Interpretação e Compreensão de Texto

61.890 visualizações

Publicada em

Diferenciação entre Compreensão e Interpretação; erros clássicos de interpretação.

3 comentários
85 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
61.890
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9.930
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
3
Gostaram
85
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Interpretação e Compreensão de Texto

  1. 1. Interpretação eCompreensão de texto
  2. 2. Interpretar é compreender compreender + analisar o texto. analisar INTERPRETARCOMPREENSÃO consiste em analisar o que realmente está escrito;coletar dados do texto.INTERPRETAÇÃO consiste em saber o que se conclui após a análise do texto
  3. 3. Habilidades interpretativas“estabelecer relações entre cada texto e aspectos históricos, sociais, políticos,econômicos e culturais da época em que ele foi produzido e da atualidade”. “refletir sobre diferentes fatos lingüísticos flagrados em textos orais e escritos; areconhecer e analisar a variação lingüística em suas diferentes dimensões sócio-históricas ,como um fenômeno inerente ao uso da língua e determinado pelosfatores que definem as condições de produção de um texto, oral ou escrito;“reconhecer a natureza dominante de um texto (por exemplo: se se trata de umtexto dissertativo, narrativo, poético, técnico, político, religioso, jornalístico,regional, popular etc.)”.“identificar, nesses textos, as marcas lingüísticas de sua especificidade. Apenaspara exemplificar: com relação a um texto dissertativo, você deverá ser capaz deidentificar e entender a linha argumentativa do texto (a que conclusão chega,quais os argumentos utilizados, quais as objeções levadas em conta e como sãotratadas)”.
  4. 4. Sempre que nos deparamos com um texto, estabelecemos com elealgum tipo de diálogo. Antes mesmo de saber seu conteúdo, nós játemos algumas pistas sobre o que encontraremos nele. Público Alvo PISTAS Local de Imagem veiculação Esse diálogo continua durante todo o tempo em que temoscontato com a escrita, ampliando nossa leitura, até o ponto em que o interpretar supera em muito o mero compreender e reproduzir as idéias do texto lido.
  5. 5. Além do texto O conhecimento de mundo eleva a capacidade de interpretação do leitor. Vídeo capturado do youtube.com Interpretar é analisar o que se lê, relacionando com o que se conhece.“Conhecimento”http://www.youtube.com/watch?v=AXzfjQeEjYg&feature=related
  6. 6. Exercitando O texto a seguir apresenta uma situação inesperada em que se confrontam uma linguagem formal, que não se espera de um jogador de futebol, e uma linguagem bastante coloquial, que é o que se espera dele em uma entrevista.
  7. 7. “Para falar e escrever bem, é preciso, além de conhecer o padrão formal da Língua Portuguesa, saber adequar o uso da linguagem ao contexto discursivo. Para exemplificar este fato, seu professor de Língua Portuguesa convida-o a ler o texto Aí, Galera, de Luís Fernando Veríssimo.No texto, o autor brinca com situações de discurso oral que fogem à expectativa do ouvinte.” (prof.Cid Ottoni Bylaardt, disponível em www.vestibular1.com.br) Luís Fernando Veríssimo
  8. 8. Aí, GaleraJogadores de futebol podem ser vítimas de estereotipação. Por exemplo, vocêpode imaginar um jogador de futebol dizendo “estereotipação”? E, no entanto,por que não?— Aí, campeão. Uma palavrinha pra galera.—Minha saudação aos aficionados do clube e aos demais esportistas, aquipresentes ou no recesso dos seus lares.— Como é?— Aí, galera.— Quais são as instruções do técnico?— Nosso treinador vaticinou que, com um trabalho de contenção coordenada,com energia otimizada, na zona de preparação, aumentam as probabilidades de,recuperado o esférico, concatenarmos um contragolpe agudo com parcimônia demeios e extrema objetividade, valendo-nos da desestruturação momentânea dosistema oposto, surpreendido pela reversão inesperada do fluxo da ação.— Ahn?— É pra dividir no meio e ir pra cima pra pegá eles sem calça.— Certo. Você quer dizer mais alguma coisa?— Posso dirigir uma mensagem de caráter sentimental, algo banal, talvez mesmoprevisível e piegas, a uma pessoa à qual sou ligado por razões, inclusive,genéticas?
