Alfabetização e letramento nas séries iniciais

1.150 visualizações

Publicada em

O presente trabalho tem como finalidade refletir sobre o processo de alfabetização e letramento nas séries iniciais numa investgação contemporânea relativas ao processo de aquisição da leitura e da escrita considerando que esta possue várias funções e deve expressar as ideias, intenções e pensamentos dos alunos para estabelecerem relações dentro e fora da escola. A produção desta obra foi cuidadosamente pensada e tive a possibilidade de estudar e vivenciar a experiência de metodologias, técnicas e recursos embarados e teóricos como: Emília Ferreiro, Magda Soares, Vygotsky, Freire e outros. Como a função da escola é propiciar aos alunos caminhos para que eles aprendam cada vez mais e possibilitem aos mesmos atuar criticamente em seu meio social. Objetiva-se também monstrar que a psicopedagogia, ciência cujo objetivo é diagnosticar e tratar dificuldades de aprendizagem de variadas natureza pode oferecer uma avaliação adequada do nível de alfabetização e letramento do aluno, por meio do tratamento, seu desenvolvimento.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.150
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alfabetização e letramento nas séries iniciais

  1. 1. Revista Ciências da Educação 1 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NAS SÉRIES INICIAIS. Franklin da Encarnação Missias* Fran_brian@hotmail.com RESUMO O presente trabalho tem como finalidade refletir sobre o processo de alfabetização e letramento nas séries iniciais numa investgação contemporânea relativas ao processo de aquisição da leitura e da escrita considerando que esta possue várias funções e deve expressar as ideias, intensões e pensamentos dos alunos para estabelecerem relações dentro e fora da escola. A produção desta obra foi cuidadosamente pensada e tive a possibilidade de estudar e vivenciar a experiência de metodologias, técnicas e recursos embarados e teóricos como: Emília Ferreiro, Magda Soares, Vygotsky, Freire e outros. Como a função da escola é propiciar aos alunos caminhos para que eles aprendam cada vez mais e possibilitem aos mesmos atuar criticamente em seu meio social. Objetiva-se também monstrar que a psicopedagogia, ciência cujo objetivo é diagnosticar e tratar dificuldades de aprendizagem de variadas natureza pode oferecer uma avaliação adequada do nível de alfabetização e letramento do aluno, por meio do tratamento, seu desenvolvimento. Palavras chaves: Alfabetização. Letramento. Dificuldades de Aprendizagem. ___________________________________________________________________ *Mestrando em Ciências da Educação pela UNASUR, Pós–graduado em Docência do Ensino Superior, pela FAMA e Língua Portuguesa e Literatura, pela CESAMA, Graduado em Letras Português – Espanhol pela UFAL.
  2. 2. Revista Ciências da Educação 2 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 RESUMEN El presente trabajo tiene como objetivo reflexionar sobre el proceso de la alfabetización y la alfabetización en los primeros grados en un moderno investgação sobre el proceso de la lectura y la escritura adquisición mientras que contienen varias funciones y debe expresar las ideas, las intenciones y pensamientos de los estudiantes para establecer relaciones dentro y fuera de la escuela. La producción de este trabajo ha sido cuidadosamente estudiado y he tenido la oportunidad de estudiar y experimentar la experiencia de metodologías, técnicas y recursos embarados y teóricos como: Emilia Ferreiro, Magda Soares, Vygotsky, Freire y otros. Como la función de la escuela es el de dar a los estudiantes maneras en las que los jóvenes aprenden más y hacer que la misma ley fundamental en su entorno social.El presente estudio tiene por objetivo también demuestran que la psicopedagogía, ciencia que tiene por objeto diagnosticar y tratar las dificultades de aprendizaje de variada naturaleza puede ofrecer una evaluación adecuada del nivel de alfabetización y del estudiante, a través de tratamiento, su desarrollo. Palabras clave: alfabetización. La alfabetización. Las dificultades de aprendizaje.
