Revista Construindo Santa Catarina Edição N° 10

1.649 visualizações

Publicada em

Revista Construindo Santa Catarina (3 fotos)
A Revista Construindo Santa Catarina, publicação da Editora Destaques Catarinenses Ltda, teve sua primeira publicação em dezembro de 2008. A linha editorial esta voltada para a divulgação de informações da construção civil do estado de Santa Catarina.

http://issuu.com/editoradestaques/docs/construindo_10?mode=window&backgroundColor=%23222222

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.649
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista Construindo Santa Catarina Edição N° 10

  1. 1. RevistaAno IV | Nº 10 | R$ 9,90 | Editora Destaques Catarinenses | SANTA CATARINAR$3 Bilhõespara aquecer a economia do Estado Madeira ecológica é destaque em empreendimento de Santa Catarina Começam as obras na Ponte Estaiada de Laguna e no Aeroporto Hercílio Luz Como será Blumenau em 2050 CONSTRUINDO SANTA CATARINA 1
  2. 2. 2 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  3. 3. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 3
  4. 4. 4 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  5. 5. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 5
  6. 6. Sumário * 15° FEIRA INTERNA CIONAL DA CONSTR UÇÃO - CONSTRUSUL Local: FIERGS - Port o Alegre -RS Data: 01/08/2012 - 04/08/2012 Site: http://www.feira © 2008 Go Squared Ltd. construsul.com.br * 19° SALÃO DO IMÓ VEL - CONSTRUFAIR Local: CENTROSUL - SC Data: 21 a 26/08/20 12 Site: www.construfairs c.com.br * ENINC - ENCONT RO NACIONAL PAR CONTRUÇÃO CIVIL A INOVAÇÃO NA Local: Parque de Exp - LONDRINA - PR osições Ney Braga - Recinto José Gracia Molina Data: 20 a 21/09/20 12 Site: www.eninclondri na.com.br * EXPOACABAMEN TO -FEIRA DE ACABAM ENTOS PARA CONSTRUÇÃO Local: FIERGS - Port o Alegre -RS Data: 18/10 a 21/10/20 Site: http://expoaca 12 bamento.com.br 07 Palavra do Presidente Medidas legais contra impostos 36 Cidades/Planejamento Blumenau preparada para 2050 08 A força da indústria da Construção Civil Tecnologia verde na Rio+20 44 Capa Compensação à guerra fiscal 20 Empreendimento em Destaque O prédio mais alto da América do Sul 49 CREA Lançado o Catálogo Empresarial 22 Mercado Imobiliário As vantagens do corretor de imóveis 52 Inovação e Tecnologia Microgeração de energia é viável 24 Governo/Financiamento R$ 100 bilhões para casa própria em 2012 54 Sinduscon A força do associativismo 26 Mulheres na Construção Um mercado promissor 65 Artigo Empresas viciadas e a não qualidade 32 Governo/Infraestrutura Ponte estaiada em Laguna sai do papel 82 Evento Caminhão-escola em Brusque Ficha Técnica: Relação dos Presidentes dos Sinduscons do Estado de Santa Catarina Diretor geral: José Chaves Conselho editorial: José Chaves, Sheila R. Oliveira e Hélio César Bairros Editor e jornalista responsável: Dor- Balneário Camboriú: Carlos Haacke; Blumenau: Amauri Alberto va Rezende (DRT-RS 6220) Textos e pesquisas: Aline Felkl, Beatrice Buzzi; Brusque: Ademir Pereira; Chapecó: Lenoir Broch; Criciú- Gonçalves, Mateus Boing e assessorias Editor de Arte: Rodrigo Kurtz ma: Jair Paulo Savi; Grande Florianópolis: Helio Bairros; Itajaí: - eu@rodrigokurtz.com Produção: Elsa A. R. Matos - producao@ José Carlos Santos Leal; Itapema: João Formento; Jaraguá editoradestaques.com.br Comercialização: Rosângela Rosário - do Sul: Paulo Obenaus; Joinville: Luis Carlos Presente; Lages: publicidade2@editoradestaques.com.br, Dilma G. da Silva Machado Albraino da Silva Brazil; Rio do Sul: Arno Nardelli; São Miguel - publicidade@editoradestaques.com.br do Oeste: Ivo Bortolossi; Tubarão: José Sylvio Ghisi. Editora Destaques Catarinenses Ltda. www.construindosc.com.br www.twitter.com/construindosc Rua Manoel Loureiro, 470 | São José | SC | CEP 88117-330 | www.facebook.com/editoradestaques Fone: (48) 3246-5972 e 3258-88596 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  7. 7. Palavra do PresidenteArma legal contra impostos ilegais .dtL derauqS oG 8002 © Amauri Alberto Buzzi Presidente do Sinduscon de Blumenau A s reformas necessárias ao país – questionando com medidas legais cabí- tributária, administrativa, política veis todo ato do poder público que impli- e trabalhista – estão sempre pre- que majoração ilegal ou inconstitucional sentes no discurso político. Há sempre dos tributos. Com essa posição pela de- expectativa pela redução dos custos da fesa dos direitos do associado, em 2006, máquina pública, tão cara aos cida- o Sinduscon constituiu assessoria jurídi- dãos, seja com a burocracia ou com ca voltada a diversas questões legais, em a tributação em cascata. Tudo especial a tributária. como forma de assegurar os re- A partir daí, nossos advogados ingres- cursos para atender ao pesado saram com mandados de segurança cole- Estado brasileiro. tivo contra o aumento da base de cálculo Por outro lado, a imprensa do ISS, das contribuições previdenciárias nos traz quase diariamente e do PIS/Confins, entre outros assuntos. notícias sobre improbida- Algumas ações já deram resultado, como des, interesses espúrios, o fim da cobrança de INSS sobre o aviso locupletação, fisiologismo, prévio indenizado. casuísmo, superfatura- Recentemente, também obtivemos mento, fraudes, alimentos êxito em tribunais superiores na ques- apodrecendo, remédios tão da incidência de ISS sobre materiais vencendo, estradas e pon- e subempreitadas. Com isso, empresas tes precárias, escolas ina- associadas de Blumenau, Indaial e Timbó dequadas e professores estão autorizadas a não mais recolherem muito mal pagos e ruins, o ISS na forma pretendida pelas prefeitu- saúde calamitosa, salários ras. astronômicos de assessores Outro êxito jurídico do Sinduscon de parlamentares, etc. Blumenau se deu em relação à tributação Em razão disso, muitas ve- das receitas financeiras pelo PIS/Cofins. zes não restam alternativas a não A Justiça acatou nosso mandado de se- ser nos defendermos do Leviatã gurança coletivo, ou seja, agora não são (como Thomas Hobbes chamava o mais tributáveis pelo PIS/Cofins os juros Estado). O Sindicato da Indústria da cobrados em financiamentos promovidos Construção Civil (Sinduscon) de Blu- pela própria incorporadora. menau coloca à frente de suas A atuação do sindicato se dá sempre realizações uma através de mandado de segurança cole- postura pró- tivo, uma vez que se trata de medida que -ativa, beneficia todos os associados de forma indistinta, além de gerar custos ínfimos e evitar os ônus da sucumbência proces- sual. Além disso, esse instrumento jurídi- co gera efeitos aos associados futuros. Se à época de determinada decisão a empre- sa não era associada, associando-se pas- sa a usufruir dos benefícios obtidos com a vitória judicial. Sinduscon de Blumenau constituiu uma assessoria jurídica para questionar cobranças tributárias inconstitucionais CONSTRUINDO SANTA CATARINA 7
