Manejo do adolescente com transtorno de conduta

23.390 visualizações

Publicada em

- Critérios diagnósticos (DSM-IV) para Transtorno de Conduta e Transtorno Desafiador de Oposição.
- Defiant Oppositional Disorder e Conduct Disorder
- Apresentado no XIV Congresso Mineiro de Psiquiatria - Belo Horizonte, Minas Gerais.
12 a 14/6/;2012.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
23.390
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.674
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
355
Comentários
0
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manejo do adolescente com transtorno de conduta

  1. 1. Dr. Cláudio Costa Belo Horizonte-MG
  2. 2. Transtorno de Conduta na infância e adolescência Possível definição: “Conjunto de sintomas centrais caracterizados pelo fracasso consistente em controlar adequadamente o comportamento dentro de regras socialmente definidas.” Epidemiologia: Prevalência entre 5% e 10%, ou seja, problema psiquiátrico infantil mais comum, praticamente responsável pela inclusão da Psiquiatria Infantil nas práticas intervencionistas da Psiquiatria a partir dos anos 30, na Europa e Estados Unidos. Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte-MG
  3. 3. Transtorno de Conduta na infância e adolescência: Breve revisão Critérios diagnósticos: DSM-IV-TR (312.8) – Bastam 3 dos 15 sintomas abaixo.A. Um padrão repetitivo e persistente de comportamento no qual são violados os direitos básicos dos outros ounormas ou regras sociais importantes apropriadas à idade, manifestado pela presença de três (ou mais) dos seguintescritérios nos últimos 12 meses, com pelo menos um critério presente nos últimos 6 meses:Agressão a pessoas e animais(1) frequentemente provoca, ameaça ou intimida outros(2) frequentemente inicia lutas corporais(3) utilizou uma arma capaz de causar sério dano físico a outros (por ex., bastão, tijolo, garrafa quebrada, faca, armade fogo)(4) foi fisicamente cruel com pessoas(5) foi fisicamente cruel com animais(6) roubou com confronto com a vítima (por ex., bater carteira, arrancar bolsa, extorsão, assalto à mão armada)(7) forçou alguém a ter atividade sexual consigoDestruição de propriedade(8) envolveu-se deliberadamente na provocação de incêndio com a intenção de causar sérios danos(9) destruiu deliberadamente a propriedade alheia (diferente de provocação de incêndio)Defraudação ou furto(10) arrombou residência, prédio ou automóvel alheios(11) mente com freqüência para obter bens ou favores ou para evitar obrigações legais (isto é, ludibria outras pessoas)(12) roubou objetos de valor sem confronto com a vítima (por ex., furto em lojas, mas sem arrombar e invadir;falsificação)Sérias violações de regras(13) frequentemente permanece na rua à noite, apesar de proibições dos pais, iniciando antes dos 13 anos de idade(14) fugiu de casa à noite pelo menos duas vezes, enquanto vivia na casa dos pais ou lar adotivo (ou uma vez, semretornar por um extenso período)(15) frequentemente gazeteia à escola, iniciando antes dos 13 anos de idade Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte-MG
  4. 4. Transtorno de Conduta na infância e adolescência: Breve revisãoContinuação: Critérios para diagnóstico de TC de acordo com DSM-IV-TR :B. A perturbação no comportamento causa prejuízo clinicamente significativo no funcionamento social, acadêmico ou ocupacional.C. Se o indivíduo tem 18 anos ou mais, não são satisfeitos os critérios para o Transtorno da Personalidade Anti-Social.De acordo com a idade de início: - Tipo com Início na Infância: Início de pelo menos um critério característico de Transtorno da Conduta antes dos 10 anos de idade. - Tipo com Início na Adolescência: ausência de quaisquer critérios característicos de Transtorno da Conduta antes dos 10 anos de idade.De acordo com a gravidade: Leve: poucos problemas de conduta, se existem, além daqueles exigidos para fazer o diagnóstico e os problemas de conduta causam apenas um dano pequeno a outros. Moderado: número de problemas de conduta e efeito sobre outros são intermediários, entre "leve" e "severo". Severo: muitos problemas de conduta além daqueles exigidos para fazer o diagnóstico ou problemas de conduta que causam dano considerável a outros. Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte-MG
  5. 5. Transtorno de Conduta na infância e adolescência: Breve revisão Critérios para Transtorno Desafiador Opositivo DSM-IV-TR 313.81 - (4 ou mais): A. Um padrão de comportamento negativista, hostil e desafiador durando pelo menos 6 meses, durante os quais quatro (ou mais) das seguintes características estão presentes: (1) frequentemente perde a paciência, (2) frequentemente discute com adultos (3) com frequência desafia ou se recusa ativamente a obedecer a solicitações ou regras dos adultos (4) frequentemente perturba as pessoas de forma deliberada (5) frequentemente responsabiliza os outros por seus erros ou mau comportamento (6) mostra-se frequentemente suscetível ou é aborrecido com facilidade pelos outros (7) frequentemente enraivecido e ressentido, (8) frequentemente rancoroso ou vingativo Obs: O comportamento deve ocorrer com maior frequência do que se observa tipicamente em indivíduos de idade e nível de desenvolvimento comparáveis. B. A perturbação do comportamento causa prejuízo clinicamente significativo no funcionamento social, acadêmico ou ocupacional. C. Os comportamentos não ocorrem exclusivamente durante o curso de um Transtorno Psicótico ou Transtorno do Humor. D. Não são satisfeitos os critérios para Transtorno da Conduta e, se o indivíduo tem 18 anos ou mais, não são satisfeitos os critérios para Transtorno da Personalidade Antisocial. Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte-MG
