Acontece 376

367 visualizações

Publicada em

Acontece

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
367
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
40
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Acontece 376

  1. 1. ANO XX - No 376 - 1ª quinzeNA DE FEVEReiro DE 2015 ® Defesa da verdade e do desenvolvimento de São Miguel e região -  2031-2364 e 2513-0928 - raleste@gmail.com PÁG. 3 Subprefeito de São Miguel Paulista se reúne para discutir o combate à Dengue A reunião aconteceu no gabinete do Subprefeito Adalberto Tim Maia e teve como assunto principal o combate ao Aedes Aegypti Geraldo Alckmin entrega viaturas e autoriza promoções de policiais e concurso da PM São 128 novas viaturas à Polícia Civil da Capital, 47 em Campinas e 41 em Santos PÁG. 4 Viver em Segurança: hoje e sempre Preservar Zonas Residenciais Aos leitores deste jornal apre- sentamos nesta edição o início de uma sequência de comentários relativos aos assuntos ligados à segurança da família, do trabalho e demais segmentos... PÁG. 2 A minuta e debates em rela- ção ao Projeto de Lei sobre Uso e Ocupação do Solo, proposta apresentada pela Prefeitura, têm sido alvo de críticas por parte de muitas associações... PÁG. 2 PÁG. 5 e 6 Vai-Vai é campeã do carnaval PaulistaA disputa com a Mocidade Alegre (que ficou com o 2.º lugar) foi equilibradíssima. A vitória só veio no último quesito (evolução), no qual a Mocidade perdeu pontos.  Amazonas e Orlando Silva participam do Programa Roda Viva do Grupo Acontece Roda VivaRoda Viva PROGRAMA
  2. 2. Pág.2 1a . quinzena de fevereiro/2015 Circulação: São Miguel, ITAQUERA, vILA Jacuí, jd. helena, v. curuça E GUARULHOS Diretor: Divaldo Rosa Adm. e Financeiro: Ademyr Rodrigues Representante comercial: Eduardo Rocha e Ariane Andrade Jornalista FL: Silmara G. Nunes Revisão: Suseli Corumba Rosa Fotos: Bruno Barreto Rosa Diagramador: Sergio Avante Depto. Jurídico: Agilson M. Oliveira Distribuição: Mart Press Distribuidora As matérias assinadas são de exclusiva responsabilidade dos colaboradores e não representam, necessariamente, a opinião do Jornal. Os nomes dos colaboradores e representantes comercias não mantém vínculo empregatício com a empresa. Jornal Acontece Agora, Folha do Itaim & Curuça, Jornal de Ermelino & Ponte Rasa, Jornal Guaianás & Cidade Tiradentes e Revista Acontece Leste A J O R L E S T E O jornal Acontece Agora é Filiado à Associação dos Jornais da Zona Leste Avenida dos Guachos, 166 - Vila Curuça Cep: 08030-360 Itaim Paulista – SP E-mail: raleste@gmail.com site: www.grupoacontece.com.br REDAÇÃO E PUBLICIDADE 2031-2364 | 2513-0928 Patente: PROC. 830024034 Classe 16 RPI RM 2087 Tiragem: 40.000 exemplares FL=FreeLancer cnpj: 03.115.443/0001-16 Emanuel de Aquino Lopes Aos lei- tores deste jornal apre- s e n t a m o s nesta edição o início de uma sequ- ência de co- mentários relativos aos assuntos ligados à segurança da família, do tra- balho e demais segmentos inti- mamente ligados com a vida em sociedade, esperando que pos- samos contribuir positivamente para uma melhor interpretação dos fatos que vem ocorrendo no nosso cotidiano e que impactam nossa qualidade de vida. Preliminarmente, temos que ambientar coerentemente a se- gurança em São Paulo o que, por conseguinte, também afeta o cenário nacional. Fazendo uma breve retrospectiva, tivemos em nosso Estado em 2002 uma re- belião simultânea envolvendo 29 presídios com a contenção dos efeitos feita pela Polícia paulista e sistema de administração peni- tenciária. Em seguida, em 2006, tivemos uma grande onda de ataques provenientes do crime organizado, impondo toque de recolher em nossa cidade, tam- bém com uma pronta resposta dos órgãos de segurança públi- ca, embora já se verificasse que o sistema prisional paulista estava sofrendo com superlotação e de- masiadas concessões aos presos. O Estado, até então, mos- trava-se reativo e demorava em tomar decisões por causa da enorme dimensão de seu apa- rato institucional. Com o uso dos órgãos ligados à Inteligên- cia Policial, verificou-se que os alicerces da atividade criminosa estavam escudados em lavagem de dinheiro e tráfico de drogas. O combate ao crime organizado passou a focar a integração de outros participantes importan- tes como o Ministério Público, Viver em Segurança: hoje e sempre Poder Judiciário, Prefeitura na prevenção primária e Instituto de Criminalística, além dos es- forços da Polícia Militar e Po- lícia Civil. Embora São Paulo tenha apresentado um resulta- do excelente na contenção de homicídios (menos de 10 casos a cada 100 mil habitantes, pa- drão aceito pela comunidade internacional como satisfató- rio) outras facetas do crime na cidade determinaram uma re- leitura de ações, exigindo uma integração entre vários setores da sociedade organizada den- tro de uma visão sistêmica e de acordo com a Constituição Fe- deral, preservando os direitos humanos. Ficou claro que Po- lícia não é segurança pública e vice-versa, havendo necessidade do concurso de outros segmen- tos para que exista um estado de segurança adequado para todos. Hoje temos cerca de 500 mil presos no Brasil e praticamente metade está no Estado de São Paulo, necessitando haver um sistema prisional com inteli- gência suficiente para recuperar o ser humano, quebrando esse modelo obsoleto que virou ver- dadeira escola do crime. O desafio está em ressociali- zar quem nunca foi socializado. Encarar a evolução dos costu- mes na sociedade envolve inclu- sive atacar os crimes transnacio- nais. Respostas drásticas devem ser evitadas e o assunto seguran- ça deve ser tratado multidisci- plinarmente e a população deve participar deste debate a todo instante e por todos os canais de comunicação. *Emanuel de Aquino Lopes é Coronel da Reserva da Policia Militar, Mestre em Ciências Po- liciais de Segurança e Ordem Pública, especializado