  8. 8. A força da indústria da Construção Civil © 2008 Go Squared Ltd. Tecnologia O impacto ambiental de prédios e cidades, causado por diversos materiais e serviços ligados ao Verde e a setor da Construção Civil, por conta de suas características, ganhará uma nova ferramenta para sua redução: a Rio + 20 criação de um grupo de trabalho sobre construção sustentável com o objetivo de implementar conceitos, indicado- res e metas para o uso de recursos naturais, eficiência energética e redu- ção das emissões de gases de efeito estufa. Essa será a principal proposta que a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), o Conselho Bra- sileiro de Construção Sustentável (CBCS), a Confederação Internacional de Construtores e o Conselho Empre- sarial Brasileiro para o Desenvolvi- mento Sustentável (CBEDS) apresen- tarão em evento paralelo à Rio+20, no dia 17 de junho. Segundo o presidente do Conselho Brasileiro da Construção Sustentá- vel, Marcelo Takaoka, a construção tem participação muito importante no desenvolvimento sustentável. “É mais fácil trabalhar com setor que8 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  9. 9. integra as indústrias. Nós construímos grande poluidor. “O setor mostra que as cidades com base na atuação das é depredador da natureza, emissor de outras áreas. Podemos melhorar a efi- gases, desperdiça materiais”, afirmou. ciência de consumo de energia em até Em seu entendimento a RIO + 20 será Empresários do setor 30%”, disse Takaoka. Experiências de uma oportunidade para mudar essadiscutirão novos concei-tos e modelos construti- outros paises - como a de Masdar City, situação no Brasil e no mundo todo.vos em evento paralelo à nos Emirados Árabes, visitada por uma Grandes empresas já executam reunião da ONU missão de empresários catarinenses seus projetos alinhadas aos novos no final de 2011 e da China, onde serão conceitos. Porém isso se faz neces- construídas diversas novas cidades sário realizar também por pequenos e considerando novos conceitos cons- médios empreendedores que repre- trutivos e de alta inovação tecnológica sentam mais de 170 mil em todas as - serão discutidas e servirão de ponto regiões do País. O projeto de constru- de partida para os estudos futuros. ção sustentável, que é modelo para a O presidente da Câmara Brasileira CBIC, teve a participação de todos os da Indústria da Construção, Paulo setores. Cada um com código de obra, Safady Simão, destaca algumas das tributação, entrosamento entre setor, atrações do evento. O arquiteto que ciência e academia. Inovação, para a está fazendo um projeto exemplar em CBIC é a palavra de ordem. Masdar City estará presente. A CBIC “As pequenas e médias empresas, irá levar à ONU um documento final embora tenham avançado em seus com uma proposta ousada, de forma- procedimentos construtivos, preci- ção de um grupo mundial sob coorde- sam continuar evoluindo com maior nação da organização. A ONU, a partir rapidez. O espaço urbano de toda a daí, deve determinar os conceitos, in- cidade deve ser pensado para que os dicadores e metas para um projeto de efeitos sejam minimizados no menor construção sustentável no mundo. De tempo possível. O mundo tem urgência acordo com Safady Simão, o setor pre- nesses resultados”, destacou Safady cisa mudar a impressão de que é um Simão. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 9
  10. 10. A força da indústria da Construção CivilConstrução sustentável © 2008 Go Squared Ltd. :: Paulo Safady Simão D uas décadas depois da Cúpu- Janeiro. As expectativas sobre o even- la da Terra - que ficou para a to são proporcionais à dimensão dos história como Eco 92 -, os olhos problemas que a comunidade inter- Presidente da Câmara de todo o mundo se voltam mais uma nacional precisa resolver. Brasileira da Indústria da vez para o Rio de Janeiro. Consciente desse quadro crítico, a Construção Nos últimos 20 anos, a situação da indústria da construção vem buscan- vida no planeta agravou-se sensi- do, ao longo das últimas décadas, velmente e as perspectivas para adequar-se com celeridade aos novos as próximas gerações, a partir da paradigmas da economia verde. avaliação dos mais renomados cien- Entendemos que o setor, pela posição tistas do mundo, são cada vez mais central que ocupa na economia, pode dramáticas. O cenário futuro, caso assumir uma posição de liderança não operemos mudanças urgentes, nessa mudança que esperamos ver será de catástrofes climáticas, fome, operada globalmente. migrações em massa. Questões fundamentais, que dizem É nesse contexto que cerca de 150 respeito ao desenvolvimento susten- chefes de Estado e outras 50 mil pes- tável, à melhoria das condições de soas - entre diplomatas, jornalistas, vida da sociedade, à infraestrutura empresários, políticos e militantes produtiva do país e à redução das ambientais - são esperados no Rio de desigualdades, passam - necessaria-10 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  11. 11. mente - pela construção. um novo patamar de industrialização, podem contribuir como referência Esse segmento econômico, que sustentabilidade ambiental, alta efi- para a formulação de programasrepresenta, no Brasil, uma cadeia ciência e produtividade. semelhantes em outros países emprodutiva com 11 milhões de empre- É com o propósito de provocar uma desenvolvimento.gos gerados e que é responsável por reflexão sobre esse tema que a Câma- Ainda há, no caso da realidade bra-8,1% do PIB, pode ser o indutor da ra Brasileira da Indústria da Constru- sileira, longo caminho a ser percorridomudança entre o modelo tradicional ção, juntamente com a Confederation antes que consigamos universalizarde desenvolvimento para um novo of International Contractor’s Associa- a prática da construção sustentávelparadigma de economia. O aumento tions e a Federación Interamericana entre as empresas, os governos e osda eficiência energética das edifi- de la Industria de la Construcción, consumidores. Essa é uma realidadecações, o reuso da água, a redução com apoio do Conselho Brasileiro que está praticamente restrita aono consumo de recursos naturais, a para o Desenvolvimento Sustentável universo das grandes construtoras.erradicação do deficit habitacional, a (CEBDS), vão promover, dentro da Para mudarmos esse patamar, seráuniversalização da coleta e tratamen- Rio%2b20, um amplo debate, reu- necessário atuar no fomento a políti-to de esgotos, entre uma série de ou- nindo alguns dos mais importantes cas públicas e setoriais e no incremen-tras questões que afligem as cidades especialistas no mundo. to a uma nova legislação que acolha emodernas, encontram na construção Acreditamos que as propostas de estimule a inovação. Mas os primeirosum caminho de superação. políticas públicas desenvolvidas no passos já foram dados. Mas, para ocupar esse espaço, a Brasil, no âmbito do Programa Cons- A nossa perspectiva, ao realizarindústria da construção no Brasil e nos trução Sustentável - resultado de mais esse side event, é propiciar umapaíses em desenvolvimento precisa se de dois anos de trabalhos de espe- reflexão global sobre como reduzirmodernizar, investir em pesquisa e em cialistas e representantes da cadeia as distâncias entre os países ricos enovas tecnologias; sair do paradigma produtiva, da academia, de centrais aqueles em desenvolvimento por meiode um setor de baixa qualificação, in- sindicais e outras organizações da da engenharia, da inovação tecnológi-tenso em consumo de materiais, para sociedade civil e do poder público -, ca, da construção sustentável. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 11
  12. 12. 12 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  13. 13. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 13