  6. 6. Transtorno de Conduta na infância e adolescência Fatores associados aos Transtornos de Conduta:A) Fatores constitucionais:  Índices mais altas de testosterona;  Índices mais baixos de cortisol;  Comorbidade com TDA/H = 43%  Comorbidade com Transtornos de Ansiedade e Depressão = 33%  Maior concordância em gêmeos homozigóticos  Alterações anatômicas no sistema paralímbico (influenciando nas funções cognitivas e emocionais)  Rev. Bras. Psiquiatr. vol.22 s.2 São Paulo Dec. 2000  BMJ 2011; 342:d2132 (4.abril.2011 ) = Diferenças anatômicas entre cérebros de adolescentes com e sem TC  AJP vol 116 – Janeiro.2009 = Imagens das regiões órbito-frontais nos portadores de TC são diferentes de quem tem TDA/H Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte-MG
  7. 7. Alterações na estrutura cerebral de adolescentes com Transtorno de Conduta: anormalidades nas áreas fronto-límbicas Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte-MG
  8. 8. Transtorno de Conduta na infância e adolescência Fatores associados aos Transtornos de Conduta:B) Aspectos cognitivos e psicológicos:  menos tolerância à frustração;  interpretação negativa das intenções do outro;  menos sensíveis à possibilidade de punição;  demora em se acalmar diante das frustrações;  Baixa auto-estima;  Melancolia. Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte-MG
  9. 9. Transtorno de Conduta na infância e adolescência C) Fatores ambientais  Família:  Transtornos psiquiátricos dos pais desarmonias conjugais;  Falta de limites, hostilidade contra a criança;  Reforço parental nos comportamentos disruptivos;  Abuso sexual.  Escola:  Ambiente desorganizado e inamistoso, pouco contato com os pais;  Ambiente social amplo  Meio social com baixo índice de desenvolvimento;  Risco na vizinhança;  Influência dos ‘amigos’ Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte-MG
  10. 10. Transtorno de Conduta na infância e adolescência Evolução do TC ao longo do tempoExtraído de Louzã, Cordás & cols: Transtornos de Personalidade. Artmed, Porto Alegre, 2011 Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte-MG
  11. 11. Manejo do Transtorno de Conduta na adolescência Considerações sobre o Tratamento Antes de tudo: um desafio Expectativas realistas Mil e uma possibilidades e um milhão de desafios Resistência familiar Foco ampliado:  Adolescente  Família  Escola  Vida social/esporte/clube/amigos Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte-MG
  12. 12. Manejo do Transtorno de Conduta na adolescência Considerar diagnósticos diferenciais:  Transtorno de ajustamento: verificar ocorrência de estressor social, como divórcio dos pais, adoção, trauma, abuso (média de 3 meses antes dos sintomas);  TDA/H tipo hiperativo-impulsivo: geralmente, destrutividade e comportamentos antissociais intencionais indicam TC;  Desvio subcultural: comportamentos antissociais mas não especialmente agressivos ou rebeldes;  Transtornos autísticos: crises de acessos de raiva;  Transtornos maníacos (THB): surtos de raiva, agressividade, exaltação irritável;  Adolescentes “normais”, sobre os quais pesam expectativas ou exigências indevidamente altas (*) Goodman e Scott - Psiquiatria Infantil, SP, Editora Roca, 2004. Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte-MG
  13. 13. Manejo do adolescente com Transtorno de Conduta Considerar a gravidade do caso:  A gravidade do TC varia de acordo com os três campos sobrepostos de comportamento:  Rebeldia, desobediência, comportamentos desafiadores;  Agressividade, irritabilidade, impulsividade;  Comportamentos antissociais: destrutividade, violação dos direitos, roubos, ferimentos em outros.  Não considerar comportamentos ocasionais nem os atribuíveis ao nível de desenvolvimento.  Considerar o conceito dimensional do transtorno: o ponto de corte entre patológico e normal não é fácil de ser estabelecido. (*) Goodman e Scott - Psiquiatria Infantil, SP, Editora Roca, 2004. Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte-MG
  14. 14. Manejo do Transtorno de Conduta na adolescênciaAcolhimento da família e do adolescente  Estabelecimento do diagnóstico  Planejamento terapêutico:  Definição de objetivos  Terapia Familiar ou Orientação Familiar?  Adesão ao tratamento  Psicofarmacologia?  Psicoterapia com o adolescente? Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte-MG
  15. 15. Manejo do adolescente com Transtorno de Conduta Caso 1:  Guilherme, 16 anos, afrodescente.  Adotado aos 4 anos  AF: pai usuário e traficante de substância, assassinado; mãe: “da vida”, 4 filhos, “cada um de um homem”.  Adotado por casal mais velho (acima de 50a) de vida conjugal conflituosa, brancos, educação superior, classe média alta, já com 2 filhos adultos (ambos desadaptados, semidependentes)  QP: envolvimento com colegas de baixo nível social, ressentido com “sociedade injusta”, gazeteando aulas, baixo rendimento escolar, comportamento desafiador. Inicio dos sintomas: há mais ou menos 01 ano. Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte-MG
  16. 16. Manejo do adolescente com Transtorno de Conduta Caso 2:  Maria: 11 anos.  Família: Pai e mãe médicos. 1 irmão de 4 anos.  Queixas: irritabilidade, relacionamento conflituoso com irmão e colegas, ótimo rendimento escolar, comportamento opositor, birras, brigas, impulsividade.  HP: já em tratamento com Ritalina e Risperidona (TDAH)  Padrão familiar de educação: exigências e expectativas acima das apropriadas; frustração com consequente hostilidade e rejeição. Não se escuta a criança. Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte-MG
  17. 17. Muito obrigado!clcosta.costa@gmail.com Dr. Cláudio Costa - Belo Horizonte-MG

×