  3. 3. Revista Ciências da Educação 3 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 RESUMO O presente artigo é resultado de uma revisão bibliográfica acerca dos métodos de alfabetização, letramento e a psicopedagogia, levando em conta que a alfabetização envolve um conjunto muito complexo de fatores que exige habilidades e competências necessárias para lidar com esses desafios e requer um conhecimento considerável concernente às teorias e métodos. Essas temáticas são de fundamentais importâncias para o professor alfabetizar, a fim de que o mesmo possa intervir no processo de aprendizagem de seus alunos de maneira mais eficaz e melhor embasada no que diz respeito ao processo de aquisição da leitura e da escrita. O processo de alfabetização é amplo e complexo, e, implica não só na capacidade intelectual, mas também diferentes fatores de ordem social, emocional, física e psicológica da criança e requer dos educadores interação com todas as áreas para que o aluno possa desenvolver suas potencialidades. O trabalho relatado está fundamentado na concepção interacionista que assume a linguagem em sua função discursiva, ou seja, como linguagem em ação, cujo sentido depende de certas condições de produção especificadas na qual se conhece a necessidade e a importância apropriação do sistema alfabético de escrita, para que ele seja utilizado em prática sociais cotidianas de leitura e de escrita. Este artigo busca defender as concepções de alguns teóricos propiciando uma linha de raciocínio, tendo como objetivo expressa uma perspectiva sócio- histórico e reflexivo sobre a alfabetização e letramento, favorecendo aos alunos a imersão na cultura letrada. Ressalta ainda os processos evolutivos da leitura e da escrita, buscando especificar a aprendizagem como um processo de conhecimentos nas práticas convencionais. Objetivando traduzir alfabetização e letramento em suas ações distintas, mais não inseparáveis, pois alfabetizar e letrar são sem dúvida ensinar a ler e escrever no contexto das práticas sociais da leitura e da escrita. A apropriação desse conceito, tão amplo quanto complexo, só se verificará se houver situações de aprendizagens que possibilitem esse entendimento. E as práticas de leitura e produção, se realizadas com discernimento e propriedade, pode acelerar esse processo. Além disso, objetiva-se discutir as contribuições que a
  4. 4. Revista Ciências da Educação 4 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 psicopedagogia, ciência que tem como objetivo diagnosticar e tratar dificuldades de aprendizagens de diversa natureza pode oferecer a esses alunos que, no processo de escolarização, não desenvolveram graus avançados de letramentos. 2- OS CAMINHOS DA ALFABETIZAÇÃO Ao final do século XXI, especialmente com a proclamação da República, a educação ganhou destaque como uma utopia da modernidade. A escola, por sua vez, consolidou-se como lugar necessariamente institucionalizado para o preparo das novas gerações, com vistas a atender aos ideais do Estado republicano, pautado pela necessidade de instauração de uma nova política e social; e a universalização da escola assumiu um papel de grande importância como instrumento de modernização e progresso do Estado-Nação, como principal propulsora do esclarecimento das massas iletradas. No entanto, desde as últimas décadas, as evidências que sustentam originariamente essa associação entre escola e alfabetização vêm sendo questionada em decorrência das dificuldades de se concretizarem as promessas e efeitos pretendidos em decorrência ora do ensino, ora do aluno, ora do professor, ora do sistema escolar, ora das condições sociais, ora das políticas, a recorrências dessas dificuldades de tarefas históricas fundamental não é, porém exclusiva de nossa época. Porém foi observado repetido esforços de mudanças, a partir da necessidade de superação em cada momento histórico, considerava-se tradicional esse fator responsável pelo seu fracasso. A partir das duas últimas décadas, a questão dos métodos passou a ser considerados tradicionais e os antigos e persistentes problemas da alfabetização vêm sendo pensados e praticados predominantemente, no âmbito das políticas públicas, a partir de outros pontos de vista, em especial a compreensão do processo de aprendizagem, de acordo a psicogênese da língua escrita. Numa revolução conceitual, proposta pela argentina Emília Ferreiro, no final da década de 70, segundo ela, as discussões sobre as práticas de alfabetização tiveram como pontos fulcrais as polêmicas sobre os métodos utilizados (analíticos, sintéticos ), mas nenhuma considerou aspectos relevantes para o aprendizado da leitura e escrita:a competência linguística da criança e suas capacidades cognoscitivas.Afirma:(As mudanças necessárias para enfrentar sobre bases novas a
