Revista Ciências da Educação
1
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
A experiência do PROINFO nas escolas estaduai...
Revista Ciências da Educação
2
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
Podemos afirmar que no âmbito educacional se ...
Revista Ciências da Educação
3
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
Visto que, segundo GOUVÊA “O professor será m...
Revista Ciências da Educação
4
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
Projetos - FINEP e Secretaria Especial de Inf...
Revista Ciências da Educação
5
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
de “desenvolver a informática educativa no Br...
Revista Ciências da Educação
6
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
pelo MEC: correspondeu praticamente a uma fas...
Revista Ciências da Educação
7
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
pela TV Escola e DVD Escola, pelo Domínio Púb...
Revista Ciências da Educação
8
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
partir do objeto de estudo, estabelecemos con...
Revista Ciências da Educação
9
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
Entretanto, dentro de nossa visão de processo...
Revista Ciências da Educação
10
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
determinado objeto sem considerar as múltipl...
Revista Ciências da Educação
11
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
gigantescas e não dá mais para imaginar uma ...
Revista Ciências da Educação
12
Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014
FLORES, Angelita Marçal - A Informática na E...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

2. a experiência do proinfo nas escolas estaduais e municipais no município de porto calvo – alagoas inaldevania

412 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
412
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2. a experiência do proinfo nas escolas estaduais e municipais no município de porto calvo – alagoas inaldevania

  1. 1. Revista Ciências da Educação 1 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 A experiência do PROINFO nas escolas estaduais e municipais no município de Porto Calvo – Alagoas. Inaldevania de Melo Silva inaldevaniams@hotmail.com O ProInfo, inicialmente denominado de Programa Nacional de Informática na Educação, foi criado pelo Ministério da Educação, através da portaria nº 522 em 09/04/1997, com a finalidade de promover o uso da Telemática como ferramenta de enriquecimento pedagógico no ensino público fundamental e médio. As ações do Programa são desenvolvidas pela Secretaria de Educação a Distância - SEED, deste Ministério, por meio do Departamento de Infra-Estrutura Tecnológica - DITEC, em articulação com as Secretarias de Educação do Distrito Federal, dos Estados e de alguns Municípios. Desde 2005 foram implantados os laboratórios nas escolas das redes estaduais e municipais na cidade de Porto Calvo – AL. Questiona-se como ocorreu a implantação e a funcionalidade do laboratório do proinfo no período de 2005 a 2010. Atualmente estamos enfrentando uma grande mudança de paradigmas educacionais no âmbito tecnológico, pois não há uma aceitação de aulas expositivas dos professores por parte dos alunos. O avanço das novas tecnologias aplicadas à Educação tem favorecido inúmeras contribuições para a melhoria do processo ensino aprendizagem. Graças a esses avanços, educadores e educando têm encontrado novos métodos e técnicas que possibilita o aprimoramento de saberes e a socialização de conhecimentos antes restrito à sala de aula. Tais mudanças têm contribuído para a melhoria da qualidade do ensino e despertado em todos os envolvidos no processo educativo um maior interesse pela escola e por novas metodologias que fazem uso das diferentes mídias disponíveis para a Educação. Dentre várias experiências para utilização das tecnologias destaca-se, jogos educativos, produção de textos educacionais digitais, pesquisas em sites, programas de rádios, mídias digitais, ambiente virtual de aprendizagem. Contudo, só há ganho na aprendizagem dos alunos se os educadores assumem o papel de mediador, acompanham e estimulam a busca do conhecimento, dentre reflexões sobre informática e o currículo, sabemos a dificuldade que a escola tem de adaptar a informática ao currículo escolar como uma ferramenta pedagógica em políticas do cotidiano inseridos no processo de aprendizagem.
