Letras musicas unicef

1.892 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.892
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Letras musicas unicef

  1. 1. 1Letras músicas UNICEF (CD 01) Música PáginaAquarela 02Rua da passagem 03Absurdo 04Beira-mar novo 05Gaiola da saudade 06O mundo 07Herdeiros do futuro 08Sombras de um jatobá 09 (CD 02)Música PáginaLuz do sol 10Terra 11Xote ecológico 12Riacho do navio 13Matança 14Que que tu tem canário 15Lua cirandeira 16Bicharada 17Todos juntos 18Pense N’eu 19O último pôr do sol 20
  2. 2. 2AquarelaComposição: Toquinho / Vinicius de Moraes / G.Morra / M.FabrizioNuma folha qualquer eu desenho um sol amareloE com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo...Corro o lápis em torno da mão e me dou uma luvaE se faço chover com dois riscos tenho um guarda-chuva...Se um pinguinho de tinta cai num pedacinho azul do papelNum instante imagino uma linda gaivota a voar no céu...Vai voando, contornando a imensa curva Norte e SulVou com ela, viajando Havaí, Pequim ou IstambulPinto um barco a vela brando navegandoÉ tanto céu e mar num beijo azul...Entre as nuvens, vem surgindo um lindo vvião rosa e grenáTudo em volta colorindo com suas luzes a piscar...Basta imaginar e ele está partindo, sereno e lindoSe a gente quiser, ele vai pousar...Numa folha qualquer eu desenho um navio de partidaCom alguns bons amigos bebendo de bem com a vida...De uma América a outra eu consigo passar num segundoGiro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo...Um menino caminha e caminhando chega no muroE ali logo em frente, a esperar pela gente, o futuro está...E o futuro é uma astronave que tentamos pilotarNão tem tempo, nem piedade, nem tem hora de chegarSem pedir licença muda a nossa vida e depois convida a rir ou chorar...Nessa estrada não nos cabe conhecer ou ver o que viráO fim dela ninguém sabe bem ao certo onde vai darVamos todos numa linda passarela de uma aquarelaQue um dia enfim descolorirá...Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo (Que descolorirá!)E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo (Que descolorirá!)Giro um simples compasso num círculo eu faço o mundo (Que descolorirá!)
  3. 3. 3Rua da Passagem (trânsito)Composição: Arnaldo Antunes / LenineOs curiosos atrapalham o trânsitoGentileza é fundamentalNão adianta esquentar a cabeçaNão precisa avançar no sinalDando seta pra mudar de pistaOu pra entrar na transversalPisca alerta pra encostar na guiaPára brisa para o temporalJá buzinou, espere, não insista,Desencoste o seu do meu metalDevagar pra contemplar a vistaMenos peso do pé no pedalNão se deve atropelar um cachorroNem qualquer outro animalTodo mundo tem direito à vidaTodo mundo tem direito igualMotoqueiro caminhão pedestreCarro importado carro nacionalMas tem que dirigir direitoPara não congestionar o localTanto faz você chegar primeiroO primeiro foi seu ancestralÉ melhor você chegar inteiroCom seu venoso e seu arterialA cidade é tanto do mendigoQuanto do policialTodo mundo tem direito à vidaTodo mundo tem direito igualTravesti trabalhador turistaSolitário família casalTodo mundo tem direito à vidaTodo mundo tem direito igualSem ter medo de andar na ruaPorque a rua é o seu quintalTodo mundo tem direito à vidaTodo mundo tem direito igualBoa noite, tudo bem, bom dia,Gentileza é fundamentalPisca alerta pra encostar na guiaCom licença, obrigado, até logo, tiau.
