Diversidades - Convivendo com as Diferenças

982 visualizações

Publicada em

O tema proposto gera reflexão devido as desigualdades sociais, expressas através de um país plural como é o Brasil. Através de diferentes fatos sociais, a educação brasileira atualmente está procurando resgatar parte da população prejudicada pelas diferenças de classes, ocasionadas pelo empobrecimento e que é possível de ser explicado devido a formação histórica brasileira.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
982
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Diversidades - Convivendo com as Diferenças

  1. 1. Convivendo com as Diferenças Corpo em Movimento
  2. 2. EDUCAÇÃO BRASILEIRA O tema proposto gera reflexão devido as desigualdades sociais, expressas através de um país plural como é o Brasil. Através de diferentes fatos sociais, a educação brasileira atualmente está procurando resgatar parte da população prejudicada pelas diferenças de classes, ocasionadas pelo empobrecimento e que é possível de ser explicado devido a formação histórica brasileira.
  3. 3. BRASIL, TERRA DE MESTIÇOS O Brasil é um país formado por diferentes povos, não tendo uma etnia definida. É, portanto, um povo mestiço, oriundo da miscigenação de brancos, negros e índios. Atualmente, uma das alternativas de resgate social foi a inclusão dos jovens no ensino superior, através das ações afirmativas.
  4. 4. ESPAÇOS ESCOLARES Atualmente, muitas escolas ainda têm dificuldades em aceitar e trabalhar o que podemos chamar de “diferente”. Dessa maneira, é preciso que profissionais da área educacional reflitam sobre as diversas questões encontradas nos espaços escolares e que estejam preparados para lidar com essa nova geração.
  5. 5. Portanto, a escola tem a responsabilidade em desconstruir qualquer forma de discriminação, promovendo o respeito às diferenças, para que juntos possam romper os obstáculos e aceitar o novo. No mundo em que vivemos, não há lugar para o etnocentrismo, sendo a escola o local ideal para que sejam discutidas tais questões, por se concentrar um número expressivo de jovens.
  6. 6. Dessa forma, é preciso capacitar os profissionais docentes para que saibam conviver com as mais variadas e distintas formas de diversidades. Temáticas polêmicas, como: a cor da pele, sexualidade e orientação sexual, devem ser abordados e discutidos, gerando reflexão, tanto para o professor como para o aluno. Infelizmente, no magistério ainda existem docentes infestados pelo preconceito.
  7. 7. Os livros infantis descortinando diferentes formas de preconceito O conto “Felicidade não tem cor”(Júlio Emílio Braz) narra a história de Fael, um menino negro que busca uma nova identidade, o que o leva a procurar por um radialista, conhecido como Cid Bandalheira, que supostamente lhe daria o endereço do astro pop Michael Jackson, o qual teria a fórmula da “brancura”. Devido a essa procura, ele acaba vivendo uma grande aventura. Tudo se inicia quando a professora Evangelina pede aos alunos para fazerem uma redação acerca do que gostariam de ser quando crescer. O menino escreve no conteúdo de sua redação que gostaria de ser branco, pois dessa forma não sofreria mais discriminação. Isso é observado no seguinte trecho da redação dele: “Eu queria ser branco. Se eu fosse branco, ia ser diferente. Todo mundo ia gostar da gente” (BRAZ, p. 8). Outra parte do livro conta que o personagem era chamado pela turma da escola de “zoião”, “negão”, “Pelé”, “picolé de asfalto” e o que mais doía para Fael era ser chamado de “macaco”. Depois de atravessar a cidade, Fael chega a rádio Roda-Viva, onde Cid Bandalheira trabalha e consegue burlar a segurança a fim de encontrá-lo. O locutor tem um “papo cabeça”, como é intitulado no conto, com Fael. Ele disse que é cadeirante e passou por momentos complicados devido a isso, mas que se gosta tal como é. Só a partir daí Fael entende a beleza de sua cor.
  8. 8. A IMPLEMENTAÇÃO DA LEI A lei 10.639/2003 possibilitou a implementação nos currículos escolares de ensino fundamental e médio, públicos e particulares, a obrigatoriedade do ensino da história e cultura afro-brasileira, propiciando debates e reflexões, desenvolvendo um novo olhar em relação ao preconceito existente nos diferentes espaços escolares e não escolares, levando o aluno e o professor a repensar a importância de seus papéis, refletida em seus comportamentos diante de diferentes fatos sociais, recorrentes de preconceitos.
