éTica nas negociações

318 visualizações

Publicada em

Ética nas organizações

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
318
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

éTica nas negociações

  1. 1. ÉTICA NAS NEGOCIAÇÕES Rovigati Danilo Alyrio (UFRRJ) rovigati@uol.com.br Lêda Maria Ribeiro (UBM) leda.riabeiro@superonda.com.br Maricinéia Pereira Meireles da Silva (UBM) maricineia@uol.com.br Jucimara Martins do Santos (UBM) jucimara_martins@yahoo.com.br Maria de Lourdes Marques Camargo (UBM) marian_camargo@yahoo.com.br O objetivo do presente artigo é um estudo sobre a percepção do significado da Ética, e da presença da mesma nas negociações dos colaboradores de uma empresa que oferecem a população de cinco cidades do estado do Rio de Janeiro prestações dee serviços na área tecnológica. A partir dos conceitos de Ética, desde os clássicos até os de autores contemporâneos, pode-se observar pela pesquisa bibliográfica que a sabedoria clássica fundamenta as condutas daqueles que agem eticamente, o que foi constatado, na pesquisa aleatória com dezessete colaboradores da empresa “R”. Partindo do pressuposto que a Ética representa um conjunto de crenças, valores e formas de relacionamentos, percebeu-se, que a maioria dos entrevistados traz consigo seu significado e o reconhecimento de que as negociações quer sejam internas ou externas, passam pelas relações inter e intrapessoal daqueles que fazem parte de uma empresa. Assim sendo as negociações, imperceptíveis por vezes, estão presentes na vida em geral, portanto são rotineiras e cotidianas, sendo imprescindível levar-se em conta a Ética nas decisões que para serem justas devem observar o bem comum na tomada de decisão. Palavras-chaves: Ética - Negociação - Tomada de decisão  ¡ £¢¡¤¥¤§¦©¨¡¨ ¨£¡¤¨£ !#©$%©$(')£0(1 )2!#3¡04!(56)£4 798A@B8ACDFE GIHFPB8RQTSVUW8RGIXFCSVYFPB`bacSFdePBQfYFE gAh SFDFSpiASFqFC¥8RE @srt8cDFC¥Gc`baASFueXFCSwvx8yrtSp8RiAPBiyrt8A@srtGAqFE hEY FGAYF8 Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007
  2. 2. €©€(©‚ƒ‚…„V†¡‡©ˆ‰†e’‘§ˆ#†e“(‡©‚ƒˆ‰†e“”p•‰–T–F—‰˜‰–V—‰™‰7©d‰e 7f•‰–Tg…d§h‰•‰i§jk7©h l9mwncmso pcqrsutWm£vwtxBmyr£zWo wW{ctW|~}~wcctcv€{Wq~‚wcpWwƒ~wW„co myqny…¥mwpWo r~|u}~wW†bzco wy‡ˆm…xw(myƒstcƒx…¥mwnt…¥rw„cq ‚q{ cr~{Wm Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007 2 1. Introdução Num tempo, em que o próprio tempo é fator vital, onde é enorme o fluxo de informações que, em todo momento oferecem novidades a pessoas empreendedoras, em especial aos empresários, que também são compelidos a usarem estratégias inovadoras e convincentes em suas negociações internas ou externas. Internas no que diz respeito às relações inter e intrapessoal de todos que fazem parte da empresa e externas à medida que as necessidades empresariais necessitam realizar transações na conquista de clientes e na aquisição dos produtos necessários aos seus empreendimentos. Neste contexto o difernecial que influencirá sobremaneira nas negociações é o comportamento ético levando-se em conta que existem: [...] dois componentes que afetam a maneira de agir das pessoas: o domínio da legislação, contendo os princípios éticos estabelecidos por lei, e o domínio da livre escolha, ou seja, a condição social de todo ser livre, de fazer suas escolhas e de agir da maneira que melhor lhe convier, em cada situação de sua vida pessoal e profissional. (ANDRADE, et al. 2007:19) Assim sendo, é saudável que levem sempre em conta a Ética sobre a qual se encontra uma considerável quantidade de pesquisa, no entanto são ainda reduzidos os estudos junto a empresas de pequeno e médio porte no que diz respeito à questão da ética nas negociações internas, ou seja, aquelas realizadas entre empregadores e empregados. É nesse