  9. 9. — Pode. — Uma saudação para a minha progenitora. — Como é? — Alô, mamãe! — Estou vendo que você é um, um... — Um jogador que confunde o entrevistador, pois não correspondeà expectativa de que o atleta seja um ser algo primitivo com dificuldadede expressão e assim sabota a estereotipação? — Estereoquê? — Um chato? — Isso.
  10. 10. Dialogando com o texto. Percebemos de imediato que se trata de uma entrevista que cria uma situação ideal que provoca o riso. O humor é aqui veiculado por meio do inesperado, em que cada expressão “erudita” do jogador soa como algo tão fora de contexto que, ao imaginarmos a situação, não deixamos de achar graça. A habilidade do autor consiste em explorar com inteligência uma situação hipotética de inadequação linguística para provocar o humor. As duas primeiras questões propostas a seguir pretendem exatamente verificar a capacidade do aluno de julgar a inadequação linguística e relacioná-la com o inesperado; Vamos a elas:1. (ENEM) A expressão “pegá eles sem calça” poderia sersubstituída, sem comprometimento de sentido, em língua culta,formal, por:a)pegá-los na mentira. Avalia se o aluno é capaz deb)pegá-los desprevenidos. compreender a mensagem,c)pegá-los em flagrante. mesmo em uma variedade nãod)pegá-los rapidamente. padrão, e transferi-la à normae)pegá-los momentaneamente culta
  11. 11. 2. (ENEM) O texto retrata duas situações relacionadas que fogem à expectativa do público. São elas:c) a saudação do jogador aos fãs do clube, no início da Esta questão entrevista, e a saudação final dirigida à sua mãe. extrapola o texto parab) a linguagem muito formal do jogador, inadequada à apresentar situação da entrevista, e um jogador que fala, com novas situações desenvoltura, de modo muito rebuscado. que você deverá relacionar comc) o uso da expressão “galera”, por parte do o discurso entrevistador, e da expressão “progenitora”, por parte criado. do jogador.d) o desconhecimento, por parte do entrevistador, da palavra “estereotipação”, e a fala do jogador em “é pra dividir no meio e ir pra cima pra pegá eles sem calça”.e) o fato de os jogadores de futebol serem vítimas de estereotipação e o jogador entrevistado não corresponder ao estereótipo.
  12. 12. 3.(ENEM) O texto mostra uma situação em que alinguagem usada é inadequada ao contexto.Considerando as diferenças entre língua oral e língua Nesta questão oescrita, assinale a opção que representa também uma processo mentalinadequação da linguagem usada ao contexto: é mais simples, e sua habilidadea) “o carro bateu e capotô, mas num deu pra vê direito”- um consiste empedestre que assistiu ao acidente comenta com o outro que vai relacionar seupassando. conhecimentob) “E aí, ô meu! Como vai essa força?” - um jovem que fala da linguagempara um amigo. formal com ac)“Só um instante, por favor. Eu gostaria de fazer uma modalidadeobservação” - alguém comenta em uma reunião de trabalho. culta da língua, ou seja,d)“Venho manifestar meu interesse em candidatar-me ao cargo entender ade Secretária Executiva desta conceituada empresa” - alguémque escreve uma carta candidatando-se a um emprego. mesma expressão eme) “Porque se a gente não resolve as coisas como têm que ser, a dialetosgente corre o risco de termos, num futuro próximo, muitopouca comida nos lares brasileiros” - um professor diferentes.universitário em um congresso internacional.