  2. 2. Revista Ciências da Educação 2 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 Podemos afirmar que no âmbito educacional se faz urgente esse recurso para formarmos cidadãos capazes de sobressaírem diante da sociedade do conhecimento salientando a responsabilidade do recurso para facilitar o processo ensino-aprendizagem, pois devemos direcionar os questionamentos necessários para aplicabilidade do processo de inserção das tic’s na escola através do proinfo como portal principal. Certamente, estes avanços dão um novo impulso no sistema educacional brasileiro e, desta forma, permite a melhoria da qualidade do ensino em nosso país, sendo descentralizado nas escolas públicas para maior percentual de aplicabilidade. A Informática educacional; como podemos notar, deve fazer parte do projeto político pedagógico da escola, projeto esse que define todas as pretensões da escola em sua proposta educacional. Podemos, agora, tirar algumas conclusões importantes sobre a introdução da Informática na escola. Ela ocorre: - dentro de um processo, com alguns momentos definidos; - quando existe a figura do coordenador de informática que articula e gerencia o processo, de modo a buscar os recursos necessários e mobilizar os professores. Quando essa introdução está engajada num projeto pedagógico, com o apoio da direção que oferece os recursos necessários. A Informática vem adquirindo cada vez mais relevância no cenário educacional. Sua utilização como instrumento de aprendizagem e sua ação no meio social vem aumentando de forma rápida entre nós. Nesse sentido, a educação vem passando por mudanças estruturais e funcionais frente a essa nova tecnologia. Houve época em que era necessário justificar a introdução da Informática na escola. Hoje já existe consenso quanto à sua importância. Entretanto o que vem sendo questionado é da forma com que essa introdução vem ocorrendo. Com essa problemática devemos fazer visitações em loco das escolas em Porto Calvo que possuem o Proinfo desde 2005 e verificar a sua funcionalidade e propostas na sua aplicabilidade num período de 2005 a 2010.
  3. 3. Revista Ciências da Educação 3 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 Visto que, segundo GOUVÊA “O professor será mais importante do que nunca, pois ele precisa se apropriar dessa tecnologia e introduzi-la na sala de aula, no seu dia-a-dia, da mesma forma que um professor, que um dia, introduziu o primeiro livro numa escola e teve de começar a lidar de modo diferente com o conhecimento – sem deixar as outras tecnologias de comunicação de lado. O Brasil iniciou a busca de um caminho para informatizar a educação (Andrade & Albuquerque Lima, 1993)* em 1971, quando pela primeira vez se discutiu o uso de computadores no ensino de Física (USP/São Carlos). Em 1973, algumas experiências começaram a ser desenvolvidas em outras universidades, usando computadores de grande porte como recurso auxiliar do professor para ensino e avaliação em Química (Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ) e desenvolvimento de software educativo na Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Destacam-se, ainda, nos anos 70, as experiências do Laboratório de Estudos Cognitivos do Instituto de Psicologia - LEC, da UFRGS, apoiadas nas teorias de Piaget e Papert, com público-alvo de crianças com dificuldades de aprendizagem de leitura, escrita e cálculo. A Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, em 1975, iniciou cooperação técnica - ainda existente - com o Media Lab LAB do Massachussets Institute of Technology - MIT, criando um grupo interdisciplinar para pesquisar o uso de computadores com linguagem LOGO na educação de crianças. Cultura nacional de informática na educação teve início nos anos 80, a partir dos resultados de dois seminários internacionais (1981 e 1982) sobre o uso do computador como ferramenta auxiliar do processo de ensino- aprendizagem. Surgiu, em tais seminários, a idéia de implantar projetos-piloto em universidades, o que originou, em 1984, o Projeto EDUCOM, iniciativa conjunta do MEC, Conselho Nacional de Pesquisas - CNPq, Financiadora de Estudos e
  4. 4. Revista Ciências da Educação 4 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 Projetos - FINEP e Secretaria Especial de Informática da Presidência da República - SEI/PR, voltada para a criação de núcleos interdisciplinares de pesquisa e formação de recursos humanos nas universidades federais do Rio Grande do Sul (UFRGS), do Rio de Janeiro (UFRJ), Pernambuco (UFPE), Minas Gerais (UFMG) e na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Apesar de dificuldades financeiras, este projeto foi o marco principal do processo de geração de base científica e formulação da política nacional de informática educativa. Considerando os resultados do Projeto EDUCOM, o MEC criou, em 1986, o Programa de Ação Imediata em Informática na Educação de 1o e 2o grau, destinado a capacitar professores (Projeto FORMAR) e a implantar infraestruturas de suporte nas