em Di- reitos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas e membro do Núcleo de Projetos Estratégi- cos – Fundação ISAE Amazônia (www.fisae.org.br) e OSCIP Ins- tituto Brasil – IBRA (www.ibra. org.br) A minuta e debates em rela- ção ao Projeto de Lei sobre Uso e Ocupação do Solo, proposta apresentada pela Prefeitura, têm sido alvo de críticas por parte de muitas associações de moradores, com as quais me reuni dias atrás. Elas apontam várias fa- lhasrelativas à apresentação dos mapas referentes ao novo Zoneamento e, sobretudo, se opõem, de maneira firme a ar- tigos que ameaçam o bom fun- cionamento da Zonas Exclusi- vamente Residenciais (Zers) Não há como discordar dos moradores em relação às suas críticas à Prefeitura, afinal quem melhor entende o bairro é aquele que ali mora e traba- lha. Pelos mapas apresentados junto com a minuta da nova lei, cujo conteúdo terá de ser discutido pelos vereadores, é impossível identificar com exa- tidão ruas e quadras. Problema grave que impede a boa análise das novas propostas de uso e ocupação do solo. Para uma correta interpre- Preservar Zonas Residenciais tação dos mapas, os moradores tiveram que recorrer a recursos como sobreposições dos mapas disponibilizados pela Prefeitura àqueles do sistema Google. Mapas na mão e lendo aten- tamente a minuta, as associa- ções de moradores perceberam que, se aprovada como concebi- da pela Prefeitura, a lei de uso e ocupação do solo é, verdadei- ramente, uma ameaça às Zers. E como lembra o arquiteto e urbanista Cândido Malta, mo- rar em Zona Residencial é uma opção daqueles que buscam vi- ver em zonas de tranquilidade. E isso precisa ser respeitado. De fato, o estabelecimento de Zona Predominantemente Residencial é bem diferente de Zona Exclusivamente Residen- cial. O termo “predominante- mente” abrirá caminho para a transformação radical das Zers, que com o passar do tempo tenderiam a desparecer, trans- formando-se em Zonas Mistas. Está em curso uma ver- dadeira guerra da Prefeitura contra as Zonas Residenciais. Guerra com nítido contorno ideológico. Portanto é preciso redobrar esforços e intensificar o diálogo interassociações de moradores, de modo a levar ao plenário da Câmara uma de- fesa consistente em defesa das Zonas Residenciais, patrimô- nio e pulmão verde da nossa cidade e não apenas de quem ali mora. Andrea Matarazzo, vereador e líder do PSDB na Câmara Muni- cipal de São Paulo. Na tarde de terça-feira (10) a equipe de reportagem do Gru- po Acontece de Jornais e Revis- ta visitou a 63º Distrito Policial | Policia Civil | 63º DP, na Vila Jacuí, São Miguel Paulista. Em entrevista ao Jornal Acontece, o Delegado Dr. Ronaldo, que chefia o 3º EPJ (Equipe  de  Polícia  Judiciária) da 63º informou que sua equipe vem logrando êxito no comba- te aos crimes efetuados em sua jurisdição. Nos últimos meses a equipe conseguiu prender uma qua- drilha da região que furtava produtos de cargas tais como: alimentícios, eletrodomésticos, Investigadores da 63º DP desmantela quadrilha especializada em roubos de cargas entorpecentes entre outros. “Graças ao nosso Serviço de Inteligência e um árduo tra- balho de campo conseguimos desarticular uma quadrilha de roubo de cargas que atuava por aqui. Após investigações os participantes da quadrilha já se encontram à disposição do Po- der Judiciário”, afirmou o dele- gado. Na ocasião Dr. Ronaldo fez uma alerta importante e frisou que o trabalho da policia civil só pode ser realizada com sucesso se tiver o comprometimento da própria comunidade, “a popu- lação deve, sempre procurar a polícia quando tiver ocorrência de algum crime, pois só com as denúncias trazidas a nós é que vamos conseguir juntar as informações necessárias para solucionar as ocorrências. E Trabalhamos duro para procu- rar solucionar o maior número possível de casos” frisa ele. O Dr. Ronaldo também in- formou que o número de fur- tos de celulares está crescendo e pede mais atenção e cuidado à população. Também o núme- ro de furtos às residências nos períodos da manhã, horário na qual a população deve re- dobrar os cuidados ao sair de casa rumo ao trabalho, escolas e outros. A escola de samba Vai-Vai conquistou, nesta terça-feira (17), o título do Grupo Espe- cial do carnaval de São Paulo. Com a nota de 269,9, a escola, que homenageou Elis Regina em seu samba-enredo, conse- guiu o primeiro lugar. A dis- puta com a Mocidade Alegre (que ficou com o segundo lu- gar) foi equilibradíssima. A vi- tória só veio no último quesito (evolução), no qual a Mocida- de perdeu pontos.  Na apoteose podiam-se ou- vir gritos, justificados, de “é campeão, é campeão”. Com Escola Vai-Vai é campeã do carnaval de São Paulo 201585 anos de vida, a Vai-Vai tem 14 títulos. Curiosamente, o último campeonato foi con- quistado em 2011, com o en- redo “A música venceu”, em homenagem ao maestro João Carlos Martins. Esse é o 15º título da Vai-Vai no carnaval paulistamo. Completam a lista das cinco escolas que desfilam na sexta-feira no Desfile das Campeãs a Rosas de Ouro, a Águia de Ouro e a Dragões da Real. A Mancha Verde e a Tom Maior acabaram rebaixa- das para o Grupo de Acesso do carnaval de 2016. Escola Aleg. SE. Bt. Fan. Ms Pb Com. Enr. Har. Evol. Total 1 Vai-Vai 29,9 30 30 30 30 30 30 30 30 269,9 2 Mocidade Alegre 29,9 30 30 30 30 30 30 30 29,7 269,6 3 Rosas de Ouro 30 29,7 30 29,9 29,9 30 29,9 30 30 269,4 4 Águia de Ouro 29,9 29,9 30 29,6 30 30 30 30 29,9 269,3 5 Dragões da Real 30 29,8 30 29,9 30 29,9 30 30 29,7 269,3 6 Acad.Tucuruvi 30 29,8 29,9 29,6 29,9 30 30 30 30 269,2 7 Nenê de V.Matilde 30 30 30 29,6 30 30 30 30 29,6 269,2 8 Império de C.Verde 30 30 30 29,4 29,9 30 29,9 30 29,9 269,1 9 Gaviões da Fiel 30 30 30 29,5 29,9 30 30 30 29,6 269 10 Unidos de Vila Maria 29,6 30 30 30 30 30 29,9 30 29,4 268,9 11 X-9 Paulistana 30 29,7 30 29,4 29,9 30 30 30 29,7 268,7 12 Acad. Tatuapé -1,1) 29,8 30 30 29,7 30 30 30 30 29,6 268 13 Mancha Verde 29,8 30 29,9 29,1 29,8 30 30 29,8 29,5 267,9 14 Tom Maior 29,4 29,7 29,9 29,7 29,8 30 29,8 30 29,4 267,7 Veja a tabela dos pontos de cada Escola
