSTINADO
  54. 54. Resumindo • Na esfera do pensar: paciente adequada • Na esfera do sentimento: muito exacerbado • Na esfera da vontade: enfraquecido
  55. 55. INTERROGATÓRIO ORGÂNICO COMPLEMENTAR SOBRE OS DIVERSOS APARELHOS
  56. 56. Sistema Neuro-Sensorial: marque com x o(s) número(s) da(s) área(s) acometida(s) 1-Pele (epiderme) 2-Cabeça e Pescoço (cranio-cervical) 3-Sistema Nervoso 4- Naso-oro-faringe 5- Seios Paranasais 6-Olho 7-Orelha 8-Tireóide 9-Sangue (plaquetas) 10-Outros ORGAN. FÍSICA (estruturas sólidas- minerais) DISSOLUÇÃO NORMAL MINERALIZAÇÃO Inflamação aguda. Febre. Descalcificações. Osteoporose. Normal. Inflamação crônica. Alergia. Fibrose. Calcificação. Esclerose. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1 2 3 4 5 ORGAN. VITAL (líquido, turgor, disposição, função, hidratação, K) Quadro agudo: hipofunção, estase, edema, insuficiência, secura, atrofia. Turgor, disposição, função, hidratação normais. Quadro crônico: hipofunção, estase, edema, insuficiência, secura, atrofia. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1 2 3 2 1 ORGAN. ANÍMICA (lipídeos, ar, dor, tônus, secreção glandular, Na, Ca, Ph, Mg) Hipotonia. Descoordenação motora. Plegias. Paralisias. Hiposecreção. Má-digestão. Parestesia. Hipoestesia. Anestesia. Normal. Hipertonia. Espasmo. Caimbras. Hipersecreção. Sudorese excessiva. Hipersensibilidade. Dor. Deposição de gordurosa. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1 2 3 4 5 ORGAN. EU (temperatur a, imunidade, equilíbrio, Fe) Febre, Septicemia, CIVD. Infecção generalizada ou localizada. Normal Alergia. Doença auto-imune. Tumor frio benigno e maligno. Anergia. Imunodeficiência. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1 2 3 2 1 SÍNTESE DESAGREGAÇÃO AQUECIMENTO TENDÊNCIA À INFLAMAÇÃO EQUILÍBRIO TENDÊNCIA À ESCLEROSE ENDURECIMENTO ESFRIAMENTO 1 2 3 4 5
  57. 57. Sistema Rítmico: marque com x o(s) número(s) da(s) área(s) acometida(s) 1-Pele (derme) 2-Tórax e Mamas 3-Aparelho Cardiovascular 4- Aparelho Respiratório 5-Sangue (série vermelha) 6-Sistema Linfático 7- Outros ORGAN. FÍSICA (estrutura sólida) DISSOLUÇÃO NORMAL MINERALIZAÇÃO Inflamação aguda. Febre. Normal. Inflamação crônica. Alergia. Fibrose. Calcificação. Esclerose. 1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4 5 ORGAN. VITAL (líquido, turgor, disposição, função, hidratação) Quadro agudo: hipofunção, estase, edema, insuficiência, secura, atrofia. Turgor, disposição, função, hidratação normais. Quadro crônico: hipofunção, estase, edema, insuficiência, secura, atrofia. 1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 2 1 ORGAN. ANÍMICA (lipídeos, ar, dor, tônus, secreção glandular) Hipotensão. Hipotonia. Bradipnéia. Normal. Hipertensão. Hipertonia. Taquipnéia. Deposição gordurosa. 1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4 5 ORGAN. EU (temperatur a, imunidade, equilíbrio) Febre/sepse generalizada / localizada. Normal. Alergia. Doença autoimune. Tumor. Anergia. 1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 2 1 SÍNTESE DESAGREGAÇÃO TENDÊNCIA À INFLAMAÇÃO EQUILÍBRIO TENDÊNCIA À ESCLEROSE ENDURECIMENT O 1 2 3 4 5
