O trabalho como principio educativo frente as novas

2.008 visualizações

Publicada em

,,

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.008
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
55
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
82
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O trabalho como principio educativo frente as novas

  1. 1. O TRABALHO COMO PRINCIPIO EDUCATIVO FRENTE AS NOVAS TECNOLOGIAS Dermeval Saviani
  2. 2. Educação e Trabalho: Origens • Trabalho é o ato de agir sobre a natureza. • Inicialmente prevalecia o modo de produção comunal. • Não havia classes. Tudo era feito em comum. • Os homens produziam sua existência em comum e se educavam neste processo. • Lidando com a terra, lidando com a natureza, se relacionando uns com os outros, os homens se educavam e educavam as novas gerações.
  3. 3. • Quando o homem se fixa na terra, surge a propriedade • A propriedade privada dividiu os homens em duas classes: EDUCAÇÃO Proprietários (dominante) Era realiada na escola Educação Escolar Escola lugar do não trabalho Não Proprietários Era aprender fazendo Educação pelo trabalho • A necessidade de uma educação diferenciada para a classe dominante deu origem a escola. • A palavra escola em grego significa lugar do ócio.
  4. 4. IDADE MEDIA: ESCOLA E PRODUCAO • Temos as escolas paroquiais, as escolas catedráticas e as escolas monacais para as classes dominantes. • O trabalho deixa de ser escravo para ser servil. • O modo de produção feudal se contrapunha ao campo. • O desenvolvimento das atividades artesanais (indústria da própria agricultura) deu origem a uma atividade mercantil concentradas nas cidades. • Os mercados deram origem às cidades.
  5. 5. • A origem do burguês é o habitante do burgo, ou seja, o habitante da cidade. • Através do comércio, ele foi acumulando capital que, em seguida, passou a ser investido na própria produção, originando assim a indústria. • Estes processos de transformação conduziram ao deslocamento do eixo do processo produtivo do campo para a cidade, da agricultura para a indústria. • Temos, então, a partir deste processo, a constituição de um novo modo de produção que é o capitalista ou burguês, ou modo de produção moderno.
  6. 6. EDUCACAO E MODO DE PRODUCAO CAPITALISTA • Na sociedade capitalista, a agricultura tende a assumir cada vez mais a forma da indústria, a se mecanizar e adotar formas industriais. • O campo é subordinado à cidade devido a industrialização. • As relações antes naturais (comunidades segundo laços de sangue passam a ser sociais (rompe-se com a estratificação de classes). • A sociedade capitalista rompe com a ideia de comunidade, e traz a tona a ideia de sociedade. • A liberdade passa a ser vinculada à propriedade.
  7. 7. A ESCOLA NA SOCIEDADE MODERNA • A produção centrada na cidade e na indústria implica que o conhecimento, a ciência que é uma potência espiritual, se converta, através da indústria, em potência material. • Todo o desenvolvimento científico da época Moderna se dirigia a transformar os conhecimentos em meios de produção material. • A exigência da escola se alarga, pois, a incorporação da ciência ao processo produtivo envolve a exigência da disseminação dos códigos formais, do código da escrita. • A escola passa a absorver todas as funções educativas que antes eram realizadas fora da escola. (hipertrofia da escola).
  8. 8. A CONTRADICAO DO PROCESSO ESCOLAR • A sociedade capitalista tende a generalizar a escola, esta generalização aparece de forma contraditória, porque a sociedade burguesa preconizou a generalização da educação escolar básica. • Na sociedade moderna se saber é força produtiva deve ser propriedade privada da burguesia. • Na medida em que o saber se generaliza e é apropriado por todos, então os trabalhadores passam a ser proprietários de meios de produção. • A escola entre nesse processo contraditório: reivindicada pelos trabalhadores, mas, as burguesia reluta em expandi-la.
  9. 9. A CONTRADICAO DO PROCESSO ESCOLAR • Esta contradição foi contornada por Taylor, que através do estudos dos tempos e movimentos, sistematizou as formas do processo de produção que os trabalhadores dominavam. • Taylor desapropriou os trabalhadores daquele saber, elaborou o e desenvolveu o na forma parcelada, desapropriados dos conhecimentos sistemáticos relativo ao processo produtivo, daquele considerado força produtiva. • O trabalho se tornou abstrato, isto é, simples e geral.
  10. 10. Máquina • Viabilizou a materialização das funções intelectuais no processo produtivo. Escola • Viabilizou a generalização das funções intelectuais na sociedade • A Revolução Industrial Revolução Educacional • Colocou a máquina no centro do processo produtivo e a escola como a forma principal e dominante de educação
  11. 11. • O sistema de ensino se bifurcou entre:  escolas de formação geral (intelectuais)  escolas profissionais (intelectuais e manuais) • Esta dualidade vem sendo posta em xeque no contexto da chamada introdução as novas tecnologias.
  12. 12. Novas tecnologias e educativo • Vivenciamos a Segunda Revolução Industrial ou Revolução da Informática, ou ainda Revolução da Automação. Era das máquinas inteligentes. • Antes: transferência das funções manuais para as máquinas. • Hoje: transferência das próprias operações intelectuais para as máquinas.
  13. 13. • As qualificações intelectuais específicas tendem a desaparecer, o que traz como contrapartida a elevação do patamar de qualificação geral. • Parece, pois, que estamos atingindo o limiar da consumação do processo de constituição da escola como forma principal, dominante e generalizada de educação. • Uma escola que desenvolva ao máximo as potencialidades dos indivíduos. • Entretanto, existem obstáculos postos pelas relações sociais vigentes, que dificultam a generalização da produção baseada na incorporação maciça das tecnologias avançada, dificultam também a universalização da referida escola unitária.
  14. 14. • É na escola , espaço de elaboração do pensamento, que se pode avançar além da interpretação. • Nesta nova Era o homem transferi intelectualidade para as máquinas e assim as tornam operantes. • Nesse processo o homem precisa dominar a universalidade das ciências, o que implica ao desenvolvimento de potencialidades. • É fundamental uma mudança de atitude da escola no que diz respeito ensino-aprendizado.
  15. 15. • Educação e trabalho não podem estar desvinculados: pode-se afirmar que o trabalho foi ,é e continuará sendo o principio do ensino em seu conjunto • Determinou o seu surgimento sobre a base da escola primária e tende a determinar, no contexto das tecnologias avançadas a sua unificação. • E a escola tem esse papel de desenvolver essas novas relações entre conhecimento e trabalho. • Na qual a ocupação escolar seja acompanhada de uma boa formação.

×