foco que se direciona esse trabalho que tem por objetivo identificar o conhecimento que as pessoas têm a respeito do significado de Ética e sobre o comportamento ético, que deve acontecer desde as negociações entre os pares e o estaf de uma empresa até aquelas que se referem à conquista de clientes e aquisição de produtos. Há de se considerar a importância do significado de Ética, cujas definições ou conceitos, de alguns pensadores, desde os clássicos, são apresentados neste artigo a fim de alicerçar o que se apresenta a respeito do comportamento ético nas negociações, abordando-se de forma implícita o real e o ideal dessas ações segundo alguns estudiosos do assunto. Assim sendo, se destacam os conceitos de alguns pensadores, justificando-se a ausência de outros tão importantes quanto aos citados, visto que estes foram significativos para a fundamentação desse artigo e até porque não se pretende aqui esgotar o assunto. É importante considerar que o sucesso ou o fracasso de uma organização pode estar ligado ao comportamento ético da mesma e dos seus funcionários, Além do acima exposto, encontra-se nos trabalhos de Andrade o alerta: As empresas dependem das pessoas para o sucesso de suas operações, [...]. Com freqüência é preciso que haja negociações entre gerentes, que têm a responsabilidade de alcançar as metas da empresa por intermédio do desempenho das equipes e dos integrantes dessas equipes, que podem ter seus próprios interesses, aparentemente conflitantes. (2004:61). Para a realização desse artigo, além das informações teóricas, realizou-se um estudo exploratório, in loco, a partir da entrevista estruturada com o Presidente de uma empresa que presta serviços na área tecnológica. Por facilidade de acesso a empresa escolhida está localizada na cidade de Volta Redonda, estado do Rio de Janeiro, onde foi aplicado um questionário aos dezessete, dos 30
  3. 3. €©€(©‚ƒ‚…„V†¡‡©ˆ‰†e’‘§ˆ#†e“(‡©‚ƒˆ‰†e“”p•‰–T–F—‰˜‰–V—‰™‰7©d‰e 7f•‰–Tg…d§h‰•‰i§jk7©h l9mwncmso pcqrsutWm£vwtxBmyr£zWo wW{ctW|~}~wcctcv€{Wq~‚wcpWwƒ~wW„co myqny…¥mwpWo r~|u}~wW†bzco wy‡ˆm…xw(myƒstcƒx…¥mwnt…¥rw„cq ‚q{ cr~{Wm Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007 3 funcionários. Os resultados obtidos não foram extrapolados além da amostra, visto que o objetivo desta pesquisa é saber o quanto a Ética é significativa para essas pessoas. O relato a esse respeito encontra-se no terceiro capítulo desse artigo. O questionário, instrumento dessa pesquisa, foi construído a partir dos estudos realizados com o objetivo de verificar se a conduta, dos entrevistados, acontece de forma ética, segundo os pressupostos teóricos desse trabalho. 2. Origem e conceitos da Ética Desde os primórdios, a humanidade em evolução busca adaptações ao meio, segundo atitudes oriundas do grupo a que pertence. Ao longo desse processo surgem os pensadores que vêm contribuir com a ordenação e organização das condutas, assim também a Ética, vem incorporando em seu significado os pensamentos e idéias de pensadores que até hoje influenciam as ações de pessoas comprometidas com atitudes éticas, sendo assim importante apresentar as considerações: [...] seja na versão platônica, seja na versão aristotélica a concepção antiga da divisão do saber ou da diferenciação da razão, recebida sem modificação notável na idade média, admite a filosofia ou o saber teórico, [...] na tradição antigo-medieval, alimentada pela preeminência platônica da idéia do Bem e pela celebração aristotélica da theoria ao fim da Ética de Nicômaco, a Ética permanece estruturalmente ordenada ao conhecimento metafísico do Bem, e é, como tal, um saber formalmente filosófico. [...] é, pois, um saber eminentemente ordenador e, como tal, sabedoria, capaz de oferecer um fundamento