DISLEXIA: desafio do educador nos dias de hoje

1.919 visualizações

Publicada em

Muitos educadores atribuem qualquer déficit de aprendizagem a dislexia, neste caso é importante que se tenha um diagnóstico mais preciso e coerente, que um profissional formado para essa especialidade possa fazer o diagnóstico. O modismo de muitos educadores junto com a escola de se privarem da culpa de seus alunos não irem bem às aulas e ter seu desenvolvimento cognitivo devagar, com esse paradigma acabam distorcendo completamente o real conceito da dislexia. Pretendo através desse artigo, trazer conhecimentos e esclarecer algumas dúvidas sobre o tema “Dislexia”, tais como: suas causas, seus sintomas, diagnósticos e tratamentos, mostrando a importância da troca de informações e experiências entre os profissionais, a escola e a família para que possa haver um bom acompanhamento e obter resultados progressivos. O artigo será seguido por composições e exemplos que norteiam o que realmente o educador e a escola deve fazer para dar um prognóstico da dislexia, sendo fundamentado por alguns autores que estudaram e se aprofundaram sobre o caso.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.919
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

DISLEXIA: desafio do educador nos dias de hoje

  1. 1. Revista Ciências da Educação 1 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 DISLEXIA: desafio do educador nos dias de hoje. Cristiano José Guimarães Batista * RESUMO Muitos educadores atribuem qualquer déficit de aprendizagem a dislexia, neste caso é importante que se tenha um diagnóstico mais preciso e coerente, que um profissional formado para essa especialidade possa fazer o diagnóstico. O modismo de muitos educadores junto com a escola de se privarem da culpa de seus alunos não irem bem às aulas e ter seu desenvolvimento cognitivo devagar, com esse paradigma acabam distorcendo completamente o real conceito da dislexia. Pretendo através desse artigo, trazer conhecimentos e esclarecer algumas dúvidas sobre o tema “Dislexia”, tais como: suas causas, seus sintomas, diagnósticos e tratamentos, mostrando a importância da troca de informações e experiências entre os profissionais, a escola e a família para que possa haver um bom acompanhamento e obter resultados progressivos. O artigo será seguido por composições e exemplos que norteiam o que realmente o educador e a escola deve fazer para dar um prognóstico da dislexia, sendo fundamentado por alguns autores que estudaram e se aprofundaram sobre o caso. Palavras-chave: Dislexia. Déficits. Cognitiva. Especialidade. Diagnóstico. 1 INTRODUÇÃO Falar da dislexia como um distúrbio de aprendizagem é admissível, porém o que dificulta seu diagnóstico são as diversas formas de interpretá-la. Partindo do conceito de que ser inteligente ou não pressupõem de ser interessado ou ter sua genética favorável com a compatibilidade de ser diferente, entre outros paradigmas, cabe então, entender como aprendemos e o porquê de muitas pessoas inteligentes e, até, geniais experimentarem dificuldades paralelas em seu caminho diferencial do aprendizado. *Graduado em Administração pela FAMA, Pós-Graduado em Gestão de Pessoas. Artigo apresentado Revista acadêmica da UNASUR.
  2. 2. 2 A dificuldade de conhecimento e de definição do que é Dislexia, faz com que se tenha criado um mundo tão diversificado de informações, que confunde e desinforma. Além do que a mídia, no Brasil, as poucas vezes em que aborda esse grave problema, somente o fazem de maneira parcial, quando não de forma inadequada e, mesmo, fora do contexto global das descobertas atuais da Ciência. Onde se verifica que identificar uma pessoa com dislexia é só olhar e ver que ele tem algumas dificuldades. Segundo pesquisas realizadas no site “Dislexia. br”. Aponta que a dislexia é causa ainda ignorada de evasão escolar em nosso país, e uma das causas do chamado "analfabetismo funcional" que, por permanecer envolta no desconhecimento, na desinformação ou na informação imprecisa, não é considerada como desencadeante de insucessos no aprendizado. Quando falamos em “dislexia”, é necessário que saibamos que é uma das mais comuns deficiências de aprendizado, e também para que pais e educadores não confundam dislexia com preguiça ou má disciplina... Dislexia, antes de qualquer definição, é um jeito de ser e de aprender; reflete a expressão individual de uma mente, muitas vezes arguta e até genial, mas que aprende de maneira diferente. (CONSONI, 2011, P. 4). O foco do meu artigo consiste em entender quais as causas da dislexia, como identificar através de sinais e características, levando em consideração quais serão os envolvidos no processo de diagnóstico e como é desenvolvido o tratamento, levando para a área do desenvolvimento de aprendizagem procurei alguns casos reais e exemplos de pessoas que depois do diagnóstico foram acompanhadas por profissionais que são preparados para essa especialidade, falarei um pouco sobre o papel do psicopedagogo, psicólogo, professor e escola no processo que rege desde o diagnóstico até o tratamento. Para Varella, (2013). O diagnóstico é feito por exclusão, em geral por equipe multidisciplinar (médico, psicólogo, psicopedagogo, fonoaudiólogo, neurologista). Antes de afirmar que uma pessoa é disléxica, é preciso descartar a ocorrência de deficiências visuais e auditivas, déficit de atenção, escolarização inadequada, problemas emocionais, psicológicos e socioeconômicos que possam interferir na aprendizagem.
