A lupa do Twitter ou o mundo em 140 caracteres

1.662 visualizações

Publicada em

Comunicação apresentada no painel Comunicação Multimédia (Bloco I) no Congresso VII SOPCOM > Universidade do Porto, Dezembro de 2011

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.662
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
434
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A lupa do Twitter ou o mundo em 140 caracteres

  1. 1. A lupa do Twitter ou o mundo em 140 caracteres Inês Amaral – CECS (Universidade do Minho) / Instituto Superior Miguel Torga Helena Sousa – CECS (Universidade do Minho)
  2. 2. Agenda <ul><li>Contexto </li></ul><ul><li>Apropriações do Twitter </li></ul><ul><li>Quadro teórico: «individualismo em rede» </li></ul><ul><li>Estudo empírico: O mundo em 140 caracteres </li></ul><ul><li>Conclusões </li></ul>
  3. 3. Contexto
  4. 4. Apropriações do Twitter I <ul><li>A apropriação da técnica: utilização de hashtags </li></ul><ul><li>Twitter como espaço de agregação de audiências dispersas e comunidades </li></ul><ul><li>Twitter como um streaming social </li></ul><ul><li>Twitter como suporte de partilha e consumo de informação de redes sociais assimétricas </li></ul><ul><li>Twitter como canal de múltiplos públicos </li></ul><ul><li>Twitter como ferramenta de indexação semântica de conteúdos e conversações </li></ul><ul><li>Twitter como plataforma de colaboração em massa </li></ul>
  5. 5. Apropriações do Twitter II <ul><li>A apropriação da ferramenta como instrumento de streamings sociais </li></ul><ul><li>Twitter como suporte para timelines personalizadas </li></ul><ul><li>Twitter como ferramenta para criar reputação online </li></ul><ul><li>Twitter como instrumento para criar influência online </li></ul><ul><li>Twitter como canal mobilizador de diferentes tipos de capital social </li></ul><ul><li>Twiter como um termómetro social desterritorializado </li></ul>
  6. 6. Quadro Teórico I <ul><li>PRESSUPOSTO: «INDIVIDUALISMO EM REDE» (Castells, 2003) </li></ul><ul><li>TESE: O CONTEÚDO ENQUANTO LAÇO SOCIAL RELACIONAL </li></ul><ul><li>Elemento determinante para a formação de grupos online </li></ul><ul><li>Permite a cultura de participação </li></ul><ul><li>Lógica viral e de comunidade </li></ul>
  7. 7. Quadro Teórico II <ul><li>TESE: O CONTEÚDO ENQUANTO LAÇO SOCIAL RELACIONAL </li></ul><ul><li>Aproxima a estrutura das redes sociais na Internet a mapas de mediações e interacções sociais através da apropriação da técnica. </li></ul>
  8. 8. Estudo Empírico I <ul><li>PROPOSTA: Observar o mundo através do conteúdo publicado e classificado semanticamente no Twitter </li></ul><ul><li>OBJECTIVO: Aferir se a apropriação do Twitter pode ser um indicador das perspectivas sobre o mundo de uma sociedade cada vez mais global </li></ul>
  9. 9. Estudo Empírico II <ul><li>A apropriação do Twitter e as novas práticas sociais de comunicação traduzem-se num termómetro social desterritorializado? </li></ul><ul><li>HIPÓTESE DE TRABALHO: as redes sociais assimétricas conectadas pelo conteúdo assumem uma agenda própria, promovem a glocalização e têm uma elevada capacidade de viralidade. </li></ul>
  10. 10. Estudo Empírico III <ul><li>Método: análise documental quantitativa e qualitativa </li></ul><ul><li>Pesquisa e selecção (critérios de noticiabilidade numa perspectiva de audiência global) dos principais acontecimentos mundiais dos anos de 2009 e 2010 e correspondência no Twitter. </li></ul><ul><li>Inventário das hashtags mais populares nos mesmos anos no serviço de microblogging, registando o número de horas que estiveram nos trending topics mundiais e as palavras-chave com maior prevalência . </li></ul><ul><li>Fontes : arquivos do Google News Timeline, Wikinews (acontecimentos), Google Trends e What the Hashtag (correspondência), TwoPopular ( trending topics ) </li></ul>
