Projeto Pupunha

235 visualizações

Publicada em

Projeto de produção de palmito pupunha. Projeto com manejo contínuo, utilizando irrigação e adubação orgânica continua para maximizar a produção e sustentabilidade do projeto. Implantação de certificações para maximizar aceite no mercado nacional e internacional.

Publicada em: Alimentos
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
235
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto Pupunha

  1. 1. PUPUNHA - UMA ATIVIDADE RENTÁVEL E ECOLÓGICA Cleyton Ferreira de Almeida CREA/SC 128965-6
  2. 2. INTRODUÇÃO A pupunha constitui-se a mais nova alternativa para a produção de palmito, tendo a vantagem de ser explorada em plantios organizados. O palmito é basicamente uma iguaria do Brasil, que responde por cerca de 85% da produção mundial, não dominando, contudo, as exportações. A principal causa da perda desta liderança é a falta de qualidade do produto brasileiro. As exportações brasileiras já foram da ordem de US$ 40 milhões, situando-se hoje em cerca de 7 a 8 milhões de dólares anuais.
  3. 3. Conceito do Negócio • Uso sustentável dos recursos naturais • Menor impacto ambiental na produção de alimentos • Geração de renda sustentável • Geração de emprego • Aumento da renda da população envolvida no projeto
  4. 4. • precocidade, com o primeiro corte a partir de 18 meses após plantio; • perfilhamento da planta mãe, o que permite repetir os cortes nos anos subsequentes, sem necessidade de replantio da área; • qualidade do palmito, geralmente o palmito tem comprimento de 40 cm e diâmetro entre 1,5 - 4 cm, sendo muito macio e saboroso; • lucratividade, quando plantado e conduzido adequadamente, um hectare produz de 5.000 a 12.000 palmitos por ano; • segurança para o produtor, pois o palmito pode ser deixado no pé ou quando cortado pode ser processado, envasado e guardado para ser comercializado quando o mercado se encontrar mais propício; • facilidade nos tratos culturais e corte, uma vez que plantas selecionadas não apresentam espinhos • vantagens ecológicas, podendo a cultura ser conduzida a pleno sol, em áreas agrícolas tradicionais, sem nenhum dano às matas nativas, fato este de grande apelo comercial, principalmente para a exploração do palmito visando o mercado externo. As principais vantagens para a exploração comercial de palmito da pupunheira são:
  5. 5. Apenas para atender a demanda interna de palmito estima-se seriam necessários 130.000 ha de pupunheiras cultivadas (Corpei, 2001). Além disto, palmitos ecológicos de boa qualidade são competitivos no mercado internacional. Isto representa potencialmente um grande agronegócio que promoveria geração de empregos e riquezas tanto no campo como na indústria e comércio. Fonte: CORPEI. CBI Project Expansion Of Ecuador's Export Commodities Product Profile Heart Of Palm (Palmito). Corporation de Promocion de Exportaciones e Inversiones del Equador, 2001. 49p.
  6. 6. MERCADO RELEVANTE • O consumidor e os profissionais da gastronomia buscam dar ênfase ao valor nutritivo e culinário dos legumes e dos produtos “biológicos” com o certificado “sem pesticidas”. Estima-se um crescimento do consumo de legumes congelados no mercado europeu em torno de 5% ao ano.
  7. 7. FATORES RELEVANTES QUE INFLUENCIAM AS EXPORTAÇÕES • A demanda por legumes em conserva é estável. Observa-se um maior interesse por alimentação rica em legumes e biológica; • O palmito é considerado no mercado europeu um produto exótico, especial e de preço elevado, quando comparado com outros legumes em conserva; • O potencial de crescimento depende do interesse do consumidor em experimentar alimentos exóticos. O consumidor europeu tem demonstrado interesse crescente em mudar ou diversificar seus hábitos alimentícios; • A oferta de palmitos biológicos, portanto, poderia beneficiar-se da crescente demanda não satisfeita por legumes e produtos biológicos, em geral; • Existe tendência de crescimento da demanda por produtos alimentícios já prontos para consumo, congelados, frescos ou em conservas; • O palmito originário de