Aconselhamento alimentar na dislipidemia

4.630 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.630
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
107
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aconselhamento alimentar na dislipidemia

  1. 1. Nutrição e DietoterapiaProf: Isabel MonteiroESSJP – Gulpilhares2011/12ENFERMAGEM 1Cláudia Santos | Raquel Fontes | Mariana Torres
  2. 2. Os lípidos são um grande e diversificado grupo de compostos orgânicos queocorrem naturalmente na natureza. Os principais lípidos existentes nacorrente sanguínea são os fosfolipidos, o colesterol, os triglicerídeos e osácidos gordos.
  3. 3.  É um importante constituinte da membrana celular, uma vez que actua na fluidezdesta e na activação das enzimas presentes. É também precursor de hormonas muito importantes como aaldosterona, testosterona, progesterona e estrogénio, dos sais biliares (actuampreferencialmente na digestão das gorduras) e da vitamina D (promove a absorçãode cálcio).
  4. 4.  São armazenados no organismo para fins de reserva energética. São também bons isolantes térmicos uma vez que conseguem penetrar atéas camadas do tecido adiposo subcutâneo.
  5. 5.  As lipoproteinas são as partículas responsáveis pelo transporte da grandemaioria dos lípidos (excepto dos ácidos gordos) na corrente sanguínea. São complexos macromoleculares sintetizados no fígado e no intestinodelgado.
  6. 6.  São alterações metabólicas lipídicas decorrentes de distúrbios quepodem ocorrer em qualquer fase do metabolismo lipídico e quenormalmente se repercutem nos níveis séricos das lipoproteínas.Classificação das Dislipidemias:Podem ser caracterizadas de acordo com a concentração de lípidos emcirculação na corrente sanguínea: Hipercolesterolemia; Hipertrigliceridemia; Mistas; HDL baixo;
  7. 7.  Hipercolesterolemia traduz-se num aumento significativo decolesterol no sangue, com os valores de referência: Colesterol total > 200 mg/dL Hipertrigliceridemia corresponde a uma elevação isolada dostriglicerídeos (>150 mg/dL), que se reflecte no aumento do volumedas partículas ricas nestes lípidos como os quilomicrons, as VLDL eIDL. As hiperdislipidemias mistas são caracterizadas por altosvalores, tanto de colesterol, como de triglicerídeos. A baixa concentração de HDL, ou “bom colesterol” (homens < 40mg/dL e mulheres < 50 mg/dL), associada com o aumento de LDL ouTG (triglicerídeos) e muito prejudicial para o organismo, uma vezque o acumular de lípidos nos tecidos e exponencializado.
  8. 8. CLASSIFICAÇÃO ETIOLÓGICADe acordo com a sua etiologia, as dislipidemias são caracterizadas em primárias ousecundárias. Se a dislipidemia for primária, esta terá origem genética. Se a dislipidemia for secundária, deriva de hábitos de vida inadequados.SINAIS E SINTOMASOs principais sinais, e que permitem o diagnostico quase imediato, são os xantelasmase os xantomas. São distúrbios cutâneos que se manifestam através de pequenosdepósitos de lípidos que ocorrem a superfície da pele e são por isso bem visíveis.
  9. 9. Para se realizar o diagnóstico confirmado desta doença, realizam-seanálises sanguíneas. LDLDetermina-se indirectamente através da Equação de Friedewald: CT = HDL + LDL + TG/5CT - Colesterol total; TG – TriglicerídeosSe TG >400 mg/dl a equação não se pode aplicar para determinarLDL (e preciso determinar LDL directamente, por exemplo, porultracentrifugação) HDLÉ necessário fazer a média de duas determinações medidas emdias diferentes, a fim de determinar o nível de HDL entre +/- 10%do valor verdadeiro. TriglicerideosA sua concentração varia 20-30% com o consumo de alimentos.Portanto a sua determinação tem que ser feita em jejum (de 12-14horas).
  10. 10. O estilo de vida de cada indivíduo varia consoante a sua personalidade, oseu modo de vida, a sociedade onde está inserido ou a sua personalidade.
  11. 11. Todos estes factoressão tomados emconta, aquando dopreenchimento deuma tabela, que avaliao grau de risco em queo utente se encontra.Tabela esta quedeterminará o tipo detratamento que outente com estadoença terá deter, como porexemplo, cuidadosacrescidos nos seushábitos diários.