racional à ordenação da conduta humana, ou seja a Ética. [...] (VAZ, 2002:62). Como se pode observar, Vaz considera, portanto que a Ética é o que fundamenta racionalmente a conduta humana. O que é por ele ratificado com a informação: A Ética teve lugar na seqüência de uma evolução do espírito grego análoga à que se verifica em nosso tempo. Ela acompanhou a transformação da sociedade arcaica nas cidades industriosas e democráticas da Jônia e Ática, tendo Atenas à sua frente. [...] apresenta-se, em primeiro lugar, o problema do trabalho e da riqueza, depois o problema da cultura e finalmente o problema do “bem agir” e do “bem viver” ou da Ética. Os primeiros filósofos e legisladores, os Sofistas e Sócrates assinalam esses três momentos que antecipam de maneira exemplar, outros ciclos que se repetirão na história da civilização ocidental. Essa evocação das origens da Ética contém uma lição importante para nós, pois mostra-nos que a legitimação social da Razão demonstrativa e o lugar privilegiado que passa a ocupar na esfera simbólica da sociedade, e ao mesmo tempo em que provocam a perda da força de coesão do ethos tradicional, despertam a necessidade imperativa de explicar, organizar e justificar criticamente a racionalidade implícita desse ethos, tarefa que cabe exatamente a Ética. Ela se constitui como ciência dos costumes transmitidos na sociedade, dos estilos permanentes do agir dos indivíduos (hábitos), bem como da comprovação crítica dos novos valores que a evolução da sociedade faz surgir (2002:56) Desde o início desse milênio se observa que a “Ética tem sido entendida como a ciência da conduta humana perante o ser e seus semelhantes”.(SÁ, 2001:15), porém, nesse sentido, ela já era objeto de análise dos pensadores clássicos que consideravam serem relevantes os aspectos: 1º Como ciência que estuda a conduta dos seres humanos, analisando os meios que devem ser empregados para que a referida conduta se reverta sempre em favor do homem. Nesse aspecto o homem torna-se centro da observação, em consonância com o meio que lhe envolve.Cuida das formas ideais das ações humanas e busca a essência do Ser, procurando conexões entre o material e o espiritual
  4. 4. €©€(©‚ƒ‚…„V†¡‡©ˆ‰†e’‘§ˆ#†e“(‡©‚ƒˆ‰†e“”p•‰–T–F—‰˜‰–V—‰™‰7©d‰e 7f•‰–Tg…d§h‰•‰i§jk7©h l9mwncmso pcqrsutWm£vwtxBmyr£zWo wW{ctW|~}~wcctcv€{Wq~‚wcpWwƒ~wW„co myqny…¥mwpWo r~|u}~wW†bzco wy‡ˆm…xw(myƒstcƒx…¥mwnt…¥rw„cq ‚q{ cr~{Wm Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007 4 2º Como ciência que busca os modelos da conduta conveniente, objetiva dos seres humanos. A correlação nesse aspecto, é objetiva, entre o homem e o seu ambiente. (SÁ, 2001:16) O mesmo autor ainda esclarece que o alicerce, efetuado pelos clássicos, fundamenta estudos da atualidade visto que: [...] não se conseguiu totalmente se modificar. [...] apenas aprimorou-se e acrescentou-se algo, através dos maiores recursos de que hoje dispomos em face das evoluções tecnológicas e das ciências da mente, mas merecem o mais profundo respeito os escritos dos clássicos ainda plenos de sabedoria (SÁ, 2001:17). A despeito de todos os significados e conceitos, “A Ética não é inventada por um sábio ou um santo; ela se origina na relação viva entre um eu e um tu entre duas pessoas. Portanto a ética é relacional. Surge do convívio das pessoas e das comunidades”.