  14. 14. A força da indústria da Construção Civil A construção civil, pode e pretende liderar a mudança O setor gera um terço de emissão © 2008 Go Squared Ltd. mundial dos gases de efeito estufa. Produtos como aço e cimento, res- ponsáveis por alta poluição, o diesel utilizado no transporte dos materiais, os resíduos sólidos, são alguns dos fa- tores que contribuem para o aumento negativo dos impactos ambientais. Até o ano de 2030, poderemos ter o dobro das emissões produzidas atualmente, se medidas no sentido da economia verde não forem implementadas. Aproveitando a RIO + 20 (Conferên- cia das Nações Unidas para a preser- vação do Meio Ambiente), através da Plataforma Global do Ciclo de Vida para Construções Sustentáveis, a ONU abrirá oportunidade para uma grande avaliação universal sobre os impactos Prédios verdes, ambientais decorrentes das atividades do segmento. O Conselho Brasileiro de Constru- ção Sustentável levará à RIO+20 uma um caminho irreversível proposta para a criação de um painel internacional com a participação de empresas, governos, universidades e ONGs, para definir uma ferramenta Brasil ocupa a quarta posição mundial em número de capaz de agilizar a avaliação do ciclo empreendimentos sustentáveis de vida de produtos e serviços usados no setor. Nos mercados emergen-A s mudanças são indispensáveis edifício comercial Eldorado Business tes, tais dados não existem, mas são para a preservação do meio am- Tower (em São Paulo), que obteve indispensáveis para a elaboração de biente. Em 94% dos negócios, certificado Leed de sustentabilidade um sistema público, aberto e gratuito,os compradores de imóveis, já con- da ONG Green Building Council, onde que garanta um nível de informaçõessideram como importante nas suas se considera ter economizado 30% qualificadas, possibilitando o direcio-decisões, o fator preservação ambien- de energia e conseguido uma redução namento para a decisão de compra detal. Prédios com selo verde podem de 50% na conta de água em 2011. produtos e serviços visando a susten-proporcionar uma economia em água, Quem repassa esses dados é o CTE tabilidade. A Construção Civil vai, cadaluz e outros insumos nos condomí- (Centro de Tecnologia de Edificações), vez mais, passar a construir levandonios, possibilitando em poucos anos que prestou consultoria para o proje- em conta a eficiência energética doa recuperação do maior investimento to, localizado na avenida das Nações imóvel, a redução do consumo deinicial. O Brasil ocupa o quarto lugar Unidas. água, o uso de materiais reciclados,no mundo, com 524 empreendimentos A preocupação com o impacto o reaproveitamento de seus resíduossustentáveis, depois de Estados Uni- ambiental faz a cabeça de adminis- sólidos e a minimização dos impactosdos, Emirados Árabes e China. tradores e arquitetos, no entanto a ambientais durante as obras. Segundo pesquisa da Confede- possibilidade de um marketing mais Cidades do Brasil, de pequenosração Nacional da Indústria (CNI) agressivo também determinam deci- a grandes portes, como Palhoça emrealizada em maio, o percentual de sões nesse sentido. O custo poderá Santa Catarina e o Rio de Janeiro, têmpessoas preocupadas com o am- variar entre 2% e 7% a mais do que novas leis em andamento, para in-biente passou de 80% em 2010 para em prédios convencionais, valor que centivar as construções sustentáveis,94% em 2011. Em São Paulo, 47% será plenamente compensado pelos permitindo um melhor uso do solo edos lançamentos terão selo verde. ganhos em economia no condomínio simultaneamente atender as expecta-A maioria dos estados brasileiros, logo nos primeiros anos de operação tivas dos construtores e da população.como Santa Catarina, Paraná, Rio do empreendimento. Mas o maior Os exemplos estão em todo o país ede Janeiro e outros, seguem o mes- resultado ficará a favor da vida e da certamente produzirão resultados nosmo caminho. Um bom exemplo, é o natureza. próximos anos.14 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  15. 15. Indústria da construção, solução para o crescimento sustentável A 84ª edição do ENIC (Encontro Nacional da Indústria da Construção), promovida pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), no final de junho em Belo Horizonte, reunirá as maiores autoridades sobre o assunto, a presidente da República, ministros, sindicatos da Construção Pesada e Civil, empresários de todo o Brasil para debater, lançar luz e levantar propostas sobre solução e inovação para essa ativi- dade geradora de renda e de tributos e que tem sido propulsora de crescimento maior do PIB brasileiro. Sobre o primeiro trimestre de 2011, o PIB da Construção cresceu 3,3% contra 0,8% do Brasil, segundo dados do IBGE. Enfim, o ENIC servirá como um encontro para buscar os melhores caminhos para resolver as grandes questões nacionais para obras de saneamento, infraestrutura, moradia sustentável, indústrias, empregos e mui- to mais. Santa Catarina estará represen- tada e contribuirá para o enriquecimento desta importante atividade. FITA MEDIDAS: 12X50M R 16X50M CREPE 19X50M CHIMAS 25X50M 38X50M FITAS ADESIVAS 50X50M IDEAL PARA PINTURA USO GERAL(47) 3328 3100 comercial@chimas.com.br www.chimas.com.br CATARINA CONSTRUINDO SANTA 15
  16. 16. Pedra Branca © 2008 Go Squared Ltd.Primeiro bairro C om uma população jovem e -dormitório para se tornar uma das ativa – mais da metade dos mais dinâmicas do país. Pautado nos cerca de 135 mil habitantes princípios do Urbanismo Sustentável,sustentável da têm menos de 30 anos –, o municí- pio de Palhoça tem crescido nos úl- o empreendimento já é considerado o ‘bairro do futuro’, onde as pessoasAmérica Latina timos anos no ritmo da juventude de seus moradores. De 1990 para cá, o poderão morar, trabalhar, estudar e se divertir a curtas distâncias, a pé ouestá em número de habitantes cresceu mais do que nos 98 anos anteriores e a de bicicleta, sem tirar o carro da ga- ragem. Segundo Marcelo Gomes, di-construção em arrecadação municipal mais do que retor da Cidade Pedra Branca, a meta dobrou na última década. Muito des- “é ser um dos melhores lugares para se crescimento populacional e eco- se viver até 2020”.Palhoça nômico está calcado no surgimento de empreendimentos imobiliários Apenas um ano e meio após o lan- çamento do novo ‘centro de bairro’ diferenciados, como a Cidade Sus- – como está sendo chamada estaQualidade de vida e tentável Pedra Branca, considera- etapa do empreendimento e que con- do o primeiro bairro sustentável da grega 48 quadras – foram lançadosgarantia de negócios América Latina e que num horizonte 11 edifícios, que já estão em cons-promissores atraem de 15 a 20 anos deve abrigar 30 mil trução. São mais de 100 mil m² emmoradores e investidores pessoas em 1,7 milhão de m² de área obras envolvendo 500 trabalhadores. construída. Entre eles, 15 engenheiros dedicadosà Pedra Branca Projetos audaciosos e de gran- exclusivamente para dar andamen- des dimensões como este da Pedra to ao bairro que terá infraestrutu- Branca, escolhido pelo ex-presidente ra de cidade com áreas residencial, americano Bill Clinton para integrar empresarial, de comércio, cultura e o Programa de Desenvolvimento Po- lazer. “As obras estão em ritmo ace- sitivo do Clima, contribuíram para lerado e o projeto começa a se tornar alavancar o desenvolvimento de palpável, visível às pessoas”, destaca Palhoça, que deixou de ser cidade- Gomes.16 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  17. 17. Lançamento da Pedra Branca alia bem-estar e lazer com praticidade e tecnologia para toda a família Pensada para as pessoas, a Cida- a vida moderna, aliando bem estarde Sustentável Pedra Branca apos- e lazer com praticidade e tecnologiata no urbanismo sustentável como para toda a família”, explica o arqui-oportunidade para um novo estilo teto André Schmitt.de vida. Na nova área central, edifí- O novo edifício terá uma infraes-cios residenciais, comerciais e em- trutura completa para toda a famíliapresariais promovem uma mistura e detalhes que facilitam o cotidiano,saudável para as pessoas terem como internet sem fio nas áreas detudo a poucos passos de distância. lazer, moderno sistema de janela“O que estamos vendendo não são panorâmica, que melhora a ventila-apartamentos ou salas comerciais, ção e iluminação do apartamento eé um endereço com a oportunidade espaço exclusivo para cuidados dede morar, trabalhar, estudar e se animais de estimação. Além disso,divertir no mesmo lugar. A proposta as áreas comuns Smart Club (es-da Pedra Branca é o acolhimento”, paço com piscinas adulto, infantilenfatiza Valério Gomes, idealizador e SPA), Smart Play (sala de jogos,do empreendimento. cinema, lan house, brinquedoteca, O próximo lançamento do grupo biblioteca e playground), Smart Pla-é um exemplo deste pensamento. ce (espaço goumert, longe bar, fit-Chamado de Smart Residence, o ness e sauna) e Smart Square (localedifício residencial terá opções com de leitura, praça de fogo, espelhos2, 3 ou 4 dormitórios e estará inte- d’água e horta) são a garantia degrado ao Passeio Pedra Branca, um descontração e diversão para todos.futuro shopping a céu aberto comlojas, restaurantes, e serviços. “Éessa integração que está no DNA da Conheça mais do próximo lança-Pedra Branca, e que permite se criar mento da Pedra Branca no show-o senso de comunidade. Além disso, room no empreendimento ou no siteo empreendimento foi pensado para www.smartpedrabranca.com.br . CONSTRUINDO SANTA CATARINA 17