  3. 3. Pág.3 1a . quinzena de fevereiro/2015 Cerca de 4.500 agentes das vigilâncias sanitárias estadual e municipais e do Procon-SP atuarão à paisana em todo o Estado Começa neste final de se- mana uma megaoperação para apertar a fiscalização contra a venda e o consumo de bebidas alcoólicas por menores de 18 anos no período que antecede Nesta Segunda-feira (9), foi realizada no gabinete do Sub- prefeito de São Miguel uma reunião com os representantes do Governo Local. O Subprefei- to, ao dar início à reunião disse estar retornando com os traba- lhos do Governo Local e que a discussão tem por objetivo tra- tar do vírus da dengue, que afe- ta diretamente a saúde pública. Eliete Fávaro, supervisora de saúde de São Miguel, enalte- ceu a importância da reunião, dizendo estar aberta a novas ideias e também que a união dos governos locais junto a Prefeitura de São Paulo será o principal fator para mudança radical no combate à dengue. Dr. Wernner Garcia, supervisor Uma reunião foi realizada na Subprefeitura de São Miguel, com os representantes culturais da região, a fim de discutir e definir espaços coletivos públi- cos para a instalação de eventos culturais. O encontro aconteceu na última quarta-feira (4) e contou com a presença do Subprefeito do bairro, dos representantes da Supervisão de Cultura, Pe- dro Ronney; do projeto Juven- tude Viva, Jô Freitas, Samara e Adriano; do projeto Ponto de Reunião com o fórum de Cultura de São Miguel Paulista e Jd. Helena Representantes culturais da região se reuniram na Subprefeitura do bairro Leitura, Adelina; do Projeto Vai (skateboard), Roberto; da Rede Brasileira de Teatro de Rua, Ed- son; de estudantes, entre outros. Dez praças de São Miguel serão reformadas para receberem di- versos eventos. São elas: - Praça da Vila Mara; - Praça das Noivas; - Sítio da Casa Pintada; - Praça da 63ª DP; - Praça Rainha das Avenças; - Simão x Flamingo; - SEABRA CEI Vila Aimoré; - Praça das Ciganas; - Praça Martins Lisboa; - Praça Alberto Moreira. Na ocasião, houve dis- cussões sobre as demandas, sugestões e propostas dos agentes culturais coletivos. O Subprefeito informou que para se fazer um evento é ne- cessário fazer um documento solicitando o uso de determi- nado espaço para fins cultu- rais, e que aprecia a iniciativa dos moradores de São Miguel em prol de mais projetos cul- turais no bairro. Subprefeito se reúne para discutir o combate à dengue Aconteceu no gabinete do Subprefeito e teve como assunto principal o combate ao Aedes Aegypti da SUVIS (Supervisão de Vigi- lância em Saúde), informou que no bairro de São Miguel houve 1.400 casos de dengue no ano de 2014, e que em 2015, grande parte da preparação de combate tem de ser focada no Jardim He- lena, pois o local possui muitas árvores, o que o torna propício para a proliferação do mosquito, além de ser mais um bairro que sofre com a crise hídrica, onde os moradores estão estocando água em barris e caixas d’água. Isso acende os sinais de alerta na re- gião e a sugestão é que seja feito um planejamento de emergência juntamente com o setor de lim- peza pública. O Subprefeito de São Miguel apresenta propostas apontan- do o que poderá ser feito para diminuir os casos de dengue na região: • Adesivar os carros da Subprefeitura, que envolvem SU- VIS (8 carros), Saúde (5 carros), Defesa Civil (2 carros), Conselho Tutelar (2 carros), CRAS (4 car- ros) e Guarda Civil Metropolita- na (à verificar possibilidade de 4 carros) com campanhas contra o mosquito Aedes Aegypti; • Mon- tagem de som nos carros da De- fesa Civil, para que passem nas ruas alertando sobre os cuidados que devem ser tomados; • Con- tratação de um carro de som no período de um mês, durante 4 horas por dia; • Estabelecimento de multirões nos locais indicados pela SUVIS; • Disponibilização de um sábado para ação de im- pacto no centro de São Miguel com a presença dos Governos Locais e Agentes de Saúde; • Panfletagem nas escolas; • Im- plantação de placas nos cemité- rios, para evitar água nos vasos; • Faixas de propagação da impor- tância da campanha. Contamos com a colaboração de toda a po- pulação, para que os casos não se agravem e o percentual de conta- minação não se eleve. Conscien- tize-se e não deixe água parada! SP aperta fiscalização contra venda de álcool para menores antes e durante o Carnaval o Carnaval e também durante os cinco dias de festa. Em todo o Estado, cerca de 4.500 agen- tes das vigilâncias sanitárias estadual e municipais e do Pro- con-SP atuarão à paisana, per- correndo bares, casas noturnas e quadras de escolas de samba, onde são realizados os ensaios preparatórios para os desfiles. O objetivo das inspeções é restringir a venda e o consu- mo de álcool para menores de idade nestes locais e em outros tipos de estabelecimentos co- merciais, com base na “Lei An- tiálcool para menores”, válida desde 2011 no Estado. Vigente desde 19 de novembro de 2011, até o momento, a lei antiálcool já fiscalizou 742.885 estabele- cimentos no Estado, com apli- cação de 2.051 multas, o que representa índice de 99,7% de cumprimento da legislação. Os estabelecimentos infra- tores estão sujeitos a multas de mais de R$ 100 mil e, no caso de reincidências, podem ser interditados por 15 a 30 dias e até mesmo perderem a inscri- ção no cadastro de contribuin- tes do ICMS. Além do álcool, os fiscais também estarão de olho no cumprimento da lei antifumo, que proíbe desde 2009 o consumo de produtos fumígeros em ambientes fe- chados e de uso coletivo. Denúncias sobre o des- cumprimento da lei podem ser feitas pelo sitewww.al- coolparamenoreseproibido. sp.gov.br  ou pelo telefone 0800-771-3541.