secretarias estaduais de educação (Centros de Informática Aplicada à Educação de 1o e 2o grau - CIED), escolas técnicas federais (Centros de Informática na Educação Tecnológica - CIET) e universidades (Centro de Informática na Educação Superior - CIES). Competia a cada secretaria de educação e a cada instituição de ensino técnico e/ou superior definir pedagogicamente sua proposta. Foram implantados em vários estados da Federação 17 CIEDs (1988- 89), nos quais grupos interdisciplinares de educadores, técnicos e especialistas trabalhavam com programas computacionais de uso/aplicação de informática educativa. Esses centros atendiam a alunos e professores de 1o e 2o grau e à comunidade em geral e foram irradiadores e multiplicadores da telemática na rede pública de ensino. A Organização dos Estados Americanos - OEA, em 1988, convidou o MEC para valiar o projeto de Informática Aplicada à Educação Básica do México. Isso fez o MEC e a OEA formularem um projeto multinacional de cooperação técnica e financeira, integrado por oito países americanos, que vigorou entre 1990 e 1995. A sólida base teórica sobre informática educativa no Brasil existente em 1989 possibilitou ao MEC instituir através da Portaria Ministerial n. 549/89, o Programa Nacional de Informática na Educação - PRONINFE, com o objetivo
  5. 5. Revista Ciências da Educação 5 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 de “desenvolver a informática educativa no Brasil, através de atividades e projetos articulados e convergentes, apoiados em fundamentação pedagógica, sólida e atualizada, de modo a assegurar a unidade política, técnica e científica imprescindível ao êxito dos esforços e investimentos envolvidos.” Apoiado em dispositivos constitucionais relativos à educação, ciência e tecnologia, o PRONINFE visava: promover o desenvolvimento da informática educativa e seu uso nos sistemas públicos de ensino (1o , 2o e 3o grau e educação especial); fomentar o surgimento de infra-estrutura de suporte nas escolas, apoiando a criação de centros, subcentros e laboratório; capacitar contínua e permanentemente professores. O Programa previa crescimento gradual da competência tecnológica referenciada e controlada por objetivos educacionais, amparado num modelo de planejamento participativo que envolvia as comunidades interessadas. Os objetivos e metas do PRONINFE foram formulados em sintonia com a política nacional de ciência e tecnologia da época. O PRONINFE apresentou os seguintes resultados no período de 1980 - 1995:  44 centros de informática na educação implantada, a maioria interligada na Internet.  400 subcentros implantados, a maioria por iniciativas de governos estaduais e municipais, a partir do modelo de planejamento concebido, inicialmente, pelo Projeto EDUCOM/UFRGS (destes, 87 estão no Estado do Rio Grande do Sul).  400 laboratórios de informática educativa em escolas públicas, financiados por governos estaduais e municipais.  Mais de 10.000 profissionais preparados para trabalhar em informática educativa no país, incluindo um número razoável de pesquisadores com cursos de mestrado e doutorado. O PRONINFE, apesar de dificuldades orçamentárias, gerou, em dez anos, uma cultura nacional de informática educativa centrada na realidade da escola pública. Ele constituiu o principal referencial das ações atualmente planejadas
  6. 6. Revista Ciências da Educação 6 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 pelo MEC: correspondeu praticamente a uma fase piloto que durou mais de uma década. São também ações importantes: implantação de 50 centros de informática em São Paulo, com recursos do governo municipal (1987/1988); ainda na capital paulista, em 1996, introdução de vigoroso programa de informatização de escolas (10.000 computadores); em 1997 serão instalados mais de 400 laboratórios nas escolas públicas do Estado de São Paulo, num trabalho orientado pelo Núcleo de Informática Educativa - NIED da UNICAMP, que também coordena a implantação de laboratórios em todos os colégios militares do País e a formação de mais de 1.000 professores dessas instituições. O funcionamento do ProInfo se dá de forma descentralizada, existindo em cada unidade da Federação uma Coordenação Estadual, e os Núcleos de Tecnologia Educacional - NTE, dotados de infra-estrutura de informática e comunicação que reúnem educadores e especialistas em tecnologia de hardware e software. A partir de 12 de dezembro de 2007, mediante a criação do decreto n° 6.300 o ProInfo passou a ser Programa Nacional de Tecnologia Educacional, tendo como principal objetivo promover o uso pedagógico das tecnologias de informação e comunicação nas redes públicas de educação básica. No âmbito estadual, o ProInfo é coordenado pela Gestora do Setor de Educação a Distância, Zelda Simplício de Sales Caldas, contando com cinco NTE já em funcionamento e treze em fase de implantação, localizados em cada Município das Diretorias Regionais da Educação, da Cultura e dos Desportos - DIRED. O NTE é o parceiro mais próximo da escola no processo de inclusão digital, orientando os gestores, professores e alunos, quanto ao uso pedagógico das tecnologias em sala de aula, bem como na manutenção desses aparelhos. Funções Básicas dos NTE. O ProInfo Integrado é um programa de formação voltada para o uso didático-pedagógico das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) no cotidiano escolar, articulado à distribuição dos equipamentos tecnológicos nas escolas e à oferta de conteúdos e recursos multimídia e digitais oferecidos pelo Portal do Professor,