países como Costa Rica e Guiana é isento de direitos aduaneiros ad valorem na Bélgica, portão de entrada de produtos para muitos países da Europa; • De acordo com pesquisa realizada junto a alguns importadores americanos pelo Departamento de Promoção Comercial (DPR) do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, o produto brasileiro está em desvantagem no mercado por ser atualmente exportado em lata para os EUA, contrariando a preferência do consumidor americano por conservas em vidro. • O Brasil foi pioneiro e líder de exportações de palmito para os Estados Unidos e, portanto, possui uma certa tradição no mercado norte-americano, o que pode facilitar a sua expansão naquele mercado.
  8. 8. fonte: Dairy Herd Management (por John Maday), adaptado por Equipe BeefPoint Cresce mercado de produtos naturais nos EUA Especialistas de mercado reconhecem que muitos consumidores estão dispostos a pagar um preço maior por produtos de origem animal, carne ou produtos lácteos, que estejam de acordo com seus gostos pessoais ou com seus padrões. Preferências dos consumidores Os consumidores modernos querem alimentos de alta qualidade e dão uma grande importância para a forma como as propriedades rurais são gerenciadas. Um estudo recente feito pela Colorado State University pediu a 1400 consumidores de Colorado, Utah e New México, que colocassem em ordem de importância fatores referentes à produção de carne suína e bovina. Foi utilizada uma escala de 1 a 5, sendo o 1 “não importante” e o 5 “muito importante”. Os resultados encontram-se no gráfico abaixo:
  9. 9. Exportações brasileiras, equatorianas e costa-riquenhas de palmito em conserva no período de 1990 a 2001. Fonte Brasil: SECEX (http://aliceweb.desenvolvimento.gov.br).; Fonte Equador: Banco Central del Ecuador (http://www.bce.fin.ec); Fonte Costa Rica: Procomer (http://www.procomer.com).
  10. 10. O palmito de pupunheira cultivada produzido na Costa Rica e no Equador, além de considerado ecológico e de melhor qualidade, tem sua comercialização controlada por grupos multinacionais que investem em qualidade e marketing e divulgam os problemas do palmito brasileiro. Com um maior rigor no controle do extrativismo ilegal, existe uma tendência do mercado de palmito de pupunha cultivada crescer no Brasil. MERCADO CONCORRENTE
  11. 11. “Todo alimento em conserva pode se contaminar pelo agente causador do botulismo, principalmente pela má conservação do alimento dentro de casa ou erros durante o processo produtivo” (Anvisa, 2006) A PERDA DE MERCADO INTERNACIONAL PELO PRODUTO BRASILEIRO FOI PRINCIPALMENTE PELO OCORRIDO EM 1998 PELOS CASOS DE CONTAMINAÇÃO DE BOTULISMO ORIUNDO DE PRODUTOS PROCESSADOS DE MODO INCORRETO E DE ORIGEM DUVIDOSA, AGREGADO A FALTA DE PROFISSIONALIZAÇÃO DO RAMO.
  12. 12. ESTRATÉGIA DE COMERCIALIZAÇÃO Produto Renovável: a pupunha apresenta boa capacidade de emissão de perfilhos, permitindo a sua renovação natural, além da possibilidade de replantio, quando necessário; a juçara e grande parte do açaí oferecidos no mercado são obtidos com a devastação das florestas tropicais; Qualidade e Padronização: os palmitos oriundos do açaí e da juçara não são padronizados, pois são obtidos por meio de processos de industrialização pouco controlados, o que possibilita contaminações; Planejamento e Regularidade na Oferta: o palmito obtido do açaí e da juçara, por depender da atividade extrativa, apresenta dificuldades no planejamento de sua produção e irregularidades na oferta, comprometendo a sua colocação no mercado; as plantações de pupunha, por outro lado, vêm atingindo elevado padrão de controle desde a produção até o mercado, nos principais países produtores; Criação de Selos de Qualidade para o plantio. (ponto crucial para o projeto) A legislação norte-americana relacionada a palmito, assim como para outros produtos agrícolas, é muito rígida e detalhada. Especificações sobre embalagens, rotulagem, descrições de ingredientes e aditivos usados devem ser seguidos minuciosamente a fim de evitar que o produto seja retido nos portos.

×