  5. 5. Revista Ciências da Educação 5 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 alfabetização inicial não se resolvem com um novo método de ensino, nem com novos testes de prontidão (particularmente novos livros de leitura).É preciso mudar os pontos por onde começamos o eixo central das nossas discussões.Temos uma imagem empobrecida da língua escrita; é preciso reintroduzir, quando consideramos a alfabetização, a escrita como sistema da representação da linguagem.Temos uma imagem empobrecida da criança que aprende: a reduzimos a um par de olhos, um par de ouvidos, uma mão que pega um instrumento para marcar e um aparelho fonador que emite sons. Atrás disso há um sujeito cognoscente, alguém que pensa, que constrói interpretações que age sobre o real para fazê-lo seu (FERREIRO,1987,p.40-41). Ferreiro (1987) sublinha, portanto, a importância da capacidade cognoscitiva da criança que tinha sido esquecida pelos métodos anteriores. A autora faz esta afirmação repaldando-se na teoria de Piaget, segundo a qual, o sujeito é um ser ativo, que aprende através das suas ações sobre os objetos, e constrói as categorias de pensamentos ao mesmo tempo em que organiza seu mundo. A partir do início da década de 1980, em decorrência de novas urgências políticas e sociais que se fizeram acompanhar de propostas de mudanças na educação enfrentando, particularmente, o fracasso escolar na alfabetização de crianças, introduziu-se no Brasil o pensamento construtivista sobre a alfabetização, resultante das pesquisas sobre a psicogênese da língua escrita desenvolvidas pela pesquisadora Emília Ferreiro e colaboradores. Deslocando o eixo das discussões dos métodos de ensino para o processo da criança (sujeito cognitivo), o construtivismo se apresenta não como um método novo, mas, como uma revolução conceitual demandando, dentre outros aspectos, abandonarem as teorias práticas tradicionais utilizadas até o momento. Após uma vasta análise da realidade social e educacional brasileira, indicadores nacionais apontam que,cerca de 2,8 milhões de crianças de sete a quatorze anos estão fora da escola, além de serem vítimas do trabalho infantil. Os indicadores ainda resaltam que aproximadamente 800 mil delas estão envolvidas em formas degradantes de trabalho inclusive a prostituição infantil. Afim de buscar medidas que contribuam com a mudança dessa realidade, o MEC, em 2004, implanta o Ensino de 9 Anos .Essa medida ocorre a partir da determinação Legal do Plano Nacional de Educação (Lei nº 10.172/2001,meta 2
  6. 6. Revista Ciências da Educação 6 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 do Ensino Fundamental), que também prevê a inclusão das crianças de 6 anos de idade. É importante ressaltar que essa medida é pautada em duas intenções, sendo elas: (oferecer maiores oportunidades de aprendizagem no período da escolarização obrigatótria e assegurar que, ingressando mais cedo no sistema de ensino, as crianças prossigam.Essas ações requerem planejamento e diretrizes para atender a criança no seu desenvolvimento integral, além de metas par a as expressões de um atendimento com qualidade ( BRASIL,2006,p. 14).Do ponto de vista sócio interacionista, a alfabetizaão enquanto processo individual, não se completa nunca, visto que a sociedade está em contínuo processo de mudança , e atualização para individual para acompanhar essas mudanças é constante. 2.1 – OS PROCESSOS EVOLUTIVO DA LEITURA E DA ESCRITA O processo de alfabetização é amplo e complexo,e,implica não só a capacidade intelectual, mas também diferentes fatores de ordem social,emocional,físico e psicológico da criança e requer dos educadores interação com todas as áreas para que o aluno possa desenvolver suas potencialidades. O processo de leitura ,assim como a escrita está presente na maioria das atividades que fazem parte do cotidiano das pessoas. Em sua abordagem da escrita,VYGOTSKY (1984) tem a preocupação com o processo de aquisição de escrita,na qual,essa inicia-se muito antes da entrada da criança na escola,prolongando-se no decorrer dos anos. A aquisição da língua escrita é um sistema simbólico de representação da realidade,que também contribui para o desenvolvimento dos gestos,desenhos e brinquedos simbólicos,já que essas são atividades representativas,das quais são utilizadas signos para expressar seus significados.Partindo desse pressuposto,VYGOTSKY afirma que: Considera ainda que a escrita é uma função culturamente mediada pelos diferentes usus da linguagem escrita, a qual é exposta ao longo do seu desenvolvimentoConsidera ainda que a escrita é uma função culturamente mediada pelos diferentes usus da linguagem escrita, a qual é exposta ao longo do seu desenvolvimento. Segundo conceitos de Ferreiro (1985) e Freire (1996) aprendizagem é um