  7. 7. Revista Ciências da Educação 7 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 pela TV Escola e DVD Escola, pelo Domínio Público e pelo Banco Internacional de Objetos Educacionais. O contexto educacional passa por um momento de transformações, principalmente, devido ao desenvolvimento das novas tecnologias e, entre elas, podemos dizer que a Internet é a que mais tem provocado alterações nas práticas discursivas. Muitos estudos salientam as possibilidades pedagógicas que emergem da Internet, pois ela pode sim ser mais uma ferramenta útil no esforço de estreitar as relações entre os atores envolvidos no complexo processo ensino- aprendizagem. No presente trabalho investigamos a utilização do e-fórum educacional, pois, mostra como uma oportunidade ímpar para que os alunos possam se iniciar na elaboração de trabalhos. Para ajudar os educandos na tarefa de interagir com os outros colegas e também com os professores, sob a orientação do professor da disciplina, propôs aos alunos um e-fórum educacional, o qual durante todo o processo revela como um importante espaço de interação, na medida em que os educandos puderam (re) construir e (re) elaborar seus conhecimentos. Sendo assim, o referido gênero digital se mostrou como uma possibilidade adicional para a exploração dos conteúdos curriculares. Com base nisso, Os resultados demonstram que as interações no e-fórum favorecem a construção coletiva do conhecimento, uma vez que todos tiveram a oportunidade de discutir e trocar textos. Aprender a ensinar aos alunos a buscarem o conhecimento mesmo quando não estão nas salas de aula. Daí a importância da criação de um espaço, além da sala de aula, onde o educando se sinta à vontade para construir e reconstruir, elaborar e reelaborar seu conhecimento de acordo com sua habilidade e seu ritmo. O principal objetivo, defendido hoje, ao adaptar a Informática ao currículo escolar, está na utilização do computador como instrumento de apoio às matérias e aos conteúdos lecionados, além da função de preparar os alunos para uma sociedade informatizada. Este referencial curricular não se propõe a debater a organização dos conhecimentos escolares por disciplinas, visto que o processo de produção da ciência tem sido historicamente organizado dessa forma. Isso quer dizer que a
  8. 8. Revista Ciências da Educação 8 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 partir do objeto de estudo, estabelecemos conceitos que produzem novos conhecimentos sobre a informática. É a metodologia que deve ocupar papel principal nessa discussão, pois não importa o como se faz a pesquisa, o estudo, o ensino e a aprendizagem de um determinado objeto sem considerar as múltiplas relações que o constituem na realidade que também deve ser o foco da discussão pedagógica. Sabemos que diz Ivani Catarina Arantes Fazenda:“A atitude interdisciplinar não está na junção de conteúdos, nem na junção de métodos; muito menos na junção de disciplinas, nem na criação de novos conteúdos produtos dessas funções; a atitude interdisciplinar está contida nas pessoas que pensam o projeto educativo. Qualquer disciplina, e não especificamente a didática ou estágio, pode ser a articuladora de um novo fazer e de um novo pensar a formação de educador.” (FAZENDA, 1993:64) É o momento em que o professor passa a usar outras tecnologias, mas, apesar de seu olhar para fora da escola, ainda continua preso a ela. Os softwares de autoria são muito trabalhados, como também a Internet.porem, ainda do ponto de vista informativo, participa de alguns projetos colaborativos; entretanto busca trabalhar o conteúdo escolar. HEINECK propõe: “Os educadores têm que ser capazes de articular os conhecimentos para que o todo comece a ser organizado, e assim inicie-se a superação da disciplinarização, do saber imposto e distante da realidade vivida pelo educando. Uma prática interdisciplinar, certamente contribuirá para o forjamento de cidadãos conscientes de seus deveres e capazes de lutarem por seus direitos com dignidade. O coordenador não é apenas um facilitador, mas o coordenador do processo, ele deve perceber que o momento de mudar de etapas e de propiciar recursos necessários para impulsionaras engrenagens do processo, como por exemplo: a formação de professores e recursos necessários, como softwares. O uso da Internet nas escolas está delimitado, em sua maioria na pesquisa de informação. As pessoas esquecem que o grande potencial da Internet é a comunicação.