  4. 4. 4AbsurdoVanessa da MataHavia tanto pra lhe contarA naturezaMudava a forma o estado e o lugarEra absurdoHavia tanto pra lhe mostrarEra tão beloMas olhe agora o estrago em que estáTapetes fartos de folhas e floresO chão do mundo se varre aquiEssa idéia do natural ser sujoDo inorgânico não se fazDestruição é reflexo do humanoSe a ambição desumana o SerEssa imagem infértil do desertoNunca pensei que chegasse aquiAuto-destrutivos,Falsas vitimas nocivas?Havia tanto pra aproveitarSem poderioTantas histórias, tantos saboresCapins douradosHavia tanto pra respirarEra tão finoNaqueles rios a gente banhavaDesmatam tudo e reclamam do tempoQue ironia conflitante serDesequilíbrio que alimenta as pragasAlterado grão, alterado pãoSujamos rios, dependemos das águasTanto faz os meios violentosLuxúria é ética do perverso vivoMorto por dinheiroCores, tantas coresTais belezasForam-seVersos e estrelasTantas fadas que eu não viFalsos bens, progresso?Com a mãe, ingratidãoDeram o galinheiroPra raposa vigiar
  5. 5. 5Beira-Mar NovoComposição: Folclore / Adaptação: Frei Chico e Lira MarquesBeira-mar, beira-mar novoFoi só eu é que canteiÔ beira-mar, adeus donaAdeus riacho de areiaVou levando minha canoaLá pro poço do pesqueiroÔ beira-mar, adeus donaAdeus riacho de areiaArriscando minha vidaNuma canoa furadaÔ beira-mar, adeus dona,Adeus riacho de areiaAdeus, adeus, toma adeusQue eu já vou me emboraEu morava no fundo dáguaNão sei quando eu voltareiEu sou canoeiroEu não moro mais aquiNem aqui quero morarÔ beira-mar, adeus dona,Adeus riacho de areiaMoro na casca da limaNo caroço do juáÔ beira-mar, adeus dona,Adeus riacho de areiaAdeus, adeus, toma adeusQue eu já vou me emboraEu morava no fundo dáguaNão sei quando eu voltareiEu sou canoeiroRio abaixo, rio acimaTudo isso eu já andeiÔ beira-mar, adeus dona,Adeus riacho de areiaProcurando amor de longeE perto eu já deixeiÔ beira-mar, adeus dona,Adeus riacho de areia
  6. 6. 6Gaiola da SaudadeComposição: Jam Da Silva / Maciel SalúVivo andando no mundoNa gaiola da saudadeIgualmente um passarinhoVoando solto nos aresQuerendo água e comidaPra matar minha vontadeDeixo minha terra chorandoPra morar noutra cidadePara que sentir a dorPara que se tê-laO sol queima, racha a terraE a lua clareiaTempo bom foi no passadoNa época do meu avôO homem tá destruindoO que a natureza criouPlanta semente na terraEspera a chuva e não caiTão aborrecendo a CristoPor causa de tudo issoTempo bom ninguém vê maisNa estação pego um tremSigo firme na estradaA bagagem é minha roupaE a rabeca afinadaVem a noite e não dá sonoNa madrugada cochiloVejo a chegada do diaNão seiQual o é o meu destino
  7. 7. 7O MundoComposição: Lenine, Zeca Baleiro, Paulinho MoskaO mundo é pequeno prá carambaTem alemão, italiano, italianaO mundo, filé à milanesaTem coreano, japonês, japonesa...O mundo é uma salada russaTem nego da Pérsia, tem nego da PrússiaO mundo é uma esfiha de carneTem nego do Zâmbia, tem nego do Zaire...O mundo é azul lá de cimaO mundo é vermelho na ChinaO mundo tá muito gripadoAçúcar é doce, o sal é salgado...O mundo caquinho de vidroTá cego do olho, tá surdo do ouvidoO mundo tá muito doenteO homem que mata, o homem que mente...Por que você me trata mal?Se eu te trato bem!Por que você me faz o mal?Se eu só te faço bem!...Por que você me trata mal?Se eu te trato bem!Por que você me faz o mal?Se eu só te faço bem!...Todos somos filhos de DeusTodos somos filhos de DeusSó não falamos as mesmas línguas...Everybody filhos de GodEverybody filhos de GodSó não falamos as mesmas línguas...Everybody filhos de GandhiEverybody filhos de GandhiSó não falamos as mesmas línguas...
