ANJOS CAÍDOS E GRAALPara entendermos o Graal é preciso retornarmos ao passado distante quando deu-se a controvertidaRebeli...
gama de seres que opera dentro do mundo quântico e nas membranas (matrizes) derealidade. Entre estes seres estão os que co...
T. − Você está me dizendo que foi permitido a Lúcifer experimentar sua teoria em umplaneta?V. L. − Sim.T. − Certo, mas, an...
unificação, e isto porque o DNA é projetado para emitir (antena) este sentimento de conexãosub consciente.Porém, no caso d...
Satanás, como vocês o imaginam, nunca existiu. Não há limites para a energia central. Esta      energia circunda todas as ...
É certo que a ressurreição da carne é físicamente impossível, nem mesmo teologicamenteexplicável a despeito de toda exeges...
Foram estes seres, os Filhos de Deus, que tomaram para si as filhas dos homens e não os Nefilinsque “naqueles dias estavam...
los em nome dos Anunnaki. Como os Filhos de Deus, como repositório das experiências humanas,depois de milhões de anos, ent...
Anunnaki                                 Melki-Zedeque                             Nascidos do Sangue                     ...
confusão da Igreja, que, tomando-a no sentido literal de ´gema`, a transformou, dentro do seusimbolismo, na esmeralda caíd...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ANJOS CAÍDOS E GRAAL

1.443 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.443
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ANJOS CAÍDOS E GRAAL

  1. 1. ANJOS CAÍDOS E GRAALPara entendermos o Graal é preciso retornarmos ao passado distante quando deu-se a controvertidaRebelião de Lúcifer e compreendê-la. Para tal, dentre tantas versões sobre a queda do dito“maligno” reproduzirei aqui um diálogo entre Vante do Vanguedoc e Treville: V. L. − Você conhece a história dos anjos caídos? T. − Você está falando sobre a rebelião de Lúcifer? V. L. − Sim. Esta história está mal contada nos textos bíblicos devido ao fato de que os autores destes textos não tinham conhecimento suficiente para definir a cosmologia ou a física. A energia central projetou as mais altas formas de vida, e isto inclui uma extensa
  2. 2. gama de seres que opera dentro do mundo quântico e nas membranas (matrizes) derealidade. Entre estes seres estão os que comumente chamamos de anjos, que sãointermediários entre os portadores de alma humanóides e a energia central.Havia alguns dentro do reino angelical que acreditavam que a energia central estavacontrolando demais a estrutura do portador de alma. Eles sentiam que uma estrutura deveriaser criada para permitir que os anjos pudessem encarnar dentro da membrana de realidadeda Terra. Eles insistiram que isto melhoraria substancialmente este planeta e a estruturafísica do universo. Porém, a energia central recusou esta proposta e um grupo de renegadosse rebelou e começou a projetar um portador de alma independente da energia central.T. − Espere um pouco. Você está me dizendo que Lúcifer liderou essa rebelião para criar umportador de alma que pudesse também ser habitado por um anjo?V. L. − Exatamente. A personalidade de Lúcifer incluía um forte sentimento deindependência de seus criadores, e um sentimento ainda mais forte de que seus criadoreshaviam falhado por terem insistido que o portador de alma de humanóides portasseexclusivamente a consciência “sem forma” e não a forma angelical. Para Lúcifer, istoparecia inconcebível porque a forma angelical era superior em suas capacidades e poderiaser de grande ajuda à forma de vida física na Terra.Na perspectiva de Lúcifer, os humanos não podiam se transformar em função dos severoslimites de seus portadores de alma, ou formas físicas. Lúcifer sentiu que sem a colaboraçãodos anjos, os humanos cada vez mais estariam separados de seus objetivos como seresespirituais, e o universo ficaria em desarmonia, o que eventualmente poderia causar suadestruição e a da vida dentro dele, incluindo a dos anjos.T. − Portanto você está sugerindo que a rebelião de Lúcifer foi simplesmente umadiscordância sobre esse único problema?V. L. − Lúcifer quis encarnar nesta membrana de realidade da mesma forma que oshumanos o fazem. Ele quis se tornar um colaborador da humanidade para garantir suaascensão. Quando a energia central percebeu suas intenções como sendo nobres, temeramque as encarnações angelicais pudessem ser tidas como Deuses para seus pares humanos, eabsolutamente sem intenção, enganariam os humanos, em vez de serem co-criadores daescada que os levariam ao estado de Deus.Houve um grande debate sobre esse assunto, o que originou uma divisão entre o reinoangelical e a energia central. Aqueles que eram leais a energia central defenderam queLúcifer e seus simpatizantes deveriam ser banidos por suas idéias radicais quepotencialmente poderiam criar uma divisão duradoura em sua membrana de realidade, o quecausaria uma grande desordem. Lúcifer, em amplas deliberações com a energia central,negociou um acordo que o possibilitaria levar seu grupo de simpatizantes e provar o valor deseu plano em um planeta isolado.