(PEGORARO, 2005:26). Nesse contexto encontra-se a definição de Ética, como: [...] a ciência dos costumes ou dos atos humanos, e seu objeto é a moralidade, entendendo-se por moralidade a caracterização desses mesmos atos como bem ou mal. O dever, em geral, é objeto da ética O termo é usado normalmente em seu sentido próprio, isto é, como ciência dos costumes, abrangendo os diferentes campos da atividade humana.. (ANDRADE, et al. 2007:13) A Ética para Henri Bergson (Apud, SÁ, 2001:19) “é derivada do instinto, na preservação das sociedades em que se agrupam os seres”. No que diz respeito ao comportamento humano, além da afirmação anterior o mesmo pensador acrescenta: “a vida consiste precisamente na liberdade inserindo-se na necessidade e utilizando-a em seu benefício”. (p.20). Sá também considera relevante os conceitos de Schelere de Hartmann, mas é firme ao dizer: [...] como propulsores dos estudos sobre o valor da Ética, é preciso dar destaque a Charles Wagner, autor da valiosa obra valor, premiada pelo ministério da instrução pública da Franca. Os referidos autores desenvolveram estudos de rara expressão sobre o conceito de valor e que, segundo Abbagnano, veio substituir a noção do bem que era a predominante nos domínios da Ética, mas poucos filósofos tiveram a virtude da clareza e da facilidade de expressão que Wagner empregou em seu trabalho premiado. (SÁ, 2001:21) Ele ainda argumenta: “O que a Ética estuda, pois, é a ação que, comandada com o cérebro, é observável e variável, representando a conduta humana”. (p.25) A definição de Ética, a seguir, demonstra que a essência dos conceitos clássicos permanece. A ética é definida como um conjunto das práticas morais de uma determinada sociedade, ou então os princípios que norteiam essas práticas. [...] Ética seria então uma reflexão teórica que analisa e critica ou legitima os fundamentos e princípios que regem um determinado sistema moral (dimensão prática) (SUNG; SILVA. 2004:13) Em suma, desde remoto período até os dias atuais os conceitos e definições de Ética, se complementam, sem, contudo perder o foco principal, pois “A reflexão ética há de partir sempre de um saber espontâneo, isto é, todo homem deve saber que há ações que devem ser praticadas e outras que não devem ser praticadas”. (ANDRADE, et al. 2007:13) 3. Negociação e comportamento ético: o real e o ideal Ao se falar em negociação há de considerar-se o relacionamento entre pessoas, que podem ser reconhecidas como negociadores que devem levar em conta que a “ Ética é uma questão importante na tomada de decisão e nas negociações. (ANDRADE, et al. 2007:13).
  5. 5. €©€(©‚ƒ‚…„V†¡‡©ˆ‰†e’‘§ˆ#†e“(‡©‚ƒˆ‰†e“”p•‰–T–F—‰˜‰–V—‰™‰7©d‰e 7f•‰–Tg…d§h‰•‰i§jk7©h l9mwncmso pcqrsutWm£vwtxBmyr£zWo wW{ctW|~}~wcctcv€{Wq~‚wcpWwƒ~wW„co myqny…¥mwpWo r~|u}~wW†bzco wy‡ˆm…xw(myƒstcƒx…¥mwnt…¥rw„cq ‚q{ cr~{Wm Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007 5 Eles consideram a negociação como “um processo pelo qual são considerados, de parte a parte, os possíveis efeitos de ações estratégicas sem que estas se produzam plenamente como movimentos”, e ainda argumentam: “a negociação não se resume à discussão, mas abrange um sem-número de ações cujo sentido seja de molde a reforçar o poder de convencimento de que desfrutem os participantes da discussão, de modo a favorecê-los na obtenção de um acordo factual”. (2007:38). Assim sendo, se observa que a negociação é a forma de se conseguir o desejável através de um acordo, ou seja, é uma troca onde às partes determinam o mínimo e o máximo aceitáveis, desde que se considere a importância de se “conduzi-la de maneira ética, isto é, de forma honesta, sem, contudo considerar se devemos ou não esconder informações, ou falar meias verdades e fazer uso de táticas ambíguas”. (ANDRADE, et al. 2007:40), e ainda esclarecem que: Há muita discussão quanto até que ponto se está agindo de maneira ética ou não em uma tomada de decisão e negociação. Por exemplo, quando alguém pergunta até que limite se pode chegar em uma tomada de decisão e negociação, e não se diz a ele o verdadeiro limite, para ter maior espaço de barganha, até que ponto esse comportamento pode ser considerado ético e quando ele passa a ser antiético? Evidentemente, isso depende muito dos valores das pessoas envolvidas na tomada de decisão e negociação e do ambiente no qual elas estão inseridas. Em suma, estes autores sintetizam, que a negociação firmada em: clima de liberdade é essencial para a edificação de uma sociedade justa e democrática, que, ao assegurar a consecução de níveis dignos de bem-estar social, estimule as ações tendentes a possibilitar o atendimento as aspirações superiores do homem que configuram o bem-comum”.