  3. 3. 3 Segundo Varella, (2013). Fala que é de extrema importância estabelecer o diagnóstico precoce para evitar que sejam atribuídos aos portadores do transtorno rótulos depreciativos, com reflexos negativos sobre sua autoestima e projeto de vida. É bastante rico o tema dislexia, para que nós como futuros educadores, possamos entender e ter a curiosidade de pesquisar e atribuir conceitos, neste artigo escolhi esta temática por ser um tema que fala sobre a alfabetização e as relações interpessoais do aluno e de toda comunidade escolar, neste ponto procurei ler vários artigos e livros para que eu pudesse esclarecer e fundamentar idéias e conceitos de algumas práticas pedagógicas acerca da dislexia. 2.CONCEITO DE DISLEXIA. “Não há saber mais ou saber menos. Há saberes diferentes.” (Paulo Freire). A dislexia é uma dificuldade específica de aprendizagem da leitura e escrita que condiciona a forma como o indivíduo se percepciona e como se relaciona com os seus pares nos mais diversos contextos desde educacionais até familiares. Assim como se podem encontrar inúmeras definições do termo dislexia, também os fatores que estão na sua origem têm vindo a sofrer alterações, de acordo com as teorias que lhe estão implantadas. Dislexia é um transtorno genético e hereditário da linguagem, de origem neurobiológica, que se caracteriza pela dificuldade de decodificar o estímulo escrito ou o símbolo gráfico. A dislexia compromete a capacidade de aprender a ler e escrever com correção e fluência e de compreender um texto. Em diferentes graus, os portadores desse defeito congênito não conseguem estabelecer a memória fonêmica, isto é, associar os fonemas às letras. De acordo com a Associação Brasileira de Dislexia, o transtorno acomete de 0,5% a 17% da população mundial, pode manifestar-se em pessoas com inteligência normal ou mesmo superior e persistir na vida adulta. A causa do distúrbio é uma alteração cromossômica hereditária, o que explica a ocorrência em pessoas da mesma família. Pesquisas
  4. 4. 4 recentes mostram que a dislexia pode estar relacionada com a produção excessiva de testosterona pela mãe durante a gestação da criança. (Dráuzio Varella, 2013, P. 3). Segundo a ABD (Associação Brasileira de Dislexia) aproximadamente 20% da população mundial sofre deste mal. Os sintomas dependem muito da idade e os primeiros sinais geralmente aparecem nas salas de aula – A disfunção geralmente caracteriza-se pela dificuldade na decodificação das palavras, como trocar letras ou até mesmo escrevê-las na ordem inversa, e também dificuldades na leitura e fala. Segundo Santo Agostinho, (2010). Esses sintomas não são determinantes para identificá-la, sendo necessário um diagnóstico e acompanhamento médico e psicológico. 1.1 AS DIVERSAS FORMAS DE SE COMPREENDER A DISLEXIA: De acordo com a Fundação Brasileira de Dislexia, (2010). Essas são algumas formas pela qual ela é compreendida:  Disgrafia: é caracterizada por problemas com a Linguagem Escrita, que dificulta a comunicação de idéias e de conhecimentos através desse específico canal de comunicação.  Discalculia: não existe uma causa única e simples com que possam ser justificadas as bases das dificuldades com a Linguagem Matemática.  Hiperatividade: é quando a criança não para, está sempre agitada, não consegue permanecer sentada.  Hipoatividade: é quando a criança parece estar sempre no “mundo da lua”, “sonhando acordada”.  Deficiência de Atenção: está na dificuldade de focar a atenção. É importante e totalmente relevante que antes de qualquer decisão que a escola for tomar para indeferir na vida de um aluno, eles possam fazer um estudo do caso, verificar em quais aspectos acima o aluno se encontra chamar a família,