  12. 12. Existem patologias que estão directamente ou indirectamenteassociadas às dislipidemias.Hipotiroidismo Aumenta os níveis de LDL, devido ádiminuição do nº de receptores hepáticospara LDLInsuficiência renal Aumento dos triglicerídeosSíndrome nefrótica Aumento dos triglicerídeos e do colesterolObesidade Aumento dos triglicerídeos e redução de HDLTabaco Reduz HDL e oxida as LDLÁlcool Aumento dos triglicerídeosSedentarismo Aumento do pesoTipo de personalidade Condiciona as acções do indivíduoHipertensão arterial Aumenta devido ao coração ter que fazer ummaior esforço para bombear o sangue paratodo o organismo
  13. 13.  Idade: + 45 no homem, + 55 na mulher. Alimentação: fundamental na escolha de uma dietasaudável, de acordo com a patologia que o utentesuporta. Sexo: há mais predominância de dislipidemias no sexomasculina, devido ao facto de este acumular mais tecidoadiposo na região abdominal. Histórico familiar: as dislipidemias também sãotransmitidas geneticamente.
  14. 14. Um utente com esta patologia, tem duas opções de tratamento:
  15. 15.  Não exceder o consumo energético necessário para manter o peso dentro doslimites considerados normais (IMC está entre 18,5 e 25, de acordo com a OMS). Evitar alimentos e bebidas açucaradas(gelados, bolos, biscoitos, chocolates, mel, refrigerantes, etc.). Dar preferência ao peixe e carnes magras (ex: aves e coelho) e reduzir o consumode carnes vermelhas (ex. boi, vitela, cavalo) Preferir os cereais integrais. Preferir as fibras (farelo de aveia, feijão, ervilha, lentilha, ameixa preta, aveia,) Preferir óleos vegetais (milho, algodão, arroz, girassol, soja, azeitona) Fazer um consumo adequado de leite e seus derivados, optando sempre pelosprodutos com baixo teor de gordura (ex. leite desnatado, queijo fresco) Consumir água assim como infusões de ervas ou tisanas desde que não lhesadicione açúcar. Moderar ou, se possível, acabar com o consumo de bebidas alcoólicas; Evitar molhos;Os métodos de cozinhar os alimentos devem ser, preferencialmente: Cozidos em água ou a vapor; Grelhados; Assados com pouca (ou nenhuma) gordura; Estufados;
  16. 16. Todo o utente normal devefazer uma selecção dos seusalimentos e da forma de osconfeccionar, a fim de nãoingerir quantidadesdeficientes de hidratos decarbono, lípidos e outrosnutrientes essenciais.O ideal é fazer uma dietatendo por base a roda dosalimentos, tentando consumirum pouco de tudo, tendo ematenção as porçõesnecessárias ao organismo decada grupo da roda.
  17. 17.  Tiazídicos Beta-bloqueadores Amiodarona Corticoídes Estrogénios Ciclosporina Estatinas Fibratos
  18. 18. O utente deve ser seguido, até, pelo menos, 6 semanas após seterem atingido os objectivos.Mas, se, eventualmente, houver: Um controlo ineficaz da Diabetes Mellitus; Alteração do fármaco anti-dislipidemico; Alteração do estado cardiovascular do doente; Aumento peso considerável;É fundamental que sejam medidos novamente, todos osvalores de LDL, TG, HDL e Colesterol Total, ou seja, deve-se fazerum novo perfil lipídico.
  19. 19.  A aterosclerose desenvolve-se no interior das artérias de médio egrande calibre e é considerada uma patologia imune-inflamatória, uma vez envolve células imunocompetentes.É considerada uma das principais causas de morte em adultos, empaíses desenvolvidos e em desenvolvimento!As dislipidemias são consideradas como um dos principais factores derisco para o desenvolvimento da doença arterial coronária (DAC) . Estudos mostram que há uma relação directa no surgimento de DACcom elevados níveis de LDL-c, uma vez que estas partículasparticipam do desenvolvimento das placas ateroscleróticas. O contrário é observado quando o HDL-c se apresenta em níveis elevados(>40mg/dL), o que confere o efeito protector dessa lipoproteínacirculante, que tem como função realizar o transporte reverso do colesterole promover um conjunto de acções .
  20. 20.  Na prevenção secundária em doentes com idades entre 30 e 80anos e, também nos indivíduos diabéticos, a redução dos eventoscom Estatinas tem-se mostrado genericamente proporcional àredução das LDL-c ate 70-75 mg/dl. De um ponto de vista económico, o incremento custo-efectividadeaumenta com a idade variando entre 15.000 e e 20.000 euros por QALY nointervalo etário entre os 45-85 anos enquanto que por outro lado, aprimária ocorre uma acentuada variação dos ICER em função da idade, dorisco de CV prévio e do género (no caso dos homens varia entre 30.000 e os40.000 e no caso das mulheres varia entre 34.000 e 83.000 euros). Estes resultados mostram que as Estatinas de prevenção secundariatem uma relação beneficio-custo favorável enquanto que a primariatem uma relação beneficio-custo que depende do nível de risco CV eda idade.

×