Afecções do sistema endócrino -- dm

5.084 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.084
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
108
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Afecções do sistema endócrino -- dm

  1. 1. Afecções doSistema Endócrino Clínica I Prof. Cibelle
  2. 2. Diabetes mellitus• Definição: Resulta de defeitos de secreção e/ou ação da insulina envolvendo processos patogênicos específicos, por exemplo, destruição das células beta do pâncreas (produtoras de insulina), resistência à ação da insulina, distúrbios da secreção da insulina, entre outros. O diabetes é um grupo de doenças metabólicas caracterizadas por hiperglicemia e associadas a complicações, disfunções e insuficiência de vários órgãos, especialmente olhos, rins, nervos, cérebro, coração e vasos sanguíneos.
  3. 3. OBS.: A insulina é umhormônio produzido pelopâncreas que tem função decontrole do nível de glicose nosangue ao regular a produçãoe o armazenamento de glicose.
  4. 4. • Epidemiologia: O DM configura- se, hoje, como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento da população, a urbanização crescente e a adoção de estilos de vida pouco saudáveis como sedentarismo, dieta inadequada e obesidade são os grandes responsáveis pelo aumento da incidência e prevalência do diabetes em todo o mundo.
  5. 5. • Segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde, o número de portadores da doença em todo o mundo era 135 milhões em 1995, 240 milhões em 2005 e há projeção para atingir 366 milhões em 2030, sendo que dois terços habitarão países em desenvolvimento. (http:www.diabetes.org.br)
  6. 6. Classificação do diabetes: • Há duas formas atuais para classificar o diabetes, a classificação em tipos de diabetes (etiológica), definidos de acordo com defeitos ou processos específicos, e a classificação em estágios de desenvolvimento, incluindo estágios pré-clínicos e clínicos, este último incluindo estágios avançados em que a insulina é necessária para controle ou sobrevivência.
  7. 7. Tipos de diabetes (classificação etiológica)→ Diabetes tipo 1 - Destruição de células pancreáticas por processo auto – imune. (anteriormente conhecido como diabetes juvenil), que compreende cerca de 10% do total de casos.→ Diabetes tipo 2 – Resulta da sensibilidade diminuída à insulina.(anteriormente conhecido como diabetes do adulto), que compreende cerca de 90% do total de casos.
  8. 8. → Diabetes gestacional – Causada devido os hormônios secretados pela placenta inibirem a ação da insulina.Sua etiologia ainda não está esclarecida. Em geral, é um estágio pré-clínico de diabetes, detectado no rastreamento pré-natal.
  9. 9. Diabetes tipo 1 (diabetes insulinodependente)• O termo tipo 1 indica destruição da célula beta que eventualmente leva ao estágio de deficiência absoluta de insulina, quando a administração de insulina é necessária para prevenir cetoacidose, coma e morte. A destruição das células beta é geralmente causada por processo auto-imune .• Em menor proporção, a causa da destruição das células beta é desconhecida (tipo 1 idiopático).• O desenvolvimento do diabetes tipo 1 pode ocorrer de forma rapidamente progressiva, principalmente, em crianças e adolescentes (pico de incidência entre 10 e 14 anos), ou de forma lenta e progressiva, geralmente em adultos (LADA, latent autoimmune diabetes in adults).• Esse último tipo de diabetes, embora assemelhando-se clinicamente ao diabetes tipo 1 auto-imune, muitas vezes é erroneamente classificado como tipo 2 pelo seu aparecimento tardio. Estima-se que 5-10% dos pacientes inicialmente considerados como tendo diabetes tipo 2 podem, de fato, ter LADA.
  10. 10. Diabetes tipo 2 (diabetes não insulinodependente) • O termo tipo 2 é usado para designar uma deficiência relativa de insulina. A administração de insulina nesses casos, quando efetuada, não visa evitar cetoacidose, mas alcançar controle do quadro hiperglicêmico. • A cetoacidose é rara e, quando presente, é acompanhada de infecção ou estresse muito grave. • A maioria dos casos apresenta excesso de peso ou deposição central de gordura.Em geral, mostram evidências de resistência à ação da insulina e o defeito na secreção de insulina manifesta-se pela incapacidade de compensar essa resistência. Em alguns indivíduos, no entanto, a ação da insulina é normal, e o defeito secretor mais intenso.
  11. 11. Diabetes gestacional • É a hiperglicemia diagnosticada na gravidez, de intensidade variada, geralmente se resolvendo no período pós-parto, mas retornando anos depois em grande parte dos casos. Seu diagnóstico é controverso. A OMS recomenda detectá-lo com os mesmos procedimentos diagnósticos empregados fora da gravidez, considerando como diabetes gestacional valores referidos fora da gravidez como indicativos de diabetes ou de tolerância à glicose diminuída.