( p.27). Assim sendo, infere-se que o sucesso, de todos os envolvidos depende em grande parte, da ética assumida e da forma como os colaboradores desta empresa fazem as negociações. Deve-se também levar em conta a competência de todos, pois segundo Perrenoud (1999:64) “competência é o trabalho de cada um sobre sua relação pessoal com o saber e sua compreensão do real”. Observa-se a importância de se ter “conhecimento da possibilidade dos efeitos não- intencionais que nos levanta a necessidade de não reduzirmos as questões éticas às intenções das pessoas e também a de entendermos melhor estas estruturas ou sistemas que interferem nas nossas ações e vidas”. (SUNG; SILVA. 2004:19). De modo geral: as pessoas não se perguntariam sobre o que deve ou não fazer às outras pessoas ou outros grupos. Simplesmente buscariam os seus interesses próprios, ignorando os interesses e direitos dos outros e os da coletividade como tal. [...] a necessidade de conviver com outros nos leva à necessidade de estabelecermos relações que permitam a sobrevivência de todos os que compõem a coletividade. Isso significa na prática que os meus direitos e interesses não podem ser absolutizados na medida em que entram em conflito com interesses e direitos de outros com os quais necessito conviver. (p.20) O ideal é que aconteça: A negociação em clima de liberdade é essencial para a edificação de uma sociedade justa e democrática, que, ao assegurar a consecução de níveis dignos de bem-estar social, estimule as ações tendentes a possibilitar o atendimento as
  6. 6. €©€(©‚ƒ‚…„V†¡‡©ˆ‰†e’‘§ˆ#†e“(‡©‚ƒˆ‰†e“”p•‰–T–F—‰˜‰–V—‰™‰7©d‰e 7f•‰–Tg…d§h‰•‰i§jk7©h l9mwncmso pcqrsutWm£vwtxBmyr£zWo wW{ctW|~}~wcctcv€{Wq~‚wcpWwƒ~wW„co myqny…¥mwpWo r~|u}~wW†bzco wy‡ˆm…xw(myƒstcƒx…¥mwnt…¥rw„cq ‚q{ cr~{Wm Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007 6 aspirações superiores do homem que configuram o bem-comum. (ANDRADE, et al. 2007:27) Levando-se em conta o incentivo à prática do diálogo, baseado no respeito mútuo e no companheirismo, para a implantação de um código de ética e de conduta, direcionado a todos os colaboradores da empresa, inclusive as chefias, então compreende-se que todos podem ter sucesso em suas negociações até mesmo porque: [...]nós temos a vocação para o alto, para o infinito. Libertemos a águia que se esconde em nós. Não permitamos que nos condenem à mediocridade. Façamos o vôo da libertação. E arrastemos outros conosco, porque todos escondemos uma águia em nós. Todos somos águias”. (BOFF. 1994:82). 4. Relato da pesquisa A pesquisa de campo, realizada no final de dezembro de 2006, aconteceu numa empresa considerada de médio porte por seu presidente. Ele disponibilizou os funcionários para as entrevistas estruturadas, da qual também participou, porém não autorizou divulgação do nome da empresa e por este motivo a denominamos empresa “R”. Dos 30 funcionários da matriz, localizada numa cidade do estado do Rio, foram entrevistados 17. A empresa possui filiais em quatro outras cidades do mesmo estado, onde oferecem à população prestação de serviços na área tecnológica. Mas a pesquisa foi realizada em apenas uma cidade devido a facilidade de acesso, o que