  7. 7. Revista Ciências da Educação 7 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 processo se evoloção onde escrever e ler são duas atividades de alfabetização e a leitura de mundo antecede a da escrita. FERREIRO (1985) entende que a aprendizagem da escrita têm caráter evolutivo, no quel é relativamente tardio a descoberta de que a escrita representa a fala, não a associação entre letras e som.Outro aspecto importante nesta evolução refere-se ao aspecto conceitual da esrita.Para que as crianças possam descobrir o carater simbólico da escrita, é preciso oferecer-lhessituações em que a escrita se torne objeto se seu pensamento.Este aprendizado é considerado fundamental ao lado de outras abilidades. As ideias de FERREIRO (2001) representam uma das mais valiosas e recentes contribuições numa abordagem construtivista-interacionista da aprendizagem. Os aspectos construtivos têm a ver com o que se quis representar(...) para criar diferenciações entre as representações(...). A escrita infantil segue uma linha de evolução surpreendentemente regular, atráves de meios culturais, de diversas situações educativas e diversas línguas.(FERREIRO,2001,p18) Para ela é importante colocar a criança em situações de aprendizagem, em que possa utiizar suas próprias elaborações sobre linguagem. O objetivo de Ferreiro é integrar o conhecimento espontâneo da criança ao ensino , dando-lhe maior significado. Conhecendo o processo pelo qual pelo qual as crianças constroem seu próprio sistema de leitura e escrita é possivel mortear o ensino da linguagem escrita na escola. Ao compreeder que escrever não é desenhar as crianças iniciam uma fase de tentar imitar as letras, os símbolos que conhecem. Essas primeiras grafias apesar de não serem mais desenhos tambem não são letras convencionais, são escritas que tentam se parecer com a escrita adulta. Avançado em sua construção da escrita, a criança percebe que para escrever utilizam-se apenas letras, passam a deixar de representar números em suas hipóteses de escrita. As letras aproximam-se cada vez mais das formas convencionais . É inegavel a contribuição de FREIRE (1999), a partir de sua ideia , criou-se uma consepção de educação, de “leitura de mundo”, proporcionando grandes
  8. 8. Revista Ciências da Educação 8 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 mudanças no processo de alfabetização, por forte influência prático-teórica no desenvolvimento cultural, social e político do sujeito. Por que não aproveitar a esperiência que tem os alunos de viver em aréa da cidade descuidada pelo poder publico para discutir(...) a poluição dos riachos e dos corregos etc. Por que não discutir com os alunos a realidade de concreto?(FREIRE,1999, p33) Para Freire, conhecer é descobrir e construir não é copiar, como na pedagogia ddos conteúdos. A educação não pode ser orientada pelo paradigma gma de uma empresa, que dá ênfase apenas a eficiência.Este paradigma ignora o ser humano , segundo os construtivista, aprende-se quando se quer aprender e só se aprende o que é significativo. “Em contextos mais gerais, esta base do conhecimento é tambem chamada pelos psicólogos, de estrutura cognitiva. Otermo é bastante bom, por que cognitivo significa conhecimento e estrutura implica organiação so conhecimento, e este é o que na verdade, temos em nossa cabeça uma organização do conhecimento “(SMITH,2003 p. 22) Aprendemos a ler, atavés da leitura, acrescentando coisas aquilo que já sabemos. A compreensão e o aprendizado da leitura são fundamentalmente a mesma coisa. 3-A IMPORTÂNCIA DA LEITURA NA ESCOLA A escola tem papel fundamental na construção da identidade e da autonomia de cada aluno e deve considerar a importância da leitura nesse processo de transformar o aluno leitor sujeito, pois, é através dessa ação que ele se tornará capaz de construir sua própria leitura e analisar sua visão do mundo. Para ANDALÓ(2000, p. 48), Formar indivíduos capazes de “ler o mundo” tem sido objetivo da escola a muito, mesmo que nem sempre tenha acertado algo, o sonho é que todo aluno seja capaz de produzir discurso, orais e escritos, adequado a diferentes situações enuciativas. E, além disso, compreendendo o que está escrito e o que está subentendido. No entanto, para transfromar nosso alunos em leitores competente é necessário que haja superação da concepção escolar da leitura como objeto de ensino, cujo aprendizado inicial se resume em converter letras em sons, acreditando que a compreensão será concequencia natural dessa codificação. Nesse sentido, a língua é um sistema de signo histórico e social que possibilita o homem significar o mundo e a realidade. Aprender uma língua não é