  12. 12. Sintomas:• Os sintomas clássicos de diabetes são: poliúria, polidipsia, polifagia e perda involuntária de peso (os “4 Ps”). Outros sintomas que levantam a suspeita clínica são: fadiga, fraqueza, letargia, prurido cutâneo e vulvar e infecções de repetição.
  13. 13. • Os sintomas e as complicações tendem a aparecer de forma rápida no diabetes tipo 1 e podem estar ausentes ou aparecer gradualmente no diabetes tipo 2. Entretanto, o diabetes é assintomático em proporção significativa dos casos, a suspeita clínica ocorrendo então a partir de fatores de risco para o diabetes.
  14. 14. Diagnóstico!!! Resumidamente, os testes laboratoriais mais comumente utilizados para suspeita de diabetes ou regulação glicêmica alterada são:• Glicemia de jejum: nível de glicose sangüínea após um jejum de 8 a 12 horas;• Teste oral de tolerância à glicose (TTG- 75g): O paciente recebe uma carga de 75 g de glicose, em jejum, e a glicemia é medida antes e 120 minutos após a ingestão;
  15. 15. • Glicemia casual: tomada sem padronização do tempo desde a última refeição.Pessoas cuja glicemia de jejum situa-se entre 110 e 125 mg/dL (glicemia de jejum alterada), por apresentarem alta probabilidade de ter diabetes, podem requerer avaliação por TTG-75g em 2h. Mesmo quando a glicemia de jejum for normal (< 110 mg/dL), pacientes com alto risco para diabetes ou doença cardiovascular podem merecer avaliação por TTG. Critérios laboratoriais para o diagnóstico de diabetes. Sintomas de diabetes (poliúria, polidipsia, polifagia ou perda de peso inexplicada) + glicemia casual e >200 mg/dL (realizada a qualquer hora do dia, independentemente do horário das refeições);= OU = Glicemia de jejum e >126 mg/dL*;= OU = Glicemia de 2 horas e >200 mg/dL no teste de tolerância à glicose*.* Devem ser confirmados com nova glicemia.
  16. 16. • Quando os níveis glicêmicos de um indivíduo estão acima dos parâmetros considerados “normais”, mas não estão suficientemente elevados para caracterizar um diagnóstico de diabetes, os indívíduos são clas- sificados como portadores de “hiperglicemia intermediária”. Quando a glicemia de jejum estiver entre 110- 125 mg/dL, a classificação será de glicemia de jejum alterada; quando a glicemia de 2h no TTG-75g estiver entre 140-199 mg/dL, a classificação será de tolerância à glicose diminuída.
  17. 17. Complicações: • O diabetes pode ser acompanhado de doenças circulatórias (Coronariopatia, Acidente Vascular Cerebral, e Gangrena, principalmente), doe nças renais e distúrbios da visão. No diabetes observa-se uma aceleração do processo de arteriosclerose. No idoso o diabetes em geral é benigno, evoluindo muito bem quando o tratamento for bem administrado.
  18. 18. Complicação da diabetes a longo prazo Tecido ou órgão afectado O que acontece ComplicaçõesVasos sanguíneos Formam-se placas ateroscleróticas e obstruem as artérias grandes ou médias(Substâncias complexas derivadas do do coração, cérebro, pernas. As paredes A pouca circulação causa feridas queaçúcar acumulam-se nas paredes dospequenos vasos sanguíneos, provocando dos pequenos vasos sanguíneos saram com dificuldade e pode produzir danificam-se de tal modo que os vasos insuficiência cardíaca, gangrena nos pés eo seu espessamento e ruptura. Este não permitem a passagem normal de mãos, impotência e infecções.aumento de espessura é a causa que faz oxigênio para os tecidos e tambémcom que os vasos sanguíneos forneçam podem romper-se e perder sangue.cada vez menos sangue.) Os pequenos vasos sanguíneos da retinaOlhos Visão diminuída e, finalmente, cegueira. ficam lesados. Os vasos sanguíneos do rim espessam-se, Funcionamento renal deficiente;Rim as proteínas perdem-se pela urina, o insuficiência renal. sangue não é filtrado normalmente. Os nervos ficam danificados porque a Fraqueza repentina ou gradual de umaNervos glicose não é metabolizada normalmente perna; sensibilidade reduzida, formigueiro e porque o fornecimento de sangue é e dor nas mãos e nos pés, lesão crónica inadequado. dos nervos. Oscilações na pressão arterial, Lesão nos nervos que controlam a pressão dificuldades na deglutição e alterações doSistema nervoso autônomo arterial e os processos digestivos. funcionamento gastrointestinal, com episódios de diarreia. Má circulação do sangue na pele e perdaPele da sensibilidade em resultado de lesões Infecções profundas (úlceras diabéticas); cura muito difícil. repetidas. Deteriora-se o funcionamento dos Aumento da propensão para as infecções,Sangue glóbulos brancos. especialmente do trato urinário e da pele. Metabolização anormal da glicose,Tecido conjuntivo fazendo com que os tecidos se espessem ou se contraiam.