  3. 3. T. − Você está me dizendo que foi permitido a Lúcifer experimentar sua teoria em umplaneta?V. L. − Sim.T. − Certo, mas, antes de continuarmos, gostaria de saber se você está falando dentro de umcontexto mitológico ou se esta é a sua visão?V. L. − Eu tenho três manuscritos antigos que descrevem esta história de forma alegórica,mas a minha visão − como você coloca − é muito mais descritiva e definitiva deste evento.T. − Assim, Lúcifer conduziu essa experiência. Onde e qual foi o resultado?V. L. − O planeta está situado em uma galáxia conhecida por seus cientistas como ViaLáctea.T. − Você não está me dizendo que...V. L. − Sim, no seu planeta, a Terra.T. − Portanto você está me dizendo que Lúcifer e seu bando de simpatizantesdesenvolveram seu plano para portadores de alma para anjos aqui na Terra?V. L. − É mais complicado que isso.T. − Eu espero que sim, pois essa história é muito difícil de acreditar.V. L. − Seja paciente. Nós estamos caminhando por um território muito desconfortável paraa maioria das pessoas. Portanto, respire fundo e seja paciente comigo enquanto tentoexplicar.A estrutura física humana do portador de alma não suporta a elevada energia angelical;então Lúcifer criou uma estrutura física sintética que poderia se adequar às exigênciasquânticas de um anjo. Era uma estrutura muito eficaz, mas levava um forte complexo desobrevivência dentro da espécie, que tornou muito forte a tendência angelical nos aspectosde altruísmo e cooperação.T. − Por que? O que aconteceu?V. L. − Quando a consciência “sem forma” entra (nascimento) em uma membrana derealidade (matriz) por uma estrutura como um portador de alma (corpo humano),imediatamente se desconecta de todas as outras forças, a não ser de uma pequeníssima parteda sua própria, e literalmente se separa. É o processo de esquecimento. Em humanos, isto émais ou menos controlado pela realização sutil que permanece conectada através da força de
  4. 4. unificação, e isto porque o DNA é projetado para emitir (antena) este sentimento de conexãosub consciente.Porém, no caso do portador de alma projetado por Lúcifer e seus seguidores, esta conexãofoi cortada tanto consciente como sub- conscientemente, pois a estrutura sintética não estavabaseada em DNA, que é totalmente controlada pela energia central. Consequentemente, estaespécie experimental tendia para um complexo muito forte de sobrevivência, pois temiaprofundamente por sua extinção, que é o resultado de um sentimento de completa separaçãoda força de unificação. Este complexo de sobrevivência criou uma espécie que compensavaseu medo de extinção com uma poderosa mente grupal.A mente grupal compensou a perda de conexão com a força de unificação, criando seuresultante físico e mental. Assim, os anjos que entraram neste sistema perderam a lembrançade suas naturezas angelicais e se tornaram mais interessados em operar como um todo, doque como indivíduos.Eles se tornaram uma preocupação para a energia central, e foi pedido a Lúcifer quedesmantelasse sua experiência. Porém, Lúcifer estava muito ligado à espécie que tinhaajudado a criar. Estes seres angelicais tinham desenvolvido ao longo de várias gerações, umquadro muito sofisticado de tecnologias, cultura e ordem social. Era como uma grandefamília para Lúcifer. Então Lúcifer negociou para modificar sua criação, desligando-a paraque pudesse se tornar auto-animada, ainda que usando a frequência angelical ou a estruturaquântica