e o sexo líquido se expande    apontamentos sobre sexualidade e bytes                                   por cláudio manoel...
o cenário e suas leis•   A Cibercultura - Encontro das práticas, produtos e idéias    contemporâneas com as tecnologias el...
as leis da cibercultura  •   A Reconfiguração“evitar a lógica da substituição ou do aniquilamento. Emvárias expressões da c...
•   A Liberação do pólo da emissão“emergência de vozes e discursos anteriormente reprimidospela edição da informação pelos...
a tecnologia (expansiva)     e as narrativas•   Cinema expandido é um exemplo•   "(...) o conceito de cinema expandido con...
•   Novos formatos audiovisuais surgem também a partir do    contato das linguagens tradicionais (cinema) com novos    ins...
•   Sexualidade: força motriz onde as pessoas buscam por    amor, afeto, prazer, ternura e intimidade essencial na/da/para...
meio eletrônico erótico•   Nas antigas BBSs•   Na internet comercial, a partir dos anos 85 (Eua) e 95    (Brasil)
triplo motor•   Triple A Engine (Al Cooper,1998) (triplo motor)•   O Anonimato, a Acessibilidade e o Baixo Custo
cibersexo é real                    (o virtual é realidade)•   Cibersexo seria as variadas formas de como a    cibersexual...
online sexual bahaviors•   A procura pela gratificação dos desejos ou impulsos sexuais    através do uso ou investimento de...
a sequencia de wysocki                            (1998)•   1) conversação em tempo real sobre fantasias sexuais com    ou...
do contato ao contato•   Interação textual (persona? anonimato)•   Câmera (semi-ocultação? anonimato?)•   Masturbação (sem...
roleta sexual: ternura?(Força motriz onde as pessoas buscam por amor, afeto, prazer,ternura e intimidade essencial na/da/p...
“a internet pornô”•   A “internet pornô” como definição clássica da    “pornografia”•   O livro que se lê com uma mão (Moshe...
tecnodeterminismo•   neoludismo•   idéias contra o computador como instrumento artístico•   a frieza da máquina•   o que e...
•   “Mais do que assumir a internet como a causa de todos os    males, num discurso tecno-determinístico alarmista muito  ...
é a máquina?•   A unipresença dos computadores na vida, mais do que    tentar perceber o que as máquinas podem fazer por n...
o motor das máquinas•   Simondon: a filosofia da técnica, anos 50, discute o que    dispara a invenção.•   Nem a ciência e n...
máquinas sexuais antigas•   1869 e 1872 o médico George Taylor (Eua) patentiou    modelos de máquinas sexuais.•   Conselho...
•   objetos criados pelo médico George Taylor para “curar” os pacientes
•   Vibrador alimentado por máquina de vapor (Oficina de Patentes dos    Eua em 1891)
teledildônica                        (ciberdildônica)•   Do líquido ao hardware•   O futuro (próximo?): mercado do sexo ex...
tecnologia,bits e offline•   a garota robot Roxxxy    TrueCompanion custa 7    mil dólares•   não-ficção
•   “O cibersexo permite, por exemplo, a exploração de    aspectos da sexualidade e da identidade que de outra forma    di...
diversidade>tolerância•   Desde que não agrida, sem permissão, o outro...•   “(…) Mais do que uma experiência física, táct...
-   OBRIGADO-   claudiomanoel@gmail.com
referênciasCarvalheira, A.; & Gomes, F.A., 2003. Cybersex in Portuguese chatrooms: a study of sexualbehaviors related to o...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cibersexoexpandido

670 visualizações

Publicada em

anotações sobre sexo, cibercultura e tecnologias

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
670
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cibersexoexpandido

