EDUCANDÁRIO JESUS MENINO           REDAÇÃO  PROFª APARECIDA S. MEDEIROS
ESCREVER ...   SE O ATO DE ESCREVER PARTIU DO   PRINCÍPIO DE UMA NECESSIDADE     HUMANA, POR QUE, ENTÃO, A      MAIORIA DA...
DEFINIÇÃO    Gênero textual de caráter argumentativo, utilizado, geralmente, por um grupo de pessoas para manifestar publi...
ESTRUTURA• Título – evidencia o destinatário;• Introdução – situa o problema a ser resolvido;• Desenvolvimento – análise d...
MODELO            Desafios da imprensa verde pós-Rio+10        Nós, jornalistas, profissionais, estudantes decomunicação e...
CONTIN.      Que a Comunicação Social deve aprofundar o seu papel para a formação de uma consciência crítica da sociedade,...
CONTIN.       3. São deveres da imprensa informar sobre as práticas lesivas ao meio ambiente, bem como contribuir para a e...
CONTIN.  E recomendamos:      1. A criação de um fundo para o fomento de mídias que atuem majoritariamente com questões so...
ATIVIDADE  Reúna-se em grupo para escrever uma carta aberta.  Escolham um dos temas abaixo:• Lugar de criança é na escola ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Carta aberta

1.556 visualizações

Publicada em

slides sobre carta aberta para aula de Redação.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.556
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
49
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Carta aberta

  1. 1. EDUCANDÁRIO JESUS MENINO REDAÇÃO PROFª APARECIDA S. MEDEIROS
  2. 2. ESCREVER ... SE O ATO DE ESCREVER PARTIU DO PRINCÍPIO DE UMA NECESSIDADE HUMANA, POR QUE, ENTÃO, A MAIORIA DAS PESSOAS NÃO GOSTAM DE ESCREVER?
  3. 3. DEFINIÇÃO Gênero textual de caráter argumentativo, utilizado, geralmente, por um grupo de pessoas para manifestar publicamente sua opinião a respeito de um problema.
  4. 4. ESTRUTURA• Título – evidencia o destinatário;• Introdução – situa o problema a ser resolvido;• Desenvolvimento – análise do problema, no qual há a apresentação dos argumentos, fundamentando, (denúncia e reivindicação), portanto, o ponto de vista do emissor;• Conclusão – solicita uma resolução para o assunto em pauta;• Local e data;• Assinatura.
  5. 5. MODELO Desafios da imprensa verde pós-Rio+10 Nós, jornalistas, profissionais, estudantes decomunicação e participantes do Simpósio Nacional deJornalismo Ambiental, reunidos nos dias 18 e 19 de novembrode 2002, dois meses após a Cúpula Mundial da África do Sul, aRio+10, reafirmamos os princípios do Encontro Internacionalde Imprensa, Meio Ambiente e Desenvolvimento - GREENPRESS, realizado em Belo Horizonte há dez anos,considerando: Que os jornalistas e a imprensa verde (...) tiveramparticipação expressiva para a mobilização da sociedademundial em torno das questões ambientais e dodesenvolvimento sustentável.
  6. 6. CONTIN. Que a Comunicação Social deve aprofundar o seu papel para a formação de uma consciência crítica da sociedade, que leve à construção de uma cidadania ecológica global. (...) Que a Comunicação Social, democrática e cidadã, pressupõe a superação das desigualdades sociais, econômicas e culturais e a distribuição de recursos e de acesso aos meios de comunicação, acentuadas nos últimos dez anos pela globalização. Diante disso, reafirmamos os seguintes princípios éticos: 1. O direito à informação sobre questões ambientais e de desenvolvimento é fundamental para todos os povos, porque dele depende o futuro da humanidade. 2. Todas as pessoas têm o direito de ser informadas sobre questões ambientais, e a imprensa tem a responsabilidade de expressar suas opiniões, sem restrições de qualquer ordem.
  7. 7. CONTIN. 3. São deveres da imprensa informar sobre as práticas lesivas ao meio ambiente, bem como contribuir para a educação da sociedade. 4. A imprensa tem o dever de expressar a pluralidade de pontos de vista sobre os assuntos de meio ambiente e desenvolvimento. 5.O trabalho jornalístico deve estar comprometido com a promoção da qualidade de vida planetária nas diversas fases de produção e veiculação da notícia.
  8. 8. CONTIN. E recomendamos: 1. A criação de um fundo para o fomento de mídias que atuem majoritariamente com questões socioambientais. 2. A incorporação dos temas socioambientais ao Conselho Nacional de Comunicação Social. 3. A inclusão no currículo de graduação das faculdades de Comunicação Social da disciplina de comunicação ambiental. (...) Esta carta foi aprovada pelos participantes do Imprensa Verde 2 em Assembléia Geral, no dia 19 de novembro de 2002.“ Relatório Oficial do Simpósio Nacional de Jornalismo Ambiental, Imprensa Verde 2, Belo Horizonte, 29 nov. 2002.
  9. 9. ATIVIDADE Reúna-se em grupo para escrever uma carta aberta. Escolham um dos temas abaixo:• Lugar de criança é na escola e não nos semáforos.• Impunidade incentiva a corrupção.• A água pode acabar um dia. Definam seu destinatário. Façam denúncias e reivindiquem soluções. Se necessário, pesquisem o assunto em jornais e revistas e em sites na internet ou conversem com pessoas da área escolhida. Coloquem o local, a data e assinem a carta.

×