  5. 5. 5 estabelecer um diálogo, entre aluno/pais/professor. È importante que a escola faça um intercâmbio, informando e possibilitando que todos os envolvidos possam estabelecer conceitos e esclarecer duvidas. A dislexia deve ser entendida como uma dificuldade de aprendizagem, não como um defeito, e, além disso, deve-se entender que ela precisa ser acompanhada, a criança que apresenta dislexia, isso depois de ser diagnosticada, e passar pela mão de profissionais que são aptos a diagnosticar e tratar, fazer um acompanhamento, que inclua esse aluno numa sala de aula, para que ele possa interagir com os colegas e a professora. Sabemos ao certo que as dificuldades ainda permanecem, porem é importante que o aluno se sinta parte da sala, que não seja excluído, que ele entenda que suas dificuldades de aprendizagem não é um empecilho para que ele possa participar nas aulas e interagir com os colegas. 1.3 CAUSAS DA DISLEXIA. As causas da dislexia são algo amplamente estudado e, portanto existem alguns modelos explicativos sobre as mesmas. É importante salientar que estas são apenas possíveis causas. A criança disléxica tem dificuldade de compreender o que está escrito e de escrever o que está pensando. Quando tenta expressar-se no papel o faz de maneira incorreta fazendo com que o leitor não compreenda suas idéias. Alguns casos mais freqüentes sobre as causas da dislexia estão nomeadas como:  Disfunções a nível cerebral, nomeadamente um mau funcionamento ou atraso na maturação do Sistema Nervoso Central e/ou perturbação nos neurônios (os neurônios não estabelecerem corretamente o seu contacto dificultando as funções de coordenação);  Casos familiares puros, isto é, pais com dislexia provocada por lesões cerebrais transmitem aos filhos sem lesões, a dislexia em 97% dos casos;
  6. 6. 6  Perturbações instrumentais relacionadas com o esquema corporal – má organização das estruturas espaços-temporais, má lateralidade, linguagem e função simbólica;  Perturbações durante o parto ou no início da vida;  Doenças como, por exemplo: as encefalopatias;  Perturbações nutricionais e ambientais no início da vida da criança a desnutrição grave pode afetar o sistema nervoso central, que irá por sua vez afetar a aprendizagem e o desenvolvimento da criança. Para Oliveira (1997), suas idéias sobre as dificuldades que as crianças com dislexia atribuem a causas originadas por dificuldades cognitivas, pressupõem-se no seguinte: Ao nascer, o ser humano apresenta algumas estruturas já prontas, definidas, como, por exemplo, a cor dos olhos, dos cabelos, o sexo. Outras ainda estão por desenvolver. “No último caso encontra-se a parte do sistema nervoso, que precisa de condições favoráveis para o seu pleno funcionamento e desenvolvimento”. Para entendermos o porquê desta dificuldade precisamos primeiro saber se este aluno processa o conhecimento na mesma área cerebral que um aluno não disléxico. OLIVEIRA (1997, p.17), Não há uma cura para a dislexia, mas um tratamento pode fazer com que os afetados possam desenvolver habilidades e minimizem os problemas. Trata-se de um trabalho cumulativo e sistemático de estimular o cérebro a compreender melhor os sinais da linguagem. È importante que os pais ao diagnosticarem a dislexia procurem logo ajuda e auxilio para seu filho, pois quanto mais cedo tratada este poderá se integrar e participar das atividades escolares e do convívio normal e afetivo. È importante que se faça uma análise mais individualizada dos comportamentos de uma criança disléxica e da estrutura familiar e escolar em que está inserida, pois só assim podem-se entender os aspectos, cognitivos, emocionais e estruturais da criança, pois partindo destes princípios fica mais fácil chegar a algumas soluções. 2. CONSEQÜÊNCIAS DA DISLEXIA
  7. 7. 7 As conseqüências da dislexia têm repercussões consideráveis, quer do ponto de vista pessoal, familiar e escolar, passando necessariamente pelo comportamental. Nestas características a interação e o conhecimento sobre o assunto são totalmente inevitáveis para que todos envolvidos no processo possam entender o seu real significado. De acordo com PAIN, (1978) a dislexia ocorre em várias classes sociais e em pessoas com níveis de inteligência variáveis, desde as que não conseguem ler e escrever até aquelas que conseguem atingir o nível superior. O disléxico geralmente demonstra insegurança e baixa autoestima, sentindo-se triste e culpado. Muitos se recusam a realizar