  18. 18. 18 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  19. 19. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 19
  20. 20. Empreendimento em Destaque © 2008 Go Squared Ltd.BalneárioCamboriúprojeta erguerprédio maisalto daAmérica do SulEmpreendimento com240 metros e 66 andaresvai superar edifício emSantiago do Chile A uri Pavone, secretário de planejamento de Balneário Camboriú, se or- gulha de dizer que o município catarinense tem um plano diretor que não estabelece limites de altura em suas construções à beira da praia. A cidade litorânea tem uma população fixa de 108 mil habitantes, mas a quantidade de edifícios equivale à de uma cidade com mais de um milhão de moradores. No Brasil, o município de 46 km² de área é, proporcionalmente, o mais ver- ticalizado do país. O plano diretor não impede execuções de obras, desde que erguidas dentro dos padrões de ocupação limitados em 40% do terreno. O projeto Infinity Coast, da FG Engenharia, um edifício com 240 metros de altura e 66 andares, irá superar o Titanium La Portada, de Santiago do Chile, com 52 andares e 194 metros -  considerado, atualmente, o mais alto do con- tinente sul-americano. A empresa de engenharia tem sede em Balneário Camboriú e dispõe do terreno, localizado na Barra Norte. Recentemente, foram promovidas pros- pecções geológicas que confirmam a possibilidade de o projeto Infinity Coast seja concluído até 2015.20 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  21. 21. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 21
  22. 22. Mercado Imobiliário © 2008 Go Squared Ltd.Conheça o trabalhodo corretor de imóveis e suasvantagensO trabalho de comprar e vender Como escolher imóveis pode até parecer uma Por lidar não apenas com o patrimônio, tarefa fácil. As atividades, po- mas também com as expectativas derém, exigem preparo e competência, seus clientes, é que o trabalho de umsendo necessária muita atenção para corretor exige preparo e capacitação.garantir o sucesso de todas as etapas Independente da modalidade, qualquerde uma transação imobiliária. Nessa negociação imobiliária exige cuidadoshora, o papel do corretor de imóveis se e, por isso, a escolha de um bom profis-destaca como uma eficaz alternativa sional faz toda a diferença. Ao buscarpara quem pensa em comercializar ca- por corretores imobiliários, certifique-sas e apartamentos. -se de que o profissional está devida- mente inscrito no Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (CRECI) de seu estado. O órgão é o responsável por Quem é o corretor de imóveis? regulamentar a profissão e serve comoO corretor de imóveis é um profissional ponto de partida para encontrar e con-especializado no mercado imobiliário e tratar corretores de confiança. O corretor está apto alegalmente habilitado para intermediar avaliar imóveis e definirnegociações de compra, venda e alu- Vantagens preços, a partir de fatoresguel de imóveis. Seu trabalho é facilitar Para compreender a importância do como a valorização doo contato entre proprietários e compra- trabalho de assessoria imobiliária, é bem, concorrência, ofertadores, oferecendo serviços de assesso- preciso conhecer quais as vantagens e demanda. Sua pesquisaria durante todo o processo. Para quem oferecidas por essa atividade, tais visa chegar à melhor rela-pensa em vender imóveis, o trabalho como: Como um bom conhecedor do ção de custo x benefíciode um corretor visa facilitar o encontro mercado imobiliário, o corretor estácom pessoas interessadas, buscando apto a avaliar imóveis e definir preços,as melhores e mais lucrativas propos- a partir de fatores como a valorizaçãotas. Já para quem quer comprar casas do bem, concorrência, oferta e deman-e apartamentos ou, até mesmo, alugá- da. Sua pesquisa visa chegar à melhor-los, o corretor ajuda a buscar por imó- relação de custo x benefício, estabele-veis que se encaixem em suas necessi- cendo valores justos (seja para quemdades e, é claro, orçamento. vende, seja para quem compra).22 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  23. 23. profissional é encarregado de verifi- car a situação financeira do possível comprador, a fim de garantir a segu- rança de seu negócio. Divulgação Cabe ao corretor a tarefa de divulgar Praticidade e tempo a comercialização de seu empreendi- Agendar visitas, entrar em contato mento, de uma forma eficaz e abran- com interessados, realizar vistorias gente. Para isso, é possível recorrer e apresentar o imóvel são atividades aos mais diversos meios e mídias, que exigem tempo e disposição. Todo desde a utilização de faixas em frente esse trabalho, no entanto, é realiza- ao imóvel, em mídias sociais, jornais do pelo corretor, que fica à disposi- e televisão. Dessa forma, a atividade ção dos interessados até que todas do corretor visa aumentar o número as etapas da comercialização sejam Avaliação correta do imóvel de propostas e diminuir o tempo de finalizadas. Sendo assim, o proprie-Como um bom conhecedor do mer- espera para concretização do nego- tário do empreendimento fica livrecado imobiliário, o corretor está apto cio. para continuar seus afazeres diários,a avaliar imóveis e definir preços, a sem precisar se preocupar com essaspartir de fatores como a valorização Avaliação de propostas questões.do bem, concorrência, oferta e de- Especialmente na hora de vendermanda. Sua pesquisa visa chegar à imóveis é comum que surjam inúme- Documentaçãomelhor relação de custo x benefício, ras propostas, aparentemente, irre- Para completar, o trabalho do cor-estabelecendo valores justos (seja cusáveis. O problema é que a falta de retor de imóveis estende-se à partepara quem vende, seja para quem experiência e conhecimento pode pri- de legalização e documentação docompra). Outro benefício é que a ava- vá-lo de fechar negócios realmente imóvel. É ele quem oferece todo o su-liação realizada pelo corretor de imó- viáveis. Com a assessoria imobiliária, porte necessário para reunir os docu-vel conta com um laudo detalhado, é possível avaliar propostas, de uma mentos exigidos, informando órgãosem que são especificadas caracterís- forma rápida e eficiente. Isso porque responsáveis, taxas e normas envol-ticas do imóvel, a fim de justificar e é o próprio corretor quem cuida das vendo a transação imobiliária. Alémcomprovar os valores cobrados (pou- negociações, justificando preços, disso, o corretor ainda é pago parapando o trabalho de ter que respon- buscando oportunidades e, até mes- alertá-lo em casos de irregularida-der questionamentos infundados de mo, diferenciando propostas reais de des, poupando despesas desneces-possíveis compradores). meras especulações. Além disso, o sárias e muitas dores de cabeça. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 23