  1. 1. e o sexo líquido se expande apontamentos sobre sexualidade e bytes por cláudio manoel (ufrb)
  2. 2. o cenário e suas leis• A Cibercultura - Encontro das práticas, produtos e idéias contemporâneas com as tecnologias eletrônica e digital• Abertura de novos fluxos para que o ser humanos circule sua produção a partir da apropriação tecnológica – inclusive seus “novos” comportamentos.• A cultura digital – a produção e o domínio de ferramentas digitais e a veiculação de produtos binários – como instrumental libertador dos controles, dos gatekeeepers
  3. 3. as leis da cibercultura • A Reconfiguração“evitar a lógica da substituição ou do aniquilamento. Emvárias expressões da cibercultura trata-se de reconfigurarpráticas, modalidades midiáticas, espaços, sem a substituiçãode seus respectivos antecedentes”. (A. Lemos)
  4. 4. • A Liberação do pólo da emissão“emergência de vozes e discursos anteriormente reprimidospela edição da informação pelos mass media” (A. L.) • A Conectividade“estar só sem estar isolado. A conectividade generalizada põeem contato direto homens e homens, homens e máquinasmas também máquinas e máquinas que passam a trocarinformação de forma autônoma e independente”. (A. L.)
  5. 5. a tecnologia (expansiva) e as narrativas• Cinema expandido é um exemplo• "(...) o conceito de cinema expandido consiste em extrapolar determinado código ou linguagem em sua concepção inaugural." (Gene Youngblood, 1970)• Deixou-se contaminar pela situação-laboratório proposto pelas novas mídias e tecnologias do digital, na busca pela experimentação
  6. 6. • Novos formatos audiovisuais surgem também a partir do contato das linguagens tradicionais (cinema) com novos instrumentais tecnológico: o live cinema• Assim, igualmente, outras práticas, agora reconfiguradas e expandidas: como ir ao banco ou..fazer sexo• O sexo expandido extrapola aqueles determinados códigos ou linguagens em sua concepção inaugural, reinventa e cria códigos.
  7. 7. • Sexualidade: força motriz onde as pessoas buscam por amor, afeto, prazer, ternura e intimidade essencial na/da/para existência humana• A sexualidade se expandiu, em redes digitais.• Não só através das redes, mas em novas formas de sexo/ sexualidades, com outras características/represesentações• Bate-papo=chat; correios=email; ir à biblioteca do bairro=pesquisar on line
  8. 8. meio eletrônico erótico• Nas antigas BBSs• Na internet comercial, a partir dos anos 85 (Eua) e 95 (Brasil)
  9. 9. triplo motor• Triple A Engine (Al Cooper,1998) (triplo motor)• O Anonimato, a Acessibilidade e o Baixo Custo
  10. 10. cibersexo é real (o virtual é realidade)• Cibersexo seria as variadas formas de como a cibersexualidade tem sido definida, sugerindo tratar-se de um espaço sexual entre a fantasia e a ação. Ross (2005)• Paradoxo: entre a fantasia e ação.• Entre o remoto e o orgasmo, o que virtualiza (tecnologias, rede…)• O líquido - o binário - concretiza
  11. 11. online sexual bahaviors• A procura pela gratificação dos desejos ou impulsos sexuais através do uso ou investimento de energia física, mental ou emocional na Internet (Al Cooper,1998).
  12. 12. a sequencia de wysocki (1998)• 1) conversação em tempo real sobre fantasias sexuais com outra(s) pessoa(s);• 2) detalhe sobre o que cada pessoa fará à(s) outra(s); e• 3) masturbação simultânea (e orgasmo frente ao computador).
  13. 13. do contato ao contato• Interação textual (persona? anonimato)• Câmera (semi-ocultação? anonimato?)• Masturbação (semi-ocultação? anonimato?)• Orgasmo (semi-ocultação? anonimato?)• Encontro face-a-Face (confiabilidade volátil, exposição)• Telefone (confiabilidade, exposição)• Desdobramento em encontro físico (confiabilidade?, exposição, afeto?)
  14. 14. roleta sexual: ternura?(Força motriz onde as pessoas buscam por amor, afeto, prazer,ternura e intimidade essencial na/da/para existência humana)• Sex roulette dá 5 segundos para interação em txt ou imagem, apertando as teclas F• 5 segundos para decidir: o sexo virtual é efêmero (afeto?)
  15. 15. “a internet pornô”• A “internet pornô” como definição clássica da “pornografia”• O livro que se lê com uma mão (Mosher, 1994).
  16. 16. tecnodeterminismo• neoludismo• idéias contra o computador como instrumento artístico• a frieza da máquina• o que existe: uma reconfiguração da prática, com novos códigos• o sexo desvinculado