  19. 19. Tratamento: O objetivo principal é manter os valores de açúcar nosangue dentro dos valores normais tanto quanto possível.Embora seja difícil manter valores completamentenormais, deve-se tentar que estejam na medida do possívelperto da normalidade, para que seja menor a probabilidadede complicações, quer sejam temporárias, quer a longoprazo. O principal problema ao tentar controlar rigorosamente osvalores de açúcar no sangue é que se produza umadiminuição não desejada dos mesmos (hipoglicemia). Medicamentos modernos atuam para aumentar asensibilidade das células à insulina e para retardar aabsorção intestinal dos açúcares. Nos casos de controledifícil deve-se usar a Insulina. A dieta rígida deve sermantida sempre.
  20. 20. Dietas AtividadesInsulinas Físicas Remédios
  21. 21. Medicamentos...• Sulfoniluréias• Biguanidas• Insulinoterapia
  22. 22. Sulfoniluréias Essas são as primeiras pílulas criadas para tratar o diabetes. Essas drogas funcionam estimulando o pâncreas a produzir mais insulina.Estão contraindicadas nos casos de Diabetes tipo I.Ex.: Glimepirida, Glipizida, Gli burida.
  23. 23. Biguanidas Esse tipo de droga reduz a quantidade de glicose produzida pelo fígado. Esse é um medicamento valioso para controlar níveis de glicose entre as refeições.Está contraindica nos casos de Diabetes tipo I e na insuficiência renal. Ex.: Metformina.
  24. 24. INSULINA• Diabetes do tipo 1 a pessoa depende da insulina já que precisa de insulina para sobreviver.• Na do tipo 2 injeta a insulina para completar a insulina produzida pelo pâncreas.
  25. 25. A insulina encontra-se disponível em três formas básicas, cuja ação difere quanto à velocidade e duração.→ Insulina de ação rápida (Regular)→ Insulina de ação intermédia (NPH)→ Insulina de ação prolongada (Ultralenta)
  26. 26. Prevenção:• O controle do diabetes está na dependência de importantes mudanças de hábitos alimentares e atividade física, principalmente. É muito importante seguir à risca a orientação médica.
  27. 27. DIETAS
  28. 28. A um plano alimentarsaudável é fundamental notratamento do DM, oprimeiro passo é realizaruma avaliação nutricionaldetalhada, incluindo adeterminação de índice demassa corporal.
  29. 29. ATIVIDADES FÍSICAS
  30. 30. • Um auxilio no tratamento da Diabetes e da diminuição das complicações associadas, é o exercício físico que contribui com uma melhor qualidade de vida ao diabético.
  31. 31. Antes de iniciar um programa de exercícios físicos, indivíduosdiabéticos, devem passarpor uma avaliação médica detalhada com métodos diagnósticos adequados.Inicialmente traçada umahistória clínica e realizado um exame físico.
  32. 32. Cuidados na aplicação de insulina...• locais para aplicação de insulina: região deltóide, região glútea, face ântero-externa da coxa, parede abdominal, e peri-umbilical.• variar o local da aplicação;• registrar os locais e utilizar todos os possíveis; fazer rodízio!!!• numa mesma área use aproximadamente uma distância de 2 a 3 cm.
  33. 33. Cuidados com a pele...• Evitar infecções;• evitar fricção vigorosa;• usar loções hidratantes na pele;• evitar queimaduras, ferimentos e frio excessivo;• tratar ferimentos assepticamente imediatamente;• atenção especial quanto à higiene pessoal.
  34. 34. Cuidados com a higiene oral...• avaliar diariamente a mucosa oral;• instruir o paciente a relatar a queimação oral, dor, áreas de rubor, lesões abertas nos lábios, dor ao deglutir;• realizar a higiene oral após as refeições; visitar o dentista regularmente;• usar escovas de cerdas macias;• evitar e tratar rapidamente as cáries;• aplicar lubrificante labial;• evitar o álcool e fumo.
  35. 35. Cuidados com os pés...• Observar os pés;• lavar diariamente, enxugar cuidadosamente entre os dedos;• cortar e limpar as unhas;• usar sapatos macios e não andar descalço;• estimular a circulação com massagens;
  36. 36. Outros cuidados...• fornecer instruções por escrito sobre o cuidado com os pés, e programas de exercício e alimentação;• auxiliar na adesão ao tratamento medicamentoso;• encorajar a realização de dietas saudáveis;• encorajar a participação nos programas de exercícios planejados.

×