  24. 24. Governo | FinanciamentosCrédito para casa © 2008 Go Squared Ltd. Financiamento em 2011 atingiu R$ 80 bilhões própria pode A Caixa Econômica Federal nas taxas estão valendo e deverão deverá conceder até R$ 100 ser mantidos nas agências de todo chegar a R$ 100 bilhões em crédito imobiliá- rio neste ano, segundo anunciou o o país. As linhas de financiamento imobi-bilhões em 2012 presidente da instituição, Jorge He- reda, durante abertura do 8 Feirão liário atendem a todas as faixas de renda familiar, com prazo de pa- da Casa Própria em São Paulo. “Em gamento de até 35 anos, conforme 2012, deveremos chegar a conceder informou a Caixa. Os juros podem de R$ 96 bilhões a R$ 100 bilhões”, variar, dentro do SFH, de 4,6% ao informou o presidente. ano até 9% ao ano, para todas as Em abril, a previsão do banco modalidades de financiamento. era de o volume de empréstimos alcançasse R$ 90 bilhões no ano, Taxas de juros considerando todas as linhas de Questionado se estariam previs- crédito operadas pela Caixa na área tas novas reduções nas taxas de ju- habitacional. ros, o presidente da Caixa disse que Considerando apenas os feirões sempre que possível, ocorreriam, da Caixa, realizado em 13 cidades, sem dar mais detalhes. “A gente deverão ser contratados R$ 15 sempre vai passar os ganhos que bilhões em 2012 – previsão supe- tivermos para os clientes”. A propa- rior aos R$ 10 bilhões concedidos ganda do ex-jogador de futebol Raí, no ano anterior. A aposta do banco e da atriz Camila Pitanga, sobre re- para o aumento das contratações dução dos juros, é importante para neste ano vem, principalmente, das esclarecimento do público na hora reduções das taxas de juros adota- de decidir e transformar o sonho da das nas últimas semanas. Os cortes casa própria em realidade. O presidente da Caixa, Jorge Hereda, abriu o Feirão ao lado da atriz Camila Pitanga e do ex-jogador Raí. (Foto: Anay Cury/G1)24 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  25. 25. QUANTO MAIS SÃO JOSÉ CRESCE, MAIS A GENTE SE APROXIMA.A Câmara Municipal de São José quer ficar ainda mais perto de você, por isso criou e aprovou inúmeros projetos,eventos e programas para o benefício de todos os josefenses. E ficar mais perto é estar sempre ao seu lado, levandotudo que a nossa gente precisa para uma vida melhor. Vamos juntos fazer mais um grande ano pelo nosso município.CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ.CADA VEZ MAIS PERTO DE VOCÊ. } Câmara Municipal de São José Santa Catarina www.cmsj.sc.gov.br CONSTRUINDO SANTA CATARINA 25
  26. 26. Mulheres na Construção © 2008 Go Squared Ltd. Mercado Promissor Os cursos de formação profissional do setor incentivam vagas para ambos os sexos, abrindo um maior espaço para a participação feminina U ma mulher pode não ter estrutura para carregar um saco de cimen- to, mas é mais competente que o homem em algumas funções. As ceramistas têm participação muito grande no mercado de trabalho no Nordeste do país. Além do capricho, elas são mais assíduas e dificil- mente se envolvem com consumo de bebidas e drogas. As mulheres tam- bém têm mais facilidade de se adaptar ao trabalho em equipe. Os elogios ao trabalho feminino estão ficando cada vez mais comuns nas obras pelo Estado da Santa Catarina, porém ainda não é regular a contratação, por vários motivos, de mulheres nos empreendimentos imobi- liários. O principal é a falta de cultura, pois os ambientes de trabalho ainda são quase que exclusivos aos homens. Com a mudança rápida na evolução das técnicas construtivas, tornando a mão de obra menos dependente de força física nas operações realizadas, as mulheres vêm ganhando oportu- nidades. Nos últimos tempos, os cursos de formação profissional do setor permitem e incentivam vagas para ambos os sexos, abrindo um maior espaço para a participação feminina.26 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  27. 27. A falta de mão de obra estimula uma maior contratação Aos poucos, os setores de recur- sos humanos das empresas, até por falta de opções, terão que desenvol- ver iniciativas buscando a contrata- ção de mais profissionais femininas, permitindo, em alguns casos, uma melhor qualidade dos serviços nos canteiros de obras. Mesmo que continue ocorrendo resistências, um projeto de lei em andamento, de iniciativa do deputa- do federal Jânio Natal, da Paraíba, de nº 2856/11, poderá pegar de sur- presa alguns empreendedores, pois terão que ter 10% de mulheres no seu quadro de colaboradores. Mui- tas empresas catarinenses já experi- mentam os serviços femininos, mas ainda é muito pouco considerando o tamanho do mercado existente.CONSTRUINDO SANTA CATARINA 27
  28. 28. Volvo Ocean RaceParada obrigatória © 2008 Go Squared Ltd.Itajaí recebe os veleiros da S anta Catarina entra no mapa nacionais como da família Caymmi, dos grandes eventos náuti- Jorge Aragão e Olodum.Volvo Ocean Race e ganha cos do mundo. Pela primeira No Centreventos, espaço onde secom o turismo e com os vez, o estado recebeu uma etapa do costuma realizar a Marejada, foi or-eventos ligados à regata Volvo Ocean Race, um dos maiores ganizada a Expo Náutica, exposição campeonatos internacionais de vela com mais de 60 estandes de produ- oceânica. De 4 a 22 de abril, as seis tos e serviços do segmento náutico, equipes que participam da regata de do mercado imobiliário e de micro e volta ao mundo ancoraram na cidade pequenas empresas da cidade. Su- de Itajaí para descansar e se preparar cesso de público, a feira chegou a para a sexta temporada da competi- movimentar mais de R$ 22 milhões, ção, até Miami nos Estados Unidos. considerando-se as pré-reservas fei- Mais de 200 mil pessoas acompanha- tas a empreendimentos imobiliários ram a chegada dos veleiros e visita- na região. O que fez a organização do ram a Vila da Regata, onde os barcos evento confirmar para 2013 a segun- da competição estiveram expostos. da edição da feira. Para recepcionar as equipes foi A parada de Itajaí também chamou montada uma grande infraestrutura a atenção pelas ações de sustentabi- na cidade. Na Avenida Beira-Rio foi lidade. O comitê organizador da eta- construído um píer e a Vila da Regata, pa brasileira promoveu mutirões de onde o público pode conhecer deta- limpeza que retiraram mais de seis lhes sobre a competição, assistir a fil- toneladas de lixo das praias da região mes em 3D e ainda sentir a experiên- e do rio Itajaí-Açu. No Centreventos, cia de velejar por alguns segundos em foram realizadas ainda palestras so- um simulador. O local também serviu bre desenvolvimento e sustentabili- como palco para uma série de shows dade com velejadores brasileiros re-28 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  29. 29. nomados como Amyr Klink e Vilfredo trou um município hospitaleiro. TudoSchürmann. aconteceu na mais perfeita ordem”, A infraestrutura montada na cida- avalia Jandir Bellini, prefeito de Itajaí.de surpreendeu até mesmo os mais A ideia de trazer a competição parade 60 atletas da competição. “Itajaí a cidade surgiu há dois anos quan-fez uma grande parada. Fiquei pouco do começaram as conversas entre otempo e sinto em ter que ir embora. comitê organizador e a prefeitura. AFoi uma regata de alto nível”, afirma escolha de Itajaí se deu por sua loca-Iker Martinez, comandante do velei- lização geográfica e pela infraestru-ro Telefónica. O único velejador bra- tura portuária oferecida. “Quebramossileiro na Volvo Ocean Race também paradigmas e Itajaí, agora, está aber-aprovou a organização do evento. ta a novos desafios. Saímos da zona“Fomos recebidos com muito carinho de conforto e provamos que podemose como heróis. Itajaí está de parabéns alcançar novos e promissores obje-e essa parada já deixa saudades”, ex- tivos”, considera Amílcar Gazaniga,plica Joca Signorini, velejador do Te- presidente do comitê organizador dalefónica. etapa Itajaí. Além dos atletas, a cidade recebeu A 11ª edição da Volvo Ocean Raceturistas de diversas regiões do mun- teve início em outubro de 2011, emdo entre autoridades, jornalistas e Alicante, na Espanha. A previsão dosgrupo de apoio às equipes. O que fez organizadores é que a competiçãocom que a rede hoteleira da região encerre no verão de 2012 ,quando aschegasse a registrar lotação máxima equipes chegarão em Galway, na Ir-nos dias do evento. O comércio local landa. Além da parada em Itajaí, ostambém foi beneficiado. Segundo a atletas ancoraram na Cidade do CaboAssociação Empresarial de Itajaí, as (África do Sul), Sanya (China), Auck-lojas da cidade chegaram a ter um land (Nova Zelândia), Miami (Estadoscrescimento nas vendas de 20% a Unidos), Lisboa (Portugal) e Lorient30% nesse período. “Mostramos ao (França). A próxima edição da Volvomundo nossa capacidade. Estou mui- Ocean Race está programada para serto orgulhoso porque Itajaí se mos- realizada a partir de outubro de 2014. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 29