  58. 58. Sistema Metabólico-motor: marque com x o(s) número(s) da(s) área(s) acometida(s) 1-Pele (hipoderme) 2-Aparelho Digestório e Anexos 3-Sistema Osteo-muscular 4-Sistema Endócrino-metabólico (exceto tireóide) 5-Aparelho Geniturinário 6-Sistema Reticulo-endotelial 7- Sangue (série branca) 8-Outros ORGAN. FÍSICA (estrutura sólida) MINERALIZAÇÃO NORMAL DISSOLUÇÃO Inflamação crônica. Alergia. Fibrose. Calcificação. Esclerose. Normal. Inflamação aguda. Febre. 1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 4 5 ORGAN. VITAL (líquido, turgor, disposição, função, hidratação) Quadro crônico: hipofunção, estase, edema, insuficiência, secura, atrofia. Cansaço, fadiga. Turgor, disposição, função, hidratação normais. Quadro agudo: hipofunção, estase, edema, insuficiência, secura, atrofia. Cansaço, fadiga. 1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 2 1 ORGAN. ANÍMICA (lipídeos, ar, dor, tônus, secreção glandular) Hipertonia. Dor. Espasmo. Hipersecreção. Constipação espástica. Deposição gordurosa. Normal. Hipotonia. Parestesia. Anestesia. Constipação flácida. 1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 4 5 ORGAN. EU (temperatura, imunidade, equilíbrio) Extremidades frias Anergia. Tumor. Doença autoimune. Alergia. Normal. Febre/sepse. 1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 2 1 SÍNTESE ENDURECIMENTO TENDÊNCIA À ESCLEROSE EQUILÍBRIO TENDÊNCIA À INFLAMAÇÃO DESAGREGAÇÃ O 1 2 3 4 5
  59. 59. Resumindo Do ponto de vista orgânico, as patologias da paciente se enquadram num padrão crônico-degenerativo, que está relacionado a uma intensificação da atividade neurosensorial (com tendencia a esclerose) e enfraquecimento do sistema metabólico-motor
  60. 60. Sistema Héptuplo: Tipologia/Fisio-patologia Tipologia -2a+2 Lua Argentum Mercúrio Mercurium Vênus Cuprum Sol Aurum Marte Ferrum Júpiter Stannum Saturno Plumbum Psiq. 1 3 5 2 2 3 1 Org. 4 2 2 2 3 2 4 O arquétipo que rege esta paciente psiquicamente é Venus, seja pela escolha profissional, seja pelo excesso de emotividade, seja pelo interesse em religiões esotéricas, pois o arquétipo de Venus é tipicamente duplo: Venus cósmica e Venus terrena.
  61. 61. 7 14 21 28 11 13 22 2717 Enxaqueca Piora da asma Gastrite Síndrome metabólica Cocaína Rinite Piora da asma Asma Gestação indesejada 1. Asma desde 7 anos – há 22 anos, piora após início da prostituição com 17 anos. 2. Enxaqueca desde os 12 anos – há 17 anos 3. Gastrite desde 22 anos junto a elevação do colesterol e sobrepeso (Síndrome Metabólica) – há 7 anos 4. Rinite há 2 anos junto com uso de cocaína 5. Gestação indesejada - Tomou Citotec 2 vezes LINHA BIOGRÁFICA DAS PATOLOGIAS POR SETÊNIOS Estupro -tioMãe ausente e tia não afetiva Início Prostituição
  62. 62. Rinite Asma Gastrite Síndrome Metabólica Cocaína X Enxaqueca Padrão Neuro-Sensorial Padrão Metabólico-Motor ALERGIA
  63. 63. Rinite
  64. 64. “ALERGIA” Estado de Hipersensibilidade e hipereatividade Estado Hiperalerta do sistema imunológico. Processo Inflamatório tipo frio e crônico com elevação de eosinófilos e IgE dentro do padrão TH2 Hiper identidade celular: Xenofobia celular, antipatia celular contra múltiplos antígenos: ácaros, poeira, mau tempo, poluição...