atividades com medo de mostrar os erros e repetir o fracasso e com isso criam um vínculo negativo com a aprendizagem, podendo apresentar atitude agressiva em relação a professores e colegas. Existem características comuns, observadas na maior parte dos disléxicos, mas convém salientar que cada pessoa é única e por isso terá comportamentos próprios. Neste sentido não se faz o diagnóstico apenas olhando e comparando algumas características, é necessário um olhar clinico e profissional, para que não haja um diagnóstico precoce e errado sobre o caso. As repercussões da dislexia são muitas vezes consideráveis, quer ao nível do sucesso escolar, quer ao nível comportamental, provocando nestes domínios grandes perturbações. Problemas e dificuldades são muitas enfrentadas por todos envolvidos no processo, portanto, é muito importante que tudo seja visto com muito cuidado, analisado e principalmente observado com todo zelo possível. 2.1 COMPORTAMENTOS DOS DISLÉXICOS: Neste sentido alguns comportamentos observados e repercutidos pelos que têm a dislexia, vejamos: 2.1.1 A NÍVEL PESSOAL
  8. 8. 8  Baixo auto-conceito;  Tensão na resolução das tarefas escolares;  Desalento e desmotivação;  Atitude depressiva perante as dificuldades.  O nível familiar 2.1.2 ACUSAÇÕES POR PARTE DOS FAMILIARES COMO POR EXEMPLO:  A preguiça, o desinteresse, a falta de atenção…;  Medidas repressivas;  Ambiente frustrante. 2.1.3 A NÍVEL ESCOLAR  Ansiedade e angustia perante a exposição dos colegas;  Heteroconceito reduzido (motivo de troça, não é escolhido…);  Maior esforço na preparação das atividades escolares;  Insegurança e vergonha (pelos sucessivos fracassos);  Condições de resposta muito prejudicadas;  Hostilidade para os pares e seus superiores. 2.2. A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO: Algumas dificuldades que as crianças podem apresentar durante a alfabetização só ocorrem porque são pequenas e imaturas e ainda não estão prontas para iniciar o processo de leitura e escrita. Se as dificuldades persistirem, o ideal é encaminhar a criança para avaliação por profissionais capacitados;  O diagnóstico de dislexia não significa que a criança seja menos inteligente; significa apenas que é portadora de um distúrbio que pode ser corrigido ou atenuado;
  9. 9. 9  O tratamento da dislexia pressupõe um processo longo que demanda persistência;  Portadores de dislexia devem dar preferência a escolas preparadas para atender suas necessidades específicas;  Saber que a pessoa é portadora de dislexia e as características do distúrbio é o melhor caminho para evitar prejuízos no desempenho escolar e social e os rótulos depreciativos que levam à baixa-estima. "Atualmente, qualquer distúrbio de linguagem apresentado pela criança, é tachado como dislexia, tanto pelos pais como pelos professores. O problema, entretanto, nem sempre está na criança e sim nos processos educacionais - sob a responsabilidade paterna - ou nos processos de aprendizagem sob o encargo da escola". (DROUET, 1995, p. 154), 2.3. TRATAMENTOS, EM SALA DE AULA COM ALUNOS DISLEXICOS: Para minimizar os problemas advindos deste transtorno Jardini (2003, p.53) sugere algumas dicas para a sala de aula:  Colocá-lo de frente e no centro da lousa, preferencialmente na primeira carteira.  Tê-lo sempre perto da professora, principalmente na organização e seqüência das atividades.  Exigir disciplina e concentração no conteúdo abordado, permitindo opiniões espontâneas, desde que pertinentes ao assunto. Dizer ao aluno caso sua colocação esteja fora do contexto.  Valorizar sempre o conteúdo trabalhado e “tolerar” as dificuldades gramaticais, como letra maiúscula, parágrafo, pontuação, acentuação, caligrafia irregular. Diminuir a tolerância à medida que os anos escolares se sucedem.  O disléxico tem dificuldade com a orientação e organização espaciais. Pode pular folhas do caderno, linhas, escrever em apostila trocada, fazer anotações em locais inadequados. Mostrar sempre o certo, não punir o erro e não criticá-lo pela falta de atenção.  Não trabalhar no limite, esperando que com o tempo vá passar. Sempre entre em contato com a coordenação, com os pais, com os