  4. 4. Pág.4 1a . quinzena de fevereiro/2015 O governador Geraldo Al- ckmin entregou, na manhã de quarta-feira (11), 128 novas viaturas para reforçar os tra- balhos de equipes da Polícia Civil da Capital. Também será anunciada a distribuição de outras 47 viaturas para a região de Campinas e 41 para a área de Santos. No mesmo evento, o governador assina autori- zações para a promoção de carreiras das polícias Técnico- -Científica e Civil e para a cria- ção de 3.714 vagas para con- curso de soldado de 2ª classe. “Estamos entregando hoje 128 viaturas zero quilômetro para a Polícia Civil aqui na Ca- pital, mais 47 para a região de Campinas e 41 para a Baixada Santista. Queria destacar tam- bém outra medida importan- tíssima para a segurança, que foi a autorização para contra- tação de 3.741 novos soldados. E fizemos a promoção hoje de médicos legistas, investigado- res, peritos criminais e papilos- copitas”, disse o governador. O valor investido pelo Go- verno do Estado na compra dos 216 veículos foi de R$ 13,5 mi- lhões. Das 128 viaturas da Ca- pital, a 4ª e a 6ª delegacias sec- cionais receberão 15 cada, já a 7ª e 8ª seccionais serão contem- pladas com 14 novos carros, seguidas pelas 1ª, 2ª e 5ª seccio- nais, que receberão nove cada. Os demais veículos serão distribuídos a departamen- tos especializados –Estadual de Investigações Criminais (Deic), que ganhará quatro; de Capturas e Delegacias Especia- lizadas (Decade), com quatro; de Inteligência da Polícia Civil (Dipol), com um; Estadual de O ministro de Minas e Ener- gia, Eduardo Braga, disse nesta quinta-feira, 5, que o governo estuda ampliar o período de vigência do horário de verão. Segundo ele, o regime vigoraria um mês a mais além de 22 de fevereiro, data quando deveria acabar. Em vigor desde 19 de outubro do ano passado, o ho- rário de verão é aplicado em dez Estados (Goiás, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo) e Distrito Federal. Durante o horário de verão, os relógios são adiantados em uma hora. Segundo o ministro, em entrevista exclusiva ao  Jornal Nacional, será realizada uma reunião na quinta-feira da se- mana que vem (12) para que seja tomada uma decisão. A hi- pótese de estender o horário de verão leva em consideração a crise do setor elétrico, agravada pela pouca chuva verificada no Sudeste e Centro-Oeste recen- temente, o que tem afetado os níveis dos reservatórios das hi- drelétricas. De acordo com registros do ONS, com uma hora a mais de O Brasil fechou o primeiro mês de 2015 com inflação de 1,24% pelo IPCA, a maior des- de fevereiro de 2003 (início do primeiro governo Lula), quan- do ela foi de 1,57%. Em 12 me- ses (desde fevereiro de 2014), o aumento dos preços chegou a 7,14% e estourou o limite da meta definida pelo governo.   As informações foram divul- gadas nesta sexta-feira (6) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que cal- cula o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). O objetivo do governo é manter a inflação em 4,5% ao ano, com tolerância de dois pon- tos percentuais para mais ou para menos --ou seja, pode variar entre 2,5% e 6,5%. Se a inflação passar desse teto, o presidente do Banco Central, Alexandre Tom- bini, tem que fazer uma carta aberta explicando o motivo do descumprimento da meta. Conta de luz e passagem de ônibus e metrô puxam alta Os gastos com habitação, alimentação e transporte foram os maiores responsáveis pela alta dos preços. Em habitação, o aumento foi de 2,42%, puxa- do principalmente pela alta de 8,27% no preço da energia elé- trica. As regiões metropolita- nas de Porto Alegre, São Paulo, Goiânia, Belo Horizonte, Belém, Curitiba, Brasília, Campo Gran- de, Vitória, Rio de Janeiro, Reci- fe e Fortaleza tiveram aumento na conta de luz. Dentre todas as regiões pesquisadas, só teve redução na conta a de Salvador (BA). O reajuste da passagem de ônibus e metrô em diversas ci- dades no início do ano também Inflação de 1,24% em janeiro é a maior em 12 anos teve impacto significativo na inflação. Em janeiro, os gastos com transporte subiram 1,83%, sendo os maiores aumentos re- gistrados no metrô (9,23%), no trem (8,95%) e no ônibus ur- bano (8,02%). O grupo de ali- mentos e bebidas, outro muito afetado pelo aumento de preços, teve inflação de 1,48% no mês, com destaque para a batata-in- glesa (38,09%), o feijão-carioca (17,95%) e o tomate (12,35%). Inflação acumulada de 27% no primeiro governo Dilma Em 2014, a inflação fechou em 6,41%, dentro do limite da meta, puxada principalmen- te pelos preços de alimentos e moradia. A última vez em que houve estouro da meta foi em 2003, primeiro ano do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, quando a inflação encerrou a 9,3%. Em 2011, ano em que Dilma assumiu o gover- no, o índice ficou exatamente no limite máximo do objetivo. No primeiro mandato da presiden- te Dilma, a inflação brasileira somou 27,03%, com alta anual média de 6,17% ao ano. Inflação e juros O governo tem sido critica- do por deixar a inflação girar acima do centro da meta por mais de quatro anos.  A nova equipe econômica da presiden- te Dilma Rousseff, encabeçada por Joaquim Levy no Minis- tério da Fazenda, começou anunciando medidas de aper- to fiscal.  Na última reunião, o Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, subiu a taxa básica de juros (Se- lic) de 11,75% para 12,25% ao ano.  A Selic é usada pelo BC para tentar controlar o consu- mo e a inflação, ou estimular a economia. Quando os juros so- bem, as pessoas tendem a gas- tar menos e isso faz o preço das mercadorias cair, controlando a inflação, em tese. Por outro lado, juros altos seguram a eco- nomia e fazem o PIB (Produto Interno Bruto) ficar baixo. Alckmin entrega viaturas e autoriza promoções de policiais e concurso da PM São 128 novas viaturas à Polícia Civil da Capital, 47 a Campinas e 41 a Santos Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), com 11; e de Polícia e de Proteção à Cidada- nia (DPPC), com cinco. Além dos departamentos especializados, a Corregedo- ria Geral de Polícia Civil será contemplada com seis viaturas e a Delegacia Geral de Polícia Adjunta (DGPAD) com uma. Os 128 automóveis da Capital custaram R$ 7,4 milhões e são dos modelos Chevrolet Spin, Mitsubishi Pajero e Renault Fluence. Campinas e Santos: os 88 automóveis que serão enviados às regiões dos Depar- tamentos de Polícia Judiciária da região de Campinas e San- tos são dos modelos Chevrolet Spin e Mitsubishi Pajero. Para a região de Campinas serão destinadas 47 viaturas, sendo 10 para 1ª Delegacia Seccional de Campinas, 10 para a Seccional de Jundiaí, 10 para a Seccional de Mogi Gua- çu, nove para Seccional de Bra- gança Paulista e oito para a 2ª Seccional de Campinas. A região da Baixada Santis- ta receberá 41 veículos. Serão enviados 13 para a Delegacia Seccional de Santos, 10 para a Seccional de Itanhaém, segui- da pelas seccionais de Jacupi- ranga e Registro, que ganharão nove carros, cada. Valorização e concur- so: com a autorização que o governador assinará durante o evento serão promovidos 147 profissionais que atuam na Superintendência da Polícia Técnico-Científica (SPTC) e 346 na Polícia Civil. Na SPTC serão promovi- dos 59 peritos e 25 médicos legistas, 19 fotógrafos técnico- -periciais, 18 auxiliares de necropsia, 24 atendentes de necrotério e 2 desenhistas téc- nico-periciais. Na Polícia Civil, subirão de classe 320 investi- gadores e 26 papiloscopistas. Ainda durante a solenida- de, Alckmin autoriza a aber- tura de concurso público com 3.741 vagas para soldado de 2ª classe, que reforçarão o efetivo da Polícia Militar do Estado. Governo estuda ampliar horário de verão para economizar luz natural, a demanda no horá- rio de pico diminui 2.065 MW no subsistema Sudeste/Centro- -Oeste e 630 MW no subsiste- ma Sul, correspondendo a uma redução de 4,6% e 5,0%, respec- tivamente. Na edição anterior, a adoção do horário especial permitiu economia de R$ 400 milhões. O Comitê de Monitoramen- to do Setor Elétrico (CMSE) aumentou de 4,9% para 7,3% o risco de desabastecimento de eletricidade na região Sudeste/ Centro-Oeste neste ano. A al- teração significa a admissão de que o risco de falta de luz ultra- passou o limite de 5% tolerado pelo Conselho Nacional Política Energética (CNPE). Para a re- gião Nordeste, o risco man- teve-se estável em 1,2% neste ano. Esses nú- meros consi- deram a série histórica de chuvas dos úl- timos 82 anos. Na entre- vista exibida nesta noite, Braga ressal- tou ainda que a termelétrica de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul reforçará o abastecimento ao sistema elétrico nacional. Essa usina está localizada na frontei- ra com a Argentina e, para fun- cionar, depende de um gasoduto que corta o país vizinho. Originalmente, essa terme- létrica foi construída conside- rando a possibilidade de ser abastecida com gás argentino, mas o fornecimento foi sus- penso. Diante dessa situação, o Brasil levou navios com gás até Bahía Blanca, no litoral ar- gentino, e de lá, pelo gasoduto, o combustível foi transportado até a termelétrica de Uruguaia- na. A usina tem capacidade ins- talada de 639 MW.