  30. 30. Volvo Ocean Race © 2008 Go Squared Ltd.Procave A incorporadora e construtora retor da Procave. Procave de Itajaí foi uma das A Expo Náutica além de ser uma apoiadoras da etapa brasileira vitrine para as construtoras da re-aproveita a da Volvo Ocean Race. A empresa uniu gião foi uma importante oportunida- esforços junto à prefeitura e ao comi- de para fechar negócios. Sucesso deExpo Náutica tê organizador da competição para público, a feira recebeu nos 18 dias trazer para cidade a maior regata de de evento mais de 200 mil pessoas epara exibir novos veleiros do mundo. “Além de projetar Itajaí no cenário internacional, a Vol- segundo a organização, movimentou cerca de R$ 22 milhões em negóciosempreendimentos vo Ocean Race abre as portas para uma nova era de desenvolvimento da fechados e prospectados principal- mente pelo setor da construção ci- economia, do turismo e do esporte no vil. “Tivemos um excelente resultado Estado”, avalia Nivaldo Pinheiro, di- de captação e divulgação de nossos retor da Procave. empreendimentos, temos negócios Além do apoio institucional, a Pro- em andamento que deverão ser fe- cave participou da Expo Náutica mos- chados em breve”, afirma Sérgio trando os principais lançamentos da Branco, gestor de negócios da Pro- construtora como o Brava Home Re- cave. sort, empreendimento de alto padrão O executivo considera que a Volvo que está sendo construído na praia Ocean Race marca um novo momento Brava em Itajaí, e o suntuoso Ibiza To- para a cidade. “A partir dessa regata, wers em Balneário Camboriú. “A Expo Itajaí e Santa Catarina se creden- Náutica foi uma importante oportuni- ciam para receber eventos de grande dade para mostrar aos visitantes, es- porte como a Volvo Ocean Race. Isso pecialmente aos estrangeiros, a qua- aumenta a visibilidade da cidade ao lidade da construção civil em Santa mesmo tempo em que promove o de- Catarina. O que fazemos em Itajaí e senvolvimento econômico, turístico e Balneário Camboriú é referência para social”, afirma o gestor de negócios o setor em todo o Brasil”, afirma o di- da Procave.30 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  31. 31. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 31
  32. 32. Governo | Infraestrutura © 2008 Go Squared Ltd. Uma outra Anita Em maio de 2012, Ponte estaiada sai do papel e para Laguna começa a ser construidaD ifícil encontrar quem ainda não São R$ 25 milhões os recursos previs- anos e meio, enquanto as melhorias nos tenha ficado parado ou enfrentado tos em impostos que serão arrecadados acessos poderão levar até 18 meses para trânsito lento no ponto que está pela Prefeitura Municipal de Laguna, que serem entregues, a partir da emissão dasentre os mais críticos do trecho Sul da devem ser revertidos à população em respectivas ordens de serviço.BR-101, sobre o canal de Laranjeiras, em áreas como educação e saúde. O resultado da concorrência públicaLaguna. Mas o compromisso assumido A ponte estaiada terá quatro pistas e do lote referente à ponte foi homologadopelo Poder Público com a população é de acostamento, com largura de 25 metros. em março de 2011. No lote das obras deque a parada na região passe a ser uma Está prevista também a obra complemen- melhorias nos acessos a empresa ven-escolha do viajante a partir da entrega tar, de melhorias no acesso à travessia cedora foi desclassificada e a segundada nova ponte que será erguida no local, e de construção de viadutos de acesso a concorrente foi homologada no mês deentre os quilômetros 313,1 e 315,9. Não Laguna nos sentidos Sul e Norte. Iniciados julho passado.mais em razão do fluxo comprometido, em 2007, os dois projetos foram licitadosmas para admirar o desenho da ponte que no final do ano passado em lotes distin- Curiosidadesdeve ser um novo marco da engenharia tos. - Terá dois mastros, um no Sul e outro noem Santa Catarina, concorrendo com a Estão em fase de contratação e têm Norte, que sustentarão os cabos de aço.Hercílio Luz, na Capital. custo previsto de R$ 660 milhões, com A parte mais alta da ponte será o mastro O modelo de ponte suspensa em 400 recursos do Programa de Aceleração do Norte, com 50 metros, mais 17 metros dodos seus 2.815 metros de extensão foi Crescimento (PAC) do Governo Federal - pilar até a superfície da água;projetado para permitir a navegação no como as obras já foram licitadas em 2011, - Terá 2,5 mil toneladas de aço estruturalcanal. A pioneira Hercílio Luz, inaugura- e com a assinatura da própria presidente e 65 mil toneladas de concreto, o equi-da em 1926, é menor: tem comprimento Dilma Rousseff, neste mês de maio, após valente ao peso de 63 mil carros popula-de 821,7 metros, com vão pênsil de 339 14 meses de espera, as obras finalmente -res, ou 116 aviões Airbus 380 (o maiormetros. A obra em Laguna, com previsão serão iniciadas. existente);de início até o final desse ano, contempla O novo marco do Estado tem prazo de - Para a construção será necessário oprioritariamente a solução para o tráfego, dois anos e meio para ficar pronto, menos apoio de balsas de grandes dimensões,atualmente em 20 mil veículos por dia, e do que o necessário para erguer a Hercílio equipadas com guindastes para o esta-carrega junto a promessa de contribuir Luz. A obra complementar deve ser execu- queamento, que farão ainda o transportepara o desenvolvimento do turismo e da tada em 420 dias. Os prazos são do DNIT. de materiais;economia local. Os diagnósticos de acompanhamento das - O modelo estaiado é considerado uma Após vários estudos, o Departamento obras na BR-101, realizados pela Fede- concepção moderna de construção deNacional de Infraestrutura Rodoviária ração das Indústrias do Estado de Santa pontes que alia as necessidades técnicas(DNIT) concluiu que o modelo estaiado é o Catarina (FIESC) e pelo Conselho Regional do empreendimento à beleza arquite-mais viável sob os pontos de vista técnico, de Engenharia, Arquitetura e Agronomia tônica, integrando-se esteticamente àambiental, econômico e de integração à (CREA/SC), demonstram que a execução paisagem. O custo será de R$ 63,298paisagem da região. da ponte estaiada pode chegar a três milhões.32 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  33. 33. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 33