  10. 10. 10 profissionais que atendem o disléxico. O stress do professor só piora o quadro, traz frustração e afeta a motivação de todos.  Mantenha o bom humor e a confiança de que haverá sucesso. Como ator articulador dessas demandas relacionadas ao papel da intervenção psicopedagógica surge à imagem do psicopedagogo como um dos profissionais que compõem o grupo multidisciplinar de avaliação e acompanhamento do portador. 2.3.1 O DESAFIO DO PROFESSOR PARA ALFABETIZAR UM ALUNO DISLÉXICO: Antes de atribuir a dificuldade de leitura à dislexia, os pais e professores deverão descartar os fatores a seguir juntamente com um parecer clínico: imaturidade para aprendizagem; problemas emocionais; métodos defeituosos de aprendizagem; ausência de cultura; incapacidade geral para aprender. A fala, a leitura e a escrita não podem ser consideradas como funções autônomas e isoladas, mas sim como manifestações de um mesmo sistema, que é o sistema funcional de linguagem. A fala, a leitura e a escrita resultam do harmônico desenvolvimento e da integração das várias funções que servem de base ao sistema funcional da linguagem desde o início de sua organização. (POPPOVIC, 1981, p. 29). Jardine (2003), faz referências a o desafio do professor com referencia no aluno disléxico. Ele afirma que é importante a recuperação das habilidades cognitivas, emocionais e, sobretudo sociais são competências desses profissionais. O plano de trabalho profissional será dimensionado de acordo com o tipo de dislexia, se fonológica, lexical ou mista. A intervenção segue apoiado em pilares participativo que conta com o apoio da família, do educador e do psicopedagogo. Conhecer as relações sócio-afetivas, o desenvolvimento no processo de aprendizado, seu ambiente escolar assim como a metodologia de ensino e outros atributos facilita na aplicabilidade das etapas que compõem o processo de intervenção de um aluno diagnosticado com dislexia.
  11. 11. 11 3 CONCLUSÃO Quando se trata de crianças com dificuldades de aprendizado o pré-suposto tem um significado mais amplo, pois esse profissional necessita de muita dedicação para ajudar o aluno. O conhecimento da dificuldade do discente é ferramenta fundamental, para o tratamento especifico na aplicação das atividades. Mas esse trabalho só tem eficácia comprovada quando realizado em conjunto – família, escola e aluno. O campo de estudo do tratamento para a dislexia ainda tem muito para avançar assim como sua aplicabilidade, sendo que atualmente não existe uma receita padrão de tratamento, o que se tem de mais adequado é a intervenção pedagógica. No entanto para o caso em estudo nada ainda foi feito, não recaindo a sua família o papel da omissão, já que competem as instituições de ensino a oferta do acompanhamento adequado. REFERÊNCIA OLIVEIRA, G.C. Psicomotricidade: educação e reeducação num enfoque Psicopedagógico. 9 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997 POPPOVIC, A.M. Alfabetização: disfunções psiconeurológicas. 3 ed. São Paulo:Vetor, 1981. DROUET, Ruth Caribé da Rocha. Distúrbios da Aprendizagem. São Paulo: Editora Ática, 1995. Causas da Dislexia. 2010. http://educamais.com/causas-da-dislexia/. Acesso no dia 19/04/2013. PAÍN, S. Diagnóstico e tratamento dos problemas de aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 1985. JARDINI, R. S. R. Método das boquinhas: alfabetização e reabilitação dos distúrbios da leitura e escrita: fundamentação teórica, livro1. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.
  12. 12. 12 BELO. Ednalva Silva. REFLEXO DAS CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA DISLEXIA. http://www.psicopedagogia.com.br/artigos/artigo.asp?entrID=1414. Acesso no dia 19/04/2013. MENEZES, R. de P. Intervenção Psicopedagogica com uma aluna com Disléxica. Dissertação de mestrado-Faculdade de Educação. Programa de pós-graduação em Educação. PUC-RS; Brasil, 2007. PORTO, O. Psicopedagogia Institucional: Teoria, prática e assessoramento psicopedagógico. 3 Ed.Rio de Janeiro: Wak Ed.,2009.

×