de certa forma a limitou. Foram entrevistados 13 funcionários do suporte técnico, 2 administradores e um funcionário de cada setor: recepção e secretaria, totalizando 17 participantes. A faixa etária é variada: apenas 5,88 % têm menos que 21 anos. A maioria possui idade entre 21 e 31 que é o equivale a 82,86% , sendo 11,26 % correspondente aos que têm idade superior a 32 anos. Apenas 5,9% fizeram Pós Graduação latu sensu; 23,52% dos entrevistados concluíram o Ensino Superior. O grau de escolarização de maior índice é o Ensino Médio com 58,82% e 11,76 referem-se aos entrevistados que cursaram apenas o Ensino Fundamental. A pergunta a respeito da compreensão sobre o significado de ética, foi respondia afirmativamente, por dezesseis dos entrevistados, portanto apenas um reconheceu desconhece-lo. Dos entrevistados, 88,24% admitiram que os interesses empresariais podem ser fortalecidos pela boa relação e conduta ética com clientes, fornecedores e concorrentes, enquanto 5,88% acreditam ser suficiente uma relação regular e o mesmo porcentual informa que a relação entre os negociadores não é influenciável pela conduta Ética. A pergunta a respeito da atitude do entrevistado ao observar um procedimento antiético na empresa, obteve 47,07% de anuência de que a empresa deve ser denunciada, pois todos devem ter conduta ética, enquanto 35,29 % acham que respeitar a conduta alheia é ético e 17,64% entendem que deve ser apenas observado, pois denunciá-lo seria uma ação antiética, portanto a maioria dos entrevistados entende que a denúncia não seria o ideal. Práticas abusivas, como assédio sexual ou arrogância, são questões reconhecidas como combatidas por 47,07% dos entrevistados, em igual porcentual estão aqueles que não têm conhecimento dessas atitudes e os demais, 5,86%, informam que não são combatidas.
  7. 7. €©€(©‚ƒ‚…„V†¡‡©ˆ‰†e’‘§ˆ#†e“(‡©‚ƒˆ‰†e“”p•‰–T–F—‰˜‰–V—‰™‰7©d‰e 7f•‰–Tg…d§h‰•‰i§jk7©h l9mwncmso pcqrsutWm£vwtxBmyr£zWo wW{ctW|~}~wcctcv€{Wq~‚wcpWwƒ~wW„co myqny…¥mwpWo r~|u}~wW†bzco wy‡ˆm…xw(myƒstcƒx…¥mwnt…¥rw„cq ‚q{ cr~{Wm Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007 7 Quanto à pergunta sobre a privacidade dos funcionários da empresa “R”, 70,58 % dos entrevistados reconheceram que é respeitada e 29,42% admitiram ser quase sempre, portanto não houve indicação para o item: Nunca é respeitada. Não conceder privilégios a funcionários, nem mesmo ao próprio filho, é característica do profissional ético, justo e responsável, esta foi a opção que contou com 82,35%, enquanto a opção de ser justo e responsável obteve 11,77 %., e aqueles que optaram pelo item do profissional ser apenas responsável chegou a 5,88 %. Foi informado por 41,18 %, dos entrevistados, que todas as situações, na empresa em que trabalham, são tratadas eticamente; 35,29 % acreditam que tal fato só ocorra para as situações de contratos e promoções e 23,53 % dizem que as demissões não acontecem com Ética. Quanto à avaliação do desempenho dos funcionários, 41% informaram que acontecem periodicamente e têm claros os critérios, 59 % dizem que acontecem periodicamente, mas não têm claros os critérios. Sobre a forma como os entrevistado compreendem a privacidade, 47,06 % deles, acreditam que ela ocorra pelo fato de se ter apenas respeito pela vida particular; 41,18% informam que ter privacidade é usar os recursos de comunicação da empresa, apenas para fins profissionais e ligados a ela; 5,88% reconhecem que a privacidade acontece quando não é controlado, pela empresa, seus -mails e telefonemas. Dos entrevistados,70,59% informaram que avaliações quanto ao desempenho dos funcionários, não acontecem periodicamente e deste porcentual, 41,18% dizem que além disso, os critérios não são claros. 