Sermão de Santo António aos Peixes - Capítulo V, 2ª Parte

331 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
331
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sermão de Santo António aos Peixes - Capítulo V, 2ª Parte

  1. 1. Sermão de Santo António aos Peixes Capítulo V – 2ª parte
  2. 2. Os voadores • Os voadores são peixes que fazem das barbatanas asas. • São avarentos, presunçosos, caprichosos, vaidosos, gananciosos e insatisfeitos, porque, não se contentando em nadar no mar, querem voar como os pássaros. • “Aos outros peixes, do alto, mata-os a fome e engana-os o anzol ou a fisga, a vós nem a fisga nem anzol, mata-vos a vossa presunção e o vosso capricho. (…) Aos outros peixes mata-os a fome e engana-os a isca; ao voador mata-o a vaidade de voar, e a sua isca é o vento.”
  3. 3. • Ambicionam passar do elemento água para o elemento ar, levando a que o seu castigo se tornasse o elemento fogo. E, em vez de correr apenas os riscos dos peixes, passam também a correr os perigos dos voadores. • Morrem por pretender ser aves, “são pescados como peixes e caçados como aves”. • Provérbio: “quem quer mais do que lhe convém, perde o que quer e o que tem”.
  4. 4. O polvo • O polvo é o maior traidor do mar. • Este representa tudo de mal que há no Homem. • O polvo é comparado com os monges que, por baixo da sua vestimenta tão modesta e simples, escondem um tanto de hipocrisia e falsidade que existe dentro de si. Este menciona os dois grandes Doutores da Igreja Latina e Grega. • Padre António Vieira faz a comparação entre o ser e o parecer, ou seja, a realidade daquilo que o polvo é e aquilo que parece ser.
  5. 5. • É "tão dissimulado, tão fingido, tão astuto, tão enganoso", que recorre à estratégia da camuflagem, mudando a sua cor de acordo com o local onde está, para, assim, conseguir caçar melhor as presas, abraçando-as mortalmente com os seus tentáculos – mimetismo. • Compara-o também a Judas, que foi o maior traidor de Cristo, trocando-o por 30 tostões. “Judas abraçou a Cristo, mas outros o prenderam; o Polvo é o que abraça, e mais o que prende. Judas com os braços fez o sinal, e o Polvo dos próprios braços faz as cordas. Judas, é verdade, que foi traidor, mas com lanternas diante; traçou a traição às escuras, mas executou-a muito às claras.”.

×