  34. 34. Governo | Infraestrutura © 2008 Go Squared Ltd. Maior e melhor Novo aeroporto C M atenderá a umaN Y uma comparação numérica ma de Aceleração do Crescimento população CM simples é possível compreen- (PAC). O der a importância da obra de novo complexo será construído do superior à de MYampliação do Aeroporto Internacio- outro lado da pista do atual aero- Santa Catarina CYnal Hercílio Luz, na Capital.Mesmo porto, que passará a servir apenas CMYoperando com sua capacidade para aviões de carga. Os acessos Kmáxima, a infraestrutura atual pode do terminal serão construídos peloatender, anualmente, um contingen- governo catarinense. Evoluçãote equivalente a apenas um terço O efetivo início da ampliaçãoda população catarinense. Quando ocorre aproximadamente 16 anos As operações comerciais no Her-o novo empreendimento estiver após a expansão ter sido idealizada: cílio Luz foram iniciadas em 1927. Aconcluído, o que está sendo estima- as tratativas entre Empresa Brasi- pista e o pátio eram de grama, quedo para 2015, será possível um fluxo leira de Infra-estrutura Aeroportuá- deu lugar ao concreto entre 1942anual de 6,7 milhões de passageiros, ria (Infraero), Governo do Estado e e 1945. Uma segunda pista e umsuperior à população de nosso Es- Prefeitura Municipal de Florianópo- segundo pátio de estacionamentotado, contada em quase 6,2 milhões lis iniciaram com a construção do de aeronaves foram construídospelo Censo de 2010. túnel que liga o Centro da Capital à em 1978 e, desde então, não houve Com a assinatura, em junho, da Via Expressa Sul. O projeto executi- mais ampliação. O primeiro terminalordem de serviço para a 1ª etapa vo foi licitado em 2009 e sua elabo- de passageiros é do início da déca-das obras, no valor de aproxima- ração custou R$ 4,56 milhões. Após da de 1950 e, também na décadadamente 117 milhões, parte de debates que se estenderam pelos de 1970, foi feita a construção deum total previsto de 436 milhões, últimos quatro anos, a Infraero um segundo terminal. Em 1988,a construção do novo aeroporto considera superados os principais ele foi aumentado de 2,9 mil me-começa a se transformar finalmente entraves ao projeto. Para atender tros quadrados para 6,4 mil metrosem realidade. A terraplenagem, o aos questionamentos do ICMBio e quadrados. Hoje, após outras duaspátio das aeronaves e novas área de do Ministério Público Federal, foram intervenções, a área do terminal detaxiway, que fazem parte da ordem realizadas adequações ao projeto passageiros alcança 9,5 mil metrosde serviço, devem ser iniciadas ime- de ampliação do aeroporto e do quadrados, incluindo um módulodiatamente. Os investimentos da sistema viário no entorno – este sob operacional. A Infraero administra oInfraero terão recursos do Progra- a responsabilidade do Estado. aeroporto desde 1973.34 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  35. 35. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 35
  36. 36. Cidades | Planejamento © 2008 Go Squared Ltd.Blumenau A expectativa é para 700 mil ° Índices construtivos mais res- habitantes ou mais até o ano tritivos para as áreas com risco de de 2050. Mais do que o do- escorregamento a fim de limitar bro da população atual. O projeto construções de grandes portes. 2050 Blumenau 2050, lançado em junho de 2008, desenvolvido pela Prefei- tura juntamente com a comunidade, ° Incentivo ao uso residencial do centro para evitar deslocamentos na cidade, humanizar a região e permi- completa quatro anos em 2012. tir a moradia próxima ao trabalho. O objetivo principal O objetivo principal é estruturar e ° Estabelecimento de limite de é estruturar e estabelecer um plano de diretrizes altura para edificações situadas estabelecer um plano e projetos para o município, visando em zonas mais restritivas com o de diretrizes e projetos o planejamento territorial de cur- objetivo de prevenir o adensamento para o município, to, médio e longo prazos, deixando populacional elevado e os proble- visando o planejamento para os próximos governantes, uma mas ambientais nessas áreas. territorial de curto, agenda planejada que poderá servir ° Inclusão da área total das edifi- médio e longo prazos de documento-base e linha de ação cações no cálculo de coeficiente de a ser seguida. aproveitamento e de taxa de ocu- Desde 2008, boa parte das ini- pação da obra para proporcionar ciativas já saíram do papel. Obras drenagem e permeabilidade do solo de reurbanização da área central, – principalmente nos bairros mais de revitalização de áreas de lazer e adensados – e prevenir a falta de de prática esportiva nos bairros, da ventilação e insolação nas constru- construção de moradias em locais ções. seguros, além da implantação da ° Regiões Norte e Oeste com zo- rede de tratamento de esgoto e do neamentos mais permissíveis para sistema de corredores exclusivos de estimular o crescimento do muni- ônibus. O Plano Diretor da cidade foi cípio em áreas livres de enchentes otimizado, com mudanças impor- e com topografia e base geológica tantes, para melhorar a cidade, adequadas, infraestrutura ociosa e conforme segue: baixíssimo adensamento.36 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  37. 37. Após a tragédia de 2008, Blumenau assistiu a grandes transformações no cenário urbano. Locais antes consi- derados seguros, foram afetados por enchentes e escorregamento de terras. Regiões já conhecidas como críticasLevantamentos geológicos sofreram avalanches de lama. Foram orientam ocupação para mais de 3 mil pontos de deslizamen- tos. Com a implantação, em janeiro de áreas seguras 2009 ,do departamento de Geologia, vinculado à Secretaria Municipal de Planejamento Urbano (Seplan), se deu início a estudos sobre a constituição do solo visando projetar ações para sua solução. Blumenau aderiu à campanha internacional para redução de desas- tres promovida pela ONU. A campanha tem como objetivo incentivar ações locais para tornar as cidades mais se- guras e preparadas no enfrentamento de problemas com catástrofes ambien- tais. Na revista BNU 2050, o município oferece informações completas sobre a evolução de todas as iniciativas em de- senvolvimento, na busca de uma cidade exemplar para nosso Estado. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 37
  38. 38. Poder Público A partir do próximo dia 6 de junho, informações sobre o funcionamento e dos Biguaçu poderá contar com um serviços que serão disponibilizados pela espaço voltado aos empreen- Casa do Empreendedor. dedores do município: a Casa “Os serviços oferecidos pela Casa do © 2008 Go Squared Ltd. do Empreendedor. Trata-se de um local Empreendedor são destinados aos em- adequado para o surgimento, desenvolvi- preendedores que possuem dificuldades ou mento e crescimento de empreendimentos necessidades específicas para viabilizar e de sucesso, inseridos neste projeto da tornar seu empreendimento um sucesso no Prefeitura Municipal, através da Secretaria município de Biguaçu. A Casa do Empreen- de Desenvolvimento Econômico e Inovação dedor é verdadeiramente para todos. Sejam Tecnológica (Sedeitec), em parceria com e bem-vindos”, ressalta João Braz. Sebrae/SC. Infraestrutura- Sala de Reuniões; Audi- Biguaçu Segundo o secretário da Sedeitec, João Braz da Silva, a proposta da Casa do Em- tório para cursos e palestras; Biblioteca e Videoteca; Acesso à internet; Vitrine de Ne- ganha preendedor é muito mais do que um espaço gócios, Escritório de Conveniência; Espaço físico, mas sim um lugar de ideias. “Criamos de Leitura; um local onde os empreendedores, servido- Serviços de Apoio- Endereço e telefone Casa do res públicos, universidades, entidades de de referência; Formalização de Empreende- classe, institutos de pesquisa, instituições dor Individual; Assessoria técnica; Consulta financeiras e a sociedade de uma forma de viabilidade; Fórum de Apoio ao EI eEmpreendedor geral poderão apresentar necessidades e propostas para aperfeiçoamento dos serviços destinados ao desenvolvimento MPEs; Registro de Empresa.  Consultoria e Orientação- Informações legais; Capacitação em gestão empresarial; empresarial de Biguaçu e Região”, explica o Empreendedorismo; Microcrédito; Asso- secretário. ciativismo; Abertura de Contas Bancárias; A Casa do Empreendedor será admi- Procedimento de registro do MPE e MEI; nistrada por um conselho gestor formado Viabilidade e regularização de empresas. por diversos setores da sociedade (órgãos A  Casa do Empreendedor funcionará na públicos e privados). No dia 31 de maio, sede da Sedeitec, localizada na Rua Barão acontece a apresentação da Casa para o de Rio Branco, nº 77 – Centro, Biguaçu. O público interno da Prefeitura (secretários, horário de funcionamento da Casa será das diretores, gerentes, grupo de análise para a 13h às 19h, de segunda-feira à sexta-feira. desburocratização e outros), que receberá38 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  39. 39. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 39
