Apresentação pública do Projeto "Olhar Augusto Cabrita - sentir, compreender e revelar"

315 visualizações

Publicada em

Projeto em rede, dirigido às comunidades educativas dos concelhos do Barreiro e Moita e à população em geral, que foi apresentado publicamente em 16 de março de 2013 e que tem envolvido um vasto número de parceiros.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
315
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação pública do Projeto "Olhar Augusto Cabrita - sentir, compreender e revelar"

  1. 1. O Homem que amou a Vida com a intensidade que ela merece.
  2. 2. “OLHAR AUGUSTO CABRITA” BARREIRO/ MOITA Sentir, Compreender e Revelar … 16 DE MARÇO 2013 – DEZEMBRO 2013
  3. 3. Neste presente marcado pelo tumulto da azáfama diária, pelos conflitos das convicções, pela desvalorização crescente dos valores sociais, éticos e morais, um olhar sobre uma das imagens de Augusto Cabrita, pode ser uma pausa importante. Uma vez, Augusto Cabrita terá dito a António Homem Cardoso: “É preciso saber olhar…sentir, compreender e revelar...” recuperar a beleza do mundo que se vai desvanecendo, nos equilíbrios inatingíveis, nos diálogos mudos e nos sonhos perdidos!
  4. 4. Sentir, Compreender e Revelar …  porque os tesouros não se devem esconder mas sim partilhar;  porque o seu património intangível é nosso legado cultural e identitário;  porque temos o dever de contar a história de quem tantas histórias soube contar;
  5. 5.  porque é e será sempre uma referência incontornável da fotografia, da televisão e do cinema, em Portugal e no estrangeiro;  porque devemos conhecer e compreender a sua obra, partilhá-la, vivenciá-la com as gerações mais novas;  porque conhecer e divulgar o artista e a sua obra é valorizar o seu/ nosso património imaterial;
  6. 6. TIPOLOGIA DO PROJETO É um projeto em rede, dirigido às comunidades escolar e educativa e à população em geral.  Inter disciplinar  Inter escolar  Inter geracional  Inter concelhio Os parceiros aderem, de forma voluntária, desmultiplicando ações de acordo com as suas aptidões, interesses e público alvo, tendo em consideração as finalidades traçadas. Um percurso comum pelas obras deste Mestre do Olhar, culturalmente multifacetado.
  7. 7. FINALIDADES  Homenagear Augusto Cabrita fotógrafo e cineasta de craveira internacional.  Vivenciá-lo através da sua obra.  Compreender e valorizar a modernidade estética da sua produção artística.  Estimular a criação de condições que permitam o desenvolvimento de trabalhos de investigação e a sua publicação.
  8. 8. ARQUITETURA DO PROJETO Desenvolve-se em dois eixos:  diacrónico – tempo de estudo, reflexão, construção, das atividades programadas por cada parceiro;  sincrónico – tempo da mostra, da partilha, momento de vivenciar, em conjunto, e revelar, à comunidade, o Olhar do Mestre. escola meio
  9. 9. ARQUITETURA DO PROJETO Integram o eixo diacrónico Exposições Dramatizações Concursos Textos encenados Escrita Criativa “Da Imagem ao Texto” Projetos de Artes Plásticas “Oficina de Fotografia Augusto Cabrita” Ciclos de cinema, documentário e reportagem Dança, Música, Canto Produções Multimedia
  10. 10. ARQUITETURA DO PROJETO Integram o eixo sincrónico:  Exposições - Fotografias e Publicações  Música - Concertos de Tributo  Ciclos: Ciclo “As Melomanias” Ciclo de Documentários do Programa “Vamos Jogar no Totobola”
  11. 11.  Ciclo de Conferências sobre: “A Modernidade Estética da sua Obra Multifacetada” “O Livro e o Design em Augusto Cabrita” “Augusto Cabrita: A Música que tocava e a Importância da Música na sua Obra” “O Desporto na Objetiva de Augusto Cabrita”  Outros Ciclos: Cinema, Documentário, Reportagens, Curtas Metragens
  12. 12. PARCEIROS BARREIRO  Agrupamentos de Escolas: Alfredo da Silva Álvaro Velho Augusto Cabrita Barreiro Quinta da Lomba Quinta Nova da Telha Santo António  Escolas Secundárias dos Casquilhos e Santo André MOITA  Agrupamentos de Escolas: D. João I – Baixa da Banheira Moita Mouzinho da Silveira Vale da Amoreira José Afonso
  13. 13. PARCEIROS  Agrupamentos musicais: Banda Municipal do Barreiro, Camerata Musical do Barreiro, Coral TAB e CORUTIB.  Associações: “Artesfera”, Cine Clube do Barreiro, Barreiro Património Memória e Futuro.  Bibliotecas Municipais e Escolares do Barreiro e Moita.  Centro de Formação de Docentes do Barreiro e Moita.  Círculo de Animação Cultural de Alhos Vedros.  Cooperativa Cultural Popular Barreirense.  Escola de Jazz do Barreiro.  Grupos de teatro: ArteViva , Projector, Vigilâmbulo Caolho.  Juntas de Freguesia dos Concelhos do Barreiro e Moita.  Universidades Séniores do Barreiro e Moita.
  14. 14. COMISSÃO COORDENADORA  Agrupamento de Escolas Augusto Cabrita.  António Cabrita, consultor para o projeto e representante da família de Augusto Cabrita.  Câmara Municipal do Barreiro.  Câmara Municipal da Moita.  Cooperativa Cultural Popular Barreirense.  Representante da Rede de Bibliotecas Escolares Barreiro/ Moita.
  15. 15. VOLTA DEPRESSA, CAÇADOR DA LUZ! VOLTA PARA FIXAR NO BARRO CLARIDADE O FRUIR DE UMA ALTURA A EXPRESSÃO DE UMA ASA. VOLTA DEPRESSA, AUGUSTO. SEM TI É TÃO ESCURA A NOSSA CASA... MÁRIO CASTRIM IN «DIÁRIO DE LISBOA» SETEMBRO 1985
  16. 16. AUGUSTO CABRITA “MESTRE DE FOTÓGRAFOS E NARRADOR DE AMIGOS” (Dinis Machado) (16/03/1923 – 08/02/1993)
  17. 17. OBRIGADO PELO INSTANTE... Ficha técnica: Carla Marina, Clara Soares, Fátima Fontinha

×