  11. 11. Estudo Empírico IV <ul><li>Tópicos de Análise </li></ul><ul><li>Temáticas que prevalecem nos tópicos mais populares </li></ul><ul><li>Tipos de apropriação da classificação semântica das hashtags na publicação de conteúdo e conversações </li></ul><ul><li>Dimensões do capital social mobilizadas </li></ul>
  12. 12. Estudo Empírico V <ul><li>Resultados > 2009: Temáticas que prevalecem nos tópicos mais populares </li></ul><ul><li>Correspondência entre 6 hashtags e acontecimentos - #gaza, #inaug09, #bushfires, #earthhour, #swineflu e #iranelection </li></ul><ul><li>Hashtags mais populares : #swineflu, #musicmonday e #iranelection </li></ul><ul><li>Tópicos mais populares por temáticas: entretenimento, lazer e questões do domínio pessoal </li></ul>
  13. 13. Estudo Empírico VI <ul><li>Resultados > 2010: Temáticas que prevalecem nos tópicos mais populares </li></ul><ul><li>Correspondência entre uma hashtag e acontecimento - #worldcup </li></ul><ul><li>Hashtags mais populares : #nowplaying, #followfriday, #idoit2, #musicmonday </li></ul><ul><li>Tópicos mais populares por temáticas: questões do domínio pessoal </li></ul><ul><li>NOTA: alteração nas técnicas de listagem dos tópicos </li></ul>
  14. 14. Estudo Empírico VII <ul><li>OBSERVAÇÕES: 2009 e 2010 através da lente semântica do Twitter [1] </li></ul><ul><li>Fraca representação das principais notícias mundiais </li></ul><ul><li>Quando há correspondência, notícias prevalecem muitas horas nos tópicos mais populares </li></ul><ul><li>Massificação da ferramenta </li></ul><ul><li>Diversificação das apropriações da ferramenta : criação de comunidades dentro de redes com o fortalecimento e a expansão dos laços através do conteúdo </li></ul><ul><li>Utilizadores com agenda própria que se mantém por meses </li></ul>
  15. 15. Estudo Empírico VIII <ul><li>OBSERVAÇÕES: 2009 e 2010 através da lente semântica do Twitter [2] </li></ul><ul><li>Prevalecem hashtags associadas a questões pessoais ou de entretenimento </li></ul><ul><li>Temas com relação directa com a actualidade têm menor prevalência de meses e, em simultâneo, múltiplas classificações semânticas e mais horas em destaque </li></ul><ul><li>Acontecimentos mais comuns: política, sociedade, catástrofes naturais e acidentes </li></ul><ul><li>Hashtags mais comuns : política, economia, catástrofes naturais, acidentes, entretenimento, lazer, questões pessoais, activismo, sociedade, tecnologia e comunidade </li></ul>
  16. 16. Estudo Empírico IX <ul><li>Tipos de apropriação da classificação semântica das hashtags na publicação de conteúdo e conversações </li></ul><ul><li>Publicação de informação </li></ul><ul><li>Publicação de opinião </li></ul><ul><li>Conversação </li></ul><ul><li>Metaconversação </li></ul>
  17. 17. Estudo Empírico X <ul><li>Dimensões de Capital Social mobilizadas </li></ul><ul><li>Publicação de informação = Capital social cognitivo (Bertolini e Bravo, 2004) </li></ul><ul><li>Publicação de opinião = Capital social de confiança no ambiente (Bertolini e Bravo, 2004) </li></ul><ul><li>Conversação = Capital social relacional (Bertolini e Bravo, 2004) </li></ul><ul><li>Metaconversação = Capital social institucional (Zago, 2008) </li></ul><ul><li>Apropriação das hashtags = presença de capital social normativo (Bertolini e Bravo, 2004) , capital de rede e capital participativo (Wellman et al , 2001) </li></ul>
  18. 18. Conclusões <ul><li>A lente semântica do Twitter corresponde a um termómetro da sociedade global info-incluída , o que não significa que traduza os principais eventos mundiais e a agenda jornalística. </li></ul><ul><li>A apropriação das hashtags do Twitter é uma ( nova) prática que releva um termómetro social desterritorializado com uma agenda própria e elevada capacidade de viralidade . </li></ul>
  19. 19. Inês Amaral Helena Sousa

×