Faculdade pitágoras

2.000 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.000
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Faculdade pitágoras

  1. 1. Faculdade PitágorasSão Luis-MaDiciplina: ModelagemCurso: Engenharia de Produçao 6º periodo Prof: Fellipe GuilhermeAVALIAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE EM UMA LINHA DEPRODUÇÃO CIMENTO: UM ESTUDO DE CASOComponentes:RONIERY CARVALHONATANAEL PINHEIROMARCELO HENRRIQUELUAN CAMPELO
  2. 2. SUMÁRIOCAPÍTULO 1 – INTRODUÇÃO AO ESTUDO REALIZADO1.1 - DEFINIÇÃO DO TEMA1.2 – JUSTIFICATIVA1.3 – OBJETIVOS1.3.1 – Objetivo Geral1.4 – ESTRUTURA DO TRABALHOCAPÍTULO 2 – FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA2.1- A ORIGEM DO CIMENTO2.2- MATERIA PRIMA2.3- COMPOSIÇAO DO CIMENTO2.4- DESCRIÇAO DO PROCESSO2.5- Indicadores de produçao procopio2.6- o siguinficado da produtividade2.7- medidas de produtividades2.8- as 10 empresas de cimento no Brasil2.9 fontes bibliográficas
  3. 3. INTRODUÇAO O cimento é definitivamente o principal material composto mais usado na construção civil em todo o mundo, sua utilização é devida sua resistência mecânica que é capaz de durar décadas, resistindo ao vento, fogo, chuva e sol. Devido a suas vantagens ele é o segundo material mais utilizado em todo mundo perdendo apenas para a água, o cimento em forma de concreto torna-se um colante extremamente resistente e uma pedra artificial, indispensável em construções civis realizada pelo homem. O cimento Portland pode ser definido como o aglomerante Hidraulico obtido pela moagem do clinquer porttland da qual se adiciona uma quantidade de uma ou mais formas de sulfato de cálcio necessária para controlar o endurecimento inicial do cimento. Podendo ser de origem orgânica, como as resinas e polímeros, ou inorgânico com destaque para os de composição cálcica, amplamente utilizada na construção civil, tais como cales, gesos, cimento portland e outros cimentos industrializados.
  4. 4. AVALIAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE EM UMA LINHA DEPRODUÇÃO CIMENTO: UM ESTUDO DE CASO
  5. 5. Justificativa A medição de indicadores de qualidade e produtividade tem sido apontada como umaquestão fundamental para gestão e qualidade. Os indicadores fornecem aos gerentesinformações necessárias ao processo de tomada de decisões e ações de melhoria de qualidadee produtividade da empresa. O cimento é um commodit indispensável no mercado, pra se ter idéia ele éclassificado como um indicador econômico mundial, em razão disso iremos abordar nestetrabalho tópicos que achamos de suma importância a serem descritos e observados,como suaprodução e qualidade. Objetivo Este trabalho tem como objetivo mostrar o processo de produção do cimento, citar algunsindicadores de produtividade e o rigoroso controle de qualidade desde a extração da matériaprima até a ensacadora, citando a importância de cada etapa da sua produção.Objetivo geralAvaliar indicadores de produtividade em uma linha de produção de cimento.
  6. 6. AVALIAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE EM UMA LINHA DE PRODUÇÃO CIMENTO2.1-A ORIGEM DO CIMENTO?A palavra CIMENTO é originada do latim CAEMENTU, que designava na velha Romaespécie de pedra natural de rochedos e não esquadrejada. A origem do cimento remontahá cerca de 4.500 anos. Os imponentes monumentos do Egito antigo já utilizavam umaliga constituída por uma mistura de gesso calcinado. As grandes obras gregas eromanas, como o Panteão e o Coliseu , foram construídas com o uso de solos de origemvulcânica da ilha grega de Santorino ou das proximidades da cidade italiana de Pozzuoli, que possuíam propriedades de endurecimento sob a ação da água.O grande passo no desenvolvimento do cimento foi dado em 1756 pelo inglês JohnSmeaton , que conseguiu obter um produto de alta resistência por meio de calcinação decalcários moles e argilosos.Considerando a falta de organização da época aque se refere a troca de comunicaçãocientifica, as descobertas feita na Inglaterra não foram conhecidas por outros países,Assim, as revelações anuciadas por Smeaton em 1756, foram redescoberta no inicio doséculo XIX Bouge.Em 1818, o francês Vicat obteve resultados semelhantes aos de Smeaton , pela misturade componentes argilosos e calcários. Ele é considerado o inventor do cimento artificial.Em 1824, o construtor inglês Joseph Aspdin queimou conjuntamente pedras calcárias eargila, transformando-as num pó fino. Percebeu que obtinha uma mistura que, apóssecar, tornava-se tão dura quanto as pedras empregadas nas construções. A misturanão se dissolvia em água e foi patenteada pelo construtor no mesmo ano, com o nomede cimento Portland , que recebeu esse nome por apresentar cor e propriedades dedurabilidade e solidez semelhantes às rochas da ilha britânica de Portland.Experiência brasileira No Brasil, a primeira tentativa de aplicar os conhecimentosrelativos à fabricação do cimento Portland ocorreu aparentemente em 1888, quando ocomendador Antônio Proost Rodovalho empenhou-se em instalar uma fábrica em suafazenda em Santo Antônio, Estado de São Paulo. Posteriormente, várias iniciativasesporádicas de fabricação de cimento foram desenvolvidas Assim, chegou a funcionardurante três meses em 1892 uma pequena instalação produtora na ilha de Tiriri , naParaíba. A usina de Rodovalho operou de 1897 a 1904, voltando em 1907 e extinguindo-se definitivamente em 1918. Em Cachoeiro do Itapemirim , o governo do Espírito Santofundou, em 1912, uma fábrica que funcionou até 1924, sendo então paralisada, voltandoa funcionar em 1936, após modernização.Todas essas etapas não passaram de meras tentativas que culminaram, em 1924, com aimplantação pela Companhia Brasileira de Cimento Portland de uma fábrica em Perus,