  9. 9. LUTANDO COM RESPEITO E IGUALDADE Infelizmente, ainda existem diferentes formas de preconceito, não se restringindo apenas a questão racial, mas também de gênero e de classes. É preciso repensar que somos sujeitos corpóreos e que usamos nosso corpo como forma de comunicação. Entender a importância na forma de se expressar através do corpo é enxergar o outro com respeito e igualdade.
  10. 10. "Lutar pela igualdade sempre que as diferenças nos discriminem. Lutar pela diferença sempre que a igualdade nos descaracterize." Boaventura de Souza Santos
  11. 11. A aparência dos corpos, a noção do que é ser masculino ou feminino, a orientação sexual das pessoas ou a cor de sua pele, tem relação com discriminação e exclusão A sociedade categoriza pessoas em função do que considera comum e natural para um grupo social, uma faixa etária, um status social. O considerado "diferente" implica em preconceito, caracterizando uma forma arbitrária de pensar e de agir, exercendo controle social, que serve para manter as distâncias e as diferenças sociais. Segundo Leda Maria Hermann (2007), a dominação do mais forte sobre o mais fraco, fundamento do patriarcado, não afetou apenas a relação homem e mulher, mas também influíram decisivamente para a edificação de uma estrutura política hierarquizada de discriminação com base no gênero, etnia, classe, cor, crença, aparência física e outros preconceitos, mecanismos vivos de exclusão que surtem efeitos desagregadores e vitimizadores até os dias atuais.
  12. 12. o corpo executando movimentos ao som do ritmo de uma música
  13. 13. CORPO, MOVIMENTO E PRECONCEITO É preciso compreender e respeitar a diversidade cultural, e ver a dança em todos os seus ritmos: o Corpo em Movimento, como um meio de desenvolvimento, da construção de valores, de atitudes, de respeito às diferenças e que muito contribui para o desenvolvimento do cognitivo, da sensibilidade, da aprendizagem e da superação das dificuldades, nas descobertas das habilidades e capacidades dos alunos.
  14. 14. APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA ATRAVÉS DO CORPO EM MOVIMENTO
  15. 15. A atitude da escola frente à espontaneidade do aluno através do movimento determinará o desenvolvimento psicomotor, contribuindo de forma significativa para uma boa aprendizagem e, por isso, o educador não deve esquecer que seu material de trabalho é seu aluno. Sendo importante que a escola leve em consideração os aspectos socioafetivos, valorizando o desenvolvimento no processo de socialização e na interação das crianças independente de classe social, sexo ou cor. Quanto ao processo cognitivo, a criança constrói as noções e os conceitos através das descobertas diante das diferentes situações, e no psicomotor, ela expande seus movimentos, explorando seu corpo e o meio ao seu redor.
  16. 16. BIBLIOGRAFIA  HERMANN, Leda Maria. Maria da Penha Lei com nome de mulher: São Paulo, Servanda, 2007 http://comportamentoeglobalizacao.blogspot.com.br/  http://www.sinprodf.org.br/secretarias/assuntos-raca-sexualidade/  www.brasilescola.com/educação.../dança-historia-ritmo-movimento.htm  http://www.sbpcnet.org.br/livro/63ra/conpeex/pibic/trabalhos/SHEILA_M.P DF  GOMES, Nilma Lino; Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo; Educaçaõ e Pesquisa, São Paulo, v29, n1, p167-182, jan./jun. 2003  DE LIMA, José Rosamilton ; O Desafio da Escola em Trabalhar com a Diversidade; Revista Memento; v.3,n.1, jan.jul. 2012
  17. 17. AVM FACULDADE INTEGRADA LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: CORPO E MOVIMENTO PROFESSORA: FÁTIMA ALVES TUTOR: REGINALDO GUEDES ATIVIDADE DE APERFEIÇOAMENTO ACADÊMICO GRUPO INCLUIR PARA CRESCER COMPONENTES: Alessandra de Leiros Teixeira P01236 Alexandra de Carvalho Feijó P01230 Ana Claudia Medeiros da Silva P01232 Andrea da Silva do Espírito Santo P01229 Maria Aparecida Ferreira Abi-Zaid P01247 Rio de Janeiro, fevereiro de 2015.

×