  13. 13. “somente a prática da leitura com método irá consolidar esse processo em sua mente, tornando-o um leitor cada vez melhor.Você sempre será hoje um leitor melhor do que o de ontem, e amanhã um leitor melhor do que o de hoje.” (prof.Cid Ottoni Bylaardt)
  14. 14. Erros clássicos de interpretação redução contradição extrapolaçãoEXTRAPOLAÇÃO consiste em afirmar algo não contido no texto.CONTRADIÇÃO consiste em depreender a idéia contrária da afirmada no textoREDUÇÃO consiste em não relacionar as idéias do texto àquilo que “se conheceno mundo.”
  15. 15. TEXTO 1A coisa mais injusta sobre a vida é a maneiracomo ela termina. Eu acho que o verdadeirociclo da vida está todo de trás pra frente.Nós deveríamos morrer primeiro, se livrarlogo disso. Daí, viver num asilo até serchutado pra fora de lá por estar muito novo.Ganhar um relógio de ouro e ir trabalhar. Então você trabalha40 anos até ficar novoo bastante para poder aproveitarsua aposentadoria. Aí você curte tudo,bebe bastante, dá festas e se preparapra faculdade.Você vai pro colégio, temvárias namoradas,vira criança, não tem nenhumaresponsabilidade,se torna um bebezinho decolo, volta pro útero da mãe, passa seus últimosnove meses de vida flutuando...E termina tudo com um ótimo orgasmo!!Não seria perfeito? (CHAPLIN,Charlie)
  16. 16. InterpretandoO autor:a) parte do princípio que o ócio/prazer deveria ser o fim último da vida.b) parte do princípio que a vida deveria ser só ócio/prazer.c) parte do princípio que a vida não se encerra com a morte.d) parte do princípio que todos têm direito à vida.e) parte do princípio que somos responsáveis por aquilo que cativamos.O autor é reconhecido mundialmente por:a) sua obra cinematográfica. Tente perceber qual ob) suas pinturas soberbamente avaliadas, erro clássico dejuntamente com sua obra cinematográfica. interpretação em cadac) seus romances e contos. alternativa descartada.d) suas fotografias e esculturas.e) suas invenções que transformaram o cinema.
  17. 17. O fragmento que melhor interage com o texto de Chaplin é:a) De tudo o que era nego torto d) Vou apertar, mas Do mangue e do cais do porto não vou acender agora Ela já foi namorada Vou apertar, mas não vou É a rainha dos detentos acender agora Dos cegos, dos lazarentos Se segura malandro, pra fazer a Dos moleques do internato cabeça tem hora (Bezerra da Silva) (Chico Buarque)b) De repente me lembro do verde A cor do verde é a mais verde que existe e) Aquele preto, tão preto A cor mais alegre, a cor mais triste Com aquela barba branca, O verde que vestes, o verde que vestiste tão preta No dia em que te vi, no dia em que... E aquele olhar tão meigo, me viste de quem espera (Caetano Veloso) ganhar um sorriso incolor (Secos & Molhados)c) A gente não quer só comida A gente quer bebida, diversão e arte Qual a habilidade A gente não quer só comida, a gente quer saída interpretativa Para qualquer parte esperada do aluno A gente não quer só dinheiro A gente quer dinheiro e quer fazer amor neste exercício? (Titãs)
  18. 18. O modelo de sociedade requerido pelo autor: a) Consumista Qual a habilidade b) maniqueísta* interpretativa c) hedonista** esperada do aluno d) individualista neste exercício? e) coletivista*maniqueísmo :Religião de Maniqueu, baseada num gnosticismo dualista.Qualquer doutrina baseada, como a de Maniqueu, na coexistência dos dois princípios opostos — o do bem eo do mal.**Hedonismo: Doutrina moral que considera ser o prazer a finalidade da vida: há pessoas que professam naturalmenteo hedonismo. — O termo hedonismo vem de uma palavra grega que significa prazer. Na Grécia antiga, epicuristas ecirenaicos baseavam suas teorias éticas na idéia de que o prazer é o maior bem. Mas os epicuristas acreditavam que oshomens devem buscar os prazeres da mente, e não os prazeres do corpo. Achavam que o sábio evita os prazeres quemais tarde podem lhe causar dor.