  9. 9. Revista Ciências da Educação 9 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 Entretanto, dentro de nossa visão de processo, isso é admissível. Em um primeiro momento, usamos a Internet como ferramenta e sua característica mais marcante que é o acesso à informação. Portanto, a internet revolucionou a maneira como as pessoas estão estudando, fazendo suas pesquisas e buscando novas oportunidades; a facilidade de acesso à informação proporcionada por ela alcança dimensões gigantescas e não dá mais para imaginar uma escola sem facilidade proporcionada por essa importantíssima ferramenta que abre novos horizontes para professores e alunos no cotidiano escolar. Segundo diversos autores da área de Educação, dos quais citam-se Lebovici & Deatkine (1985) e Rodrigues (1992), o ato de jogar é uma atividade muito importante na vida da criança. GOUVÊA (1999), “O professor será mais importante do que nunca, pois ele precisa se apropriar dessa tecnologia e introduzi-la na sala de aula, no seu dia-a-dia, da mesma forma que um professor, que um dia, introduziu o primeiro livro numa escola e teve de começar a lidar de modo diferente com o conhecimento – sem deixar as outras tecnologias de comunicação de lado. Continuaremos a ensinar e a aprender pela palavra, pelo gesto, pela emoção, pela afetividade, pelos textos lidos e escritos, pela televisão, mas agora também pelo computador, pela informação em tempo real, pela tela em camadas, em janelas que vão se aprofundando às nossas vistas...”. O principal objetivo, defendido hoje, ao adaptar a Informática ao currículo escolar, está na utilização do computador como instrumento de apoio às matérias e aos conteúdos lecionados, além da função de preparar os alunos para uma sociedade informatizada. Este referencial curricular não se propõe a debater a organização dos conhecimentos escolares por disciplinas, visto que o processo de produção da ciência tem sido historicamente organizado dessa forma. Isso quer dizer que a partir do objeto de estudo, estabelecemos conceitos que produzem novos conhecimentos sobre a informática. É a metodologia que deve ocupar papel principal nessa discussão, pois não importa o como se faz a pesquisa, o estudo, o ensino e a aprendizagem de um
  10. 10. Revista Ciências da Educação 10 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 determinado objeto sem considerar as múltiplas relações que o constituem na realidade que também deve ser o foco da discussão pedagógica. Sabemos que diz Ivani Catarina Arantes FAZENDA: “A atitude interdisciplinar não está na junção de conteúdos, nem na junção de métodos; muito menos na junção de disciplinas, nem na criação de novos conteúdos produtos dessas funções; a atitude interdisciplinar está contida nas pessoas que pensam o projeto educativo. Qualquer disciplina, e não especificamente a didática ou estágio, pode ser a articuladora de um novo fazer e de um novo pensar a formação de educador.” (FAZENDA, 1993:64). É o momento em que o professor passa a usar outras tecnologias, mas, apesar de seu olhar para fora da escola, ainda continua preso a ela. Os softwares de autoria são muito trabalhados, como também a Internet.,porem, ainda do ponto de vista informativo, participa de alguns projetos colaborativos; entretanto busca trabalhar o conteúdo escolar. HEINECK propõe: “Os educadores têm que ser capazes de articular os conhecimentos para que o todo comece a ser organizado, e assim inicie-se a superação da disciplinarização, do saber imposto e distante da realidade vivida pelo educando. Uma prática interdisciplinar, certamente contribuirá para o forjamento de cidadãos conscientes de seus deveres e capazes de lutarem por seus direitos com dignidade. O coordenador