  9. 9. Revista Ciências da Educação 9 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 apenas conhecer as palavras, mais conhecer os significados culturais, e por meio deles, os modos pelos quais as pessoas no seu meio social entendem e interpretam a realidade e as si mesmas. MARISA LOJOLO (2007), afirma que: Em algumas sociedades, leitura e escrita eram privilegio de sacerdote ou de governantes. Na sociedade ocidentais, entre elas a nossa, embora tivesse nascido e se fortalecido na esteira da administração governamental e de catequese cristã, escrita e leitura muito cedo ganharam usos cotidianos. Assim, além de repartições de governo, altares e púlbitos de igreja, ambiente domésticos como sala de costura e varanda de fazendas, ao lado de pátio de hospedaria, pousa de tropeiros e feira livres transformaram-se em cenário de leitura. Nesses espaços ora públicos, ora privados, mais sempre coletivos se liam e se ouviam ler textos muito diferentes daqueles que interessavam diretamente ao governo e a igreja. Nesses espaços, lia-se ficção (novelas, crônicas e romance) e ouvia-se poesia.. A aprendizagem de leitura está condicionada a diversos fatores, que poderão contribuir para o sucesso ou o fracasso no desempenho da aprendizagem leitora e consequentemente da produção escrita. Para BARBOSA,(1994, P. 134), O conhecimento das letras pode ajudar a uma criança a identificar palavras e o conhecimento das palavras pode favorecer o das frases. Mas é bom lembrar que as letras e palavras serão mais facilmente aprendidas se estiverem dentro de frases com sentido. Perdir a uma criança que identifique letras ou palavras isoladas é dificultar a leitura, pois o número de possibilidade (incertezas) está maximizado. Sem o apoio de contexto seja o assunto ou suporte da escrita, as possibilidades multiplicam-se enormemente, a incerteza aumenta. Um aluno pode não ser capaz de identificar uma palavra isoladamente, mais poderá vir a identificá-la numa frase ou através de outros índices. A leitura deve ultrapassar a simples representação gráfica decodificação de símbolos, é antes de tudo, uma compreensão e entedimento da expressão escrita. O estudo dos processos que envolve a aquisição da leitura pode apresentar alguns problemas significativos na aprendizagem da criança, tais como as que encontram dificuldades para aprender a ler. As que leem de forma passiva e que tem dificuldade na compreensão. Entretanto, os primeiros contatos das crianças com a leitura é de fundamental importância para suas percepções futuras, pois interferem na formação do ser humano crítico, capaz de encontrar as possíveis resoluções par aos problemas sofridos pela sociedade aqual se pertence. Segundo FREIRE (1982), Uma vez que a leitura é apresentada a criança ela deve ser minuciosamente decifrada, trabalhada, pois na maioria das vezes as crianças tem um contato imediato com a palavra, mas a compreensão da mesma não existiam. Para tanto se faz necessário apresentar o que foi descrito por tal palavra. Da forma que esse objeto proporciona sentido a ela, pois dessa maneira a busca e o gosto pelo mundo das palavras, isto é, da leitura e da escrita, se intencifique. Logo, a leitura ganha vida e a criança adquiri o hábito de sua prática.
  10. 10. Revista Ciências da Educação 10 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 Portanto, o contato com a realidade é fielmente de extrema relevância para dar significado à importância do ato de ler, já que este se faz necessário no cotidiano de cada indivíduo. A criança quando apresenta ao mundo da leitura, necessita receber apoio e incetivo para que tal prática se concretize, uma vez que, a participação dos adultos perante esta fase de compreensão e conhecimento da leitura é extremamente importante, pois é a partir das expressões e hábitos cotidianos (dos que as rodeiam) que a criança realiza entendimento desse universo desconhecido. Os conhecimentos na pré-escola são valorizados e contribuem para o processo de ensino e aprendizagem da leitura e escrita, pois a todo momento a criança se depara com imagens e ilustrações que colaboram na distinção mesmo não havendo oralidade. Entretanto, cabe aos pais contribuírem para o desenvolvimento desse processo. Assim, pais que leem forma crianças leitoras. É importante dizer também o quanto pode ser significatico que os pais leiam histórias para seus filhos ou folheiem com eles um album de literatura infantil, levando-os a dizerem o que imaginam que irá acontecer na página seguinte depois da virada. (JOLIBERT, 1994, p. 129). A ser inserida na escola a criança passa a ser orientada pelo educador, que através de suas práticas pedagógica apresenta a ela o mundo das palavras, portanto, cabe a ele criar situações e gerar incetivos para que a prática de leitura seja efetivado formulando projetos que insira a criança em sua própria realidade. 3.1- LETRAMENTO O Letramento é um termo novo que implica várias habilidades. Segundo SOARES (1998), o termo letramento vem sendo muito desenvolvido nas áreas de lingüística aplicada e da educação. Antes do surgimento da palavra letramento, usava-se apenas a palavra alfabetização para referir-se a inserção do indivíduo no mundo da escrita, tornando-se necessário, explicitar que alfabetização não se entendia apenas a aquisição de tecnologia da escrita, mas a formação do cidadão leitor. SOARES (1999, p.3) afirma que letramento é “estado ou condição de quem não só sabe ler e escrever, mas exerce as práticas sociais de leitura e escrita que