exigida pelos anjos.T. – O que você quer dizer com “desligando a criação”?V. L. – Que as conciências das estruturas sintéticas foram retiradas de forma a deixá-las emestado de hibernação.T. − E o que você quer dizer com “auto-animados”?V. L. − Que eles se tornariam andróides sem alma.T. − De qualquer forma o que aconteceu com Lúcifer e seu plano?V. L. − De acordo com as informações, ele está vivo e muito bem. Completamentereintegrado em sua espécie, e exerce um alto posto.T. − Só para deixar claro, nós estamos falando de Satanás, não é verdade?V. L. − Os teólogos ficaram com uma colcha de retalhos de mitos e lendas, e ao longo dotempo ainda colocaram suas próprias interpretações, muitas das quais maliciosas comintenções de domínio e poder sobre a ignorância. O que sobrou para vocês é pouco mais queficção de milhares de vozes, mas isto, de alguma maneira, consegue ser reconhecido comofato.
  5. 5. Satanás, como vocês o imaginam, nunca existiu. Não há limites para a energia central. Esta energia circunda todas as dinâmicas. Não há polaridade de si mesma que esteja além de seu alcance, ou personalizada fora de si mesma. A história de Lúcifer − em um nível mais alto − foi descrita a você. Presumo que você pode perceber uma certa semelhança com a versão da rebelião de Lúcifer descrita na Bíblia, mas a correlação, eu estou seguro que você admitiria, no mínimo é dispersa.Uma vez compreendida a Rebelião de Lúcifer, qual a relação que ela tem com o Graal e, oque é realmente o Graal?Ora, a raça de seres criada por Lúcifer e seus simpatizantes na Terra, depois de desligada e semalma, entrou em estado de hibernação e passou a ser conhecida por vários nomes como Filhos deDeus, Filhos da Mente, Filhos do Fogo, Filhos da Luz ou Filhos da Ressurreição. Assim comoFilhos de Deus ficaram conhecidos em hebraico como bene ha Elohim, Filhos da Mente ficaramconhecidos na língua sânscrita como Manasaputras (Manas = mente; putra = filhos). Este estadode hibernação passou a ser conhecido metaforicamente como estado de morte. Daí estes Filhos deDeus estão mortos, ou seja, em hibernação.É, pois, neste sentido metafórico que se deve interpretar a palavra morte em 20:27-36 do NovoTestamento de Lucas: ...alguns saduceus, que não criam na ressurreição, perguntaram a Jesus: Mestre, Moisés nos deixou escrito que se morrer alguém, tendo mulher mas não tendo filhos, o irmão dele case * com a viúva, e suscite descendência ao irmão . Havia, pois, sete irmãos. O primeiro casou- se e morreu sem filhos; então o segundo, e depois o terceiro, casaram com a viúva; e assim todos os sete, e morreram, sem deixar filhos. Depois morreu também a mulher. Portanto, na ressurreição, de qual deles será ela esposa, pois os sete por esposa a tiveram? Respondeu-lhes Jesus: Os filhos deste mundo casaram-se e dão-se em casamento; mas os que são julgados dignos de alcançar o mundo vindouro, e a ressurreição dentre os mortos, nem se casam nem se dão em casamento; porque já não podem mais morrer; pois são iguais aos anjos, e são filhos de Deus, sendo filhos da ressurreição.É neste sentido também metafórico que se deve interpretar o credo Niceno-constantinopolitanoquando no final fala: Esperamos a ressurreição dos mortos, E a vida do mundo que há-de vir. Amém.* A lei de Moisés obrigava ao judeu gerar descendência, ainda que, no caso de morte, porintermédio do irmão do falecido, o que coloca Jesus na impossibilidade de ser solteiro.