29,45% dizem que acontecem e destes, 17,65% reconhecem a falta de clareza dos critérios, inferindo-se daí que a avaliação deve ser reformulada. Nem um entrevistado reconheceu que a empresa realiza tratamento idêntico para cargos equivalentes e que ela oferece recursos para auto-avaliação, aos funcionários de todos os setores. No entanto 11,86% foi o porcentual de adesão ao item que se refere ao estímulo para analisarem os impactos do trabalho desenvolvido, inclusive os externos; 23,52% informaram que a oferta de recursos, para auto-avaliação acontece apenas para os que ocupam cargos de gerencia e para os funcionários de alguns setores. Além disso, 64,62% informaram que a empresa não oferece recursos para auto-avaliação. O que vem ratificar a necessidade inferida anteriormente. Ao questionamento da existência do código de Ética da empresa, 82,36 % dos participantes informaram não ter conhecimento, e os 17,64% restantes a admitam a existência. 5. Conclusão Por meio dos estudos bibliográficos realizados, foi possível identificar conceitos e ações, necessárias ao bom relacionamento empresarial, que refletem a necessidade de postura Ética nas negociações internas e externas, para que uma empresa possa ter sucesso em seus empreendimentos. Na fala dos vários autores citados, observa-se, que na essência, ou seja, o sentido da Ética é preservado desde época remota e que através dos clássicos perpetua-se a sabedoria que fundamenta este assunto. È notória, hoje em dia, a credibilidade, dos negociadores éticos, ficando em desalinho aqueles que assim não procedem.
  8. 8. €©€(©‚ƒ‚…„V†¡‡©ˆ‰†e’‘§ˆ#†e“(‡©‚ƒˆ‰†e“”p•‰–T–F—‰˜‰–V—‰™‰7©d‰e 7f•‰–Tg…d§h‰•‰i§jk7©h l9mwncmso pcqrsutWm£vwtxBmyr£zWo wW{ctW|~}~wcctcv€{Wq~‚wcpWwƒ~wW„co myqny…¥mwpWo r~|u}~wW†bzco wy‡ˆm…xw(myƒstcƒx…¥mwnt…¥rw„cq ‚q{ cr~{Wm Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007 8 Mesmo que de forma inconsciente, o sentido primário da Ética está em todos internalizados, foi o que se comprovou na quase unanimidade das respostas obtidas na entrevista realizada na empresa “R”, quanto ao conhecimento do significado de Ética. No entanto em vários pontos da pesquisa, observa-se que ações que contemplam a existência e o respeito à Ética, necessitam ser revistos pela empresa em questão e quiçá por muitas outras. Analisando o relato desta pesquisa surgem as dúvidas: a prática que se tem observado está em conformidade com a teoria apresentada nesse trabalho? O ideal está muito distante do real? Assim sendo, os autores desse artigo acreditam que para evitar-se utopias é importante que se leve em conta as considerações da necessidade de reeducação de valores, sob uma conduta ética respeitada por todos os colaboradores de uma empresa e, sobretudo baseada no respeito mútuo e assim poderá ser possível permitir a todos o despertar da águia contida em cada um de nós, (BOFF, 1994:82) o que com certeza fortalecerá a tomada de decisão visando o bem comum. Referências ANDRADE, R.O.B.; ALYRIO, R.D.; MACEDO, M.A.S. Princípios de Negociação: Ferramentas e gestão. 2.a. ed. São Paulo: Atlas. 2007. BOFF, Leonardo. Nova era: a civilização planetária. São Paulo: Ática, 1994. PEGORARO, Olinto. Introdução à ética contemporânea. Rio de Janeiro: Uapê, 2005. PERRENOUD, Philippe. Construir competências desde a escola. Trad. Bruno Charles Magne. Porto Alegre: Artes Médicas,1999. SÁ, Antônio Lopes. Ética profissional. 4.ed. .São Paulo:Atlas, 2001. SUNG, Jung MO; SILVA José Cândido da. Conversando sobre ética e sociedade. 13.ed. Petrópolis: Vozes, 2004. VAZ, Henrique C. de Lima. Ética e a razão moderna. MARCÍLIO, Maria Luiza; RAMOS, Ernesto Lopes.(coordenadores). Ética: na virada do século: busca do sentido da vida. Coleção Instituto Jacques Maritain. São Paulo: LTr,1997.

×