  8. 8. 8Herdeiros do FuturoComposição: Toquinho / Elifas AndreattoA vida é uma grande amiga da genteNos dá tudo de graça prá viverSol e céu, luz e ar, rios e fontes, terra e mar...Somos os herdeiros do futuroE presse futuro ser feliz,Vamos ter que cuidar bem desse paísVamos ter que cuidar bem desse país...Será que no futuro haverá flores?Será que os peixes vão estar no mar?Será que os arco-íris terão cores?E os passarinhos vão poder voar?...Será que a terra vai seguir nos dandoO fruto, a folha o caule e a raiz?Será que a vida acaba encontrandoUm jeito bom da gente ser feliz?...Vamos ter que cuidar bem desse paísVamos ter que cuidar bem desse país...Será que no futuro haverá flores?Será que os peixes vão estar no mar?Será que os arco-íris terão cores?E os passarinhos vão poder voar?...Será que a terra vai seguir nos dandoO fruto, a folha, o caule e a raiz?Será que a vida acaba encontrandoUm jeito bom da gente ser feliz?...Vamos ter que cuidar bem desse paísVamos ter que cuidar bem desse país...
  9. 9. 9A Sombra de um JatobáComposição: ToquinhoRaios de sol na varandaVerde cobrindo o jardimPoder sentir a vida espreguiçarCom o cheiro da madrugadaDama-da-noite, jasmimOlhar no céu estrelas pra contarTer meus amigos comigoQuem amo me amando, simLonge do amor de quem nos finge amarVer na manhã de um domingo,Meu filho sorrir pra mimDepois dormir à sombra de um jatobáPoucas coisas valem a penaO importante é ter prazerLonge de mim a inveja e a maldade escondidas na vidaHoje estamos nós em cena e não há tempo a perderPois tudo acaba mesmo sempre em despedidaTer meus amigos comigoQuem amo me amando, simLonge do amor de quem não sabe amarVer na manhã de um domingoMeu filho sorrir pra mimDepois dormir à sombra de um jatobáPoucas coisas valem a penaO importante é ter prazerLonge de mim a inveja e a maldade escondidas na vidaHoje estamos nós em cena e não há tempo a perderPois tudo acaba mesmo sempre em despedida
  10. 10. 10Luz do SolCaetano VelosoLuz do sol que a folha traga e traduzEm ver denovo, em folha, em graça, em vida, em força, em luz...Céu azul, que venha até onde os pés tocam a terraE a terra inspira e exala seus azuis...Reza, reza o rio, córrego pro rio, rio pro marReza correnteza, roça a beira, a doura areia...Marcha um homem sobre o chãoLeva no coração uma ferida acesaDono do sim e do nãoDiante da visão da infinita beleza...Finda por ferir com a mão essa delicadezaA coisa mais querida, a glória, da vida...Luz do sol que a folha traga e traduzEm ver denovo, em folha, em graça, em vida, em força, em luz...Reza, reza o rio, córrego pro rio, rio pro marReza correnteza, roça a beira, a doura areia...Marcha um homem sobre o chãoLeva no coração uma ferida acesaDono do sim e do nãoDiante da visão da infinita beleza...Finda por ferir com a mão essa delicadezaA coisa mais querida, a glória, da vida...Luz do sol que a folha traga e traduzEm ver denovo, em folha, em graça, em vida, em força, em luz...
  11. 11. 11TerraSagrado Coração da TerraQuando eu me encontrava preso, na cela de uma cadeiaFoi que eu vi pela primeira vez, as tais fotografiasEm que apareces inteira, porém lá não estava nuaE sim coberta de nuvensTerra, terra,Por mais distante o errante navegante quem jamais te esqueceriaNinguém supõe a morena, dentro da estrela azuladaNa vertigem do cinema, mando um abraço pra tiPequenina como se eu fosse o saudoso poeta e fosses a ParaíbaTerra, terra,Por mais distante o errante navegante quem jamais te esqueceriaEu estou apaixonado, por uma menina terraSigno de elemento terra, do mar se diz terra à vistaTerra para o pé firmeza, terra para a mão caríciaOutros astros lhe são guiaTerra, terra,Por mais distânte o errante navegante quem jamais te esqueceriaEu sou um leão de fogo, sem ti me consumiriaA mim mesmo eternamente,e de nada valeriaAcontecer de eu ser gente e gente é outra alegria diferente das estrelasTerra, terra,Por mais distânte o errante navegante quem jamais te esqueceriaDe onde nem tempo e nem espaço, que a força te de coragemPra gente te dar carinho, durante toda a viagemQue realizas do nada,através do qual carregas o nome da tua carneTerra, terra, (3 vezes)Por mais distante o errante navegante quem jamais te esqueceriaPor mais distante o errante navegante quem jamais te esqueceria
  12. 12. 12Xote EcológicoComposição: Luíz GonzagaNão posso respirar, não posso mais nadarA terra está morrendo, não dá mais pra plantarSe planta não nasce se nasce não dáAté pinga da boa é difícil de encontrarCadê a flor que estava aqui?Poluição comeu.E o peixe que é do mar?Poluição comeuE o verde onde que está ?Poluição comeuNem o Chico Mendes sobreviveu
  13. 13. 13Riacho do NavioComposição: Luiz Gonzaga / Zé DantasRiacho do NavioCorre pro PajeúO rio Pajeú vai despejarNo São FranciscoO rio São FranciscoVai bater no meio do marO rio São FranciscoVai bater no meio do marAh! se eu fosse um peixeAo contrário do rioNadava contra as águasE nesse desafioSaía lá do mar proRiacho do NavioSaía lá do mar proRiacho do NavioPra ver o meu brejinhoFazer umas caçadaVer as "pegá" de boiAndar nas vaquejadaDormir ao som do chocalhoE acordar com a passaradaSem rádio e nem notíciaDas terra civilizadaSem rádio e nem notíciaDas Terra civilizada.