  6. 6. É certo que a ressurreição da carne é físicamente impossível, nem mesmo teologicamenteexplicável a despeito de toda exegese teológica. Contudo, Jesus se refere aos Filhos de Deusequiparando-os explicitamente aos Filhos da Ressurreição, como imortais Filhos de Deus, iguaisaos anjos. Se a ressurreição dos mortos − para a vida no mundo vindouro mencionada por Jesus −significar a mesma coisa mencionada no Credo Niceno-constantinopolitano, então, os padres daIgreja a corromperam muito bem, com fins doutrinários e lucrativos, transformando-a naressurreição da carne no Credo Apostólico.Sendo assim, a ressurreição dos mortos nada mais é que o despertar desta raça sintética isenta deDNA criada na Terra por Lúcifer e seus simpatizantes, em outras palavras, o despertar dos Filhosde Deus ou Manasaputras.Qual a forma física destes seres?Quando esta raça foi criada, há muitos milhões de anos, o homem ainda não tinha a forma físicaatual. Naquela época, quando protótipos estavam sendo testados, existiam apenas as quimeras. Éjustamente na forma de uma quimera que estes corpos sintéticos foram criados e foramrepresentados artisticamente no planalto de Gizé pela misteriosa Esfinge.Quando esta raça despertará?Ora, esta raça foi criada há muitos milhões de anos, mas, em determinada época, antes de entraremem estado de hibernação, era ativa na Terra. Embora existam várias interpretações errôneas, ésobre estes Filhos de Deus que se refere o Gênesis 6:4: Sucedeu que, quando os homens começaram a multiplicar-se sobre a terra, e lhes nasceram filhas, viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram. Naqueles dias estavam os nefilins na terra, e também depois, quando os filhos de Deus conheceram as filhas dos homens, as quais lhes deram filhos. Esses nefilins eram os valentes, os homens de renome, que houve na antigüidade.
  7. 7. Foram estes seres, os Filhos de Deus, que tomaram para si as filhas dos homens e não os Nefilinsque “naqueles dias estavam na Terra, e também depois, quando os filhos de Deus conheceram asfilhas dos homens, as quais lhes deram filhos”.Eventualmente, em algum tempo depois deste evento, os Filhos de Deus foram desligados edeixados em estado de hibernação. Nesta condição de andróides sem alma, os Filhos de Deuspassaram a funcionar como um repositório de todas as experiências humanas, ou seja, todas asexperiências geradas pela humanidade passaram a ser depositadas nestes Filhos de Deus com opropósito de construção de almas para eles.Assim sendo, o verdadeiro Graal, nada mais é que o conjunto de Filhos de Deus funcionandocomo mente coletiva que, como um cálice, recebe todas as experiências humanas. Daí que o cálicedo Graal nada mais é que um simbolismo para os Filhos de Deus adormecidos.É claro que algum dia no futuro este cálice estará repleto de experiências com sua alma finalizada.É neste dia que se dará a famosa e incompreendida Ressurreição dos Mortos, como afirmou Jesuse como afirma o credo Niceno-constantinoplolitano, erroneamente transformada em Ressurreiçãoda Carne no credo Apostólico.Diante do explicado acima, qual a função da vida humana na Terra? Como uma ferramenta muitoboa, mas transitória e descartável, a utilidade da vida humana na Terra é a de criar almas para osFilhos de Deus para que eles possam despertar do estado de hibernação, ou, metaforicamente,Ressurgir dos Mortos. Quando esta Ressurreição acontecer, adeus humanidade!E quando se dará esta Ressurreição dos Mortos? Ao contrário do livro de Gênesis, Apocalipse é olivro das consumações e como tal, relata que no mundo vindouro não haverá mais mar, nem noite,que não haverá necessidade de sol nem de lua, que não haverá mais morte nem dor nem