O Tipo e o Horizonte Temporal dos Financiamentos
CJA Business Consulting FEV14
http://www.linkedin.com/pub/carlos-jeronimo...
O Tipo e o Horizonte Temporal dos Financiamentos
CJA Business Consulting FEV14
http://www.linkedin.com/pub/carlos-jeronimo...
O Tipo e o Horizonte Temporal dos Financiamentos
CJA Business Consulting FEV14
http://www.linkedin.com/pub/carlos-jeronimo...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VI

251 visualizações

Publicada em

Uma das principais preocupações que deve ser tida ao negociar um financiamento com a Banca, passa pelo mesmo ter o tipo e o prazo adequado à necessidade em causa

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
251
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VI

  1. 1. O Tipo e o Horizonte Temporal dos Financiamentos CJA Business Consulting FEV14 http://www.linkedin.com/pub/carlos-jeronimo-augusto/66/279/758 www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242 www.cja-bc.com carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com TLM 911161776 O Tipo e o Horizonte Temporal dos Financiamentos VI PARTE VI Crédito de Médio e Longo Prazo I Crédito ao Investimento Salvo raríssimas excepções os investimentos devem ser financiado por crédito de médio e longo prazo ( a partir daqui CMLP ). A rentabilidade e libertação de fluxos financeiros para pagamento por norma dá-se num horizonte plurianual, donde o horizonte temporal do financiamento deve ser coincidente com os cash flows previsionais do projecto. Dissemos que os financiamentos devem ser financiados por CMLP … além dos capitais próprios adequados. E cremos que para capitais próprios adequados não existe um rácio. Cada caso é um caso, mas na esmagadora maioria dos casos os investimentos devem ter as duas componentes. Um investimento não deve ser feito só com capitais próprios. Leva a uma imobilização desnecessária dos mesmos e perde-se o efeito fiscal dos juros. Na mesma linha não deve ser feito só com capitais alheios; é muito difícil a aprovação e aumenta o seu risco, também para o promotor. Mas a principal questão nos investimentos e respectivo crédito é a correcta adequação do plano de reembolso à capacidade de geração de fundos do projecto. O plano de reembolso deve ser perfeitamente adaptado ao cash flow esperado do projecto. Após decidir que um projecto avança, ou seja que se acha que ele é rentável, há que ter o máximo cuidado com o seu financiamento. O financiamento de um projecto faz parte e é parte fundamental de um projecto. Muitos bons projectos já ficaram na gaveta por falta de financiamento, mas também muitos bons projectos já falharam por financiamento adequado. Não em termos de montante, mas de plano de reembolso. Assim considerando que o financiamento é parte integrante do projecto, o projecto só é bom se o financiamento for bom.
  2. 2. O Tipo e o Horizonte Temporal dos Financiamentos CJA Business Consulting FEV14 http://www.linkedin.com/pub/carlos-jeronimo-augusto/66/279/758 www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242 www.cja-bc.com carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com TLM 911161776 Muitas vezes os promotores caem no erro fatal de aceitarem financiamentos inadequados ao projecto. Os bancos preferem prazo o menos longos possíveis e os promotores aceitam para não inviabilizar o projecto e inviabilizam-nos, com elevados custos. Não existem regras para qual a relação óptima entre os cash flow esperados de um projecto e o plano de reembolso. Mas avançamos com uma hipótese. Que o plano de reembolsos coincida com a análise de sensibilidade pior que for efectuada. Assim, mesmo que ocorra o pior cenário previsto, manter-se-á a capacidade de reembolso. E se as coisas ainda correrem pior? Bom, uma hipótese é ter reservado alguns capitais próprios para essa eventualidade, Não se deixa degradar a situação, mantendo alguma posição negocial com o financiador. A outra é a renegociação, que deve ser feita atempadamente, antes de uma degradação e de incumprimento. É fundamental a monitorização e a acção adequada. E porque não ter condições de reembolso mais suaves que o cash flow do cenário mais pessimista? Em primeiro lugar o banco. Os bancos são avessos a prazos de reembolso demasiado longos. E ao pedirmos um plano de reembolso inferior aos cash flow da hipótese mais pessimista, estamos a transmitir que não acreditamos no projecto… E para o promotor. Um plano mais longo encarece o projecto por via dos juros e se a implementação correr bem existirá um excesso de liquidez que nem sempre é benéfico… Falámos da que consideramos a principal preocupação no crédito ao investimento. Vamos abordar muito sumariamente mais dois temas. Nos casos em que se possa aplicar, um prazo de utilização bem negociado, o mais longo possível, poupa muito dinheiro em juros e dá espaço de manobra à empresa para acertos que possam ser necessários efectuar, após por o processo em marcha.
  3. 3. O Tipo e o Horizonte Temporal dos Financiamentos CJA Business Consulting FEV14 http://www.linkedin.com/pub/carlos-jeronimo-augusto/66/279/758 www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242 www.cja-bc.com carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com TLM 911161776 Para os bancos, o CMLP deve ter sempre garantias extra. O prazo é maior, aumenta a incerteza, logo aumenta o risco e aí vem a “necessidade” de garantias adicionais. A empresa deve sempre apresentar garantias adicionais num CMLP. Não tem de ser reais, como se pensa no imediato. Muitas vezes existem outras possibilidades de constituir e oferecer garantias, que melhoram a possibilidade de aprovação de um crédito…

×