  14. 14. 14MatançaComposição: JatobáCipó caboclo tá subindo na virolaChegou a hora do pinheiro balançarSentir o cheiro do mato da imburanaDescansar morrer de sono na sombra da barrigudaDe nada vale tanto esforço do meu cantoPra nosso espanto tanta mata haja vão matarTal mata Atlântica e a próxima AmazônicaArvoredos seculares impossível replantarQue triste sina teve cedro nosso primoDesde de menino que eu nem gosto de falarDepois de tanto sofrimento seu destinoVirou tamborete mesa cadeira balcão de barQuem por acaso ouviu falar da sucupiraParece até mentira que o jacarandáAntes de virar poltrona porta armárioMora no dicionário vida eterna milenarQuem hoje é vivo corre perigoE os inimigos do verde da sombra, o arQue se respira e a clorofilaDas matas virgens destruídas vão lembrarQue quando chegar a horaÉ certo que não demoraNão chame Nossa SenhoraSó quem pode nos salvar éCaviúna, cerejeira, baraúnaImbuia, pau-darco, solvaJuazeiro e jatobáGonçalo-alves, paraíba, itaúbaLouro, ipê, paracaúbaPeroba, massarandubaCarvalho, mogno, canela, imbuzeiroCatuaba, janaúba, aroeira, araribáPau-fero, anjico amargoso, gameleiraAndiroba, copaíba, pau-brasil, jequitibá
  15. 15. 15Qué Qui Tu Tem Canário?XangaiCanarinho da terraCanarinho do rioCanarinho da BahiaQué qui tu tem canárioQue quando canta arrepiaSabiá da mataSabiá congáSabiá da praiaQué que tu tem na asaQuando disser não caiaMeu curió do brejoMeu sofrer sem dorE minha lavandeiraQué que tu tem jandaiaQue avoa tão ligeiroGavião peneiraGavião penachoPato da lagoaQué que tu vê na águaque tanto ti magoaMinha zabelêMinhas andorinhasOh meu canarinhoQué que tu tem bichinhoQue cisca miudinhoQue canta curridinhoQue avoa tão baixinhoQue não voltou pro ninhoQué qui tu tem canário...