maldiçãoporque “os céus e a terra de agora, têm sido guardados para o fogo, sendo reservados para o dia dojuízo*”. Entretanto, tudo isto acontecerá quando houver novos céus e nova terra.Por que então é costume a afirmação de que Maria Madalena é o Graal?Para esta resposta, voltemos ao passado. Os Filhos de Deus foram criados junto com a criação doshumanos há muitos milhões de anos. Desde então, os Deuses (Elohim) passaram a conviver, comodirigentes, lado a lado com a humanidade até a época da Suméria. Na Suméria, os Deuses (Elohim= Anunnaki = Aqueles que vieram do Céu para a Terra) resolveram sair de cena; ainda assim, nãopretendiam deixar a humanidade por sua própria conta. Como solução engendraram uma linhagemde semi-deuses mestiça Anunnaki-humana que funcionaria como intermediária entre os Anunnakie os humanos.Esta linhagem mestiça intermediária é portadora de DNA mitocondrial (mtDNA) Anunnaki. Aindaassim, só o sangue não era suficiente para garantir superioridade frente aos humanos para governa-* II Pedro 3:7.
  8. 8. los em nome dos Anunnaki. Como os Filhos de Deus, como repositório das experiências humanas,depois de milhões de anos, entre sua criação e a Suméria (cerca de 6.000 anos atrás), já possuíamsuperioridade esmagadora frente aos humanos, o recurso utilizado pelos Anunnaki foiconfeccionar almas para esta linhagem intermediária com DNA mitocondrial Anunnaki a partirdas almas super desenvolvidas já implementadas nos Filhos de Deus.É justamente por este motivo que Maria Madalena é redundantemente considerada como sendo oGraal; seu útero, ou cálice, é o veículo de entrada nesta matriz de realidade terrena de um corpofísico portador de DNA mitocondrial Anunnaki com alma retirada dos Filhos de Deus quefuncionará temporariamente na Terra em nome dos Anunnaki, daí, ser chamado pela maçonaria deNascidos do Sangue; e estes nascidos do sangue são metaforicamente portadores de sangue azul, osangue da realeza. Jesus e Madalena eram nascidos do sangue, portanto, descendentes daLinhagem do Graal. Ainda assim, não eram o início desta linhagem, pois a Linhagem do Graaliniciou na Suméria.Contudo, Maria Madalena não é a única mulher Graal no mundo; qualquer mulher com sangueazul e alma dos Filhos de Deus trará ao mundo um nascido do sangue, como é o caso de SuaMajestade, a Rainha Elizabeth II da Inglaterra.Quem é Melki-Zedeque (Melquisedeque)?Cabe aqui uma explicação importantíssima que versa sobre Melki-Zedeque. Muitos livros já foramescritos e muitos trabalhos já foram realizados sobre este enigmático personagem, entretanto, tudoaté aqui já escrito e falado não passou de retórica. Quem é então Melki-Zedeque?Ora, já vimos que os Filhos de Deus estão em hibernação e que eles formam uma mente grupal.Assim sendo, os Anunnaki não se comunicam diretamente com a linhagem de sangue azulintermediária (a não ser eventualmente); os Anunnaki se comunicam com a linhagemintermediária de sangue azul por intermédio de Melki-Zedeque que nada mais é que um Filho deDeus que foi despertado para exercer a função de Rei (Melki em hebraico = Rei) e Sacerdote(Zedeque em hebraico = justiça, donde a linhagem sacerdotal judaica de Zadoque), ou seja, Rei deSalem e Sacerdote do Deus Altíssimo, melhor dizendo, do Anunnaki Altíssimo. Pelo fato dosFilhos de Deus possuírem uma mente grupo, Melki-Zedeque, portanto, como o único desperto,funciona como representante de todos.É claro que Melquisedeque, sendo um dos Filhos de Deus, criado geneticamente, não pode ter pai,nem mãe, muito menos genealogia. Entendem agora a afirmação da Bíblia em Hebreus 7:3referindo-se a Melquisedeque? ...sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas feito semelhante ao Filho de Deus...