  5. 5. Pág.5 1a . quinzena de fevereiro/2015 Roda VivaRoda Viva Na manhã de segun- da-feira (09), o Grupo Acontece de Jornais e Revista recebeu a visi- ta do subprefeito da Sé Alcides Amazonas e do deputado federal Orlando Silva, ambos do partido PCdoB. O deputado estadual li- cenciado Alcides Ama- zonas foi empossado no ano passado como Subprefeito da Sé, a mais importante sub- prefeitura da cidade. Amazonas foi ainda vereador de São Pau- lo e Coordenador da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) no estado de São Pau- lo. Orlando Silva co- meçou sua trajetória no movimento estu- dantil em Salvador e foi o único presidente negro da União Nacio- nal dos Estudantes. No governo do presiden- te Luiz Inácio Lula da Silva, exerceu o cargo de Ministro do Esporte depois de ter ocupado o cargo de Secretário Nacional de Esporte Educacional. Depois das apresentações, coube ao presidente do Grupo Acontece fa- zer a primeira pergun- ta abrindo o Programa Roda Viva do Grupo Acontece. Acontece Agora: Deputado Orlando Silva, como o senhor vê a possibilidade de utilizar a sua experiência como ministro do esporte para favorecer a po- pulação com o seu mandato de deputado federal? Orlando Silva: a minha ex- pectativa nesse mandato no qual estou há uma semana é que a ex- periência como ministro ajude primeiro no sentido de desburo- cratizar e acelerar os processos administrativos da gestão públi- ca. Eu pretendo fazer um traba- lho no congresso nacional que ajude a resgatar a credibilidade da política, pois é muito difícil, hoje em dia, alguém querer sa- ber de político, mas a vida hoje PROGRAMA depende de decisão política. Acontece Agora: Amazonas, você será candidato nas próxi- mas eleições municipais? Amazonas: Eu sou candida- to a fazer uma excelente gestão à frente da Subprefeitura da Sé, é lógico que quem já teve uma longa experiência na área de transporte, CMTC, Agência Na- cional de Petróleo, Câmara Mu- nicipal e parlamento estadual existe sempre a possibilidade de disputar outras eleições. Somos militantes políticos e cumpri- mos tarefas no momento opor- tuno. Nós acabamos de realizar uma eleição nacional, a próxima será uma eleição para prefeito e vereadores, então vamos aguar- dar o momento oportuno para debatermos isso, até porque, se eu me apresentar como pré- -candidato com tanta antece- dência pode atrapalhar minha gestão à frente da subprefeitura, mas eu não vou dizer que dessa água eu não beberei. (risos). Acontece Agora: O que a gestão do prefeito Haddad tem feito pela Zona Leste? Amazonas: Tem muitos projetos que estão sendo im- plantados. Quando fui vereador tive a possibilidade de direcio- nar muitas emendas parlamen- tares para projetos da Zona Leste, emendas que propicia- ram um conjunto de atividades envolvendo a comunidade na área de cultura, lazer, esporte e etc. Acho que quando o Haddad veio e inaugurou outra unidade do hospital Hora Certa reduziu muito a desigualdade que as pessoas enfrentam pra cuidar da saúde. Ao inaugurar uma obra que é reivindicada há mais de 40 anos como foi a curva do S, também contribuiu para uma melhor mobilidade urbana. Acredito que outros projetos estratégicos como montar a li- gação entre São Mateus e Itaim Paulista pela Dom. João Nery, esta será uma obra importante. Eu diria que a política social tem sido bastante intensa, ainda não é como nós atingimos no gover- no da Marta Suplicy, mas esta- mos recuperando isso agora. Acontece Agora: Como de- putado federal o senhor pode- ria interceder junto ao prefeito para fazer um estudo visando a implantação de um grande cen- tro esportivo na Vila Curuçá, ao lado do Clube Municipal Se- nador José Ermírio de Moraes da Vila Curuçá, uma antiga de- manda da região? Orlando Silva: Nós fizemos um programa para recuperar os centros esportivos, inclusive aqui na Curuçá. É uma oportu- nidade você oferecer esportes e lazer pra criançada porque você ocupa o tempo livre de maneira saudável. Então vamos investi- gar direito a quem pertence esta área na Vila Curuçá e abrir um dialogo com a prefeitura para ver se garantimos ali um apro- veitamento melhor dessa área. Acontece Agora: Amazonas, sobre o aumento do transporte público, gostaria de saber sua opinião sobre este assunto? Amazonas: ninguém gos- ta de ter a notícia de aumento de tarifa, mas eu considero que tem um custo e esse custo deve ser financiado de algum jeito e o transporte público de São Paulo é complexo e é uma área muito grande, eu considero que o pre- feito fez um movimento impor- tante, primeiro permitiu que os estudantes de escolas públicas tivessem tarifa gratuita, então esses estudantes mais carentes têm passe livre. E se levarmos em conta uma grande parte da população, acima dos 60 anos de idade, não paga mais a tari- fa. E outra coisa que as pessoas não sabem é que o Bilhete Único mensal não teve reajuste, então a pessoa paga um certo valor por mês, mas a passagem não passou por reajuste. Então essas medidas que o Haddad tomou ajudaram muito o povo pau- listano porque em uma cidade como São Paulo o governo deve dar mais atenção ao transporte público do que ao transporte particular. Acontece Agora: Deputado como fica a questão da crise da falta d’água aqui em são Paulo? Orlando Silva: o Brasil é um dos países que mais tem água no mundo e as pessoas às vezes desperdiçam. Agora tão grave quanto à população utilizar a água de maneira inadequada foi a falta de planejamentos. Nós aqui estamos sabendo disto ago- ra que o volume do Cantareira está a 5%, mas o governo tem conhecimento quando a Canta- reira está com 100%, 90% 80%, enfim nós que não temos co- nhecimento só ficamos sabendo quando o nível estava a 30%, então caberia ao governo fazer sim uma campanha de esclareci- mento, de educação, usando in- clusive os jornais de bairro que se aproximam mais da popula- ção na periferia. Se isto tivesse sido feito, a população teria se conscientizado da importância da água e não estaríamos sendo obrigados a passar por isto. Acontece Agora: Sobre os es- cândalos de corrupção no caso da Petrobrás em que envolve alguns nomes do PT, qual o po- sicionamento de vocês? Amazonas: Este assunto está pautado na mídia todos os dias. Se pegarmos a época do governo do Fernando Henrique e pegar o período de agora da Dilma dá a impressão que se tem muito mais corrupção no governo Dil- ma e Lula do que no