  17. 17. • “Mais do que assumir a internet como a causa de todos os males, num discurso tecno-determinístico alarmista muito em voga em particular na comunicação social, por exemplo, a propósito de redes pedófilas na Internet, é importante procurar perceber como é que dimensões virtuais nos podem afectar e não apenas negativamente.” Nuno Nodin, Isabel Leal/Instituto Superior de Psicologia Aplicada/Portugal; Alex Carballo-Diéguez/HIV Center for Clinical and Behavioral Studies/USA
  18. 18. é a máquina?• A unipresença dos computadores na vida, mais do que tentar perceber o que as máquinas podem fazer por nós, é “interessante questionar como é que nós nos estamos a transformar à medida que estabelecemos relações de crescente intimidade com elas”. Turkle (2004)
  19. 19. o motor das máquinas• Simondon: a filosofia da técnica, anos 50, discute o que dispara a invenção.• Nem a ciência e nem a técnica.• “O desejo é o motor”• Desejo no sentido amplo, de querer.• No caso das máquinas sexuais, a o desejo da invenção se encontra com o desejo do prazer erótico
  20. 20. máquinas sexuais antigas• 1869 e 1872 o médico George Taylor (Eua) patentiou modelos de máquinas sexuais.• Conselho médico: "use this device to treat female pelvis problem, need to be supervised”
  21. 21. • objetos criados pelo médico George Taylor para “curar” os pacientes
  22. 22. • Vibrador alimentado por máquina de vapor (Oficina de Patentes dos Eua em 1891)
  23. 23. teledildônica (ciberdildônica)• Do líquido ao hardware• O futuro (próximo?): mercado do sexo expandido se dará pelas tecnologias de contato• Das imagens, sons e txts ao gadgets físico e sensível• Lojas já determinam seu escopo no mercado: citouch.com, realtouch.com,…• propondo hardware que conecta fisicamente parceiros remotos ativos/passivos.• (Haptic technology: da medicina e do sexo)
  24. 24. tecnologia,bits e offline• a garota robot Roxxxy TrueCompanion custa 7 mil dólares• não-ficção
  25. 25. • “O cibersexo permite, por exemplo, a exploração de aspectos da sexualidade e da identidade que de outra forma dificilmente se teria a possibilidade de experimentar. Permite também que indivíduos cuja idade, limitações físicas ou características particulares que os coloquem numa posição potencialmente estigmatizada na sociedade possam ter uma vida sexual online e potencialmente, partindo daí, também offline. Nuno Nodin, Isabel Leal/Instituto Superior de Psicologia Aplicada/Portugal; Alex Carballo-Diéguez/HIV Center for Clinical and Behavioral Studies/USA
  26. 26. diversidade>tolerância• Desde que não agrida, sem permissão, o outro...• “(…) Mais do que uma experiência física, táctil, genital ou orgânica, o sexo contém dimensões relacionais (não necessariamente amorosas), (...) emocionais e intelectuais que, tendo sempre estado presentes na experiência sexual humana, se tornam mais evidentes com a emergência de tecnologias como a dos computadores e da Internet e sua utilização com fins sexuais”. (Nuno Nodin, Isabel Leal e Alex Carballo-Diéguez)
  27. 27. - OBRIGADO- claudiomanoel@gmail.com
  28. 28. referênciasCarvalheira, A.; & Gomes, F.A., 2003. Cybersex in Portuguese chatrooms: a study of sexualbehaviors related to online sex. J. of Sex and Marital Therapy,Vol. 29, pp. 345-360.Copper, A., 1998. Sexuality and the Internet: Surfing into the new millennium.Cyberpsychology and Behavior, Vol.1,pp. 187-194.Cooper, A.; et al., 2002. Toward an increased understanding of user demographics in onlinesexual activities. J Sex Marital Ther., vol.28, No.2, pp 105-29.Mosher, D., 1994. Pornography. Human Sexuality: An Encyclopedia. Garland Publishing, NewYork & London, EUA & Reino Unido.Nodin,N; Leal, I; Carballo-Diéguez. “Através da Máquian é mais fácil”. Conferência IADISIbero-Americana, 2008Ross, M. W., 2005, Typing, doing, and being: sexuality and the internet. The Journal of SexResearch, vol.42, No.4, pp. 342-352.Santa Ana B, C. Perversión e Internet: estudio acerca de la relación entre el uso de Internet ylos rasgos de perversión. 2004, Chile.Turkle, S., 2004. Whither Psychoanalysis in Computer Culture? Psychoanal. Psychol. 21, pp.16-30.Wysocki, D., 1998, Let Your Fingers Do the Talking: Sex on an Adult Chat-line. Sexualities,Vol.1, No. 4, pp. 425-452Wunenburger, Jean-Jacques. O arquipélago imaginário do corpo virtual.

×