  7. 7. Estado de São Paulo, cuja construção pode ser considerada como o marco daimplantação da indústria brasileira de cimento. As primeiras toneladas foram produzidase colocadas no mercado em 1926. Até então, o consumo de cimento no país dependia,exclusivamente do produto importado. A produção nacional foi gradativamente elevadacom a implantação de novas fábricas e a participação de produtos importados osciloudurante as décadas seguintes, até praticamente desaparecer nos dias de hoje.2.2- MATERIA PRIMACALCARIO:90% da matéria-prima para fabricação do cimento vem deste importante minério.Quando se fala em Calcário, pensa-se inicialmente na Cal, que é muito utilizada na construçãocivil e na correção de solos. De fato, o nome é derivado do termo latino “calcarius” que significa“o que contém cal”. Na superfície terrestre os afloramentos de calcário são freqüentes e sobdiversas formas, de acordo com a época e tipo de formação. Recebe vários nomes, comomármore, marga ou calcita. Sua composição básica é o Carbonato de Cálcio – CaCO3 - e,especificamente para a fabricação do cimento, o teor desse carbonato deve ficar entre 80 e85%.Atualmente, além do calcário e argilas são utilizados também bauxitas e minérios de ferro,em pequenos volumes, para ajustar as quantidades de óxidos exigidos em todo o processo.Estes óxidos – de Cálcio, Sílica, Alumínio e Ferro – são responsáveis por 95% da composiçãoquímica do clínquer. Na maioria dos minerais – quartzo, rochas ígneas e sedimentares – éabundante a presença de sílica, alumínio e ferro. Porém, o cálcio, que é o principalcomponente do cimento, apenas é encontrado em alguns tipos específicos de rocha calcária.
  8. 8. 2.3- COMPOSIÇAO DO CIMENTOAtualmente, além do calcário e argilas são utilizados também bauxitas e minérios de ferro, empequenos volumes, para ajustar as quantidades de óxidos exigidos em todo o processo. Estesóxidos – de Cálcio, Sílica, Alumínio e Ferro – são responsáveis por 95% da composiçãoquímica do clínquer. Na maioria dos minerais – quartzo, rochas ígneas e sedimentares – éabundante a presença de sílica, alumínio e ferro. Porém, o cálcio, que é o principalcomponente do cimento, apenas é encontrado em alguns tipos específicos de rocha calcária.
  9. 9. 2.4- DESCRIÇAO DO PROCESSOETAPA 1PREPARAÇÃO DA MATÉRIA-PRIMAOs principais constituintes do cimento, o calcário e a argila, são rochasnaturais. A natureza e a composição dessas rochas variam de acordo comas jazidas, que são perfeitamente identificadas, compiladas e exploradasracionalmente, graças a uma gestão informatizada. Essas rochas sãobritadas a fim de reduzir a dimensão dos blocos a fragmentos de pequenasdimensões (25 a 40 mm).ETAPA 2FABRICAÇÃO DO “CRU” (FARINHA)Para se obter uma composição ideal das matérias-primas, uma misturaprecisa e rigorosa é realizada: é a pré-homogenização. Os materiais sãodispostos horizontalmente em camadas sucessivas e, depois, retomadosperpendicularmente, de modo a se obter uma composição constante.Em seguida, as matérias-primas são dosadas e finamente moídas em grãoscom granulometria inferior a 200 mícrons. A farinha assim obtida é emseguida estocada em silos.
  10. 10. ETAPA 3FABRICAÇÃO DO CLÍNQUERO clínquer, material básico de qualquer cimento, é obtido pelo cozimentodo “cru”.Depois de pré-aquecido, o “cru” é introduzido em um forno rotativo, ondeas chamas atingem a temperatura de 2000°C, elevando a temperatura domaterial a cerca de 1500°C. Após a passagem pelo forno o material ébruscamente resfriado.ETAPA 4FABRICAÇÃO DO CIMENTOAs pedras de clínquer, cujos tamanhos variam de 5 a 40 mm de diâmetro,são finamente moídas com adição de gipsita (3 a 5%), para regular a pega.Assim se obtém o “Cimento Portland”. Além da gipsita, é possívelacrescentar outros constituintes durante a moagem, criando assimdiferentes tipos de cimento. Esses constituintes podem ser calcários,cinzas volantes, pozolanas naturais, escórias de altos-fornos ou micro-sílicas.ETAPA 5ACONDICIONAMENTO E EXPEDIÇÃO DO CIMENTOApós sua fabricação, o cimento é direcionado, por vias pneumáticas oumecânicas, para silos de estocagem com capacidade de milhares detoneladas e, depois, expedido para os pontos de consumo sob duas formas:a granel – por via fluvial, ferroviária ou por caminhões graneleiros – ou emsacos.
  11. 11. AS IMAGENS ABAIXO MOSTRA DETALHADA TODO PROCESSO DE CIMENTO. FABRICAÇAO

×