  40. 40. Paisagismo © 2008 Go Squared Ltd.Implantação paisagismo de sobre laje A implantação do paisagismo sobre laje é um grande  desafio arquitetônico noBra- va Home Resort, empreendimento Procave. Coqueiros, palmeiras, espécies de grande porte compõem o imenso jardim do condomínio. Veja as fotos da implan- tação! Espécies de grande porte comopalmeiras e coqueiros já adultos, com  até 10 metros de altura exigem logística e técnicas avançadas de execução. Este é o processo que o ProcaveBlog (www.procaveblog.com.br) compartilha. Acom- panhe o trabalho de implantação do paisagismo do Brava Home Resort. O projeto paisagístico é assinado e acompanhado por Ana Holzer e a execução é obra da Flora Silvia, ambas parceiras da Procave.40 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  41. 41. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 41
  42. 42. 42 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  43. 43. Poder Público .dtL derauqS oG 8002 ©CONSTRUINDO SANTA CATARINA 43
  44. 44. Capa © 2008 Go Squared Ltd. Governo federal libera R$ Compensação à 3 bilhões através do BNDES para guerra fiscal minimizar as perdas com a unificação do ICMS44 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  45. 45. C omo política de incenti- Estado, invertendo as previsões a desindustrialização e nos vos fiscais, o Pró-empre- de redução de recursos confor- transformando em represen- go ainda é um benefício me inicialmente estimado. tantes comerciais de outrosimportante na arrecadação do A balança comercial do países.Estado. Mas, com a nova situa- Estado, que em 2005 tinha um A guerra fiscal está sen-ção da unificação do ICMS, a superávit de R$ 3,4 bilhões, do eliminada, ou reduzidapartir de 2013, Santa Catarina, sofreu uma mudança signifi- a níveis adequados visandosegundo contas do governo es- cativa nos seis últimos anos. uma competição salutar en-tadual, poderá deixar de rece- Em 2011, as importações tre os estados da federação,ber anualmente valores próxi- representaram R$ 5,8 bilhões e caberá a cada governo de-mos a R$ 1 bilhão. Por tratar-se a mais que as exportações, senvolver outros mecanismosde uma posição irreversível, e segundo dados da Federação que possibilitem soluções jácomo compensação para mi- das Indústrias de Santa Ca- conhecidas e/ou inovadoras,nimizar os efeitos de possíveis tarina (FIESC). Através de seu como o recente parque tec-prejuízos ao Estado, o governo presidente, Glauco José Côr- nológico em implantação emfederal disponibilizou, através te, a Fiesc sempre defendeu Itajaí, adaptando a cidadedo BNDES, para projetos em os incentivos para a moder- essencialmente portuária aosimportantes segmentos da nização e desenvolvimento novos tempos. Santa Catarinaadministração catarinense, um do parque fabril do Estado, tem um povo e uma qualidadevalor capaz de possibilitar uma gerando emprego, renda e de vida exemplar e certamentesensível melhora em setores maior competitividade para encontrará a melhor forma deestratégicos para o desenvolvi- a indústria como um todo. superar estes novos desafios.mento econômico. Investimen- Côrte sempre ressaltou que a São R$ 3 bilhões, já à disposi-tos em infraestrutura, saúde facilidade para importação de ção, para contribuir e facilitare educação poderão facilitar a produtos acabados resultaria as soluções para o futuro dopermanência de empresas no num efeito contrário, trazendo Estado. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 45
  46. 46. Capa © 2008 Go Squared Ltd. Governo abre frentes para superar desafiosO governo do Estado vem rea- melhor desempenho de transportes 280, que podem facilitar o escoamen- lizando diversos encontros nos acessos aos portos, otimizando to da produção, deve ter uma atenção com prefeitos, integrantes da os tempos e custos das empresas que redobrada das autoridades para a suabancada federal catarinense, em- operam atualmente com dificuldades. execução no menor prazo possível.presários e especialistas tributários Em terceiro lugar, para superar as Investimentos de pequeno, médio epara buscar soluções e implementar adversidades decorrentes da apro- grande porte, em todo o Estado, estãoiniciativas capazes de minimizar os vação da nova resolução federal, é em análise para contribuir, também,efeitos da unificação do ICMS em 4%, indispensável o alinhamento, empe- na solução em cadeia das outras di-a partir de janeiro de 2013. Três fren- nho e apoio emergencial de todos os versas frentes necessárias à supera-tes simultâneas de trabalho já foram segmentos da sociedade catarinense ção dos problemas.consideradas como as mais impor- na busca de soluções no curto prazo A ampliação do aeroporto de Cha-tantes neste primeiro momento, obje- para superar os desafios desta nova pecó e da malha rodoviária estadualtivando reduzir os impactos negativos realidade. são outros exemplos de medidas quena economia de Santa Catarina. Muitos projetos em desenvolvi- o governo vai procurar gestionar junto A primeira é no campo fiscal e bus- mento - como as três ferrovias: Norte/ aos órgãos competentes, para tentarca através dos cinco municípios por- Sul, Litorânea (entre os portos) e a impedir que os efeitos desastrosos detuários, uma redução dos impostos chamada Ferrovia do Frango, que uma menor arrecadação aconteçamreferentes à atividade. Itajaí saiu na ligará o Oeste ao Litoral - devem ser em Santa Catarina. Uma comissãofrente e reduziu seu imposto de 3% agilizados e poderão evitar a transfe- comandada pela Secretaria da Fa-para 2%. A segunda se refere à rápida rência de indústrias da região Oeste zenda ficará responsável por receber,melhoria das condições de infraes- para outros estados da federação, avaliar e implementar medidas con-trutura; estradas municipais, esta- prejudicando ainda mais a economia venientes à solução do atual e futuroduais e federais que possibilitem um estadual. A duplicação das BRs 470 e quadro econômico do Estado.46 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  47. 47. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 47
  48. 48. 48 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  49. 49. CREA CREA-SC e EBGE lançam .dtL derauqS oG 8002 © Catálogo Empresarial O CREA-SC lançou no dia 11 de maio a 3ª edição do Catálogo Empresarial de Enge- nharia e Agronomia de Santa Catarina, que relaciona gratuitamente as pessoas jurídicas registradas em dia com o Conselho, reunindo cerca de 8500 empresas e mais de 700 fornecedores anunciantes. O catálogo está disponível em versão impressa, CD-ROM e nos sites do Conselho e da editora. Na versão on line é possível selecionar as empresas por modalidade e ou região. As duas primeiras edições tiveram excelente aceitação entre os profissionais e empresas, oferecendo inúmeros benefícios aos par- ticipantes, seja em relação às oportunidades de negócios ou em termos de imagem insti- tucional da empresa. O material é publicado por meio de convênio entre o CREA e a EBGE sem ônus ou bônus algum para o CREA-SC. Acesse a edição em www.crea-sc.org.brCrédito: Adriano Comin CONSTRUINDO SANTA CATARINA 49
  50. 50. Governo | Financiamentos © 2008 Go Squared Ltd.50 CONSTRUINDO SANTA CATARINA
  51. 51. CONSTRUINDO SANTA CATARINA 51

×