TEMA: CRACK: COMO COMO CONTERESSA DROGA QUE DEVASTAFAMÍLIAS PAÍS AFORA?Tipo : DissertativoGênero: Carta Argumentativa
A Carta Argumentativa http://www.youtube.com/watch?v=g1a9t-MedOA
 Com base nos textos motivadores abaixo e emtudo que você tem visto, lido e ouvido, redijauma carta argumentativa ao pres...
A coletânea Texto 1Avanço do crack no Brasil preocupa PapaléoAntônio Corrêa Neto Online Em pronunciamento no plenário do...
O senador destacou que o Amapá é um dos Estados brasileirosque integram uma das rotas dedistribuição de diversas drogas. “...
Texto 3. O CRACK devido a sua popularidade se alastroutanto que pode ser encontrado também naspequenas cidades. No iníci...
 O motivo dos usuários para o consumo também sealteraram, em meados dos anos noventa, “a buscapor sensação de prazer” era...
Estrutura Geral Não possuiTítulo; Local e data;Identificação do destinatário;Vocativo – o nome da pessoa para a qual a c...
EscrevendoExplicando a estrutura da cartaargumentativa a) Estrutura dissertativa: costuma-se enquadrara carta na tipologi...
Partindo para o corpo dotexto Ao escrever uma carta, você até passa a ter anecessidade de fazer o leitor “aparecer” nas l...
 Logo, no primeiro parágrafo, você apresentaráao leitor o ponto de vista a ser defendido; nosdois ou três subsequentes (c...
Como assim? Vá diretamente ao leitor por meio de verbosno imperativo “pense”, “veja”, “imagine”
Como terminar? Você deve usar expressão que introduz aassinatura: terminada a carta, é de praxeproduzir, na linha de baix...
Devo Assinar? Assinatura: um texto pessoal, como é a carta,deve ser assinado pelo autor. Nos vestibulares,porém, costuma-...
Goiânia, 30 de janeiro de 2013Gilmar Mendes, ministro do supremo tribunal federal.Vossa Excelência,Venho por meio desta, e...
 Goiânia, 30 de janeiro de 2013;Gilmar Mendes, Ministro do Supremo Tribunal Federal.Vossa Excelência,Venho por meio desta...
Reafirmando a estruturageral Início: identifica o interlocutor. A forma de tratá-lo vai depender do grau de intimidade ex...
 A proposta de carta argumentativa pressupõeum interlocutor específico para quem aargumentação deverá estar orientada. Es...
O mais importante Não basta dar ao texto a organização de umacarta, mesmo que a interlocução seja naturale coerentemente ...
Características da cartaargumentativa: Constitui um texto de natureza argumentativa, que tem porfinalidade defender o pon...
Lendo grandes Exemplos http://www.recantodasletras.com.br/cartas/2621992 http://www.recantodasletras.com.br/cartas/26343...
A carta argumentativa 9 ano (1)
A carta argumentativa 9 ano (1)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A carta argumentativa 9 ano (1)

3.786 visualizações

Publicada em

1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.786
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
63
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
76
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A carta argumentativa 9 ano (1)