não é apenas um facilitador, mas o coordenador do processo, ele deve perceber que o momento de mudar de etapas e de propiciar recursos necessários para impulsionaras engrenagens do processo, como por exemplo: a formação de professores e recursos necessários, como softwares. O uso da Internet nas escolas está delimitado, em sua maioria na pesquisa de informação. As pessoas esquecem que o grande potencial da Internet é a comunicação. Entretanto, dentro de nossa visão de processo, isso é admissível. Em um primeiro momento, usamos a Internet como ferramenta e sua característica mais marcante que é o acesso à informação. Portanto, a internet revolucionou a maneira como as pessoas estão estudando, fazendo suas pesquisas e buscando novas oportunidades; a facilidade de acesso à informação proporcionada por ela alcança dimensões
  11. 11. Revista Ciências da Educação 11 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 gigantescas e não dá mais para imaginar uma escola sem facilidade proporcionada por essa importantíssima ferramenta que abre novos horizontes para professores e alunos no cotidiano escolar. Segundo diversos autores da área de Educação, dos quais citam-se Lebovici & Deatkine (1985) e Rodrigues (1992), o ato de jogar é uma atividade muito importante na vida da criança. GOUVÊA (1999), “O professor será mais importante do que nunca, pois ele precisa se apropriar dessa tecnologia e introduzi-la na sala de aula, no seu dia a dia, da mesma forma que um professor, que um dia, introduziu o primeiro livro numa escola e teve de começar a lidar de modo diferente com o conhecimento – sem deixar as outras tecnologias de comunicação de lado. Continuaremos a ensinar e a aprender pela palavra, pelo gesto, pela emoção, pela afetividade, pelos textos lidos e escritos, pela televisão, mas agora também pelo computador, pela informação em tempo real, pela tela em camadas, em janelas que vão se aprofundando às nossas vistas...” Referências Bibliográficas (*) Andrade, P.F. (1996); Programa Nacional de Informática Educativa. A utilização da Informática na escola pública brasileira. (1970-2004); MEC: Secretaria de Educação a Distância. http://www.proinfo.gov.br/prf_historia.htm. BORBA, Marcelo C. e PENTEADO, Miriam Godoy - Informática e Educação Matemática - coleção tendências em Educação Matemática - Autêntica, Belo Horizonte - 2001 FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. São Paulo: Loyola, 1993.
  12. 12. Revista Ciências da Educação 12 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 FLORES, Angelita Marçal - A Informática na Educação: Uma Perspectiva Pedagógica – monografia- Universidade do Sul de Santa Catarina 1996 - http://www.hipernet.ufsc.br/foruns/aprender/docs/monogr.htm (nov/2002) FRÓES, Jorge R. M.Educação e Informática: A Relação Homem/Máquina e a Questão da Cognição - http://www.proinfo.gov.br/biblioteca/textos/txtie4doc.pdf GALLO, Sílvio (1994). Educação e Interdisciplinaridade; Impulso, vol. 7, nº 16. Piracicaba: Ed. Unimep, p. 157-163. GOUVÊA, Sylvia Figueiredo-Os caminhos do professor na Era da Tecnologia – Acesso Revista de Educação e Informática, Ano 9 - número 13 - abril 1999. HEINECK, Dulce Teresinha - A Interdisciplinaridade no processo ensino- aprendizagem -http://www.unescnet.br/pedagogia/direito9.htm ( nov/2002) JONASSEN, D. (1996), "Using Mindtools to Develop Critical Thinking and Foster Collaborationin Schools – Columbus KERCKHOVE, D.A Pele da Cultura. Lisboa: Relógio d’Água, 1997. REFERÊNCIA COMPLEMENTARES BORBA, Marcelo C. e PENTEADO, Miriam Godoy - Informática e Educação Matemática - coleção tendências em Educação Matemática - Autêntica, Belo Horizonte - 2001 Pesquisas feitas através do Google (www.google.com.br).

×