  65. 65. Estado hiperérgico SNS hipertrofiado no sistema imunológico • SNS – Estado de hipersensibilidade em pele e/ou mucosas (fronteiras) – Hiperatenção (insônia) • SMM – Constipação (espasmo) – Flatulência (má digestão) – Extremidades frias (má circulação) Th2
  66. 66. Asma
  67. 67. ASMA BRÔNQUICA • Aspecto Neural : – Broncoespasmo na expiração (na fase aguda) - gerando sibilos e tosse – piora com frio – Desequilíbrio do Sistema Nervoso Autônomo – Medo e neurose obsessiva associada à hipersensibilidade neurossensorial – Tendência à encefalização do tórax: enfisema (na fase crônica) – PADRÃO NEUROSENSORIAL • Aspecto Inflamatório TH2: – Edema da mucosa brônquica e secreção eosinofílica – espirais de Curschmann e cristais de Charcot-Leyden PADRÃO MINERALIZANTE
  68. 68. Proposta terapêutica na Asma: • Inter-crise: – Tratar o RIM e o PULMÂO com Cuprum e Nicotiana dinamizados. – Tratar o FÍGADO com fitoterápicos amargos – Quercus, Veronica, Água de Levico, Prunus, Argentum nitricum dinamizados para modular o sistema imune. • Na crise: – Formula da crise a base de Arsenicum album, Cuprum aceticum, Nicotiana, Cuprum dinamizados. – Fricção com pomada de cobre na região lombar e escalda-pes – Se necessário: Broncodilatadores simpaticomiméticos e anti- inflamatório hormonal (prednisolona)
  69. 69. Experiência com alergia • Redução do uso de corticoterapia • Melhora gradativa das crises até remissão parcial ou total
  70. 70. Gastrite
  71. 71. Gastrite SUCO GASTRICO ÁCIDO (Sistema Nervso Simpático modula) X MUCO ALCALINO (Sistema Nervso Parassimpático modula) • Hiperclorídrica: excesso de atividade SNS • Hipoclorídrica: fraqueza de atividade SMM
  72. 72. Sintomas da Síndrome Metabólica na paciente • Elevação da Pressão Arterial – hiperatividade da OA no SR (tônus arteriolar aumentado) • Elevação do Colesterol com redução do HDL – hiperatividade da OA no SNS e redução no SMM (HDL é anti- ateroesclerose) • Obesidade abdominal (circunferência abdominal) – redução da OA no SMSM (gordura desorganizada) • Elevação da Glicemia (resistência periférica da insulina) – redução da OE no SMM (glicemia permite a consciência)
  73. 73. Traduzindo mais ainda Organização Anímica aumentada no SNS e no SR Redução da OV, OA e da OE no SMM
  74. 74. LDL (SNS) > HDL (SMM) LDL ligado ao SNS HDL ao SMM As rotas do colesterol no SMM: Forma Biles (metabólico) Forma Hormônios sexuais (sexual) Forma Pró-vitamina D (locomotor)
  75. 75. Tratamento medicamentoso 2 x ao dia Artemisia absinthium e/ou Resina laricis, Arsenicum iodatum, Stibium arsenicosum, Oxalis off, Melissa off, Cuprum met praep, Chelidonium majus, Taraxacum off, Gentiana lutea, Cardus marianus, exemplos de medicamentos dinamizados e/ou fitoterápicos que TRAZEM A ORGANIZAÇÃO ANIMICA E A ORGANIZAÇÃO DO EU DO POLO NEUROSSENSORIAL AO POLO METABÓLICO
  76. 76. Cocaína
  77. 77. Classificação antroposófica das substâncias psicoativas ilícitas Estimulantes do SNC – PADRÃO NEUROSENSORIAL Cocaína e Crack-cocaína Perturbadores do SNC – PADRÃO RÍTMICO Cannabis sativa (Maconha e Haxixe) Solventes orgânicos voláteis (éter, clorofórmio, loló, cola de sapateiro, removedor, thinner e gasolina) Alucinógenos propriamente ditos (LSD, Mescalina e Ayahuasca (União do Vegetal e Santo Daime)) Anfetaminas alucinógenas (MDMA-Êxtase e MDEA-Eva) Depressores do SNC – PADRÃO METABÓLICO Opiáceos (heroína)
  78. 78. • Cefaléia decorrente de vasodilatação, fotofobia, redução da consciência e padrão assimétrico desencadeado por fatores digestivos (alimentos ou privação) e endocrinológicos (na TPM) • Padrão de invasão do SMM sobre o SNS Enxaqueca (hemicrania ou cefaléia vascular)
  79. 79. Imagem na natureza da organização tríplice Sílica (Si)- A silícia, ou quartzo, é caracterizada por suas forças de estruturação translúcida, que normalmente existem no SNS, de forma interiorizada (pensar claro como o cristal) Ferro (Fe) – mediador, quelante na hemoglobina, libera luz, metal respiratório relacionado ao SR Enxofre (S) – atividade expansiva, dissolutiva, quente de natureza afim com o SMM Conduta Terapêutica medicamentosa
  80. 80. Pirita/Quartzo = Ferrum sulfuricum/Silício (medicamento que evita enxaqueca): Na forma mineral Pirita/Quartzo e na forma vegetal Urtica urens e dioica (cristais de silício aprisionando uma substancia sulfurosa sob alto teor de ferro) A combinação de ferro e enxofre, por um lado, age no ponto de encontro dos processos digestivos (metabólico e enxofre) e respiratórios (hemoglobina e ferro), impedindo que os processos digestivos transbordem para o pólo neuro-sensorial.