  11. 11. Revista Ciências da Educação 11 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 circulam na sociedade em que vive, conjugando-as com as práticas sociais de interação oral”. O letramento preconiza a ação de ensinar ou de aprender a ler e escrever, bem como o resultado da ação de usar essas habilidades em práticas sociais, é o estado ou condição que adquire um grupo social u um indivíduo como consequência de ter-se apropriado da língua escrita e ser inserido num mundo organizado de modo diferente: a cultura escrita. Para SOARES (1998) o termo letramento está associado ao fenômeno de superação do analfabetismo em uma sociedade que vem valorizando a leitura e a escrita. Para a mesma autora a palavra letramento parece estranha, enquanto outras do mesmo campo sem ântico parecem mais familiares, como: analfabetismo, analfabeto, alfabetizar, alfabetização alfabetizado, e mesmo letrado ou iletrado. O termo “letramento” originou-se da versão para o português da palavra inglesa Literacy, que vem do latim Littera (letra) com o sufixo - cy, que denota qualidade, condição, estada. Literacy é, portanto, o estado ou condição que assume aquele que aprende a ler e escrever. Para desenvolver a escrita e formar leituras competentes é preciso que haja uma compreensão e reflexão sobre a que se lê. Nesse contexto, é necessário que a escola ao ensinar o aluno a ler e escrever promova meios e atividades sistemáticas para o desenvolvimento dessas habilidades. (SOARES, 1998, p.18) enfatiza que “nosso problema não é apenas ensinar a ler e escrever mas é também, e sobretudo,levar os indivíduo-criança e adultos- a fazer uso da leitura e da escrita, envolver-se em praticas sociais de leitura e de escrita”. E acrescenta: O uso da palavra letramento vem distinguir os dos processos, por um lado garantindo a especificidade do processo de aquisição da tecnologia escrita, por outro, atribuindo ao só a especificidade, mas também visibilidade ao processo de desenvolvimento das habilidades e atitudes de uso dessa tecnologia em praticas sociais que envolve a língua escrita. Para programa de inscrição de indivíduos no mundo da escrita, essa distinção é útil, sobretudo em países que ainda enfrentam altos índices de analfabetismo, como é o caso do Brasil; em países em países em que praticamente já não existem analfabetas, as distinções parece tornar-se desnecessário, na literatura de língua inglesa, uma única palavra tereracy, designa o processo de inserção no mundo de escrita, referindo-se tanto á aquisição da tecnologia quanto o uso competente de práticas sociais de leitura e da escrita(SOARES,1999 p.91). Para tornar-se letrado, o indivíduo deve envolver-se em atividades de escrita, é preciso adquirir o habito de ler jornais, revistas, participar de eventos literários, frequentar cinema, entre outros.
  12. 12. Revista Ciências da Educação 12 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 Aproximação do indivíduo com a leitura fará com que haja um desenvolvimento no processo da escrita sendo o processo de letramento abrangente, o individuo pode ser “letrado” sem ter sido alfabetizado, como também poderá ser alfabetizado, mas não “letrado”, tudo depende do ambiente que foi criado ou mesuro do qual esta convivendo. De acordo com SOARES o nível de letramento dos grupos sociais está relacionado ás suas condições sociais, culturais e econômicas. Nesse sentindo, é necessário que haja condições para o letramento. A autora enuncia duas condições: Primeira condição: Que haja escolarização real e efetiva para a população, considerando que só nos damos conta da necessidade de letramento quando o acesso á escolaridade se amplia se tivemos mais pessoas sabendo esperar um pouco mais do que simplesmente aprender a ler e escrever.Segunda condição: que haja disponibilidade de material de leitura, uma vez que, nos países do terceiro mundo, é que se alfabetizam criança, e adultos, mas não lhe são de dar as condições para ler e escrever: não há material impresso posto á disposição, não há livrarias, o preço dos livros e até dos jornais e revistas é inacessível, havendo um número muito pequeno de bibliotecas(1998, p 58). O fenômeno do letramento pode ser examinado sob dois pares de conceitos de um lado, dois modelos de letramento, o modelo autônomo em confronto com o modelo ideológico; de outro lado dois componentes básicos do letramento, os eventos e as práticas de letramento. O conceito de eventos pratica de letramento permitem fundamentar a distinção entre um letramento escolar e um letramento não escolar. Eventos de letramento: denominando-se as situações em que a língua escrita é parte integrante da interpretação entre os participantes quando em discussão de uma noticia de jornal com alguém, a construção de um texto com a colaboração de uma pessoa. Por práticas de letramentos, designam-se os procedimentos exercidos pelos participantes em eventos de letramento e as concepções sociais culturais que o configuram. 