  1. 1. TEMA: CRACK: COMO COMO CONTERESSA DROGA QUE DEVASTAFAMÍLIAS PAÍS AFORA?Tipo : DissertativoGênero: Carta Argumentativa
  2. 2. A Carta Argumentativa http://www.youtube.com/watch?v=g1a9t-MedOA
  3. 3.  Com base nos textos motivadores abaixo e emtudo que você tem visto, lido e ouvido, redijauma carta argumentativa ao presidente doSenado Federal, o senador José Sarney,solicitando do parlamentar e de todo oCongresso Nacional providências efetivas,concretas e urgentes para o combate do crackno país. Para compor seus argumentos e areflexão, apresente dados, causas econsequências negativas não só para as famíliasbrasileiras, bem como para toda a sociedade.Lembre-se que sua linguagem deve formal erespeitável.
  4. 4. A coletânea Texto 1Avanço do crack no Brasil preocupa PapaléoAntônio Corrêa Neto Online Em pronunciamento no plenário do Senado Federal, o senadorPapaléo Paes analisou o aumento do consumo e comercializaçãode drogas no Brasil.O parlamentar amapaense enfatizou que onúmero de usuários de crack tem crescido significativamente,apesar das tentativas do Governo Federal de reduzi-lo. ”É umagrande preocupação. Não é de hoje que a sociedade brasileiraurbana se vê acossada pela virulenta expansão do consumo decrack no País.” E declarou: “A dependência do viciado em crackatravessa classes sociais, fulminando lares em todo o Brasil”.
  5. 5. O senador destacou que o Amapá é um dos Estados brasileirosque integram uma das rotas dedistribuição de diversas drogas. “Acada ano se registram casos e mais casos de criminalidaderelacionada ao tráfico de drogas pesadas em nosso Estado. Emagosto de 2009, a Polícia Civil apreendeu 500 pedras de cracknum município do interior amapaense, comercializadas em plenaluz do dia”, afirmou. Papaléo esclareceu que a situação também é grave em outraslocalidades brasileiras como São Paulo e Rio de Janeiro. Ealertou: “O crack é uma droga especialmente perigosa, poisprovoca acelerada degradação física e mental, e causadependência rapidamente Ele Poe em risco quem se vicia e,frequentemente, compromete a segurança das pessoas maispróximas”.
  6. 6. Texto 3. O CRACK devido a sua popularidade se alastroutanto que pode ser encontrado também naspequenas cidades. No início dos anos 2000, instituições ligadas àinfância e a imprensa anunciaram uma provávelredução do consumo em São Paulo, parecia que oproblema do CRACK se reduziria, o opostoaconteceu, o consumo dobrou, como mostrou oCentro Brasileiro de Informações sobre Drogas(CEBRID) através de levantamentos domiciliaresrealizados em 2001 e 2005.
  7. 7.  O motivo dos usuários para o consumo também sealteraram, em meados dos anos noventa, “a buscapor sensação de prazer” era a justificativa damaioria. No final da mesma década, o consumo eraestimulado pela compulsão, dependência ou comoforma de lidar com problemas familiares efrustrações. O avanço do uso de CRACK tem preocupado cadavez mais os profissionais da saúde no Brasil. Drogarelativamente barata, seu uso tem se difundidorapidamente. É uma droga muito destrutiva,ocasionando danos graves em seus usuários.Temdestruído a vida de muitas pessoas, principalmentejovens e abalado fortemente os familiares.
  8. 8. Estrutura Geral Não possuiTítulo; Local e data;Identificação do destinatário;Vocativo – o nome da pessoa para a qual a carta é endereçada.Neste caso, o pronome de tratamento ocupa lugar de destaque,dependendo do grau de ocupação/função desempenhada.Corpo do texto – É a exposição do assunto em si, de forma aabordar todos os aspectos pertinentes de maneira clara, sucinta eprecisa.Expressão de despedida – Tal procedimento pode variar em setratado do grau de intimidade entre os interlocutores, podendoser mais formal ou denotando certa informalidade.Assinatura do remetente usando siglas.
  9. 9. EscrevendoExplicando a estrutura da cartaargumentativa a) Estrutura dissertativa: costuma-se enquadrara carta na tipologia dissertativa, uma vez que,como a dissertação tradicional, apresenta atríade introdução / desenvolvimento / conclusão. b) Argumentação: como a carta não deixa de seruma espécie de dissertação argumentativa, vocêdeverá selecionar com bastante cuidado ecapricho os argumentos que sustentarão a suatese. É importante convencer o leitor de algo.
  10. 10. Partindo para o corpo dotexto Ao escrever uma carta, você até passa a ter anecessidade de fazer o leitor “aparecer” nas linhas.Se a carta é para ele, é claro que ele deve serevocado no decorrer do texto. Então, verbos noimperativo – que fazem o leitor perceber que é ele ointerlocutor – e vocativos são bem-vindos.Observação: é falha comum entre os alunos-escritores “disfarçar” uma dissertação tradicional decarta argumentativa. Alguns escrevem o cabeçalho,o vocativo inicial, um texto que não evoca emmomento algum o leitor e, ao final, a assinatura.Tome cuidado! Na carta, vale reforçar, o leitor“aparece”.
  11. 11.  Logo, no primeiro parágrafo, você apresentaráao leitor o ponto de vista a ser defendido; nosdois ou três subsequentes (considerando-se umacarta de 20 a 30 linhas), encadear-se-ão osargumentos que o sustentarão; e, no último,reforçar-se-á a tese (ponto de vista) e/ouapresentar-se-á uma ou mais propostas. Osmodelos de introdução, desenvolvimento econclusão são similares aos que você jáaprendeu e você continua tendo a liberdade deinovar e cultivar o seu próprio estilo!
