Aula 2 natureza química do material genético

1.022 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.022
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
45
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 2 natureza química do material genético

  1. 1. Material Genético: Identificação e Estrutura
  2. 2. Introdução
  3. 3. A primeira questão a ser discutida, é aquela que foi predominante na mente dos geneticistas e biólogos moleculares da primeira metade do século passado. Na sua forma mais simples a questão é: "De que os genes são constituídos?". Em termos mais técnicos, a informação que se buscava era a natureza química do material genético.
  4. 4. A Informação Genética: • Fertilização; • Divisão Celular. O Material genético: - Especifica grande variedade de proteínas; - Tem um Código; - Genes e seqüências reguladoras; - A Estrutura possibilita a Manutenção e perpetuação da seqüência de bases.
  5. 5. A Descoberta do DNA Como Material Genético  1928 – Fred Griffith (1877 1941). Material & Métodos Streptococcus pneumoniae (pneumococo) Existem 2 formas celulares:  Tipo II "R" (não encapsulado, rugosa), não virulenta.  Tipo III "S" (encapsulada, lisa), virulenta.
  6. 6. O Experimento de Griffith!
  7. 7. O Experimento de Griffith!
  8. 8. O Experimento de Griffith!
  9. 9. O Experimento de Griffith!
  10. 10. O Experimento de Griffith!
  11. 11. O Experimento de Griffith!
  12. 12. O Experimento de Griffith!
  13. 13. Conclusões: - Deve existir um “Principio Transformante” que converte as bactérias não virulentas e rugosas em bactérias virulentas e lisas!! - Mas quem era este elemento??
  14. 14. 1944 - Oswald Avery (1877-1955), Colin MacLeod (1909-1972) e Maclyn McCarty (1911-): O principio transformador é o DNA.
  15. 15. Polissacarídeos Lipídios RNA Proteínas DNA
  16. 16. Polissacarídeos Lipídios RNA Proteínas DNA Células vivas
  17. 17. Polissacarídeos Lipídios RNA Proteínas DNA Células vivas
  18. 18. Polissacarídeos Lipídios RNA Proteínas DNA Células vivas
  19. 19. Polissacarídeos Lipídios RNA Proteínas DNA Células vivas
  20. 20. Polissacarídeos Lipídios RNA Proteínas DNA Células vivas
  21. 21. 1952 - Alfred Hershey e Martha Chase – Trabalhando com fagos comprovaram definitivamente que o DNA era o material genético.
  22. 22. •1953: Watson & Crick Estrutura do DNA
  23. 23. - O DNA é um POLÍMERO. - Os NUCLEOTÍDEOS – são os MONÔMEROS do DNA. - A unidade básica da molécula de DNA é o nucleotídeo. Eles são encontrados nas células como componentes dos ácidos nucléicos ou como moléculas individuais, desempenhando os mais diferentes A ESTRUTURA DO DNA
  24. 24. O nucleotídeo é, na verdade, uma molécula complexa constituída de três componentes distintos: a) O Ácido Fosfórico; b) O Açúcar – Pentose;
  25. 25. c) As Bases Nitrogenadas: - Adenina (A) e Guanina (G) -chamadas PURINAS, constituídas de dois anéis aromáticos. - Timina (T) e Citosina (C) - chamadas PIRIMIDINAS, com um só anel.
  26. 26. NUCLEOTÍDEO Unidade básica de repetição da fita única de DNA Desoxirribose + Fosfato + Base
  27. 27. 1. O Açúcar no RNA é a RIBOSE. 2. O RNA contém Uracila no lugar da Timina. O RNA TAMBÉM É UM POLINUCLEOTÍDEO Uracila
  28. 28.  Adenina  Guanina  Citosina  Timina  Adenina  Guanina  Citosina  Uracila Purinas Pirimidinas Bases Nitrogenadas DNA RNA Açúcar Desoxirribose Ribose Fita dupla Fita simples Número de Fitas COMPARANDO......
  29. 29. O pensamento da época O Havia relutância em aceitar o DNA como responsável pela transmissão genética por ser muito simples. O O DNA teria que reunir as seguintes características:  Capacidade de auto-replicação;  Capacidade de codificar informações em grande número. O Os blocos construtivos do DNA eram conhecidos, mas a sua estrutura não. Estes blocos são nucleotídeos formados de: Desoxiribose, Base nitrogenada, Fosfato.
  30. 30. Erwin Chargaff estabeleceu proporções entre as bases nitrogenadas
  31. 31. Conclusões de Chargaff OA quantidade de nucleotídeos pirimidínicos (T+C) é sempre igual a quantidade total de nucleotídeos purínicos (A+G); OA Quantidade de T = A; C = G; OA Quantidade de A+T é diferente de G + C; OA relação A + T / G + C é espécie específica.
  32. 32. 1953 – Rosalind Franklin e Maurice Wilkins OResultados com difração de raio X:  O DNA é longo e fino;  Tem partes semelhantes e paralelas, correndo ao longo da molécula;  É helicoidal;  Raio de 10 Å; Ciclo de 34 Å e 3,4 Å entre “degraus”.
  33. 33. O1953 – Rosalind Franklin e Maurice Hugh Frederick Wilkins. 1920 - 1958 1916 - 2004
  34. 34. Como obtiveram tais imagens
  35. 35. O resultado mais famoso é aquele que utiliza cristais de DNA, obtido por Rosalind Franklin, em Maio de 1952, usando técnicas desenvolvidas anteriormente por Maurice Wilkins. Tais resultados mostram que o DNA é uma hélice com dois intervalos regulares de 3.4A e 34A ao longo do eixo da molécula.
  36. 36. WATSON E CRICK DECIFRAM A ESTRUTURA
  37. 37. 1. A dupla hélice é composta de dois Polinucleotídeos (Dupla Hélice). 2. As bases nitrogenadas estão empilhadas no interior da hélice. 3. As bases de dois polinucleotídeos interagem através de Pontes de Hidrogênio. Esta hélice possuía oito importantes características:
  38. 38. 5. Os dois filamentos da dupla hélice são Anti- Paralelos. As fitas do DNA estão dispostas em direções opostas.
  39. 39. 6. A dupla hélice possui dois Sulcos Diferentes (Sulco Maior e Sulco Menor). 7. A dupla hélice é Dextrógira (torcida para a direita).
  40. 40. Sulco menor Sulco maior
  41. 41. 8 - A Complementariedade no pareamento de Bases é o fato fundamental da Genética Molecular.
  42. 42. Durante a replicação do DNA as duas fitas velhas ou mães servem de molde para cada fita nova ou filha complementar, que está sendo sintetizada. Fita velha Fita nova

×