4- COMO A PSICOPEDAGOGIA PODE AJUDAR NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO? A contribuição da psicopedagogia no processo da alfabetização e letramento nos dias de hoje tem sido destaque nas escolas em geral. Isso porque através de estudos da pedagogia juntamente com a psicologia o atendimento à criança com necessidade de atendimento especial se aperfeiçoou, visto que uma das preocupações dos educadores e envolvidos diretamente ao processo de ensino-
  13. 13. Revista Ciências da Educação 13 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 aprendizagem está centralizado no desenvolvimento cognitivo do aluno nas diversas modalidades de ensino. O desafio da psicopedagogia no processo de ensino- aprendizagem, em especial no campo da leitura e da escrita, tem sido o de encarar com naturalidade os problemas enfrentados na escola com crianças com dificuldades de desenvolvimento cognitivo. Porém, do outro lado, a escola atualmente investe em saídas mais humanas, no caso a preparação profissional do educador para lidar com problemas psicológicos que antes era considerado um desafio bem maior e em muitos casos, sem saída para o educador, visto que a deficiência não só era do aluno em se desenvolver nas atividades propostas pela escola, mas também do educador em encarar as diferenças individuais como um fator relevante a se pensar no ensino como oportunidade de integração social dos educandos com necessidades de atendimentos mais qualitativos, no caso, psicológicos. Sendo a psicopedagogia responsável pelos métodos estratégicos para crianças com dificuldades na aprendizagem, pode-se afirmar que a sua função na escola, em especial no processo de alfabetização e letramento é mediar as capacidades das crianças, levando-as a partir daí a sentir-se estimulada através da escola juntamente com o professor psicopedagogo numa construção significativa e de acordo com a sua capacidade de desenvolvimento. De acordo com Bossa (2000, p. 23), o surgimento da psicopedagogia deveu-se à necessidade de se compreender melhor o processo de aprendizagem e se tornou uma área específica, cujo objetivo é buscar conhecimento em outros campos e delinear seu próprio objeto de estudo. Trata-se, assim, de uma área do conhecimento que busca avaliar os padrões de aprendizagem e de desenvolvimento humano, os fatores que a influenciam e as intervenções que podem ser feitas a partir do diagnóstico. Dessa forma, esse profissional pode contribuir muito para diagnosticar e tratar as dificuldades de aprendizagem concernentes à apropriação da linguagem escrita. Para isso, ele precisa desenvolver ferramentas que avaliem não só a alfabetização, mas também o letramento e seus graus. No processo de alfabetização e letramento a psicopedagogia contribui levando o educador a refletir sobre os seus atos como professores e avaliador da aprendizagem de crianças com dificuldades tanto de aprendizagem quanto de outras habilidades ligadas direta e indiretamente à escola envolvendo a escrita. A psicopedagogia como uma atividade voltada para um atendimento personalizado àqueles alunos que merecem uma atenção especial exerce forte influência em todo o processo de ensino-aprendizagem, visto quer
  14. 14. Revista Ciências da Educação 14 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 através da valorização do aspecto cognitivo como foco de reflexão. Tanto o educador quanto o aluno passam a viver experiências relevantes não apenas para o processo de ensino-aprendizagem na escola, mas também para uma convivência maior que envolve o indivíduo e o seu meio numa construção significativa de aprendizagens através das experiências vivenciadas diariamente com o mundo e com as coisas nele existentes. O psicopedagogo também é capaz de utilizar recursos metodológicos que permitem depreender as capacidades e as dificuldades dos alunos quando da produção de textos; compreende, avalia apoia e cria situações de aprendizagem partindo de suas capacidades e de seus erros para organizar o ensino, salientando os principais obstáculos a serem ultrapassados em função dos diferentes componentes dos textos trabalhados: esta é a postura para saber adaptar, da melhor forma possível, o ensino aos aprendizes da escrita. No caso do letramento, as atividades que o psicopedagogo desenvolverá deverão contemplar atitudes cotidianas do universo do paciente tais como o uso da linguagem escrita em uma lanchonete ao escolher seu lanche, a elaboração de um diário, um cartaz, um bilhete para alguém da família, uma lista de supermercado, entre