passado, porém isto não é verdade. O que acontece de fato é que quando você combate o mal feito, quan- do você apura a corrupção e não joga para debaixo do tapete tende a aparecer mais. Eu vou dizer uma coisa, as privatizações da companhia do Vale do Rio Doce, das nossas hidrelétricas CSN, etc., certamente estas de- núncias de corrupções virariam fichinhas e por que não se fala disto também? Tudo isto por- que havia uma ampla blindagem no período do Fernando Henri- que Cardoso, o que chegavam para a imprensa eles colocavam no rodapé e a mídia tem lado e não é do nosso lado, não é das forças progressistas. Mas isto não significa que quem se meteu em confusão não tenha que ser penalizado, claro que tem, e isto já está sendo feito. Acontece Agora: Quanto às manifestações que já tivemos de o povo sair às ruas, vocês são a favor ou contra? Orlando Silva: Comparada a outros países, a democracia brasileira é nova ainda, já que o período mais longo de demo- cracia foi de 1985 pra cá, estou dizendo isso porque a democra- cia é como uma flor, você tem que regar, cuidar todos os dias senão ela morre. Na eleição, o grande erro é que quando a oposição perde, ela não aceita isso, e então a oposição e o go- verno começam a trabalhar com objetivos diferentes. A função da oposição é ajudar o governo e a função do povo é fiscalizar o próprio governo. Porque já tem gente falando de ditadura, mas não fazem ideia da dor que o Brasil teve nesse período som- brio. Quem ganhou, ganhou, e quem não ganhou, espera a sua vez. Na política cada um tem um lado, mas temos que saber qual momento que o interesse maior é do país. O PCdoB sempre apoiou as manifestações popu- lares e lutou contra o autorita- rismo e a favor da democracia. Acontece Agora: Sobre as implantações da ciclovia na ci- dade de São Paulo, qual é a sua opinião? Amazonas: Em primeiro lugar é importante ressaltar que a ciclovia está numa lei fe- deral, os municípios precisam investir nas ciclovias, a ciclovia é uma modalidade antiga, é que os governos não tinham investi- do nessa modalidade de trans- porte. Portanto, é um caminho sem volta e está no programa do prefeito Haddad, está no plano de metas, foi aprovado pela po- pulação de São Paulo, então será aplicado nesses 400km como o Deputado Orlando já disse, a ciclovia traz um conjunto de benefícios como melhoria do meio ambiente, maior mobili- dade, se você incentiva bastante a bicicleta e todo mundo abraça essa ideia você terá os ônibus andando mais vazios e até me- nos ônibus nas ruas. A tendên- cia é que essa nova modalidade de transporte cresça e ganhe um grande espaço que vai melhorar a cidade como um todo. Acontece Agora: O governo iniciou um projeto no Jardim Helena para a construção de um parque, porém a obra está parada, queremos saber o que aconteceu e se vocês irão termi- nar? Outra questão é: seria pos- sível a construção de uma ETEC no nosso bairro? Amazonas: É parte da solu- ção para um grande problema. É importante fazer uma ligação lá do parque Tietê até a região central e nós devemos fazer um esforço para essas obras fun- cionarem. Nós tivemos muitas conquistas, uma delas foi tra- zer a USP aqui pra zona leste, inclusive impedir o Cadeião de vir aqui pra zona leste. O Jornal Acontece Agora e a Ana Martins lutaram muito por isso também, foi uma conquista importante e lá hoje tem uma FATEC, eu poderia dizer pra vocês a im- portância do prefeito sancionar uma lei com programa de in- centivos aqui pra Zona Leste, poderia citar um conjunto de outras coisas. Aliás, o Orlando Silva teve um papel fundamental como vereador, aprovando uma lei que permitiu a continuação da empresa aqui na região.A empresa é a Vikstar que gera quase 4.000 empregos aqui na zona leste e que iria para outro município se não fosse a nossa ação conjunta. Acontece Agora: Quais são os projetos focados para a re- gião do Jardim Pantanal? Amazonas: Olha, no Pan- tanal as pessoas falam “a água invadiu minha casa”, na reali- dade, as casas que invadiram o Amazonas e Orlando Silva participam do
  6. 6. Pág.6 1a . quinzena de fevereiro/2015 Roda VivaRoda Viva PROGRAMA lugar do rio Tietê. E isso sempre ocorreu nas periferias, sempre os governos que passaram por aí não tiveram a capacidade de criar uma política para impedir a ocupação da várzea, enfim, as pessoas estão morando na bei- ra do rio e de vez em quando fica alagado como ficou aqui no Jardim Romano, trazendo um grande transtorno. Só tem uma forma de resolver isso: é ter uma política agressiva de construção de moradia e o Haddad está com muita disposição de fazer isso com um projeto de construir 55 mil moradias. Aqui tem que ser agressivo, uma parceria entre o governo municipal, estadual e federal vai fazer com que a gente consiga eliminar esse problema que é o Pantanal. Acontece Agora: Deputado gostaria de saber quais são seus planos sobre a Reforma Políti- ca? Orlando Silva: Nós do PCdoB pensamos que é preciso mudar a política pra aumentar a participação e dar maior re- presentatividade aos partidos e a política, quando fala de parti- cipação, quero dizer fazer con- sultas como em diversos países acontece, por que tudo tem que ser decidido pelo Senador ou Deputado? Perguntem para as pessoas, o que elas acham de certo e errado, a população de- veria ter direito de se manifestar, então precisamos da reforma política, primeiro para criar ca- nais de participação política di- retos, efetivos, com plebiscitos e como referência, segundo, para ter mais representatividade da população, você precisa ter um parlamento que represente um conjunto da população e para evitar a falta de representação do povo. Então para nós, a reforma política serviria pra fortalecer os partidos, pois não tem democra- cia sem um partido político. Acontece Agora: Amazonas, quais são os principais desafios que você vem enfrentando na gestão como subprefeito da Sé? Programa Roda Viva do Grupo Acontece Amazonas: Nós temos que ter em mente e fazer na Sé uma gestão para os quase 500 mil habitantes, e para as quase 03 milhões de pessoas que circu- lam por lá todos os dias. É um desafio muito grande pra nós. O desafio nosso é pensar nas pes- soas e esse processo de requali- ficação do centro onde cada go- verno acaba fazendo um pouco é um processo contínuo. É uma região muito bonita, acabamos de fazer o parque Tietê onde tem muitos shows. Nós temos muitos