  9. 9. Anunnaki Melki-Zedeque Nascidos do Sangue Humanidade Estrutura de governo mundial no planeta TerraRetornando ao Santo Graal, ou Linhagem do Santo Graal, esta linhagem encontra respaldo atémesmo na Bíblia que a menciona em Apocalipse 7:2-8 como os selados de Deus, aqueles queseguem o Cordeiro para onde quer que ele vá: E vi outro anjo subir do lado do sol nascente, tendo o selo do Deus vivo; e clamou com grande voz aos quatro anjos, a quem fora dado que danificassem a terra e o mar, dizendo: Não danifiques a terra, nem o mar, nem as árvores, até que selemos na sua fronte os servos do nosso Deus. E ouvi o número dos que foram assinalados com o selo, cento e quarenta e quatro mil de todas as tribos dos filhos de Israel: da tribo de Judá havia doze mil assinalados; da tribo de Rúben, doze mil; da tribo de Gade, doze mil; da tribo de Aser, doze mil; da tribo de Naftali, doze mil; da tribo de Manassés, doze mil; da tribo de Simeão, doze mil; da tribo de Levi, doze mil; da tribo de Issacar, doze mil; da tribo de Zabulom, doze mil; da tribo de José, doze mil; da tribo de Benjamim, doze mil assinalados.E Apocalipse 14:1-5 completa: E olhei, e eis o Cordeiro em pé sobre o Monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, que traziam na fronte escrito o nome dele e o nome de seu Pai. E ouvi uma voz do céu, como a voz de muitas águas, e como a voz de um grande trovão e a voz que ouvi era como de harpistas, que tocavam as suas harpas. E cantavam um cântico novo diante do trono, e diante dos quatro seres viventes e dos anciãos; e ninguém podia aprender aquele cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil, aqueles que foram comprados da terra. Estes são os que não se contaminaram com mulheres; porque são virgens. Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vá. Estes foram comprados dentre os homens para serem as primícias para Deus e para o Cordeiro. E na sua boca não se achou engano; porque são irrepreensíveis.É exatamente a estes 144.000 selados de Deus, os da linhagem do Graal, cujas almas sãoconfeccionadas, ou “talhadas”, a partir da dos Filhos de Deus que os irmãos Angebert no livroHitler e as Religiões da Suástica, sobre a pedra verde esmeralda, comenta que “poderia explicar a
  10. 10. confusão da Igreja, que, tomando-a no sentido literal de ´gema`, a transformou, dentro do seusimbolismo, na esmeralda caída da fronte de Lúcifer durante a queda original deste, quando Deuso baniu do domínio celeste. O Graal teria sido talhado nesta esmeralda, com cento e quarenta equatro faces, até chegar a ser a taça preciosa que conteve o sangue de Cristo”.E quem criou a Linhagem do Graal?Lembremo-nos que a Linhagem do Graal é confeccionada com almas retiradas dos Filhos de Deusque são introduzidas em corpos com DNA mitocondrial dos Anunnaki. Para tal, na época daSuméria, Enki usou seu sêmem para fertilizar um óvulo de mulher mortal que, depois defertilizado, foi introduzido através de inseminação artificial na mãe substituta (barriga de aluguel)Anunnaki Nin-khursag, como é apresentado na genealogia da Casa do Dragão abaixo: ESTE ARTIGO AINDA ESTÁ EM CONSTRUÇÃO

×