  12. 12. Como assim? Vá diretamente ao leitor por meio de verbosno imperativo “pense”, “veja”, “imagine”
  13. 13. Como terminar? Você deve usar expressão que introduz aassinatura: terminada a carta, é de praxeproduzir, na linha de baixo (margem doparágrafo), uma expressão que precede aassinatura do autor. A mais comum é“Atenciosamente”, mas, dependendo da suacriatividade e das suas intenções para com ointerlocutor, será possível gerar várias outrasexpressões, como “De um amigo”, “De umcidadão que votou no senhor”, De alguém quedeseja ser atendido”, etc.
  14. 14. Devo Assinar? Assinatura: um texto pessoal, como é a carta,deve ser assinado pelo autor. Nos vestibulares,porém, costuma-se solicitar ao aluno que nãoescreva o próprio nome por extenso. NaUnicamp, por exemplo, ele deve escrever a inicialdo nome e dos sobrenomes (J. A. P. para JoãoAlves Pereira, por exemplo). Na UEL, somente ainicial do prenome deve aparecer (J. para o nomesupracitado). Essa postura adotada pelasuniversidades é importante para que se garantaa imparcialidade dos corretores na avaliação dasredações.
  15. 15. Goiânia, 30 de janeiro de 2013Gilmar Mendes, ministro do supremo tribunal federal.Vossa Excelência,Venho por meio desta, explicitar como cidadã deste país minharevolta com a justiça desse país e com que a forma que a mesmavem sendo usada.Como ministro do supremo tribunal federal e seus direitos,acho que está havendo um agravamento ainda pior em relação asdiferenças sócio-econômicas dos brasileiros, um exemplo disso é areforma agrária que continua sem voz ativa e sem as oportunidadesnecessárias, enquanto os grades empresários , donos de grandequantidade de terra que mal são usadas, usufruem de algo que nãoprecisam, enquanto pessoas lutam por um pedaço de terra emorada decente para sua subsistência.Pergunto ao senhor de que importância vale esse cargo tãoimportante sendo que a justiça não está feita e o bom senso nãoestá sendo utilizado, não gerando mudança alguma a melhoria devida dos brasileiros, pelo contrário, protegendo apenas quem nãoprecisa de proteção.Desde já, agradeço.
  16. 16.  Goiânia, 30 de janeiro de 2013;Gilmar Mendes, Ministro do Supremo Tribunal Federal.Vossa Excelência,Venho por meio desta, explicitar como cidadã deste país minha revoltacom a justiça brasileira desse país e com que a forma que a mesma[Referenteimpreciso, evite-o. Utilize outro termo para retomar] vem sendo usada.Como Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e seus direitos, achoque está havendo um agravamento ainda pior em relação as diferenças sócio-econômicas dos brasileiros, um exemplo disso é a reforma agrária que continuasem voz ativa e sem as oportunidades necessárias, enquanto os gradesempresários , donos de grande quantidade de terra que mal são usadas,usufruem de algo que não precisam, enquanto pessoas lutam por um pedaço deterra e morada decente para sua subsistência.Evite períodos longos, ficou muito cansativo de ler e ainda atrapalhou afluência e coerência dos fatos.Pergunto ao senhor de que importância vale esse cargo tão importantesendo que a justiça não está feita e o bom senso não está sendo utilizado, nãogerando mudança alguma a melhoria de vida dos brasileiros, pelo contrário,protegendo apenas quem não precisa de proteção?Novamente período longo.
  17. 17. Reafirmando a estruturageral Início: identifica o interlocutor. A forma de tratá-lo vai depender do grau de intimidade existente.A língua portuguesa dispõe dos pronomes detratamento para estabelecer esse tipo de relaçãoentre interlocutores. O essencial é mostrar respeito pelo interlocutor,seja ele quem for. Na falta de um pronome ouexpressão específica para dirigir-se a ele, recorraao tradicional "Senhor" "Senhora" ouVossaSenhoria. O texto dissertativo é dirigido a uminterlocutor genérico, universal
  18. 18.  A proposta de carta argumentativa pressupõeum interlocutor específico para quem aargumentação deverá estar orientada. Essadiferença de interlocutores devenecessariamente levar a uma organizaçãoargumentativa diferente, nos dois casos. Atéporque, na carta argumentativa, a intenção éfrequentemente a de persuadir um interlocutorespecífico (convencê-lo do ponto de vistadefendido por quem escreve a carta ou demovê-lo do ponto de vista por ele defendido e que oautor da carta considera equivocado).
  19. 19. O mais importante Não basta dar ao texto a organização de umacarta, mesmo que a interlocução seja naturale coerentemente mantida; é necessárioargumentar.
  20. 20. Características da cartaargumentativa: Constitui um texto de natureza argumentativa, que tem porfinalidade defender o ponto de vista do locutor e persuadir ointerlocutor; Apresenta formato constituído pelas seguintes partes: data,vocativo, corpo do texto (assunto), expressão cordial dedespedida e assinatura; O corpo é constituído por três partes essenciais: exposição doponto de vista do autor (ou idéia principal); desenvolvimento(com argumentos) desse ponto de vista; conclusão; Linguagem culta, formal, impessoal, clara e objetiva; Verbos geralmente no presente do indicativo ou noimperativo; Predomínio da 1ª ou 3ª pessoa.
  21. 21. Lendo grandes Exemplos http://www.recantodasletras.com.br/cartas/2621992 http://www.recantodasletras.com.br/cartas/2634318 Boa Leitura.

×