outras. Isso deve ser feito desde a avaliação diagnóstica, por meio da elaboração de um protocolo que contemple atividades que exigem níveis variados de letramento. CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao longo da apresentação dos resultados e de sua análise tivemos oportunidade de ir apontando uma série de características intrínsecas à escrita, e que devem ser mais bem explícitas para as crianças. Isso, muito provavelmente, poderia, por exemplo, ajudá-las a compreender a existência de correspondências múltiplas; a diferenciação em letras e sons; as várias possibilidades de construção silábicas; as diferenças entre falar e escrever; as correspondências quantitativas entre os números de fonemas a serem escritos bem como o número de letras necessário para escrevê-lo, e assim por diante. Enfim, as regras do jogo da escrita devem ser mostradas de forma clara e sistemática. Este pode ser o caminho mais seguro que todos desejamos encontrar no sistema de facilitar a apropriação do sistema ortográfico pelas crianças. Quando do início do aprendizado, o conhecimento é mais superficial a vai se
  15. 15. Revista Ciências da Educação 15 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 modificando na medida em que as criaças tem oportunidade de interagir com a escrita e a prender novos elementos que permitem uma maior prenetração e, em consequência, maiores conhecimentos. Algumas crianças pode apresentar dificuldades mais acentuadas para progredirem no sentido de alcançarem uma melhor compreensão do sistema, embora tenham a oportunidade de interagir com a escrita. A presença de muitos tipos de erros assim como uma alta frequência de ocorrência dos mesmos pode ser reveladoras de tais dificuldades. Nesses casos, as alterações ortográficas podem está indicando a presença de problemas ou dificuldades de aprendizagens. Porém, os erros tem sido superestimados. Ou seja, a uma tendência muito acentuada de considerá-los, indistintamente, como pato´logico, tendência esta que tem levado a criação artificial de pseudodistúrbio de aprendizagem. Acreditamos que o educador ocupa uma posição privilegiada de madiador da interação da criança com a escrita. Para que esse seu papel passa a ser afetivo no sentido de conduzir as crianças no mundo de letras, ele necessita comprender, mais profudamente, como as crianças constrói conhecimentos. Necessita, também, aprofundar seus próprios conhecimentos a respeito do que é a escrita: sua natureza, seus usos e funções. Certamente, entendendo melhor a complexidade da própria escrita e todos os desafios que ela impõe a quem deseja dela se apropriar, o educador passa a compreender de maneira mais adequada a escria que as crianças produzem e, assim, valorizá-las porque pode estar denotando um grande esforço de compreensão. Além disso, conhecendo de modo mais aprofundado a escrita , pode também torná-la mais acessível aos seus aprendizes. Creio ser papel fundamental do educador valorizar a produção das crianças, mostrando-lhes as regras do jogo e fazê-las crê que estão conseguindo progredir. Acima de tudo, acreditar, ele próprio, que as crianças progridem, a pesar dos erros.
  16. 16. Revista Ciências da Educação 16 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 REFERÊNCIAS BARBOSA, José Juvêncio, Alfabetização e Leitura. 2 ed. Saão Paulo: Cortez, 1994. BRASIL, Governo do : Parâmetros curriculares Nacionais, Primeiro e Segundo ciclo do Ensino fundamental: Língua Portuguesa. Brasília: MEC/SEF/1997. BRASIL.Lei nº 11.274,de 06 de fevereiro de 2006. Altera a Redação dos Arts. 29,30,32 e 87 da Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e base da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Disponível em: http: //www. planlto.gov. br.CCIVIL _ 03/_Ato 2004- 2006/2006/ Lei/L111274.htm#art3. Acesso em : 16 nov. 2007 a . BOSSA, N. A. A psicopedagogia no Brasil: contribuições a partir da prática. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. FERREIRO, Emília. Relações de (in) Dependência entre Oralidade e Escrita. Porto Alegre: Artmed, 2004. FERREIRO, Emília. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo: Cortez, 1987.( Polêmicas do nosso tempo). FREIRE, Paulo. A Importância do Ato de Ler: Em três artigos que se Completam. São Paulo: Autores associados: 1989. JOLIBERT, J. Formando Crianças Leitoras. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994, p. 129. LAJOLO, Marisa, Leitura: Uma Prática Social. Disponível em http: www. educaredi. org.br/educa, acesso em 18 out. 2007. SOARES, Magda. Letras é mais que Alfabetizar: in: Nossa Língua- Nossa Pátria. Rio de Janeiro: Jornal do Brasil 26/11/2000 a. Entrevista. Disponível em http: intervox. nce. ufrj.br/ edpaes/magda. htm, Acesso em julho de 2005. VIGOTSKSY, L. S.A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.
  17. 17. Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014

×