  81. 81. A estratégia do cuidado A paciente apresenta uma natureza bem neurosensorial, e está em plena crise biográfica aos 29 anos pois a gestação indesejada a fez reavaliar toda sua vida. Durante o pré-natal antroposófico busca agora uma estruturação de seu núcleo familiar, sem um histórico familiar que lhe dê uma boa referência. No entanto está disposta e comprometida, após as tentativas frustradas de aborto
  82. 82. Acolhimento da equipe Com o acolhimento da psicóloga que ouve toda sua história, da enfermeira conduzindo escalda-pés, do médico receitando medicamentos antroposóficos que vão controlando as crises de asma, da gastrite, da enxaqueca, vai se fortalecendo e cessa o uso de cocaína. Vai aceitando sua filha no ventre e se conectando ao novo companheiro
  83. 83. Estratégias Exige uma liberação da organização anímica no SNS juntamente à ativação do processo crânio-caudal de ativação das organizações vital, anímica e do eu no SMM, ou seja, em direção aos pés
  84. 84. Estas duas estratégias podem ser resumidas na metáfora da panela de pressão • CONTROLAR O FOGO (vinculado a Individualidade e a Organização do EU) • LIBERAR A VÁLVULA DE ESCAPE (vinculado a Psique e a Organização Anímica) • Cuidar da ALIMENTAÇÃO E SONO (vinculado a Vitalidade do corpo) • De uma forma integrada NÃO DEIXAR A PETECA CAIR e NEM MINERALIZAR (domínio da gravidade física)
  85. 85. CONTROLAR O FOGO (Individualidade ou Self e OE) Meditar Trabalhar com prazer Fazer escalda-pés ao deitar Realização dos projetos a curto, médio e longo prazo baseado numa consciência reflexiva e com real intencionalidade Equipe de Saúde da Área da Individualidade: Aconselhamento Biográfico e Consulta médica (médicos e psicólogos em geral)
  86. 86. LIBERAR A VÁLVULA DE ESCAPE (Psique e OA) Extravasar: RIR, CANTAR, DANÇAR, FAZER ARTE. Aprender a expirar profundamente no SMM até lacrimejar, salivar abundantemente e aquecer os membros (ativação parassimpática) Atividade física assimétrica (padrão metabólico) até suar - que permitem integração mente-corpo - evitando movimentos totalmente simétricos como na esteira que propiciam dissociação mente-corpo Cuidar dos prazeres da vida alimentar (mundo dos carboidratos e lipídeos). Equipe de Saúde da Área Psíquica:Psicoterapia antroposófica, Terapia Artística, Cantoterapia e Musicoterapia
  87. 87. ALIMENTAÇÃO E SONO (Corpo e Vitalidade) Alimentos vivos: Orgânicos e probióticos ricos em fibras, da estação. Uso de temperos naturais para estimular a digestão (alecrim, orégano, manjericão, tomilho, alho, cebola) Cuidar do fígado: Evitar comer alimentos doces antes das 15 horas Evitar alimentos ácidos, gordura saturados e ricos em sacarose Procurar consumir gordura de boa qualidade: abacate, côco e azeite de oliva (elevam o HDL) Higiene do Sono: se desligar de telecomunicações virtuais (TV, Computador e Telefones) uma hora antes de dormir, espreguiçar Equipe de Saúde da Área Somática: Medicina e Farmácia antroposófica, Enfermagem, Nutrição, Odontologia, Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapias: Massagem Rítmica, Euritmia e Quirofonética

×