  16. 16. 16Lua CirandeiraComposição: Ivan Lins/Vitor MartinsLua cirandeiraFique no abandonoCois tão bonita não pode ter donoLua cirandeiraEu não quero tê-laEu não quero tantoEu só quero vê-laÓ, cirandeiro, acende esse luarPois o candeeiro, não demora, vai se apagarÓ, cirandeiro, acende esse luarPois o candeeiro, não demora, vai se apagar(REPETIR DESDE O INÍCIO)Vou passar na ponteVou cruzar o rioQuando eu chegar do outro ladoDou um assobioVou passar na ponteVou cruzar o rioQuando eu chegar do outro ladoDou um assobioÓ, cirandeiro... assobio
  17. 17. 17BicharadaComposição: Enriquez - Bardotti - Chico BuarqueAu, au, au. Hi-ho hi-ho. Miau, miau, miau. Cocorocó.O animal é tão bacana mas também não é nenhum banana.Au, au, au. Hi-ho hi-ho. Miau, miau, miau. Cocorocó.Quando a porca torce o rabo pode ser o diabo e ora vejam só.Au, au, au. Cocorocó.Era uma vez (E é ainda)certo país (E é ainda)Onde os animais eram tratados como bestas (São ainda, são ainda)Tinha um barão (Tem ainda)Espertalhão (Tem ainda)Nunca trabalhava e então achava a vida linda (E acha ainda, e acha ainda)Au, au, au. Hi-ho hi-ho. Miau, miau, miau. Cocorocó.O animal é paciente, mas também não é nenhum demente.Au, au, au. Hi-ho hi-ho. Miau, miau, miau. Cocorocó.Quando o homem exagera, bicho vira fera e ora vejam só.Au, au, au. Cocorocó.Puxa, jumento (Só puxava)Choca galinha (Só chocava)Rápido, cachorro guarda a casa, corre e volta (Só corria, só voltava).Mas chega um dia (Chega um dia)Que o bicho chia (Bicho chia)Bota pra quebrarE eu quero ver quem paga o patoPois vai ser um saco de gatosAu, au, au. Hi-ho hi-ho. Miau, miau, miau. Cocorocó.O animal é tão bacana, mas também não é nenhum banana.Au, au, au. Hi-ho hi-ho. Miau, miau, miau. Cocorocó.Quando a porca torce o rabo. Pode ser o diabo e ora vejam só.Au, au, au. Cocorocó. Au, au, au. Cocorocó. Au, au, au. Cocorocó.
  18. 18. 18Todos JuntosChico BuarqueUma gata, o que é que tem? - As unhasE a galinha, o que é que tem? - O bicoDito assim, parece até ridículoUm bicinho se assanharE o jumento, o que é que tem? - As patasE o cachorro, o que é que tem? - Os dentesPonha tudo junto e de repente, vamos ver no que é que dáJunte um bico com dez unhas, quatro patas, trinta dentesE o valente dos valentes, ainda vai te respeitarTodos juntos somos fortes, somos flecha e somos arcoTodos nós no mesmo barco, não há nada pra temer- ao meu lado há um amigo. Que é preciso protegerTodos juntos somos fortes não há nada pra temerUma gata, o que é que é? - EspertaE o jumento, o que é que é? - PacienteNão é grande coisa realmentePrum bichinho se assanharE o cachorro, o que é que é? - LealE a galinha, o que é que é? - TeimosaNão parece mesmo grande coisa, vamos ver no que é que dáEsperteza, Paciência, Lealdade, TeimosiaE mais dia menos dia, a lei da selva vai mudarTodos juntos somos fortes, somos flecha e somos arcoTodos nós no mesmo barco, não há nada pra temer- Ao meu lado há um amigo. Que é preciso protegerTodos juntos somos fortes não há nada pra temerE no entanto dizem que são tantosSaltimbancos como nós
  19. 19. 19Pense NeuComposição: Luiz GonzagaPense neu quando em vez coraçãoPense neu vez em quandoOnde estou, como estareiSe sorrindo ou se chorandoSe sorrindo ou se chorandoPense neu... vez em quandoPense neu... vez em quando (bis)Tô na estrada, tô sorrindo apaixonadoPela gente e pelo povo do meu país (olêlê)Tô feliz pois apesar do sofrimentoVejo um mundo de alegria bem na raiz (vamos lá)Alegria muita fé e esperançaNa aliança pra fazer tudo melhor (e será)Felicidade o teu nome é uniãoE povo unido é beleza mais maior.
  20. 20. 20O Último Pôr-do-solComposição: LenineA onda ainda quebra na praia,Espumas se misturam com o vento.No dia em que ocê foi embora,Eu fiquei sentindo saudades do que não foiLembrando até do que eu não vivipensando nós dois.Eu lembro a concha em seu ouvido,Trazendo o barulho do mar na areia.No dia em que ocê foi embora,Eu fiquei sozinho olhando o sol morrerPor entre as ruínas de santa cruz lembrando nós doisOs edifícios abandonados,As estradas sem ninguém,Óleo queimado, as vigas na areia,A lua nascendo por entre os fios dos teus cabelos,Por entre os dedos da minha mão passaram certezas e dúvidasPois no dia em que ocê foi embora,Eu fiquei sozinho no mundo, sem ter ninguém,O último homem no dia em que o sol morreu

×