problemas, a região que tem o maior número das Cra- colândias, o prefeito Haddad vem resolvendo muito bem es- ses problemas, ajudando os de- pendentes químicos, e pra pen- sar nas pessoas devemos pensar nos espaços públicos também, estamos orientando para que saibam usar os espaços públi- cos; temos um projeto de áreas de convivência para que as pes- soas possam descer do prédio e frequentar os locais públicos depois das seis da tarde,estamos retirando as grades das praças, pois praça cercada não combina com a cidade. Portanto, revita- lização não é só concreto, são pessoas! E com esse humanismo iremos enfrentar essas situações. Para finalizar o Programa Roda Viva, antes dos agradeci- mentos de praxe, Ana Martins, relembrou diversos pontos im- portantes como as conquistas vindas para a zona leste, tais como: a luta pelo “não ca- deião” onde hoje é uma uni- dade da ETEC, a implantação da USP Leste e agora a implan- tação da Universidade federal que já foi aprovada pelo gover- no, dentre outras. Ana Mar- tins também explicou sobre a cultura do “já acabei”, que são alunos que terminaram o estu- do fundamental e por falta de oportunidades e até motiva- ção, não deram continuidade no estudo superior, “a maioria de nossos jovens aqui da região leste quando são questionados sobre estudos eles dizem: “já acabei”, ou seja, muitos deles não chegam nem a entrar em uma universidade por falta de condições. Isto precisa ser mu- dado com urgência, 70% dos estudantes da USP Leste vêm de fora, precisamos reverter este quadro”, alertou a ex-vereadora e ex-deputada do PCdoB.
  7. 7. Pág.7 1a . quinzena de fevereiro/2015 Victoria Beckham, por exemplo, apostou no silicone para turbinar odecote, em 1999, e, anos depois, decidiu retirá-lo. Em entrevistas, disse que, com o passar do tempo, percebeu que o visual não combinava com seu estilo agora mais elegante e dis- creto, além de estar em busca de um aspecto mais natural.   A modelo e cantora Heidi Montag se arrependeu de ter colocado próteses tão grandes nos seios e apostou na redução delas, em 2013. “Às vezes, quan- do estou apenas sentada, meus seios doem tanto que eu quero arrancá-los fora”, desabafou. “Tenho um disco rompido no meu pescoço, os nervos estão comprimindo minha espinha, então estou tendo problemas graves com os músculos do meu ombro direito e a minha coluna está se inclinando para fren- te por conta do peso dos meus seios”, explicou. A busca do autoconheci- mento passa por um caminho confuso, complexo e muitas ve- zes difícil de ser atingido. Mas, afinal, o que é autoconhecimen- to? Tem a ver com autoestima? O que você pode fazer para se sentir bem sempre? A Leader Coach Cíntia Souza explica que autoconhecimento  é saber exa- tamente o que nos proporciona prazer e o que nos paralisa. “É saber como e onde buscar co- ragem e força necessárias para superar os bloqueios e seguir em frente”, complementa. Para ela, o conhecer você mesma é essencial em um pro- cesso de autoestima, por isso, os dois sentimentos têm relação en- tre si. “Temos uma vaga percep- ção do que é autoconhecimento e consequentemente autoesti- ma, pois não se trata apenas do que gostamos ou não de comer e beber e nem tampouco de ir ao salão de beleza”, diz.  Atitudes que contribuem para a autoestima Gostar da imagem refletida no espelho é o ponto princi- pal da autoestima, seja por ter feito atividades físicas ou por ações  simples da rotina como cantar, ler, caminhar, conversar com uma pessoa que você gosta e muitas outras coisas. Depois de identificar as atividades que proporcionam bem-estar, elas devem ser repetidas diariamen- te. É importante também res- saltar suas qualidades e não seus defeitos. “Você deve acreditar que deve ser amada, mas antes Quando estamos em um re- lacionamento, parece que o ou- tro é cheio de qualidades. Nos sentimos tão apaixonados que queremos manter esse clima de romance para sempre. Mas será que podemos confiar no outro? A resposta só virá com o tempo, mas alguns sinais podem te aju- dar a saber o que esperar; confira! Esteja atento ao passado do seu amor. Ter vivido diversos relacionamentos curtos, não parar em emprego ou mudar de turma com frequência são fatos que podem depor contra ao es- cancararem uma instabilidade emocional. As pessoas mudam, é claro, mas o histórico indica uma tendência de como elas poderão agir. Ouça o que ele (a) diz, mas observe mesmo a maneira como ele (a) age. Se o desrespeito com os pais, amigos e até desconhecidos, como aten- dentes e garçons, é uma cons- tante, você provavelmente será alvo de patadas em breve. É pos- sível que, ao menos por enquan- to, a pessoa esteja se segurando apenas para te conquistar. Todo mundo erra, mas seu parceiro assume as falhas que comete? Ou gosta mesmo é de jogar a culpa nos outros? Se a resposta para a segunda pergun- ta for “sim”, fique esperta (o): Pequenos sinais mostram se o seu amor é confiável pessoas confiáveis assumem res- ponsabilidades e não têm medo de pedir desculpas. Se o seu (sua) parceiro (a) dá em cima dos outros na sua fren- te, mesmo garantindo que tudo não passa de uma “brincadeira”, é melhor considerar seriamente a possibilidade de nem continu- ar nesse relacionamento. Além de ser desrespeitoso com você, o que te faz acreditar que essa pessoa não te trairá na primeira oportunidade? Mentiras, ainda que bem le- ves, também devem servir como um sinal de alerta. Viver em uma relação assim é péssimo, pois você nunca você vai saber se re- almente pode acreditar no que o outro está dizendo. A falta de certeza com relação às atitudes do outro só vai gerar uma insta- bilidade prejudicial à relação. Confie até ter motivos para não confiar mais. Estar de olho aberto para possíveis escorre- gadas é importante, mas não banque a (o) maluca (o) de fi- car duvidando de tudo e todos que se relaciona com a pessoa. Ninguém suporta ser fiscalizado o tempo inteiro e um romance feliz tem tudo a ver com a con- fiança. Esteja ao lado do outro enquanto não for convencido do contrário Como aumentar a autoestima e a autoconfiança disso, precisa se amar”, aconse- lha Cíntia. Sinais de que você precisa se valorizar mais Insegurança, passividade, descuido com a aparência, difi- culdade de se impor e se expres- sar e tristeza são sentimentos co- muns de quem não anda  muito bem com a autoestima. Muitas vezes, esses comportamentos po- dem