  19. 19. TEXTO 2“Se a concreção dainterpretação, no sentidoda interpretação textual exata,se compraz emse basear nisso que está notexto, aquilo que, deimediato, apresenta comoestando no texto nadamais é do que a opinião prévia,indiscutida e supostamenteevidente, do intérprete.” Heidegger
  20. 20. O foco é o texto:A palavra “concreção”, no texto, tem o sentido de:a) abstraçãob) relação Este exercício abordac) realização compreensão ou interpretação do texto?d) materializaçãoe) antecipaçãoSegundo o texto:a) A opinião não tem substância lógica.b) A opinião é posterior ao conhecimento.c) A opinião é a materialização de um conhecimento.d) A opinião antecede o conhecimento.e) A opinião é a manifestação de uma visão de mundo.
  21. 21. Um enigmático sorrisoA Monalisa e seu enigmático sorriso foi inspirada em uma modelo viva, LisaGherardini, terceira esposa de um rico mercador florentino, Francesco del Giocondo,dezenove anos mais velho.Francesco encomendou um retrato da mulher para pendurá-lo na sala de jantar. Lisa começou a posar em 1503. Leonardoda Vinci (1452 1519) levou quatro anos fazendo otrabalho e jamais chegou a conclui-lo como desejava.É que Francesco ficou impaciente com a demora, proibiu sua mulher de continuar posando e não pagou pela obra. O reifrancês Francisco I comprou o quadro para decoraro seu banheiro e pagou o equivalente a 15,3quilos de ouro.Um crítico de arte, em 1568, escreveu: "Enquantopintava o retrato dela, Leonardo contratou pessoas que cantavame tocavam para manterem-na alegre, eliminando aquela ponta demelancolia que o fato de posar acarreta".Alguns estudiosos dizem que Monalisa poderia ser Constanza dAvalos, amante de Giuliano de Medici. Há também quemsustente que Leonardo da Vinci teria pintado um quadrode Monalisa nua. O quadro e os esboços nunca foram encontrados.Monalisa não tinha sobrancelhas. Era moda na Renascença raspá-las. (Marcelo Duarte, in O Guia dos Curiosos)
  22. 22. Segundo o texto, há discordância quanto: a) à nacionalidade da Monalisa b) ao autor da obra c) à ausência de sobrancelhas na Monalisa d) à identificação da Monalisa e) à contratação de músicos e cantores para distraírem a modelo.De acordo com o texto, pode-se afirmar:a) Monalisa posou nua, mas o quadro nunca foi encontrado.b) Leonardo da Vinci não recebeu pagamento pelo quadro.c) Para da Vinci, o quadro não era perfeito.d) A Monalisa é uma importante obra da juventude de Leonardo da Vinci.e) Conquanto houvesse grande demora, Francesco del Giocondo impediu amulher de continuar posando.A palavra do texto que apresenta erro de acentuação gráfica é:a) enigmáticob) pendurá-loc) conclui-lod) Háe) raspá-las
  23. 23. Marque a alternativa em que a substituição acarreta alteração de sentido.a) e seu enigmático sorriso e seu obscuro sorrisob) de um rico mercador florentino de um rico mercador de Florençac) levou quatro anos levou um lustrod) um quadro de Monalisa nua um quadro de Monalisa despidae) Era moda na Renascença Era moda no RenascimentoAssinale a frase em que o erro de pontuação é o mesmo que aparece em "Eledisse ao amigo, que não poderia participar.“a) Aqui, senhores existiu uma grande lagoa.b) Os moradores daquela cidade interiorana, sempre estão satisfeitos.c) Assim que a prova terminou os candidatos se retiraram apressadamente.d) Márcia secretária da firma voltou de Porto Alegre.e) Mostramos animadamente, o que o grupo tinha preparado.
  24. 24. Fontes• Jurisway.com.br• Dicionário on line workpedia• cursoaprovacao.com.br• www.vestibular1.com.br• INEP, enem -98 Organização e Pesquisa Profa.Cláudia Heloísa Cunha Andria Licenciada em Letras – Unisantos Contato: clauheloisa@yahoo.com.br

×