ter sido causados por uma cultura dentro da própria família ou da sociedade, que oprime e faz as mulheres se conformarem que não têm seu valor e que não de- vem buscar seu próprio espaço. Cíntia explica que antes de tudo é essencial identificar esses sentimentos, compreender os motivos e, enfim, deixar toda a negatividade para trás, pois ela limita e impede as pessoas de conquistarem novas coisas e de se estimular. A partir daí poderí- amos voltar a falar sobre o auto- conhecimento e também de mu- danças:  “Só podemos mudar aquilo que conhecemos, pois o desconhecido nos paralisa”, afirma Cíntia. As dicas são: - Repensar na forma como você está se vendo, sobre como você valoriza e abafa suas quali- dades e defeitos, e por fim, fazer as coisas que te dão prazer. - A baixa autoestima é algo para se ficar de olho quando impe- de a decisão de atitudes impor- tantes, seja da vida pessoal ou profissional. - Ouvir a in- tuição ajuda a aumentar a confiança. - Não existe problema algum em se  valorizar, porém, não se pode fazer isso para humilhar alguém. Quando a autoestima é usada desta maneira, perde todo o sentido do amor próprio e passa a ser arrogância. Adeus, silicone! Tendência agora é ter seios naturais Jennifer Aniston, Jennifer Lawrence e Kate Middleton inspiram muitas mulheres a apostar no visual natural A Transform Cosmetic Group, do Reino Unido, perce- beu uma tendência de pedidos de implantes mais modestos ao longo dos últimos cinco anos. “As celebridades têm uma enor- me influência sobre as escolhas de beleza. Com a popularidade de Victoria Beckham e da du- quesa de Cambridge, ambas com uma aparência mais natu- ral, parece que as mulheres do Reino Unido estão seguindo o exemplo e indo para um tipo mais sofisticado de beleza”, co- mentou o diretor-clínico da em- presa, Mark Norfolk. “Ampliação de seios com aparência mais natural é a nova palavra damoda. Toda a pes- quisa que fiz sobre a beleza de mama indica que o seio natu- ral é universalmente preferido por homens, mulheres e entre as culturas”, comentou Patrick Mallucci da clínica Cadogan, também do Reino Unido.  
  8. 8. Pág.8 1a . quinzena de fevereiro/2015 Vai viajar ou curtir o carnaval na sua cidade mesmo? Não importa! O que vale é se divertir sem problemas! E vai rolar a festa… Nas festas, é legal estar com uma roupa leve e sapatos con- fortáveis. Afinal, para dançar muito, você tem que se sentir bem, né? Nesse caso, um salto pode até deixá-la linda, mas será que você vai aguentar a noite toda? Se a baladinha for em um local muito lotado, redobre os cuidados com dinheiro, cartei- ra e celular. Fuja de confusão! Nada de se deixar levar por pro- vocações e brigar por besteira Cair na conversa de estranhos, aceitar bebida ou carona deles nem pensar! Eu quero mais é beijar na boca! Muita gente aproveita essa época para paquerar e beijar muito. É claro que você pode (e deve!) se divertir bastante. Só fique ligada para não ficar mal falada. E lembre-se também de que qualidade é mais importan- te do que quantidade! O bullying é nome que se dá a intimidações, perseguições e humilhações praticadas repe- tidamente contra uma pessoa. É um assunto em alta e que preocupa especialmente pais e educadores. Porém, o alvo das atenções e ajuda costuma ser a vítima e não o praticante do ato. Segundo a presidente da ONG Instituto Orelhinha, Leila Souto Miranda de Assis, é preciso de- dicar a mesma atenção e impor regras a quem assedia. “Costu- mamos ver quem sofre bullying na infância ou adolescência mu- dar de sala de aula ou até mesmo de escola. Mas e os assediado- res? Mudam apenas de vítima?”, questiona Leila. À frente do Instituto Orelhi- nha, ONG que viabiliza cirur- gias de otoplastia ou correção cirúrgica de orelha em abano para pessoas que se incomodam com tal característica ou víti- mas de bullying, Leila destaca que crianças e adolescentes que estão do outro lado da história também precisam de ajuda. “A família e educadores precisam criar regras claras e coerentes que guiem o comportamento dessas crianças”, sugere. Através de uma cartilha educacional distribuída gratui- tamente para escolas, entidades e famílias e disponível para do- wnload na internet, o Instituto Orelhinha aborda de maneira clara e direta esse assunto e traz orientações sobre o que fazer O que fazer quando seu filho pratica bullying? quando os pais descobrem que o filho é quem assedia outros colegas. Confira algumas orien- tações: 1 - Deixe claro para seu filho que considera os atos de perse- guição ou intimidação sérios e que não vai tolerar tais compor- tamentos. 2 - Crie regras que guiem o comportamento dos seus filhos. Elogie e apoie quando as regras são seguidas. 3 - Utilize medidas discipli- nares e nunca castigos físicos ou hostis quando as regras de com- portamento não forem seguidas. 4 - Conheça os amigos de seus filhos e permita que eles frequentem sua casa. Preste atenção em como eles passam o tempo livre. 5 - Passe mais tempo com seus filhos. 6 - Promova os talentos de seus filhos e estimule a partici- pação em atividades sociais e esportivas. 7 - Compartilhe suas pre- ocupações com os docentes e diretores da escola de seu filho. Trabalhe com eles para trans- mitir mensagens claras sobre a importância de parar com inti- midações e perseguições. A cartilha educacional con- tra o bullying está disponível neste link http://projetoorelhi- nha.com.br/pdf/cartilha.pdf Como se divertir no carnaval Coração, para que se apai- xonou? Aiaiai…Sim, isso pode acon- tecer até no carnaval! Um olhar ou um beijo naquele carinha especial pode fazer seu coração bater mais forte. E agora? Nada de sofrer, curta o máximo que puder e, quem sabe, esse lance não pode virar um romance? Mas eu me mordo de ciúme Tem namorado? Nada de insegurança! Aproveite a folia com o seu amor. Também não vale ficar provocando ciúme. O carnaval acaba em quatro dias e depois você tem que suportar as consequências. Bebeu água? Hidrate-se! Beba muita água (só refrigerante não vale) e coma alimentos leves, senão, o corpo não aguenta tanta farra! Eu quero ser feliz antes de mais nada Não gosta de carnaval? Não vai viajar? Não vai curtir nenhu- ma festa? Nada de ficar embur- rada! Que tal fazer uma sessão cinema na sua casa? Alugue os filmes de que mais gosta, faça pipoca, brigadeiro, chame algu- mas amigas e aproveitem para colocar o papo em dia!

×